1
Questões a serem analisadas pelos professores:
Durante o HTPC (Horário de Trabalho Pedagógico Coletivo), a professora Ri...
2
como podemos ver na escrita de gelatina, necessitando, a partir de agora, de um trabalho que a coloque em
situações de e...
3
Observe o que dizem as professoras:
• Raquel: Na próxima semana vou ler todos os dias para os meus alunos e pedir que el...
4
7) Considerando-se as representações numéricas apresentadas na questão anterior, quais seriam,
segundo Lerner (1996), a ...
5
Pic – Programa intensivo no ciclo – Justificativa / Matemática / Exemplos de atividades
Justificativas para o PIC – Proj...
6
O quadro de números é uma forma de apresentar a seqüência numérica maneira organizada,
favorecendo a percepção de alguma...
7
Os cálculos e as operações no campo aditivo pressupõem um trabalho conjunto das situações
aditivas e subtrativas pela es...
8
A atividade fica ainda mais interessante se você trouxer a fita métrica e medir num barbante o
comprimento de cada um d...
9
corresponde ao 40, acrescido do 6. O conhecimento que está por trás dessas decomposições é a
capacidade de operar com os...
10
Por exemplo:
Em 37 + 47, uma das possibilidades de resolução pode ser a decomposição dos números:
(30 + 7) + (40 + 7)
E...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

PEB l analise de texto

1,190 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,190
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
21
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

PEB l analise de texto

  1. 1. 1 Questões a serem analisadas pelos professores: Durante o HTPC (Horário de Trabalho Pedagógico Coletivo), a professora Rita, da 2ª série de uma escola da rede pública estadual, trouxe, para discussão, a sondagem realizada com seus alunos, no mês de março, sendo esta a primeira que ela realizou no ano. Ao analisar o resultado, encontrou aproximadamente vinte alunos, ou seja, a metade de sua sala de aula, com alunos que estão na hipótese de escrita pré-silábica, escrevendo ora com muitas letras, utilizando até o limite do papel para escrever, e outros alunos que escreviam com apenas três letras. Outra parte da sala apresentava escritas silábicas com valor sonoro e sem valor sonoro e outras crianças, apesar de estarem quase alfabetizadas, “comiam” letras, o que a preocupava. Propôs, na reunião, que estas crianças fossem encaminhadas para profissionais especializados para que elas pudessem avançar na sua escrita e parassem de comer letras. Outro procedimento que adotou, e colocou para discussão, foi organizar uma rotina na classe que propiciasse o avanço das crianças com as seguintes atividades: rodas mensais de leitura; atividades diárias de escrita e de leitura das vogais e atividades de escrita de palavras do universo das crianças (bola, bala, bela etc.). Em sua opinião o(a) professor(a) coordenador(a) deve: A) Auxiliar na organização de subgrupos a partir da sondagem realizada pela professora, agrupando os alunos com hipóteses de escrita pré-silábica com os de hipótese de escrita alfabética, para a realização de atividades de escrita e de leitura de listas. B) Considerar que a professora conhece as hipóteses de escrita dos alunos, validando a rotina organizada por ela, e encaminhar para especialistas as crianças diagnosticadas pela professora. C) Rediscutir com a professora a sondagem realizada. Reorganizar a rotina e incluir, planejando com a professora, uma atividade permanente na qual as crianças escrevem, mesmo sem saber escrever convencionalmente, tanto listas quanto pequenos textos que dominam oralmente. D) Validar a prática da professora, pois o conhecimento é uma construção. Para ajudar deve oferecer um repertório de atividades para todo o grupo, enfatizando o trabalho com palavras conhecidas pelas crianças e suas sílabas. 2) Analise as escritas abaixo a partir das pesquisas desenvolvidas por Ferreiro e Teberosky, descritas no livro Psicogênese da Língua Escrita (1985), e assinale a alternativa correta: A)Comparando as duas produções escritas de Gabriela em dois momentos distintos, percebe-se que ela apresenta uma hipótese de escrita silábica sem valor sonoro convencional na primeira sondagem, pois estabelece a correspondência de uma letra para cada emissão sonora, não utilizando na escrita letras com o valor sonoro convencional. Já na segunda sondagem tem um grande avanço e está praticamente alfabética,
