A UA U L A     L A41 41              Triângulos especiais Introdução                                    N   esta aula, est...
l   Um triângulo retângulo possui um ângulo reto e dois ângulos agudos e           A U L A    complementares. Os lados de ...
A U L A      Assim, para qualquer quadrado de lado l , calculamos facilmente o compri-          mento da diagonal multipli...
catetooposto        l            1       2            A U L A               sen 45º =                  =             =    ...
A U L A       Usando o Teorema de Pitágoras podemos calcular a medida da altura h em          função do lado l:41         ...
Razões trigonométricas dos ângulos de 30º e 60º                                            º     º                        ...
A U L A      No exercício 5, da Aula 40, você verificou que, se dois ângulos são comple-          mentares, o seno de um é...
Primeiro, vejamos o que se pode concluir sobre a largura x do corte. O          A U L Atriângulo cortado é isósceles (dois...
A U L A       Uma aplicação em gráficos41            Observe os gráficos da figura. Nesse gráfico estão representadas as t...
Exercício 1                                                                          Exercícios                           ...
A UA U L A     L A42 42              A lei dos co-senos Introdução                                   U   tilizando as razõ...
6         6     6                                              A U L A    sen 50º =     Þ a=       =      @ 7, 83         ...
A U L A       Observamos que, para o cálculo do seno e do co-seno de um ângulo,          dividimos um dos catetos pela hip...
A variação do seno e do co-seno                                             A U L A    Na figura a seguir, temos uma circu...
A U L A       Para obtermos um ângulo a obtuso (maior que 90º), desenhamos um          triângulo retângulo (semelhante aos...
Chamando de x a medida de BH, a base BC do triângulo ABC fica dividida                          A U L Aem dois segmentos d...
A U L A       Resumindo:  42            Num triângulo acutângulo, valem as relações:                                      ...
A fim de facilitar a visualização, vamos girar o triângulo obtusângulo,   A U L Acolocando o lado AC como base:           ...
A U L A       EXEMPLO 142              Uma pessoa viajou de A para C passando por B. De A até B, percorreu          25 km ...
b) Se o ângulo for agudo igual a 60º:                                         A U L A                                     ...
A UA U L A     L A43 43              A lei dos senos Introdução                                      N a Aula 42 vimos que...
Percebemos, então, que é preciso saber a medida de um dos lados do              A U L Atriângulo e da altura relativa a es...
A U L A      EXEMPLO 143           Calcule a área total da figura:             Solução:             A área do triângulo AB...
Obtendo a lei dos senos                                                           A U L A                                 ...
A U L A      c)                         O hexágono está inscrito no círculo ou o círculo                                  ...
EXEMPLO 2                                                                            A U L A   Calcular os outros dois lad...
Exercícios  A U L A    Exercício 1                a) Calcule o raio do círculo circunscrito num triângulo equilátero de la...
4*Exercício 4                                                                         A U L A   O terreno correspondente à...
A UA U L A     L A44 44              Distâncias inacessíveis Introdução                                         N         ...
Para que você possa entender bem os métodos que utilizaremos nos exem-         Nossa aula                                 ...
A U L A       EXEMPLO 244             Neste exemplo determinaremos a altura de um morro em relação a uma          região p...
EXEMPLO 3                                                                     A U L A    Em uma região há um rio com curso...
A U L A       EXEMPLO 444            Um dos cálculos que, no passado, mais fascinaram os matemáticos era o da          med...
Então,      (h + R) sen a = R                                                    A U L A                h sen a + R sen a ...
A U L A   Exercício 3             Entre os pontos A e B, situados em uma fazenda, existe um morro. O44           teodolito...
A UU AL                                                                                       A L          A              ...
A U L A       Veja, agora, que os triângulos ACB e ADP são semelhantes, portanto45             AD DP                 =    ...
EXEMPLO 2                                                                        A U L A   Certo município é um grande pro...
A U L A       EXEMPLO 345            Nivaldo está sempre inventando coisas. Um dia, ele resolveu inventar uma          nov...
A distância de um ponto a uma reta                                              A U L A    A distância de um ponto a uma r...
A U L A       O desenho fica assim:45              No triângulo retângulo PAB da figura acima, conhecemos os comprimentos ...
Exercício 1                                                                       Exercícios                              ...
A UA U L A     L A47 47              A equação da              circunferência Introdução                                  ...
Vemos que AC = x2 - x1 e que CB = y2 - y1. Pelo Teorema de Pitágoras temos:         A U L A       2      2    AB = AC + CB...
A U L A       A seguir, observe os exemplos em que construimos as equações de diversas          circunferências a partir d...
Encontrando dois pontos para y , temos que os pontos A = (5, 5) e B = (5, - 3)   A U L Apertencem à circunferência dada. O...
A U L A       Imagine agora que os pontos A e B pertencem a uma circunferência de centro          P. O que podemos conclui...
A U L A                                                                                  47    Vamos resolver o problema. ...
A U L A        Nessa equação substituiremos a abcissa x pelos valores 1, 2, 3, 4 etc.,             calculando para cada um...
Exercício 2.                                                                        A U L A   Determine o centro e o raio ...
A UA U L A     L A48 48              O princípio              multiplicativo Introdução                                   ...
O princípio multiplicativo, ilustrado nesse exemplo, também pode ser                    A U L Aenunciado da seguinte forma...
A U L A        A representação gráfica em árvore de possibilidades é muito ilustrativa.          Nela podemos ver claramen...
EXEMPLO 5                                                                         A U L A     De acordo com o exemplo ante...
A U L A        EXEMPLO 6  48             As placas de automóveis eram todas formadas por 2 letras (inclusive K, Y e       ...
Exercício 6.                                                                        A U L A    De quantas maneiras você po...
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3

40,045 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
7 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
40,045
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
17
Actions
Shares
0
Downloads
251
Comments
0
Likes
7
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Telecurso 2000 -_matematica_-_ensino_medio_-_volume_3

  1. 1. A UA U L A L A41 41 Triângulos especiais Introdução N esta aula, estudaremos o caso de dois triân- gulos muito especiais - o equilátero e o retângulo - seus lados, seus ângulos e suas razões trigonométricas. Antes, vamos relembrar alguns pontos importantes. l A soma dos ângulos de um triângulo qualquer é sempre 180º l O triângulo equilátero possui todos os lados e iguais. Por isso, cada um de seus ângulos mede 60º. l O triângulo isósceles possui dois lados iguais e dois ângulos iguais.
  2. 2. l Um triângulo retângulo possui um ângulo reto e dois ângulos agudos e A U L A complementares. Os lados de um triângulo retângulo chamam-se catetos e hipotenusa . Os catetos são sempre perpendiculares e formam um ângulo reto. 41l Na aula anterior, nós estudamos as razões trigonométricas dos triângulos retângulos, que são: catetooposto sen a = hipotenusa catetoadjacente cos a = hipotenusa catetooposto tg a = catetoadjacente Nesta aula, esses conceitos serão aplicados em casos especiais de triângulosque aparecem com freqüência em nosso dia-a-dia. A diagonal do quadrado Nossa aula Uma figura geométrica muito simples e bastante utilizada é o quadrado.Traçando um segmento de reta unindo dois vértices não-consecutivos do quadrado- uma diagonal - dividimos o quadrado em dois triângulos retângulos isósceles. Em qualquer um desses triângulos, dois lados são iguais aos lados doquadrado, a hipotenusa é igual à diagonal do quadrado, e os dois ângulos agudossão iguais a 45º. Sabendo que os dois catetos medem l podemos calcular ocomprimento d da hipotenusa usando o Teorema de Pitágoras: d =l +l 2 2 2 d = 2l 2 2 d= 2l 2 Þ d= l 2
  3. 3. A U L A Assim, para qualquer quadrado de lado l , calculamos facilmente o compri- mento da diagonal multiplicando l por 2 .41 EXEMPLO 1 Num quadrado de 4 cm de lado qual a medida da diagonal d ? Solução d = l 2 = 4 2cm Este raciocínio pode ser aplicado sempre que encontrarmos um triângulo retângulo isósceles. EXEMPLO 2 No triângulo da ilustração, quanto mede a hipotenusa? Solução: x=1 2 = 2 Razões trigonométricas do ângulo de 45º Veremos agora como determinar, a partir do triângulo, as razões trigonométricas de um ângulo de 45º. Num triângulo retângulo, se um dos ângulos mede 45º, o outro ângulo agudo também mede 45º, pois são ângulos complementares. Podemos então concluir que temos um triângulo retângulo isósceles . Observe que para qualquer um dos ângulos de 45º que escolhermos, o cateto oposto é igual ao cateto adjacente. Usando as fórmulas que revimos na introdução, vamos obter os valores abaixo. Acompanhe:
  4. 4. catetooposto l 1 2 A U L A sen 45º = = = = 41 hipotenusa l 2 2 2 cateto adjacente l 1 2 cos 45º = = = = hipotenusa l 2 2 2 catetooposto l tg 45º = = =1 cateto adjaccente l Na tabela trigonométrica os valores de sen, cos e tg de 45º são: sen 45º = 0,70711 cos 45º = 0,70711 tg 45º = 1,00000 Considerando 2 = 1,41421, nas fórmulas, você confirmará estes valores. 1Observe que racionalizamos os denominadores das frações 2 , ou seja, multipli-camos o denominador e o numerador da fração por 2 e encontramos 2 . 2Fazemos isso por ser muito mais simples dividir 1,41421 por 2 do que dividir 1por 1,41421; mas nos dois casos o resultado seria 0,70711. A altura de um triângulo equilátero Em qualquer triângulo podemos sempre traçar três alturas. Num triânguloequilátero, já que os três lados são iguais, bem como os três ângulos (cada ummede 60º), as três alturas terão a mesma medida. No triângulo equilátero dailustração do meio, traçamos uma delas (relativa à base): O bserve que, num triângulo equilátero qualquer, a altura é tambémmediana (divide o lado oposto em duas partes iguais) e bissetriz (divide oângulo do vértice em dois ângulos iguais), conforme se vê nas figuras. Observe também que a altura divide o triângulo equilátero em dois triân-gulos retângulos com as mesmas medidas de ângulos e lados.
