Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Comunicação pública

1,903 views

Published on

Published in: Education
  • Be the first to comment

Comunicação pública

  1. 1. Comunicação Organizacional Jornalismo UFOP Marcelo Freire
  2. 2.  Publicado na Alemanha, no início da década de 1960, o livro Mudança Estrutural da Esfera Pública, de Jürgen Habermas, propõe uma análise da esfera pública burguesa, delimitando seu conceito, estrutura e função política, em meio a uma multiplicidade histórica de usos e significados para termos relacionados ao público, à opinião pública e à própria esfera pública.
  3. 3.  O conceito de esfera pública burguesa passou por modificações teóricas, refletindo as mudanças sociais, econômicas e políticas que ao longo dos séculos influenciaram a concepção de espaço público. Entre os séculos XVIII e XIX, o surgimento da esfera pública é marcado, na Europa, pela decomposição dos poderes feudais, da Igreja, realeza e nobreza, que se cindem em elementos privados e públicos, permitindo o surgimento de uma esfera autônoma que se contrapõe ao poder do Estado.
  4. 4.  A esfera pública, assim, era entendida por Habermas, “como espaço de mediação entre Estado e sociedade, que permite a discussão pública em um reconhecimento comum da força da razão e a riqueza da troca de argumentos entre indivíduos, confrontos de ideias e de opiniões esclarecidas” (Mattelart, A.; Mattelart, M., 1999, p. 82).
  5. 5.  A noção deste espaço de discussão e debates, de acordo com Habermas, centra-se na “opinião pública”, compreendendo-se “opinião” como “reputação”, algo que ainda encontra-se no âmbito da consideração, um modo de ver que precisa passar pela aprovação do todo: “Opinion no sentido de uma concepção incerta, que primeiro ainda teria de passar pelo teste da verdade, liga-se a opinion no sentido de um modo de ver da multidão, questionável no cerne” (Habermas, 1984, p. 111
  6. 6.  Pertence à esfera pública, portanto, o sujeito portador de opinião pública (Habermas, 1984, p. 14). Ou seja, a esfera pública em Habermas constitui-se no espaço independente da influência do poder do Estado, em que os atores sociais tornam públicas, ou melhor, publicizam suas opiniões, seus pontos de vista sobre questões de interesse da sociedade, promovendo o debate e deliberações coletivas em prol de um bem comum.
  7. 7.  O desenvolvimento das leis do mercado, sua intrusão na esfera da produção cultural, põem no lugar dessa argumentação, desse princípio de publicidade e dessa comunicação pública (Publizität) formas de comunicação cada vez mais inspiradas em um modelo comercial de “fabricação da opinião”. Habermas vê nisso uma “refeudalização da sociedade”. 
  8. 8.  As novas possibilidades de participação sem custo, através de recursos disponibilizados pela internet, alteram, afirma Benkler (2006), a forma como os próprios atores sociais se veem: de receptores passivos a potenciais contribuidores, “[...] como atores potenciais nas arenas políticas, em vez de quase sempre serem receptores passivos de informação mediada” (Benkler, 2006, p. 220). Com isso, sujeitos que até então não tinham voz, encontram na internet um espaço de manifestação, onde podem expor sua opinião e inseri-la em um debate ampliado. Sujeitos comuns que, através dos recursos da rede, passam a ocupar um lugar na esfera pública deliberativa, com poder de manifestação.
  9. 9.  Mudança do processo de mediação da opinião pública pelos meios de comunicação para mediação tecnológicas dos fluxos de comunicação: ◦ Filtros bolha ◦ Algoritmos ◦ Exclusão digital
  10. 10.  Alguns princípios são fundamentais para nortear a comunicação na administração pública. A instituição pública/governamental deve ser hoje concebida como instituição aberta, que interage com a sociedade, com os meios de comunicação e com o sistema produtivo.  Ela precisa atuar como um órgão que extrapola os muros da burocracia para chegar ao cidadão comum, graças a um trabalho conjunto com os meios de comunicação. É a instituição que ouve a sociedade, que atende às demandas sociais, procurando, por meio da abertura de canais, amenizar os problemas cruciais da população, como saúde, educação, transportes, moradia e exclusão social.
  11. 11.  O poder público tem obrigação de prestar contas à sociedade e ao cidadão, razão de sua existência. É preciso que os governantes tenham um maior compromisso público com a comunicação por eles gerada, diante dos altos investimentos feitos com o dinheiro público.  Para que o Estado cumpra sua missão e promova de fato a construção da verdadeira cidadania, faz-se necessária uma mudança cultural de mentalidade, tanto do serviço público quanto da sociedade, para resgatar a legitimidade do poder público e sua responsabilização (accountability), por meio de um controle social permanente. E a comunicação exerce um papel preponderante em todo esse contexto.
  12. 12.  Para Heloiza Matos (2011, p.45), “a comunicação pública deve ser pensada como um processo político de interação no qual prevalecem a expressão, a interpretação e o diálogo”. Destaca a autora que tal compreensão “como dinâmica voltada para as trocas comunicativas entre instituições e a sociedade é relativamente recente”.