  2. 2. 2 como podemos ver na escrita de gelatina, necessitando, a partir de agora, de um trabalho que a coloque em situações de escrita para desenvolver a competência escritora não só em listas, mas em textos. B) Comparando as duas produções escritas de Gabriela em dois períodos diferentes, podemos perceber que ela começa a abandonar uma hipótese de escrita silábica e busca uma análise para além da sílaba, vivendo ainda uma situação de conflito entre as informações que o meio lhe oferece e sua hipótese anterior. C) Comparando as duas produções escritas de Gabriela em dois períodos diferentes, podemos perceber que na primeira escrita ela se utiliza, principalmente, do repertório das letras de seu nome. Esse é um procedimento comum das crianças que estão com uma hipótese de escrita silábico-alfabética, pois se utiliza desse procedimento para dar conta das especificidades do sistema alfabético. D) Comparando as duas produções escritas de Gabriela em dois períodos diferentes, podemos perceber que na primeira escrita ela usa todo seu repertório de letras conhecidas, produzindo uma escrita a partir da hipótese de escrita pré–silábica sem valor sonoro convencional, pois faz uma leitura por partes, mas as letras não apresentam o valor sonoro convencional da parte da palavra correspondente. 3) Uma professora coordenadora propõe aos seus professores, no HTPC, que analisem uma atividade de leitura de textos memorizados planejada para os alunos com hipóteses de escrita não alfabética, de uma turma de 2ª. série. Durante a discussão coletiva, ela reafirma a importância de os alunos participarem sistematicamente de atividades de leitura. Ao concluir, propõe aos professores que, organizados em grupos, redijam uma lista de procedimentos didáticos para serem utilizados no planejamento e durante a realização da atividade em sala de aula. Em uma das listas produzidas, a professora coordenadora observa que há uma orientação inadequada. Assinale a alternativa que corresponde a esta inadequação. A) As atividades de leitura, com foco na aquisição do sistema de escrita, devem garantir que os alunos utilizem, de forma integrada, as estratégias de leitura de: seleção, antecipação, inferência, decodificação e verificação. B) Os textos selecionados para as atividades de leitura devem ser do conhecimento dos alunos, isto é,eles devem saber o que diz o texto. Os mais adequados são: as parlendas, adivinhas, quadrinhas, trava-línguas, cantigas, canções e poemas. C) Para que possam realizar a atividade, é recomendável solicitar aos alunos que leiam o texto escrito na lousa, acompanhando a leitura em voz alta da professora, a fim de que possam memorizar a grafia convencional. Após a leitura, orientar para que copiem o texto no caderno, ajudando na fixação da grafia dessas palavras. D) Quando as crianças ainda não sabem ler convencionalmente, deve-se oferecer textos de memória, cuja tarefa é descobrir o que está escrito em cada parte, tendo a informação do que se trata o texto (por exemplo: “Esta é a música PIRULITO QUE BATE-BATE...”). Para isso é necessário ajustar o falado ao que está escrito, verificando esse ajuste a partir de indícios (valor sonoro, tamanho das palavras, localização da palavra no texto...). 4) No HTPC de sua escola, a professora coordenadora Ana acompanha a discussão das professoras de 1ª série. Depois do ditado de sondagem que aplicaram elas analisam as escritas de alguns alunos. As escritas são as seguintes:
  3. 3. 3 Observe o que dizem as professoras: • Raquel: Na próxima semana vou ler todos os dias para os meus alunos e pedir que eles recontem as histórias lidas. • Joana: Eu vou insistir na escrita do nome próprio e aproveitarei a lista de chamada que tenho na sala para que eles escrevam os nomes de alguns colegas. • Iracy: Vou dar todos os dias várias cópias do alfabeto – na sala e também de lição de casa. • Nádia: Acho que o importante é agrupar as crianças com hipóteses de escrita próximas e pedir que recortem letras do jornal. Quero dar também cruzadinhas para os que apresentam hipótese pré-silábica e silábica sem valor. • Manuela: Penso que o mais adequado é pedir a escrita de textos que os alunos já sabem de memória como as parlendas e algumas listas. Assinale a alternativa correta: Considerando o que propõe cada professora, quais apresentam intenções mais adequadas para ajudar os alunos acima a se apropriarem do sistema de escrita alfabético? A) Raquel, Joana e Nádia B) Iracy, Nádia e Manuela C) Raquel e Manuela D) Joana e Manuela 5) Para que as expectativas de aprendizagem dos alunos em relação à ANÁLISE E REFLEXÃO SOBRE A LÍNGUA possam ser concretizadas, é necessário que se planeje e organize situações didáticas tais como: A) Atividades de leitura para alunos que lêem convencionalmente, oferecendo textos de memória como parlendas, adivinhas, quadrinhas, trava-línguas e canções para que leiam em voz alta. B) Atividades de escrita em que os alunos com hipóteses não alfabéticas sejam colocados para copiar os textos de memória da lousa ou do cartaz que a professora coloca na classe para que eles reflitam sobre o sistema de escrita. C) Apresentação do alfabeto por partes. Cada dia a professora deve sortear uma letra para ser apresentada à classe e assim eles vão conhecendo a seqüência do alfabeto nomeando-o, quando necessário, em situações de uso. D) Atividades de escrita em duplas em que os alunos com hipótese ainda não alfabética façam uso de letras móveis. A mobilidade deste material ajuda a pensar sobre a escolha de cada letra. É interessante que o professor solicite que os alunos justifiquem suas escolhas para os parceiros. 6) A professora Adriana, da 1ª série, fez um ditado de números em sua turma e observou que uma aluna representou-os da seguinte forma: 510004100 para 5400 410001003 para 4103 1000200509 para 1259 2008 para 200854 para 54 A professora solicitou ajuda do professor coordenador para compreender o que estava acontecendo. O coordenador disse que, segundo a pesquisa de Lerner (1996): A) As crianças produzem os números a partir do conhecimento que têm sobre os números exatos como dezenas, centenas e milhares e, principalmente, apoiadas na numeração falada. B) As crianças, na produção da notação gráfica dos números, utilizam-se de muitos zeros, uma vez que sabem que os números ditados são muito grandes. C) As crianças só conseguiriam escrever números que já tivessem sido trabalhados em sala de aula, como o 54 e o 2008. D) É preciso primeiro trabalhar seqüência de números até 99, para ir progressivamente avançando na produção de escritas de números grandes.
  4. 4. 4 7) Considerando-se as representações numéricas apresentadas na questão anterior, quais seriam, segundo Lerner (1996), a melhor forma de intervenção didática? Assinale a alternativa correta. A) Propor situações onde os alunos pudessem comparar números de mesma grandeza e depois de grandezas diferentes, verificando qual é o maior ou o menor. E, também, produzir ou interpretar números, tendo a ordem como recurso, principalmente dos números que estão inseridos em contexto de uso social (preços, datas de aniversário, idades, medidas...). B) Explicar o valor posicional de cada algarismo: unidade, dezena, centena, milhar, utilizando para isso o material dourado.C) Apresentar números menores, até cem, afinal, trata-se de uma primeira série. Propor aos alunos que escrevam diariamente uma série de 1 a 100, de 10 em 10 até 100, entre outras possibilidades. D) A professora deverá escrever os números corretamente para que os alunos copiem em seus cadernos. 8) Para Cecília Parra (1996), uma justificativa para o ensino do cálculo mental é de que este colabora na ampliação do conhecimento do campo numérico. Assim, se o aluno é colocado diante de uma situação em que precise realizar cálculos utilizando suas próprias estratégias, será possível colocar em jogo as propriedades das operações. Dessa forma, para resolver 35 x 12 poderá pensar: (30 x 10) + (30 x2) + (5x10) + ( 5 x 2) 300 + 60 + 50 + 10 300 + 60 + 60 300 + 120 300 + 100 + 20 400 + 20 = 420 Isso quer dizer que: A) Faz-se necessário um trabalho anterior em que se explicite as propriedades das operações. B) Os alunos precisam dominar, anteriormente ao ensino do cálculo mental, os fatos fundamentais tanto da adição como da subtração. C) O cálculo mental envolve cálculo rápido e não se deve utilizar lápis e papel. D) O cálculo mental é uma via de acesso para a compreensão e construção de algoritmos. Respostas: 1) C ; 2) A ; 3) C ; 4) D ; 5) D ; 6) A ; 7) A ; 8) D