  5. 5. A U L A Usando o Teorema de Pitágoras podemos calcular a medida da altura h em função do lado l:41 ΦΙ2 l h2 + Γ ϑ = l 2 ΗΚ 2 l2 h2 = l 2 - 4 4l 2 - l 2 3l 2 h2 = = 4 4 l 3 h= 2 Assim, conhecendo a medida do lado de um triângulo equilátero, você pode calcular sua altura pela fórmula que acabamos de encontrar. No entanto você pode sempre refazer nosso raciocínio, aplicando o Teorema de Pitágoras, tal como acabamos de fazer; é sempre uma ótima solução. Observação importante Se o triângulo não for equilátero, mas sim retângulo, com ângulos agudos medindo 30º e 60º, um dos catetos será sempre a metade da hipotenusa, e o outro é a altura de um triângulo equilátero, cujo lado será igual à hipotenusa (faça uma figura para verificar isso!). EXEMPLO 3 Calcule a altura de um triângulo equilátero de lado 6 cm. Solução: l 3 6 3 h= = =3 3 2 2 EXEMPLO 4 Num triângulo retângulo, um dos ângulos agudos mede 60º e a hipotenusa mede 10 cm. Calcule a medida do cateto adjacente ao ângulo dado. Solução: O triângulo descrito no problema pode ser represen- tado como na figura. Pelas relações que acabamos de observar, o cateto adjacente ao ângulo de 60º é igual à metade da hipotenusa, e a resposta será x = 5 cm.
  6. 6. Razões trigonométricas dos ângulos de 30º e 60º º º A U L A Podemos agora utilizar as razões trigonométricas para expressar as relaçõesentre ângulos e lados de um triângulo retângulo com ângulos agudos de 30º e 60º. 41 Já vimos que, num triângulo desse tipo (veja a figura), se a hipotenusa mede ll, os catetos medem 2 e l 3 . 2 Considerando primeiramente o ângulo de 30º, teremos: catetooposto 2 l 1 1 l sen 30º = = = · = hipotenusa l 2 l 2 catetoadjacente l 23 l 3 3 cos 30º = = = = hipotenusa l 2 2 cateto oposto l 1 2 1 3 tg 30º = = 23 = · = = cateto adjacente l 2 2 l 3 3 3 Procedendo da mesma forma para o ângulo de 60º , encontramos: catetooposto l 23 l 3 1 3 sen 60º = = = · = hipotenusa 1 2 l 2 catetoadjacente 2 l 1 1 l cos 60º = = = · = hipotenusa l 2 l 2 catetooposto l 3 l 3 2 tg 60º = = 2 = × = 3 cateto adjaccente l 2 l 2
  7. 7. A U L A No exercício 5, da Aula 40, você verificou que, se dois ângulos são comple- mentares, o seno de um é igual ao co-seno do outro.41 Nesta aula, confirmamos esse fato, mais uma vez, para os ângulos de 30º e 60º. sen 30º = cos 60º = 1 2 3 sen 60º = cos 30º = 2 Usando a tabela trigonométrica, você encontra: ÂNGULO SENO CO- SENO TANGENTE 30º 0,50000 0,86603 0,57735 60º 0,86603 0,50000 1,73205 Considerando então 3 » 1,73205, você pode confirmar os valores. Resumindo: ÂNGULO SENO CO- SENO TANGENTE 1 3 3 30º 2 2 3 2 2 45º 1 2 2 3 1 60º 3 2 2 Um exemplo na indústria Um bloco de aço deve receber uma fenda como se vê no projeto (vista frontal). Observe que as medidas podem ser suficientes para descrever a peça, mas não são as medidas necessárias para quem fará o corte. Essa pessoa precisará mesmo é da largura do corte e sua profundidade. Só assim poderá marcar na peça os pontos de corte.
  8. 8. Primeiro, vejamos o que se pode concluir sobre a largura x do corte. O A U L Atriângulo cortado é isósceles (dois lados medindo 20), contém um ângulo de 60º(fig. 1). Como os outros dois ângulos devem ser iguais (porque o triângulo éisósceles) então cada um vai medir: 41 180º - 60º = 60º 2 Assim, descobrimos que, na verdade, trata-se de um triângulo equilátero, e a lar- gura só pode ser 20: largura = 20 Agora corte esse triângulo equilátero em dois triângulos retângulos paradescobrir a medida da profundidade y do corte. Você pode observar na figuraacima que essa medida é igual à altura do triângulo equilátero. Como já sabemosque essa altura é l 23 , basta substituir o valor de l, que é 20, e obter: 20 3 Profundidade = = 10 3 @ 17, 32 2 Outro exemplo prático Uma pessoa com problemas no joelho foi ao ortopedista. O médico recomen-dou fisioterapia diária, que consistia em sentar-se numa cadeira alta e elevar aperna até o ângulo de 60º com um peso no pé. Como a pessoa não podia ir diariamente ao fisioterapeuta decidiu fazer oexercício em casa. Sua dúvida é: como marcar a elevação de 60º? Vamos desenhar um triângulo retângulo com ângulos agudos de 30º e 60º,de modo que a hipotenusa do triângulos seja do tamanho da perna da pessoa. Sabemos que a altura x é a metade do comprimento da perna porque: cateto adjacente x 1 cos 60º = = = hipotenusa perna 2 1 x 1 Como cos60º = , temos = . Logo, x é metade da perna. 2 perna 2 Veja como fica fácil marcar a altura que a perna deve ser elevada, basta medira perna (abaixo do joelho), dividir por dois e marcar essa altura na parede, porexemplo.
  9. 9. A U L A Uma aplicação em gráficos41 Observe os gráficos da figura. Nesse gráfico estão representadas as três retas que ilustram o desempenho de três empresas num certo setor pesquisado. Podemos comparar esses desempenhos apenas visualmente ou com maior precisão, dependendo dos objetivos da análise. É fácil concluir que o melhor desempenho foi o da empresa A, e o pior, o da empresa C: basta uma comparação visual dos gráficos. No entanto, poderemos fazer um estudo mais preciso das diferenças de crescimento, se descobrirmos os ângulos que cada uma dessas retas faz com o eixo horizontal. Usando os conhecimentos desta aula e observando que o gráfico da empresa B passa sempre pela diagonal dos quadradinhos, podemos dizer que temos um ângulo de 45º. Com o auxílio de uma régua também podemos descobrir os ângulos forma- dos pelas outras duas retas. Confirme no gráfico original as medidas obtidas nas figuras. Como vê, um dos catetos é a metade da hipotenusa e podemos marcar, então, os ângulos. No primeiro caso (da empresa A), o ângulo formado com o eixo horizontal é de 60º, 1 já que cos 60º = 2 . No segundo caso (da empresa C), o ângulo formado com o ei- 1 xo horizontal é de 30º, pois sen 30º = 2 .
  10. 10. Exercício 1 Exercícios A U L A 41 Nos projetos ilustrados, quanto medem o ângulo a e a altura h ? Exercício 2 Num hexágono regular (lados e ângulos iguais), o segmento a da figura chama-se apótema e o segmento r é o raio da circun- ferência circunscrita. Sabendo-se que um hexágono regular é formado por 6 triângu- los equiláteros, obtenha a e r em função do lado l do hexágono.Exercício 3 sen x No exercício 6 da aula 40 verificamos que tg x = . Obtenha tg 30º, tg 45º e tg 60º, usando essa relação. cos xExercício 4 Determine a medida do lado de um quadrado cuja diagonal é: a) 4 2 b) 2 cm Exercício 5 Uma parede foi azulejada, como mostra a figura. Calcule a altura aproximada da pare- de, sabendo que cada azulejo é um quadrado de 15 cm de lado e que, na vertical, cabem 13 azulejos inteiros, enfileirados.