  13. 13.  Conforme McQuail, “na maioria dos casos, ‘comunicação pública’ se refere à complexa rede de transações informais, expressivas e solidárias que ocorrem na ‘esfera pública’ ou no espaço público de qualquer sociedade [...]” (2012, p.17, grifos nossos).  Para McQuail (2012, p.17), a esfera pública pode ser entendida, em sentido mais moderno, como, principalmente, o tempo e o espaço dedicados por canais e redes de comunicação de massa a assuntos de interesse geral.
  14. 14.  [...] a “comunicação pública”, segundo Marjorie Ferguson, compreende “aqueles processos de troca de informações e cultura entre instituições, produtos e públicos de mídia que são compartilhados socialmente, que são amplamente disponíveis e que são comuns por natureza” (Ferguson, 1990, p.ix apud Mcquail, 2012, p.17-18). Na perspectiva de Ferguson, a “comunicação pública” é traduzida como tudo aquilo que aparece, ou seja, que é divulgado, visível ou disponível.
  15. 15.  Os estudos recentes de comunicação pública têm embasado as principais diferenças entre comunicação pública, governamental e política. A propósito Jorge Duarte (2011, p.126), ao situá-la em um contexto mais amplo, deixa claras essas delimitações. “Comunicação governamental trata dos fluxos de informação e padrões de relacionamento envolvendo o executivo e a sociedade”. Quanto à comunicação política, essa “diz respeito ao discurso e à ação na conquista da opinião pública em relação a ideias ou atividades que tenham relação como poder”. Já “a comunicação pública se refere à interação e ao fluxo de informação vinculados a temas de interesse coletivo”.
  16. 16.  Para Zémor (1995[2005], p.5), as finalidades da comunicação pública não podem ser dissociadas daquelas inerentes às instituições públicas, cujas funções são: a) informar; b) escutar; c) contribuir para assegurar a relação social e; d) acompanhar as mudanças de comportamento e das organizações sociais.
  17. 17.  Para Duarte, a atuação em comunicação pública exige:  a) privilegiar o interesse público em relação ao privado ou corporativo;  b) centralizar o processo no cidadão;  c) tratar a comunicação como um processo dialógico;  d) adaptar instrumentos às necessidades, possibilidades e interesses públicos;  e) assumir complexidade da comunicação, tratando-a como um todo (2009, p.59).
  18. 18.  [...] para Zémor, o Estado é o ator central da comunicação pública. Para ele, é um erro usar a “metáfora da empresa privada” no serviço público, tratando o cidadão como um cliente. O suposto “cliente-cidadão”, segundo ele, é no mínimo comparável a um acionista que contribui para a manutenção daquela estrutura. E, além disso, acumula a função de eleitor, com poder de decidir quem será o seu futuro “fornecedor”. O desafio da comunicação pública, portanto, é acionar o receptor, ou seja, o lado do “cidadão- receptor”.
  19. 19.  Para López (2010a, p.4-5), a comunicação pública abarca cinco dimensões:  1) Política: relacionada à construção de bens públicos e propostas políticas. Conhecida como “comunicação política”, também se inscreve claramente no marco mais amplo da comunicação pública;  2) Mediática: ocorre nos cenários dos meios de comunicação, seja no desencadeamento de processos culturais por meio do entretenimento, como também, e principalmente, quando é orientada para a gestão da informação e a criação de agenda pública.  3) Estatal: tem a ver com as interações comunicativas entre o governo e a sociedade. É a dimensão que tende a predominar no imaginário coletivo quando se fala de comunicação pública.  4) Organizacional: uma organização, ainda que privada, é um cenário onde mensagens e interesses de grupos buscam predominar e impor seus sentidos. Possui uma “esfera pública” de caráter corporativo que compreende códigos de comportamento, práticas, instâncias e benefícios de interesse coletivo.  5) Da vida social: são interações comunicativas espontâneas ou não, de movimentos e organizações sociais, nos quais interagem grupos ou coletividades e lançam-se propostas de interesse público e coletivo.
  20. 20. Jaramillo López (2010)
  21. 21.  Os níveis de comunicação são:  a) informação: compreende a capacidade de informar e a necessidade de ser informado, tendo por instrumento básico a notícia;  b) consulta: corresponde à ideia de consultar e de ser consultado por meio de entrevistas, pesquisas, grupos específicos, mesas de consulta e sondagens de opinião;  c) deliberação: consiste na capacidade de deliberar e na disposição em reconhecer os argumentos do outro em ambientes como foros, painéis locais de debate público e discussões em grupo;  d) consenso: fundamenta-se na disposição de apresentar e negociar os próprios interesses em mesas de negociação ou debate, e;  e) corresponsabilidade, que é a capacidade de assumir compromissos de forma corresponsável, mediante uma gestão compartilhada (López et al., 2004, p.44).
  22. 22.  A prática eficaz da comunicação pública nos três segmentos – Estado, mercado e sociedade civil organizada – dependerá, imprescindivelmente, de um trabalho integrado das diversas áreas da comunicação, como relações públicas, comunicação organizacional, jornalismo, publicidade e propaganda, editoração multimídia, comunicação audiovisual, comunicação digital etc.

×