  5. 5. 5 Pic – Programa intensivo no ciclo – Justificativa / Matemática / Exemplos de atividades Justificativas para o PIC – Projeto intensivo no Ciclo Ao final do Ciclo I, é esperado que todos os alunos já possam ler e escrever convencionalmente, por si mesmos. No entanto, apesar de todos os esforços, nem sempre essa meta é atingida. Segundo os dados do Sistema de Avaliação de Rendimento Escolar do Estado de São Paulo (SARESP 2005), cerca de 19% dos alunos chegam ao final da 4a série sem estarem alfabetizados. Alunos retidos numa classe regular de 4a série, não têm condições de acompanhar a turma, já que sua defasagem data desde a 1a série, quando a maioria da classe se alfabetizou. Assim, a Secretaria de Estado da Educação decidiu implantar o PIC – Projeto Intensivo no Ciclo, uma ação intensiva voltada especificamente para esses alunos, que foi inicialmente concebida e implantada nas escolas do Município de São Paulo, aonde vem obtendo excelentes resultados. As atividades pretendem garantir que todos os alunos sintam-se capazes de aprender. São propostas que pretendem apoiá-los na busca de dois objetivos mais gerais: • Compreender e usar a linguagem que se escreve. • Ler e escrever por si mesmos. No material do PIC são encontradas atividades permanentes, seqüência de atividades e projetos didáticos pensados especialmente apara as dificuldades comumente encontradas pelos alunos ao final do Ciclo. Matemática A organização do material segue os mesmos pressupostos teóricos assumidos nos livros publicados na Rede Municipal, que considera a Matemática uma construção sócio–histórica pois surgiu da necessidade do homem resolver problemas. Apontamos, assim, dois argumentos que ressaltam a importância do ensino da Matemática no Ciclo I: da sua natureza quanto ao caráter utilitário, isto é, ajuda a resolver problemas enfrentados no dia-a-dia, e da contribuição para a formação básica geral dos estudantes. • Do primeiro argumento - que o ensino dos conteúdos dessa área ajudam a resolver problemas de seu cotidiano - está implícito o fato de saber usar o conhecimento matemático como instrumento de leitura, interpretação e melhoraria das relações do mundo no qual se vive, desempenhando, portanto, um papel fundamental na formação de cidadãos. • Do segundo argumento - a formação básica dos estudantes - destacam-se as idéias de que a Matemática estimula o desenvolvimento de capacidades formativas de raciocínio, de formulação de conjecturas, de observação de regularidades, entre outros. Exemplos de atividades – PIC 3ª série e 4ª série
  6. 6. 6 O quadro de números é uma forma de apresentar a seqüência numérica maneira organizada, favorecendo a percepção de algumas regularidades, especialmente a regra de geração em nosso sistema de numeração: os números se organizam em grupos de 10 e a cada novo grupo muda o algarismo referente às dezenas, que indica quantos agrupamentos de 10 aquele número representa. No número 43, por exemplo, o algarismo 4 indica que o número “contém” quatro “grupos” de 10, além de três unidades. Não é necessário explicar isso aos alunos, mas é interessante atentar para algumas colocações que eles possam fazer, tais como “agora vou preencher a linha dos 4”, referindo-se aos números que se iniciam pelo 4 (ou que têm o 4 na posição das dezenas). ...Em relação ao quadro, é importante que eles se habituem à nomenclatura usada quando se trabalha com tabelas: as colunas, que são as “fileiras” verticais, e as linhas, referentes às “fileiras” horizontais. Tanto o quadro de números quanto as atividades posteriores podem ser feitos em duplas, para que os alunos possam trocar informações. Em seguida, retome o quadro na lousa e peça que alguns alunos preencham as linhas ou colunas de acordo com a ordem que você estabelecer. Após o preenchimento, peça que corrijam seus quadros. Esse quadro precisa estar correto para consulta em atividades posteriores (uma cópia do quadro de números, em tamanho grande, pode ficar afixada na classe).