  11. 11. A UA U L A L A42 42 A lei dos co-senos Introdução U tilizando as razões trigonométricas nos tri- ângulos retângulos, podemos resolver vários problemas envolvendo ângulos e lados. Esse tipo de problema é conhecido como resolução de triângulos. Conhe- cendo dois elementos de um triângulo retângulo, quase sempre podemos determinar os outros elementos, como veremos nos exemplos a seguir: Conhecendo dois lados, e usando o Teorema de Pitágoras, determinamos a medida do terceiro lado: b2 = 82 - 42 b = 64 - 16 = 48 b = 4 3 @ 6,92 Usando as razões trigonométricas e consultando a tabela trigonométrica, determinamos os ângulos agudos. ∃ 4 1 ∃ cos B = = Þ B = 60º 8 2 ∃ ∃ ∃ C = 90º - B Þ C = 30º Se conhecermos um lado e um ângulo, poderemos determinar os outros dois lados:
  12. 12. 6 6 6 A U L A sen 50º = Þ a= = @ 7, 83 42 a sen50º 0,766 6 6 6 tg 50º = Þ c= = @ 5, 03 c tg50º 1,192 Sabendo que os ângulos agudos são complementares, determinamos o outro ∃ ∃ ∃ângulo: C = 90º - B Þ C = 40º Conhecendo os dois ângulos agudos, podemos construir vários triângulossemelhantes (com os mesmos ângulos). Portanto, essa é a única situaçãoindeterminada na resolução de triângulos retângulos. A hipotenusa unitária Vimos nas aulas anteriores que as razões trigonométricas de um ânguloagudo não dependem do triângulo retângulo escolhido. Na figura abaixo temos: b1 b2 b3 catetooposto sen a = = = = a1 a2 a3 hipotenusa c1 c 2 c3 cateto adjacente cos a = = = = a1 a2 a3 hipotenusa
  13. 13. A U L A Observamos que, para o cálculo do seno e do co-seno de um ângulo, dividimos um dos catetos pela hipotenusa do triângulo retângulo correspon-42 dente. Já que podemos obter esse valor com qualquer um dos triângulos semelhantes, é muito prático trabalharmos com um triângulo retângulo cuja hipotenusa seja igual a 1. b sen a = =b 1 c cos a = =c 1 Apenas nesse caso, em que a hipotenusa do triângulo retângulo é igual a 1, podemos obter a medida dos catetos conhecendo seus ângulos agudos. Observação Para uma hipotenusa qualquer teríamos: Veja, nos triângulos retângulos abaixo, a medida dos catetos: a) b) 2 1 x = sen 45º = 2 x = sen 30º = 2 2 3 y = cos 45º = 2 y = cos 30º = 2 @ 0, 866
  14. 14. A variação do seno e do co-seno A U L A Na figura a seguir, temos uma circunferência cujo raio é igual a 1 dm (umdecímetro). Para vários ângulos diferentes, podemos obter os valores do seno e 42do co-seno (em decímetros) apenas medindo os catetos dos triângulos formados. BP = sen AÔP OB = cos AÔP CQ = sen AÔQ OC = cos AÔQ DR = sen AÔR OD = cos AÔR e assim por diante... A partir dessa figura, podemos concluir que:I) Quanto maior o ângulo, maior a medida do cateto oposto (ou seja, maior o valor do seno).II) Quanto maior o ângulo, menor a medida do cateto adjacente (ou seja, menor o valor do co-seno). Senos e co-senos de ângulos obtusos
  15. 15. A U L A Para obtermos um ângulo a obtuso (maior que 90º), desenhamos um triângulo retângulo (semelhante aos que desenhamos para os ângulos agudos do42 item anterior) e, como estamos considerando a hipotenusa igual a um (1 dm), definimos que: sen a = HM e cos a = OH Note que o seno do ângulo obtuso a é igual ao seno do ângulo agudo 180º - a e que o co-seno do ângulo a é do mesmo comprimento que o co-seno de 180º - a. Entretanto, como está do “outro lado” em relação ao centro do círculo, terá sinal negativo. Resumindo: sen a = sen (180º - a) cos a = - cos (180º - a) Veja alguns exemplos: a) 30º + 150º = 180º 1 sen 150º = sen 30º = 2 cos 150º = - cos 30º = - 2 3 b) 80º + 100º = 180º sen 100º = sen 80º = 0,98481 cos 100º = - cos 80º = - 0,17365 c) 45º + 135º = 180º 2 sen 135º = sen 45º = 2 cos 135º = - cos 45º = - 2 2 Veja agora a relação entre lados e ângulos de um triângulo não-retângulo (acutângulo ou obtusângulo). O triângulo acutângulo No triângulo acutângulo ABC (que tem três ângulos agudos), traçamos uma de suas alturas e obtemos dois triângulos retângulos: o triângulo ABH e o triângulo ACH.
  16. 16. Chamando de x a medida de BH, a base BC do triângulo ABC fica dividida A U L Aem dois segmentos de medidas x e a - x x. Usando o Teorema de Pitágoras em cada um dos triângulos retângulos, temos: 42 1º triângulo: b = h + (a - x) 2 2 2 2 2 2 2º triângulo: c = h + x Subtraindo essas duas equações: b - c = (a -x) - x 2 2 2 2 b - c = a - 2ax + / - / 2 2 2 2 2 x x b - c = a - 2ax 2 2 2 ∃ ∃ Sabendo que: cosB = x Þ x = c · cosB , efetuamos a substituição: 6 2 2 2 ∃ b - c = a - 2ac cos B Logo, 2 2 ∃ b = a + c - 2ac cos B 2 Da mesma forma, podemos achar c , conhecendo a medida dos doisoutros lados e seu ângulo oposto. Para isso, fazemos HC medindo x e BHmedindo a - xx. c = h + (a - x) 2 2 2 - b2 = h2 + x2 . c - b = (a - x) - x 2 2 2 2 c2 - b2 = a2 - 2ax ∃ Como x agora é igual a bcos C , temos: 2 2 ∃ c = a + b - 2ab cos C 2 Para obter uma expressão para o cálculo de a , podemos traçar outra alturah do triângulo ABC, relativa ao lado AC. a2 = h2 + (b - x)2 -c =h +x 2 2 2 . a2 - c2 = (b - x)2 - x2 a - c = b - 2bx 2 2 2 e x = c · cos  a = b + c - 2bc cos  2 2 2
  17. 17. A U L A Resumindo: 42 Num triângulo acutângulo, valem as relações: a = b + c - 2bc cos  2 2 2 2 2 2 ∃ b = a + c - 2ac cos B 2 2 2 ∃ c = a + b - 2ab cos C Para você Ao transformar um triângulo retângulo num triângulo acutângulo, o ângulosaber mais reto diminui e, conseqüentemente, o lado oposto também diminui. Observe as figuras: Triângulo retângulo Triângulo acutângulo 2 2 2 2 2 2 a =b +c a <b +c a = b + c - 2bc cos  2 2 2 O triângulo obtusângulo Veja o que ocorre quando um triângulo retângulo se transforma num triângulo obtusângulo: 2 2 2 2 2 2 a =b +c a >b +c Procedendo como no caso do triângulo acutângulo, descobrirmos de quanto a soma b 2 + c2 precisa ser acrescida para se igualar a a 2.
  18. 18. A fim de facilitar a visualização, vamos girar o triângulo obtusângulo, A U L Acolocando o lado AC como base: 42 Traçando a altura relativa ao lado AC, formamos um novo segmento AH,que mede x e dois triângulos retângulos: triângulo BHA e triângulo BHC. Usando o Teorema de Pitágoras nos triângulos BHA e BHC e subtraindo asequações obtidas, temos: a2 = h2 + (b +x)2 - c =h +x 2 2 2 . 2 a - c = (b + x) - x 2 2 2 a - c = b + 2bx ® 2 2 2 2 2 2 a = b + c + 2bx No triângulo retângulo triângulo BHA, temos cos (180º - Â) = x c logo x = cos (180º - Â) cos (180º - Â) = - cos  x = - c cos  Substituindo x na equação: a2 = b2 + c2 + 2b (- c · cos Â) ou a2 = b2 + c2 - 2bc cos  Assim, concluímos que as expressões obtidas para triângulos acutângulossão válidas para triângulos obtusângulos.
  19. 19. A U L A EXEMPLO 142 Uma pessoa viajou de A para C passando por B. De A até B, percorreu 25 km e de B até C, 42 km. Os percursos AB e BC formam entre si um ângulo de 150º. Se fosse possível ir em linha reta de A para C, qual seria a economia de quilometragem? Solução: x = 25 + 42 - 2 · 25 · 42 · cos 150º 2 2 2 x = 625 + 1764 - 2 · 1050 (- cos 30º) 2 2 x = 2389 + 2100 · 0,866 2 x = 2389 + 1818,6 2 x = 4207,6 x @ 65 km Indo de A para C, passando por B, gasta-se 25 + 42 = 67 km; e de A para C em linha reta, aproximadamente, 65 km. Desse modo, a economia de quilome- tragem seria de 2 km. EXEMPLO 2 Se o ângulo entre as direções AB e BC fosse menor, o caminho direto seria mais vantajoso? Solução: Vejamos, como exemplo, duas situações: a) Se o ângulo for reto: x2 = 252 + 422 2 x = 625 + 1764 2 x = 2389 x @ 49 km 67 km - 49 km = 18 km Seriam economizados 18 km.
  20. 20. b) Se o ângulo for agudo igual a 60º: A U L A x = 25 + 42 - 2 · 25 · 42 · cos 60º 42 2 2 2 x = 625 + 1764 - 2 · 100 · 2 1 2 2 x = 1239 x @ 35 km 67 km - 35 km = 32 km Seriam economizados 32 km. Quanto menor o ângulo entre AB e BC, melhor seria ir direto de A para C,pois essas cidades seriam mais próximas e a diferença entre os dois percursosaumentaria.Exercício 1 Exercícios Dados os seguintes elementos de um triângulo ABC: Â = 30º, AB = 8 m, CB = 5 m. Calcule AC.Exercício 2 Os lados de um triângulo medem 5 cm, 7 cm e 10 cm. a) Classifique esse triângulo quanto aos ângulos. b) Obtenha o valor aproximado do maior ângulo do triângulo.Exercício 3 Determine: a) sen 120º b) cos 120º c) sen 95º d) cos 95ºExercício 4 Nos triângulos retângulos abaixo, determine as medidas dos catetos. a) b)Exercício 5 Complete com = , > ou <. a) sen 30º .......... sen 45º b) cos 30º .......... cos 45º c) sen 70º .......... sen 110º d) cos 70º .......... cos 110º e) sen 70º .......... cos 20º f) cos 30º .......... sen 60º g) cos 120º .......... cos 150º h) sen 130º .......... sen 100º
  21. 21. A UA U L A L A43 43 A lei dos senos Introdução N a Aula 42 vimos que a Lei dos co-senos é uma importante ferramenta matemática para o cálculo de medidas de lados e ângulos de triângulos quaisquer, isto é, de triângulos de "forma" arbitrária. a = b + c - 2bc · cos  2 2 2 2 2 2 Note que se  = 90º, então cos  = 0 e a = b + c , confirmando o Teorema de Pitágoras. Para utilizar a lei dos co-senos no cálculo da medida de um dos lados de um triângulo, precisamos conhecer as medidas dos outros dois lados e a medida do ângulo oposto ao lado desconhecido. Nem sempre temos esses dados. O que podemos fazer quando conhecermos, por exemplo, um lado e dois ângulos? A solução para problemas desse tipo é o assunto desta aula. Nossa aula Calculando a área de um triângulo qualquer Sabemos que a área de um triângulo pode ser obtida pela fórmula: base· altura ou, simplesmente, b· h S= S= 2 2 em que b é a base e h a altura.
  22. 22. Percebemos, então, que é preciso saber a medida de um dos lados do A U L Atriângulo e da altura relativa a esse lado, como nos exemplos a seguir: 43 b·h Nos três casos temos, S = 2 sendo que no triângulo retângulo há afacilidade de termo h = c Assim, a área é calculada multiplicando os dois catetos c.e dividindo o resultado por 2. Nos outros dois casos precisamos calcular h . Para o triângulo acutângulo, conhecendo o ângulo Â, temos: h sen  = ou c · sen  = h c No triângulo obtusângulo, conhecendo o ângulo  e considerando o triân-gulo retângulo formado pela altura, pelo prolongamento do lado a e pelo lado c ,temos: h sen (180º - Â) = ou c · sen (180º - Â) = h c Já vimos na Aula 42, que sen (180º - Â) = sen Â. Sabendo que o seno de umângulo qualquer é igual ao seno do seu suplemento, concluímos que, nos doiscasos, h = c · sen  e substituindo h na fórmula de cálculo da área, encontramos: ∃ b · c senA S= 2
  23. 23. A U L A EXEMPLO 143 Calcule a área total da figura: Solução: A área do triângulo ABC é: 12 · 30 · sen120º S1 = = 2 = 180 · sen 60º = = 180 · 1 = 90 mm2 2 A área do triângulo DBC é: 50 · 50 · sen45º = 1250 · sen 45º @ 1250 · 0,7 = 875 mm 2 S2 = 2 Portanto, a área total da figura S = S1 + S2 = 965 mm2 ou 9,5 cm2. Observação: Essa fórmula para o cálculo da área é válida para qualquer triângulo, inclusive para o triângulo retângulo. b · c · sen 90º S= e, como sen 90º = 1, 2 temos: b· c S= 2
  24. 24. Obtendo a lei dos senos A U L A 1 Para obter a fórmula S = 2 b · c sen Â, utilizamos o seno do ângulo  para encontrar h . Mas também ∃ 43 poderíamos utilizar o seno do ângulo C : ∃ h = a sen C e S = 1 ∃ b · a sen C . 2 Como h = c sen  e ∃ h = a sen C , temos: ∃ c a c · sen  = a sen C ou ∃ = ∃ senC senA ∃ Generalizando esta conclusão também para o ângulo B e seu lado oposto b : a b c = = ∃ ∃ ∃ sen A sen B sen C A igualdade das razões entre cada um dos lados de um triângulo e o seno dorespectivo ângulo oposto é chamada de lei dos senos senos. O triângulo e a circunferência No dicionário, encontramos as seguintes definições: Inscrito ® Traçado dentro. Circunscrito ® Limitado totalmente por uma linha. Em geometria, esses termos são usados com um pouco mais de precisão.Observe os exemplos: a) O retângulo está inscrito no losango ou o losango está circunscrito ao retângulo (observe que todos os vértices do retângulo tocam os lados do losango). b) A esfera está inscrita no cubo ou o cubo está circunscrito à esfera (todas as faces do cubo tocam a esfera).
  25. 25. A U L A c) O hexágono está inscrito no círculo ou o círculo está circunscrito ao hexágono43 (todos os vértices do hexágono tocam o círculo). d) O círculo está inscrito no triângulo retângulo ou o triângulo retângulo está circunscrito ao círculo (todos os lados do triângulo tocam o círculo). Mais uma vez, o triângulo se confirma como uma figura especial. É sempre possível inscrever uma circunferência em um triângulo; além disso, sempre podemos circunscrever uma circunferência a um triângulo. Para a circunferência circunscrita ao triângulo, e cujo raio é R, temos o seguinte resultado: a b c 2R = = = ∃ ∃ ∃ sen A sen B sen C Observe ainda que, no caso do triângulo retângulo, sen  = sen 90º = 1 e b c 2R = a = = ∃ ∃ sen B sen C
  26. 26. EXEMPLO 2 A U L A Calcular os outros dois lados de um triângulo que mede 5 cm de um lado etem ângulo de 80º e outro de 40º, como mostra a figura: 43 Solução: 5 b 5 b = = sen 60º sen 80º 0, 866 0, 985 5 · 0, 985 b= = 5, 687 0, 866 5 c 5 c 5 · 0, 643 = = c= = 3,712 sen 60º sen 40º 0, 866 0, 643 0, 866 EXEMPLO 3 Um triângulo de lados 6, 8 e 8 está inscrito num círculo. Determine seusângulos e o raio do círculo. Solução: O triângulo do problema é isósceles, como o representado na figura abaixo.Inicialmente, vamos descobrir a medida do ângulo do vértice (Â): 62 = 82 + 82 - 2 · 8 · 8 · cos  36 = 128 - 128 cos  92 - 92 = - 128 cos  ® cos  = » 0,719 128 Consultando a tabela trigonométrica,  » 44º. ∃ ∃ ∃ ∃ 180º - 44º Os ângulos B e C da base são iguais e medem: B = C » » 68º 2 Para determinar o raio do círculo, podemos utilizar qualquer um dos ladose o respectivo ângulo oposto. Temos, então: 6 6 2R = 2R = @ 8, 6 R @ 4,3 ou sen 44º 0, 695 8 8 2R = 2R = @ 8, 6 R @ 4,3 sen 68º 0, 927 ∃ ∃ Assim, os ângulos são  = 44º e B = C = 68º. E o raio mede, aproximada-mente, 4,3.
  27. 27. Exercícios A U L A Exercício 1 a) Calcule o raio do círculo circunscrito num triângulo equilátero de lado a . 43 b) Calcule a área do triângulo equilátero de lado a . Exercício 2 Calcule a área do hexágono regular de lado a , formado por seis triângulos equiláteros. Exercício 3 Para calcular a área aproximada de um terreno irregular, os agrimensores subdividem o terreno em triângulos formados a partir de um mesmo vértice no interior do terreno. Usando o teodolito, eles marcam os ângulos formados ao redor desse ponto e medem as distâncias do ponto até a fronteira do terreno. Observe a figura e calcule a área aproximada do terreno, usando as medidas tomadas por um agrimensor: OA = 52 m OB = 63 m OC = 59 m OD = 40 m OE = 45 m OF = 50 m OG = 48 m
  28. 28. 4*Exercício 4 A U L A O terreno correspondente à figura ABCDE, abaixo, foi vendido a R$ 40,00 o metro quadrado. Conseqüentemente foi vendido por: 43 a) R$ 7.800,00 b) R$ 5.000,00 c) R$ 100.000,00 d) R$ 7.960,00 e) R$ 1.150,00* Exercício aplicado na PUC-SP. 5*Exercício 5 No triângulo ABC da figura, em que R é o raio da circunferência, o ângulo  é oposto ao lado a , que mede 3R . Calcule o valor de sen Â. 2* Fonte: Matemática Aplicada - 2º grau, Ed. Moderna, Luiz Marcio Imenes, Fernando Trotta e José Jakubovic.
  29. 29. A UA U L A L A44 44 Distâncias inacessíveis Introdução N a Aula 20 aprendemos a calcular distâncias que não podiam ser medidas diretamente. Nessa aula, os conceitos utilizados foram a semelhança de triângulos e o Teorema de Pitágoras. Agora, mostraremos métodos para o cálculo de distâncias inacessíveis, que vão utilizar os conceitos de trigonometria aprendidos entre as Aulas 29 e 43. A aplicação desses métodos necessita de um instrumento capaz de medir ângulos, usado por agrimensores, topógrafos e engenheiros: o teodolito teodolito. Ilustração de um teodolito. O teodolito mede ângulos horizontais e verticais com suas duas escalas circulares graduadas em graus. 2 Plano Horizontal Plano Vertical 2 T 1 T 1 Se o teodolito T e os objetos 1 e 2 estão Visando o objeto 2, podemos medir em um mesmo plano horizontal, o ângulo que a reta T2 faz com a reta ^ podemos medir o ângulo 1T2. horizontal T1. Com essas duas utilizações do teodolito, que nos permitem calcular ângulos horizontais e verticais, poderemos agora utilizar a lei dos co-senos, a lei dos senos e a tabela trigonométrica para calcular distâncias inacessíveis. Os princi- pais métodos estão nos exemplos da nossa aula.