  7. 7. 7 Os cálculos e as operações no campo aditivo pressupõem um trabalho conjunto das situações aditivas e subtrativas pela estreita conexão existente entre elas. O que vai determinar se a operação é de adição ou subtração é o lugar em que se coloca a incógnita. Na idéia da transformação está envolvida a mudança do estado inicial, que pode ser positiva ou negativa, simples ou composta, para se chegar a um estado final Os três problemas propostos referem-se à idéia de transformar. Alguns envolvem transformações positivas (os problemas de ganhar) e outros, negativas (em que se perde). Todos podem ser resolvidos pelas operações de adição e subtração, ou seja, fazem parte do campo aditivo. Além disso, em alguns problemas, há uma quantidade inicial conhecida, ganha- se ou perde-se uma quantidade que também é conhecida (a transformação) e pergunta-se pela quantidade final. Em outros, a quantidade inicial e a final são conhecidas mas não se sabe o valor que se ganhou ou perdeu. Por fim, uma situação que costuma envolver maior dificuldade de resolução: quando se conhece quanto se ganhou ou perdeu, sabe-se o estado final, mas não se tem a quantidade inicial, anterior à transformação realizada. Ao invés de utilizar os problemas para que os alunos apliquem os algoritmos tradicionais (as contas armadas), deixe que busquem as próprias estratégias de resolução. Muitos optarão pela contagem de um em um até chegar ao resultado. Pode ser que outros utilizem diferentes formas de decomposição numérica para chegar ao resultado de maneira segura, ou seja, com menor chance de erro. Estimule todos a mostrar, no espaço destinado à resolução, o modo como fizeram para chegar aos resultados e observe como cada aluno realiza seus cálculos. No momento da correção, peça a alunos que utilizaram diferentes estratégias para que as mostrem aos colegas. Assim você estará permitindo que esses conhecimentos sejam socializados Na atividade, os alunos comparam os animais a partir das medidas de comprimento. É preciso que você explique a representação de centímetros e metros após cada número (cm e m, respectivamente) e a equivalência entre metro e centímetros, ou seja, é preciso que os alunos saibam que 1 metro equivale a 100 centímetros. Além disso, explicar o que significa a notação apresentada para o lobo-guará (1,90 m), que pode ser “lida” como 1 m e 90 cm.
  8. 8. 8 A atividade fica ainda mais interessante se você trouxer a fita métrica e medir num barbante o comprimento de cada um dos animais (afixe o nome do animal correspondente em cada barbante). Os alunos podem levantar oralmente suas hipóteses sobre o menor animal, sobre o seguinte menor até chegar ao maior. Em seguida, conferem essas hipóteses comparando os barbantes. Também será necessário que, antes da atividade, você leia a tabela, especialmente os nomes dos animais, e ajude os alunos a localizar cada um deles em suas tabelas Para resolver a operação proposta, não se espera que os alunos utilizem o algoritmo convencional (a conta armada). A contagem de um em um, por outro lado, é muito trabalhosa e os alunos poderão cometer erros, por perderem a conta. Para ampliar esse repertório de estratégias de cálculo dos alunos, apresentamos mais uma possibilidade. Ajude-os a acompanhar a resolução proposta. Se necessário, refaça os cálculos na lousa, explicando cada um dos passos, especialmente a decomposição das parcelas em dezenas exatas. Utilizar essa técnica nas adições implica alguns conhecimentos sobre a organização de nosso sistema de numeração, especialmente que o 23 é formado pelo 20, acrescido do 3; e que o 46
  9. 9. 9 corresponde ao 40, acrescido do 6. O conhecimento que está por trás dessas decomposições é a capacidade de operar com os números a partir de algumas características do sistema de numeração decimal. O tratamento que se tem dispensado a esse tipo de informação, principalmente nos meios de comunicação, justifica o planejamento e a organização de atividades que se orientem pelo princípio de ajudar os alunos a construir procedimentos para coletar, organizar, comunicar e interpretar dados, utilizando tabelas, gráficos e representações que apareçam freqüentemente no seu dia-a-dia. Nessas atividades, você deverá estimular os alunos a observar a freqüência de determinadas ocorrências de um acontecimento, a fazer previsões a partir dos dados coletados e interpretados, a procurar explicações para o que observaram etc., ou seja, ajudar os alunos a construir instrumentos de análise e interpretação das informações. Entende-se por cálculo mental um conjunto de procedimentos em que não se recorre à técnica operatória. O cálculo mental se apóia nas propriedades do Sistema de Numeração Decimal e nas propriedades das operações.
  10. 10. 10 Por exemplo: Em 37 + 47, uma das possibilidades de resolução pode ser a decomposição dos números: (30 + 7) + (40 + 7) Então: 30 + 40 = 70 7 + 7 = 14 70 + 14 70 + 10 + 4 = 84 Outra possibilidade é a aproximação: 40 + 50 = 90 90 - 6 = 84 Nas atividades com cálculo mental, os alunos deverão ser estimulados a realizar as operações sem registros escritos e sem a utilização de instrumentos (calculadora, ábaco etc.). É importante que os alunos explicitem as diferentes maneiras que utilizaram para realizar um cálculo e possam descobrir, por meio da socialização dos diferentes procedimentos utilizados pelos colegas da turma ou por você, os que melhor se adaptam a uma determinada situação, em função dos números e das operações envolvidos.

×