  30. 30. Para que você possa entender bem os métodos que utilizaremos nos exem- Nossa aula A U L Aplos a seguir, é conveniente que recorde as Aulas 39 e 40, nas quais introduzimosos conceitos de seno, co-seno e tangente, e, também, as Aulas 42 e 43, nas quaisaparecem as fórmulas da lei dos co-senos e da lei dos senos. Para os cálculos, 44utilizaremos os valores da tabela trigonométrica que se encontra na Aula 40. Elatambém será necessária para os exercícios. EXEMPLO 1 Para determinar a altura de um prédio, o topógrafo colocou seu teodolito napraça em frente. Com uma trena, ele mediu a distância do teodolito ao prédio eencontrou 27 m. Mirando o alto do prédio, ele verificou, na escala do teodolito,que o ângulo formado por essa linha visual com a horizontal é de 58º. Se a lunetado teodolito está a 1,7 m do chão, qual é a altura do prédio? l ua vis prédio ha lin 58 27 m Solução: Na figura abaixo, AB é a altura do teodolito e CD é a altura do prédio. D l ua x vis ha lin 58 B 27 m 1,7 A C Vamos calcular o cateto x do triângulo retângulo que aparece na figura. x Temos: = tg 58º 27 Da tabela trigonométrica obtemos que a tangente de 58º é aproxima-damente 1,6. x Assim, = 1,6 x = 1,6 · 27 = 43,2 27 A altura total do prédio será igual a esse valor mais 1,7, que é a altura daluneta do teodolito. Portanto, CD = 43,2 + 1,7 = 44,9 m. A altura desse prédio é, então, de 44 metros e 90 centímetros, ou seja,aproximadamente 50 metros.
  31. 31. A U L A EXEMPLO 244 Neste exemplo determinaremos a altura de um morro em relação a uma região plana que existe em volta. Para isso, foi preciso fazer duas medições com o teodolito. Inicialmente, o teodolito foi colocado em um ponto A. Mirando o ponto V, o mais alto do morro, verificamos que o ângulo dessa linha visual com a horizontal era de 10º. Em seguida, o topógrafo aproximou-se do morro e fixou o teodolito no ponto B. Nessa posição, mirando o ponto V, o mais alto do morro, ele verificou que o ângulo da linha visual com a horizontal passou a ser de 26º. Sabendo que a distância AB (medida com a trena) era de 100 m, qual é a altura do morro? V ? 10 26 A B C Solução: Com os dados obtidos pelo topógrafo, vamos calcular a altura do morro. Na figura a seguir, mostramos esses dados sem considerar a altura do teodolito. Determinando BC = y, temos as relações: VC x = tg10º Þ = 0,17633 (1) AC 100 + y VC x V = tg26º Þ = 0, 48773 (2) BC y x 10 26 A 100 B y C Da relação (1) tiramos x = y . 0,17633 + 17,633. Da relação (2) tiramos x = y . 0,48773. Igualando, temos: y · 0,48773 = y · 0,17633 + 17,633 y · 0,48773 - y · 0,17633 = 17,633 y (0,48773 - 0,17633) = 17,633 17, 633 y · 0,3114 = 17,633 y= = 56,62 (aproximando) 0, 3114 e x = y · 0,48773 = 27,61 m. Somando a esse valor a altura do teodolito (1,7 m), concluímos que a altura do morro em relação à região plana em volta é de 27,61 + 1,7 = 29,31 m. Vamos ver, a seguir, um outro exemplo muito comum no campo ou nas fazendas, onde diversas medidas não podem ser feitas diretamente.
  32. 32. EXEMPLO 3 A U L A Em uma região há um rio com curso irregular. Sua largura não é constantee ele faz muitas curvas. Entre os ponto A e B, situados em margens opostas, 44deseja-se construir uma ponte. Para isso, é necessário determinar a distância AB.O topógrafo, que está na margem inferior do desenho que vemos abaixo, assinalacom uma estaca um ponto C qualquer. Com a trena, ele mede a distância AC e ∃encontra 56 m. Com o teodolito ele mede os ângulos BÂC e A C B encontrando118º e 35º, respectivamente. Qual será o valor da distância AB? B rio A 56 m C Solução: ∃ Vamos analisar o triângulo ABC. Se  = 118º e C = 35º, então podemos ∃ . Como sabemos, a soma dos três ângulos é 180º.calcular o ângulo B B 27 ∃ ∃ 118º + B + 35º = 180º ® B = 27º c a 118 A b= 35 56 m C Determinando AB = C e AC = b, a lei dos senos nos informa que: c b c 56 = ou seja, = ∃ ∃ sen C sen B sen 35º sen 27º Utilizando os valores da tabela trigonométrica, temos: c 56 = 0, 57358 0, 45399 Assim, 56 · 0, 57358 c= = 70,75 0, 45399 Portanto, naquela parte do rio, a distância AB é de 70,75 m.
  33. 33. A U L A EXEMPLO 444 Um dos cálculos que, no passado, mais fascinaram os matemáticos era o da medida do raio da Terra. O engenhoso processo que vamos descrever já tinha sido imaginado pelos gregos da Antigüidade, mas, na época, não dava bons resultados porque os instrumentos de medida eram bastante precários. Imagine que, do alto de um morro situado próximo ao mar, uma pessoa observa o oceano, vendo com nitidez a linha do horizonte. Vamos, agora, imaginar um imenso triângulo que tem um vértice no centro da Terra, outro vértice na pessoa que está em cima do morro e o terceiro vértice na linha do horizonte que essa pessoa vê. O desenho será o seguinte: P h α H R R Terra C Na figura acima, o ponto C é o centro da Terra e o ponto P é a pessoa que está situada a uma altura h em relação ao nível do mar. Para essa pessoa, o ponto H está na linha do horizonte e, como a reta PH é tangente à Terra, o ângulo P H C ∃ ∃ é reto. A altura h do morro é conhecida e o ângulo a = C P H pode ser medido. Portanto, no triângulo CPH, o seno do ângulo a é igual a CH , ou seja, CP R sen a = em que R, o raio da Terra, é a nossa incógnita. h+R
  34. 34. Então, (h + R) sen a = R A U L A h sen a + R sen a = R h sen a = R - R sen a h sena 44 h sen a = R (1 - sen a) ou R= 1 - sena Observe que conhecendo a altura h e o ângulo a podemos calcular o raioda Terra usando essa fórmula, mas, na prática, existem dificuldades. A alturah será sempre muito pequena em relação ao raio da Terra. Para se obter R comprecisão, é preciso medir o ângulo a também com muita precisão, pois umpequeno erro na medida de a acarretará um erro muito grande na medida deR. Hoje, existem instrumentos eletrônicos que medem ângulos com precisão de1 milésimo de grau, e as calculadoras científicas fornecem os senos dos ânguloscom a necessária exatidão. Por exemplo, se a pessoa P está a uma altura de 2 kmem relação ao nível do mar, o ângulo a será de 88,657 graus. Com umacalculadora científica, encontramos o seno desse ângulo igual a 0,9996872 e oraio da Terra aproximadamente igual a 6390 km.Exercício 1 Exercícios Na figura abaixo, o ponto F é um farol que está numa ilha próxima ao continente. Na praia, foram assinalados dois pontos, A e B, tais que AB = 132m, ^ FÂB = 90º e ABF = 85º. Calcule a distância AF. F (farol) Mar Praia A BExercício 2 O topógrafo utilizou o mesmo método descrito no Exemplo 2 desta aula para calcular a altura de uma torre que se encontra do outro lado de um rio. Calcule sua altura, utilizando os dados que estão na figura abaixo. 23 35 1,7 m 87,2 m rio
  35. 35. A U L A Exercício 3 Entre os pontos A e B, situados em uma fazenda, existe um morro. O44 teodolito colocado no ponto C consegue mirar tanto A quanto B. Sabendo ∃ que CA = 76 m, CB = 90 m e A C B = 126º, calcule a distância AB. A B C Sugestão: Volte à Aula 42 para recordar como se calcula o co-seno de um ângulo maior que 90º e aplique a lei dos co-senos no triângulo ABC. Use a calculadora. Exercício 4 Na figura abaixo, os pontos A e B estão em lados opostos da entrada de uma baía. Para calcular a distância AB, o topógrafo fixou um ponto C de onde pudesse mirar os pontos A e B. Com a trena, mediu AC, encontrando 320 m, ∃ e, com o teodolito, mediu os ângulos BÂC e B C A, encontrando 98º e 47º, respectivamente. Quanto mede AB? B A C Sugestão: use a lei dos senos no triângulo ABC da forma que foi utilizada no Exemplo 3 desta aula.
  36. 36. A UU AL A L A 45 45 A equação da reta Vamos, nesta aula, retomar o assunto quecomeçamos a estudar nas Aulas 9 e 30: a equação da reta. Aprenderemos hoje Introduçãooutra forma de obter a equação da reta e veremos diversas aplicações. Em algumas situações é necessário calcular a distância de um ponto a umareta. Também nesta aula, veremos como isso pode ser feito. Imaginemos, no plano cartesiano, uma reta que não seja paralela a nenhum Nossa aulados eixos. Como mostra o desenho a seguir, essa reta passa pelos pontos (x1, y1)e (x2, y2). Esses pontos são dados, ou seja, x1, y1, x2 e y2 são números conhecidos.Seja então (x, y) um ponto qualquer dessa reta. Observe que os comprimentos dos segmentos horizontais e verticais sãofáceis de obter: AC = x2 - x1 AD = x - x1 CB = y2 - y1 DP = y - y1
  37. 37. A U L A Veja, agora, que os triângulos ACB e ADP são semelhantes, portanto45 AD DP = AC CB o que é a mesma coisa que x - x1 = y - y1 x 2 - x1 y 2 - y1 Essa relação permite obter facilmente a equação da reta que passa pelos dois pontos dados (x1, y1) e (x2, y2). Essa equação será do primeiro grau nas incógnitas x e y, e portanto, terá a forma ax + by + c = 0 Observe com atenção o exemplo a seguir: EXEMPLO 1 Encontre a equação da reta que passa pelos pontos (1 , 2) e (3, 5). Solução: Não importa qual é o primeiro ponto. Vamos considerar (x1, y1) = (1, 2), ou seja, x1 = 1 e y 1 = 2 e (x2, y2) = (3, 5), isto é, x2 = 3 e y2 = 5. Aplicando a fórmula, temos: x - x1 y - y1 x-1 y -2 = = 3 (x - 1) = 2 (y - 2) 3x - 3 = 2y - 4 x 2 - x1 y 2 - y1 2 3 3x - 2y + 1 = 0 Aí está a equação da nossa reta. Se você quiser saber se um ponto qualquer pertence a essa reta, basta substituí-lo na equação e ver se a igualdade se verifica. Por exemplo, será que o ponto (9, 14) pertence a essa reta? Vamos ver. Substituindo x por 9 e y por 14, temos: 3 · 9 - 2 · 14 + 1 = = 27 - 28 + 1 = = 28 - 28 = 0 Deu certo. O ponto (9, 14) pertence à nossa reta. Devemos lembrar que a equação da reta não precisa ser escrita obrigatori- amente na forma que apresentamos. Algumas vezes, deixamos a letra y isolada do lado esquerdo, quando desejamos pensar nessa equação como uma função. Veja: 3x - 2y + 1= 0 - 2y = - 3x - 1 3x 1 2y = 3x + 1 y = + 2 2 A equação y = 3x + 2 representa a mesma reta, e agora foi escrita como 2 1 uma função do 1º grau, estudada na Aula 30. Veja, a seguir, algumas aplicações.
  38. 38. EXEMPLO 2 A U L A Certo município é um grande produtor de soja. A produtividade vemaumentando de acordo com o gráfico abaixo. 45 Qual foi a produção em 1993? Solução: Este é um exemplo muito comum. Alguma coisa evolui linearmente, ou seja,tem um crescimento constante em intervalos de tempo iguais. Vamos ver asolução usando a equação da reta e, nos exercícios, vamos sugerir uma outra. Inicialmente, vamos definir de forma mais prática o eixo horizontal. 1990será o ano 0 e 1995 o ano 5. O gráfico, então, fica assim: A nossa reta passa pelos pontos (0, 8) e (5, 12). Vamos obter sua equação utilizando a fórmula: x-0 y-8 = 5 - 0 12 - 8 x y-8 = 5 4 4x = 5y - 40 4x - 5y + 40 = 0 Aí está a equação da reta. Como 1993 é o ano 3 da nova escala, vamossubstituir x por 3. O valor de y que encontrarmos será a produção nesse ano. 4 · 3 - 5y + 40 = 0 12 + 40 = 5y 52 = 5y 52 y= = 10,4 5 Concluimos que a produção de soja em 1993 foi de 10,4 mil toneladas.
  39. 39. A U L A EXEMPLO 345 Nivaldo está sempre inventando coisas. Um dia, ele resolveu inventar uma nova escala de temperaturas. Verificou que, na região onde mora, a temperatura mínima registrada foi de 16ºC e que a máxima foi de 41ºC. Então, Nivaldo resolveu que essas temperaturas seriam os valores 0 e 100 da sua nova escala. Supondo uma variação linear, qual é a equação que relaciona as duas escalas? Na escala de Nivaldo em que temperatura ferve a água? Solução: Vamos chamar de x uma temperatura em graus Celsius e de y a mesma temperatura em graus Nivaldo. Temos, então, o quadro abaixo: x ( ºC ) y ( ºN ) 16 0 41 100 Assim, devemos encontrar a equação da reta que contém os pontos (16, 0) e (41, 100). Aplicando a fórmula, temos: x - 16 y -0 = 41 - 16 100 - 0 x - 16 y = 25 100 x - 16 y = 1 4 4x - 64 = y y = 4x - 64 Esta é a equação que relaciona as temperaturas nas duas escalas. Respon- dendo à segunda pergunta, sabemos que a água ferve a 100ºC. Fazendo x = 100 na equação, descobriremos o valor correspondente na escala do Nivaldo: y = 4 · 100 - 64 y = 400 - 64 y = 336 Portanto, para Nivaldo, a água ferve a 336 ºN.
  40. 40. A distância de um ponto a uma reta A U L A A distância de um ponto a uma reta é o comprimento da perpendiculartraçada do ponto até a reta. Veja isso no desenho abaixo. 45 Vamos descobrir agora como calcular essa distância, se nós conhecemos oponto P e a equação da reta r . Antes, porém, devemos recordar uma propriedadedos triângulos retângulos: “Em todo triângulo retângulo, o produto dos catetos é igual ao produto dahipotenusa pela altura a ela relativa”. bc = ah Podemos compreender essa propriedade lembrando como se calcula a áreade um triângulo. No caso do triângulo retângulo da figura acima, ela é igual a bc 2e também igual a ah . Portanto, é claro que bc = ah. 2 EXEMPLO 4 Calcular a distância do ponto (5, 4) à reta x + 2y - 9 = 0. Solução: Seja P = (5, 4) o ponto dado. Vamos começar fazendo um desenho da retax + 2y - 9 = 0. Para isso, precisamos conhecer dois de seus pontos. Como ascoordenadas de P são x = 5 e y = 4, vamos aproveitar esses valores paradeterminar os pontos da reta que possuem essa abcissa e essa ordenada.Substituindo esses valores, um de cada vez, na equação da reta, temos: x = 5 Þ 5 + 2y - 9 = 0 Þ 2y = 4 Þ y = 2 y=4 Þ x+2·4-9=0 Þ x=9- Þ 8 x=1 Conseguimos, então, dois pontos da reta: A = (5, 2) e B = (1, 4).
  41. 41. A U L A O desenho fica assim:45 No triângulo retângulo PAB da figura acima, conhecemos os comprimentos dos catetos: AP = 2 e BP = 4. Para calcular a hipotenusa, aplicamos o Teorema de Pitágoras: AB2 = 22 + 42 = 4 + 16 = 20 AB = 20 = 4· 5 = 2 5 Representando por d a distância do ponto à reta temos, pela relação que mostramos anteriormente, AP· BP = AB · d 4 4 5 4 5 2·4 =2 5 ·d d= = · = @ 1,79 5 5 5 5 Finalmente, vamos apresentar uma fórmula que faz o mesmo cálculo que acabamos de realizar. O ponto dado será representado por P = (x0, y0) e a reta por ax + by + c = 0. ax0 + by 0 + c d= a2 + b2 Observe o cálculo da distância do ponto P = (5, 4) à reta x + 2y - 9 = 0, agora usando a fórmula: 5 + 2· 4 - 9 5+8-9 4 4 5 d= = = = 12 + 22 5 5 5 O resultado, como era de se esperar, é o mesmo, e essa fórmula, que não é indispensável, mostra-se bastante prática.
  42. 42. Exercício 1 Exercícios A U L A Encontre a equação da reta que contém os pontos (-1; 2) e (2; 4).Exercício 2 45 Determine os pontos onde a reta 2x + 5y - 40 = 0 corta os eixos. Sugestão: determinado y = 0 você encontrará o ponto em que essa reta corta o eixo dos x. Determinando x = 0, ...Exercício 3 Calcule k para que os pontos (1; -2), (4; 3) e (8; k) estejam na mesma reta. Sugestão: encontre a equação da reta que contém os dois primeiros pontos. Depois, substitua o terceiro ponto nessa equação.Exercício 4 Os relógios dos táxis mediam “unidades taximétricas” (UT) que eram depois transformadas em reais com o uso de uma tabela. Em certa cidade, Nivaldo reparou que em um percurso de 7 km o taxímetro marcou 7 UT e em um percurso de 12 km marcou 10 UT. Quantas UT o relógio marcaria em um percurso de 25 km? Sugestão: considere dois “pontos” do tipo (km, UT) e encontre a equação da reta.Exercício 5 Faça uma solução do Exemplo 2 da nossa aula usando uma progressão aritmética. Sugestão: a1 = 8, a6 = 12.Exercício 6 Uma caixa d’água de 500 litros vaza por um furo que existe no fundo. Ao meio-dia de uma segunda-feira ela foi completamente cheia, mas às 8 horas da noite desse mesmo dia só tinha 440 litros. a) Quantos litros terá a caixa ao meio-dia de terça-feira? b) Supondo que o vazamento seja sempre constante, quando a caixa ficará vazia? Sugestão: a partir de dois “pontos” do tipo (tempo, litros) encontre a equação da reta. Considere x = 0 ao meio-dia de segunda-feira.Exercício 7 Encontre a distância do ponto (3; 2) à reta 3x + 4y - 29 = 0Exercício 8 Determine a distância da origem à reta que contém os pontos (1; 8) e (4; 2).
  43. 43. A UA U L A L A47 47 A equação da circunferência Introdução N as duas últimas aulas você estudou a equa- ção da reta. Nesta aula, veremos que uma circunferência desenhada no plano cartesiano também pode ser representada por uma equação. Repare que, quando um ponto P se movimenta sobre uma circunferência de centro C, sua abcissa e sua ordenada variam. Entretanto, quando P se desloca sobre a circunferência, há uma coisa que permanece invariável: a distância de P ao centro é sempre igual ao raio. Iniciamos esta aula recordando a aplicação do Teorema de Pitágoras para o cálculo da distância entre dois pontos. Nossa aula A distância entre dois pontos Considere os pontos: A = (x1, y1) e B = (x2, y2) como mostra a figura a seguir. Para calcular a distância AB, formamos o triângulo retângulo ABC com um cateto horizontal e outro vertical.
  44. 44. Vemos que AC = x2 - x1 e que CB = y2 - y1. Pelo Teorema de Pitágoras temos: A U L A 2 2 AB = AC + CB 2 AB = (x2 - x1) + (y2 - y2) 2 2 2 47 Fórmula da distância entre dois pontos: AB = (x 2 - x1 )2 + (y 2 - y1 )2 Se tivermos A = (1, 3) e B (7, - 1), por exemplo, a distância entre esses doispontos será: AB = (7 - 1)2 + ( -1 - 3)2 = 62 + ( -4)2 = 36 + 16 = 52 Portanto, AB @ 7,21 A equação da circunferência Uma circunferência é determinada quando conhecemos a posição do seucentro e o valor do seu raio. Imaginando no plano cartesiano uma circunferênciade centro no ponto C = (a, b) e com raio R, vamos representar por P = (x, y) um pontoqualquer que pertence a essa circunferência. Que propriedade tem o ponto P? Se P pertence à circunferência, sua distância até o centro é igual ao raio. Como a distância do ponto C = (a, b) ao ponto P = (x, y) é igual a R, usandoa fórmula da distância entre dois pontos temos: (x - a)2 + (y - b)2 = R Elevando ao quadrado os dois membros, a expressão obtida é a equação dacircunferência de centro (a, b) e raio R. Equação da circunferência: (x - a) + (a - b) = R 2 2 2
  45. 45. A U L A A seguir, observe os exemplos em que construimos as equações de diversas circunferências a partir da posição do centro e do valor do raio:47 CENTRO (2, 3) RAIO 4 EQUAÇÃO (x - 2) + (y - 3) = 16 2 2 (5, - 2) (x - 5) + (y + 2) = 36 2 2 6 (x - 4) + y = 3 2 2 (4, 0) 3 (0, - 3) 2 2 2 x + (y + 3) = 4 2 2 (0, 0) 1 x+y =1 Vamos aprender a verificar quando um ponto pertence a uma circunferência. Por exemplo: será que o ponto (6, - 2) pertence à circunferência (x - 2) + (y - 1) = 25? 2 2 Para responder a essa pergunta, basta substituir as coordenadas do ponto dado na equação da circunferência e verificar a igualdade. No nosso caso, para x = 6 e y = - 2, obtemos: (6 - 2) + (- 2 - 1) = 25 2 2 2 2 = 4 + (- 3) = 25 = 16 + 9 = 25 Como a igualdade se verifica, podemos dizer que o ponto (6, - 2) pertence à circunferência (x - 2) + (y - 1) = 25. 2 2 Observe o exemplo a seguir: EXEMPLO 1 Determine y para que o ponto (5, y) pertença à circunferência (x - 2) + (y - 1) = 25. 2 2 Solução: Substituindo o ponto dado na equação, calculamos o valor de y : (5 - 2) + (y - 1) = 25 2 2 32 + (y - 1)2 = 25 (y - 1) = 25 - 9 2 (y - 1)2 = 16 y-1 =±4 y=1+4=5 y =1±4 Þ ou y=1-4=-3
  46. 46. Encontrando dois pontos para y , temos que os pontos A = (5, 5) e B = (5, - 3) A U L Apertencem à circunferência dada. Observe que o centro da circunferência é oponto (2, 1) e que o raio é 5. 47 Mediatrizes A mediatriz de um segmento é a reta perpendicular que contém o pontomédio desse segmento. Na figura a seguir, a reta r é a mediatriz do segmento AB. Todos os pontos de uma mediatriz possuem dis-tâncias iguais aos extremos do segmento. Na próximafigura, veremos que o ponto P pertence à mediatriz dosegmento AB. Portanto, sua distância até o ponto A ésempre igual à sua distância até o ponto B. Repare queisso ocorre porque os triângulos PMA e PMB são iguais. PA = PB
  47. 47. A U L A Imagine agora que os pontos A e B pertencem a uma circunferência de centro P. O que podemos concluir? Como PA e PB são raios, então PA = PB. Isso significa47 que o ponto P está na mediatriz do segmento AB. Guarde a seguinte propriedade: Se dois pontos A e B pertencem a uma circunferência a mediatriz de AB passa pelo centro. Ao aplicarmos duas vezes essa propriedade, podemos construir uma circun- ferência que passa por três pontos dados. Neste caso, o centro P pertence à mediatriz de AB e também à mediatriz de BC. O ponto P também pertence à mediatriz de AC; mas é suficiente fazer a interseção de duas mediatrizes para determiná-lo. Um problema de engenharia Um galpão tem a forma da figura abaixo quando visto de frente: 12 m de largura, 5 m de altura nas laterais e 7 m de altura máxima, sendo a linha da cobertura uma circunferência perfeita. Para a construção da cobertura, o mestre de obras precisa saber a cada metro da viga AB a que altura está a cobertura. Assim, precisamos calcular com exatidão as alturas y1, y2, y3 etc. que aparecem na seguinte figura:
  48. 48. A U L A 47 Vamos resolver o problema. Inicialmente, vamos determinar a posição do centro da circunferência, o qualchamaremos de P. De acordo com a próxima figura, sabemos que P pertence àmediatriz de AB, que PA é o raio e que PM é igual ao raio menos dois metros. Como M é o ponto médio de AB temos AM = 6. Pelo Teorema de Pitágoras: = (R - 2) + 6 2 2 2 R R2 = R2 - 4R + 4 + 36 4R = 40 R = 10 Sabemos que o raio da circunferência da cobertura é de 10 m; assim, temosque MP = 8 m. Tomamos um sistema de coordenadas de forma que o ponto Aseja a origem e o eixo x coincida com AB. Dessa forma, temos B = (12, 0) eP = (6, - 8). Assim, obtemos a equação da circunferência de centro (6, - 8) e raio 10: (x - 6) + (y + 8) = 100 2 2
  49. 49. A U L A Nessa equação substituiremos a abcissa x pelos valores 1, 2, 3, 4 etc., calculando para cada um deles as ordenadas correspondentes. Vamos mostrar o 47 cálculo das duas primeiras ordenadas, deixando as outras como exercício. Para x = 1 temos: (1 - 6)2 + (4 + 8)2 = 100 2 25 + (y + 8) = 100 (y + 8)2 = 75 y+8 = 75 (só o valor positivo interessa) y = 75 - 8 @ 0,660 = y1 Para y = 2, temos: (2 - 6) + (y + 8) = 100 2 2 2 16 + (y + 8) = 100 2 (y + 8) = 84 y+8 = 84 y = 84 - 8 @ 1,165 = y2 Desse modo, é possível construir uma circunferência em um lugar em que o compasso não pode ser aplicado. Usando a equação da circunferência, podemos determinar a posição exata de cada um dos seus pontos.Exercícios Exercício 1. Determine a equação de cada uma das circunferências dados o centro C e o raio R. a) C = (5, - 1) , R = 3 b) C = (- 3, 2) , R = 7 c) C = (0, 1) , R = 2
  50. 50. Exercício 2. A U L A Determine o centro e o raio de cada uma das circunferências cujas equações são dadas: a) (x - 2) + (y - 1) = 6 2 2 47 b) (x - 3) + y = 10 2 2 c) (x + 4) + (y - 3) = 1 2 2Exercício 3. Determine a equação da circunferência com centro no ponto (3, 1) e passando pelo ponto (6, 3). Sugestão: O raio é a distância entre o centro e qualquer um de seus pontos.Exercício 4. Verifique se o ponto (2, 7) pertence, é interior ou exterior à circunferência x2 + (y - 2)2 = 34. Sugestão: Um ponto é interior a uma circunferência se a sua distância até o centro for menor que o raio. Um ponto será exterior se a sua distância até o centro for maior que o raio.Exercício 5. Determine a equação da circunferência com centro no ponto (3, 2) e tangente à reta 2x + y + 7 = 0 Sugestão: De acordo com a figura, o raio da circun- ferência é a distância do ponto (3, 2) até a reta dada. Veja a Aula 45 para lembrar como se calcula a distância de um ponto até uma reta.Exercício 6. Determine a equação de uma circunferência sabendo que A = (1, 4) e B = (7, 8) são extremidades de um diâmetro. Sugestão: Observe que dados dois pontos (x1, y1) e (x2, y2), o ponto médio do segmento determinado por eles é o ponto Γ Φ1 + x2 , y1 + y 2 ϑ x Ι Η 2 2 ΚExercício 7. Na circunferência (x - 3) + (y - 5) = 36 determine o ponto de ordenada 2 2 máxima. Sugestão: Faça um desenho dessa circunferência e observe que ponto possui o maior valor de y.Exercício 8. Termine de resolver o “problema de engenharia” da nossa aula, calculando, as ordenadas y3, y4, y5, ... , até y12.Exercício 9. Na circunferência (x - 2) + (y - 5) = 10 determine os pontos de ordenada 6. 2 2
  51. 51. A UA U L A L A48 48 O princípio multiplicativo Introdução A palavra Matemática, para um adulto ou uma criança, está diretamente relacionada com atividades e técnicas para conta- gem do número de elementos de algum conjunto. As primeiras atividades matemáticas que vivenciamos envolvem sempre a ação de contar objetos de um conjunto, enumerando seus elementos. As operações de adição e multiplicação são exemplos de “técnicas” matemá- ticas utilizadas também para a determinação de uma quantidade. A primeira (adição) reúne ou junta duas ou mais quantidades conhecidas; e a segunda (multiplicação) é normalmente aprendida como uma forma eficaz de substituir adições de parcelas iguais. A multiplicação também é a base de um raciocínio muito importante em Matemática, chamado princípio multiplicativo. O princípio multiplicativo constitui a ferramenta básica para resolver problemas de contagem sem que seja necessário enumerar seus elementos (como veremos nos exemplos). Os problemas de contagem fazem parte da chamada análise combinatória. A partir desta aula, aprofundaremos o estudo dessa parte da Matemática. Nossa aula EXEMPLO 1 Maria vai sair com suas amigas e, para escolher a roupa que usará, separou 2 saias e 3 blusas. Vejamos de quantas maneiras ela pode se arrumar. Solução:
  52. 52. O princípio multiplicativo, ilustrado nesse exemplo, também pode ser A U L Aenunciado da seguinte forma: Se uma decisão d1 pode ser tomada de n maneiras e, em seguida, outra 48decisão d2 puder ser tomada de m maneiras, o número total de maneiras detornarmos as decisões d1 e d2 será n · m. No exemplo anterior havia duas decisões a serem tomadas: d1: escolher uma dentre as 3 blusas d2: escolher uma dentre as 2 saias Assim, Maria dispõe de 3 · 2 = 6 maneiras de tomar as decisões d1 e d2, ou seja,6 possibilidades diferentes de se vestir. EXEMPLO 2 Um restaurante prepara 4 pratos quentes (frango, peixe, carne assada,salsichão), 2 saladas (verde e russa) e 3 sobremesas (sorvete, romeu e julieta, frutas).De quantas maneiras diferentes um freguês pode se servir consumindo um pratoquente, uma salada e uma sobremesa? Solução: Esse e outros problemas da análise combinatória podem ser representadospela conhecida árvore de possibilidades ou grafo. Veja como representamospor uma “árvore” o problema do cardápio do restaurante. Observe que nesse problema temos três níveis de decisão: d1: escolher um dentre os 4 tipo de pratos quentes. d2: escolher uma dentre as 2 variedades de salada. d3: escolher uma das 3 sobremesas oferecidas. Usando o princípio multiplicativo, concluímos que temos 4 · 2 · 3 = 24maneiras de tomarmos as três decisões, ou seja, 24 opções de cardápio.
  53. 53. A U L A A representação gráfica em árvore de possibilidades é muito ilustrativa. Nela podemos ver claramente os três níveis de decisão d 1, d2 e d 3, consultando48 os vários tipos de cardápios possíveis. Observe que, percorrendo as opções dadas pelos segmentos à esquerda da árvore, o cardápio ficaria frango/salada verde/sorvete enquanto que, escolhendo os segmentos à direita, teríamos salsichão/salada russa/ frutas. No entanto, nosso objetivo é saber as combina- ções possíveis e calcular o número total de possibilidades sem precisar enumerá-las, pois muitas vezes isso será impossível devido ao grande núme- ro de opções e/ou de decisões envolvidos num problema. As técnicas da análise combinatória, como o princípio multiplicativo, nos fornecem soluções gerais para atacar certos tipos de problema. No entanto, esses problemas exigem engenhosidade, criatividade e uma plena compreensão da situação descrita. Portanto, é preciso estudar bem o problema, as condições dadas e as possibilidades envolvidas, ou seja, ter perfeita consciência dos dados e da resolução que se busca. EXEMPLO 3 Se o restaurante do exemplo anterior oferecesse dois preços diferentes, sendo mais baratas as opções que incluíssem frango ou salsichão com salada verde, de quantas maneiras você poderia se alimentar pagando menos? Solução: Note que agora temos uma condição sobre as decisões d1 e d2: d1: escolher um dentre 2 pratos quentes (frango ou salsichão). d2: escolher salada verde (apenas uma opção). d3: escolher uma das 3 sobremesas oferecidas. Então, há 2 · 1 · 3 = 6 maneiras de montar cardápios econômicos. (Verifique os cardápios mais econômicos na árvore de possibilidades do exemplo anterior). EXEMPLO 4 Quantos números naturais de 3 algarismos distintos existem? Solução: Um número de 3 algarismos c d u é formado por 3 ordens: Como o algarismo da ordem das centenas não pode ser zero, temos então três decisões: d1: escolher o algarismo da centena diferente de zero (9 opções). d2: escolher o algarismo da dezena diferente do que já foi escolhido para ocupar a centena (9 opções). d3: escolher o algarismo da unidade diferente dos que já foram utilizados (8 opções). Portanto, o total de números formados será 9 · 9 · 8 = 648 números.
  54. 54. EXEMPLO 5 A U L A De acordo com o exemplo anterior, se desejássemos contar dentre os 648números de 3 algarismos distintos apenas os que são pares (terminados em 0, 2, 484, 6 e 8), como deveríamos proceder? Solução*: c d u O algarismo da unidade poderá ser escolhido de 5 modos (0, 2, 4, 6 e 8). Se ozero foi usado como último algarismo, o primeiro pode ser escolhido de 9 modos(não podemos usar o algarismo já empregado na última casa). Se o zero não foiusado como último algarismo, o primeiro só pode ser escolhido de 8 modos (nãopodemos usar o zero, nem o algarismo já empregado na última casa). Para vencer este impasse, temos três alternativas: a) “Abrir” o problema em casos (que é alternativa mais natural). Contarseparadamente os números que têm zero como último algarismo (unidade = 0)e aqueles cujo último algarismo é diferente de zero (unidade ¹ 0). Terminando em zero temos 1 modo de escolher o último algarismo, 9 modosde escolher o primeiro e 8 modos de escolher o do meio (algarismo da dezena),num total de 1 · 9 · 8 = 72 números. Terminando em um algarismo diferente de zero temos 4 modos de escolhero último algarismo (2, 4, 6, ou 8), 8 modos de escolher o primeiro algarismo (nãopodemos usar o zero, nem o algarismo já usado na última casa) e 8 modos deescolher o algarismo do meio (não podemos usar os dois algarismos já emprega-dos nas casas extremas). Logo, temos 4 · 8 · 8 = 256 números terminados em umalgarismo diferente de zero. A resposta é, portanto, 72 + 256 = 328 números. b) Ignorar uma das restrições (que é uma alternativa mais sofisticada).Ignorando o fato de zero não poder ocupar a centena, teríamos 5 modos deescolher o último algarismo, 9 modos de escolher o primeiro e 8 modos deescolher o do meio, num total 5 · 8 · 9 = 360 números. Esses 360 números incluemnúmeros começados por zero, que devem ser descontados. Começando em zerotemos 1 modo de escolher o primeiro algarismo (0), 4 modos de escolher o último(2, 4, 6 ou 8) e 8 modos de escolher o do meio (não podemos usar os doisalgarismos já empregados nas casas extremas), num total de 1 · 4 · 8 = 32 números.A resposta é, portanto, 360 - 32 = 328 números. c) É claro que também poderíamos ter resolvido o problema determinandotodos os números de 3 algarismos distintos (9 · 9 · 8 = 648 números), como é o casodo Exemplo 4, e abatendo os números ímpares de 3 algarismos distintos (5 naúltima casa, 8 na primeira e 8 na segunda), num total de 5 · 8 · 8 = 320 números.Assim, a resposta seria 648 - 320 = 328 números.Fonte: * Solução proposta pelo prof. Augusto César de Oliveira Morgado no livro"Análise Combinatória e Probabilidade" - IMPA/VITAE/1991.
  55. 55. A U L A EXEMPLO 6 48 As placas de automóveis eram todas formadas por 2 letras (inclusive K, Y e W) seguidas por 4 algarismos. Hoje em dia, as placas dos carros estão sendo todas trocadas e passaram a ter 3 letras seguidas e 4 algarismos. Quantas placas de cada tipo podemos formar? Solução: No primeiro caso L L N N N N Como cada letra (L) pode ser escolhida de 26 maneiras e cada algarismo (N) de 10 modos distintos, a resposta é: 26 · 26 · 10 · 10 · 10 · 10 = 6 760 000 No segundo caso L L L N N N N 26 · 26 · 26 · 10 · 10 · 10 · 10 = 26 · 6 760 000 = = 175 760 000 A nova forma de identificação de automóveis possibilita uma variedade 26 vezes maior. A diferença é de 169.000.000, ou seja, 169 milhões de placas diferentes a mais do que anteriormente.Exercícios Exercício 1. Numa sala há 4 homens e 3 mulheres. De quantos modos é possível selecio- nar um casal homem-mulher? Exercício 2. a) Quantos números naturais de 2 algarismos distintos existem? b) Quantos destes números são divisíveis por 5? Exercício 3. Quantas palavras contendo 3 letras diferentes podem ser formadas com um alfabeto de 26 letras? Exercício 4. Quantos são os gabaritos possíveis para um teste de 10 questões de múltipla escolha, com 5 alternativas por questão? Exercício 5. Com todos os números de 01 a 50, quantas escolhas de 6 números distintos podemos fazer?
  56. 56. Exercício 6. A U L A De quantas maneiras você pode ir da cidade X para a cidade Y? 48Exercício 7. O código morse usa “palavras” contendo de 1 a 4 “letras”, representadas por ponto e traço. Quantas “palavras” existem no código morse?Exercício 8. O segredo de um cofre é formado por uma seqüência de 4 números de 2 dígitos (de 00 a 99). Uma pessoa decide tentar abrir o cofre sem saber a formação do segredo (por exemplo: 15 - 26 - 00 - 52). Se essa pessoa levar 1 segundo para experimentar cada combinação possível, trabalhando ininterruptamente e anotando cada tentativa já feita para não repeti-la, qual será o tempo máximo que poderá levar para abrir o cofre?Exercício 9. No Exemplo 6 vimos que existem 175.760.000 placas diferentes de três letras e quatros algarismos. José Carlos Medeiros gostaria de que a placa de seu automóvel tivesse as iniciais do seu nome. Quantas placas existem com as letras JCM?

×