Hoffmann, jussara o jogo em avaliação

4,843 views

Published on

0 Comments
4 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
4,843
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
5
Actions
Shares
0
Downloads
119
Comments
0
Likes
4
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Hoffmann, jussara o jogo em avaliação

  1. 1. 1 O JOGO DO CONTRÁRIO EM AVALIAÇÃO JUSSARA HOFFMANN, Editora Mediação, 2006 Por Rui Alencar, MILITANTE DA OPOSICÃO ALTERNATIVA AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM Quando ocorre o debate ou quando se levanta esse problema logo vem à tona questões relacionadas principalmente sobre as precárias e/ou cruéis situações nas salas de aula de todo o país. Isso não é deixado de lado pela autora e não se pode deixar de levar em consideração os desabafos dos professores e também não deixar desconsiderá-los na proposta de reconstrução das práticas avaliativas. É levantado o problema de como se dedicar intensamente a aluno por aluno em situações de 35 a 40 estudantes falantes, barulhentos, curiosos, por vezes agressivos, desinteressados. Em muitas dessas situações acontece o problema da impossibilidade de observar e cuidar de cada um, o olhar vagueia pelo todo abarcando o grupo, na superfície do coletivo e dessa forma desiste-se do envolvimento com cada aluno, será possível avançarmos? Por onde começar? “Há muito a fazer pela aprendizagem de todas as crianças por conta da massificação do ensino, da desvalorização e da falta de formação dos educadores.”. O problema do instrucionismo, do dar conta dos conteúdos, das apostilas, dos inúmeros fazeres e dos compromissos nas escolas, os professores correm atrás do tempo e os estudantes correm atrás dos professores. As aprendizagens ficam para trás. Muitos alunos ficam esquecidos no meio do caminho. Por conta dessa escola preocupada com os conteúdos, com as apostilas, o professor chega onde quer ou onde a escola estabelece que deve chegar, sem ter como saber onde os alunos se encontram de fato, se aprenderem ou não até ali.Assim a escola acaba ficando impedida de buscar, para além da transmissão dos conteúdos. As formas do pensamento, do conhecimento, da percepção, do raciocínio, o exercício da investigação? É importante que se busque um olhar sereno, intenso e dedicado sobre histórias de vida dos alunos e de suas trajetórias individuais de aprendizagem no sentido essencial da mediação. É preciso fazer o exercício de “aprender a olhar” aluno por aluno, conhecendo seu espaço de vida, suas iniciativas, seu fazer de novo, seus afetos e desafetos, dissonâncias, seus piercings e tatuagens, o inusitado tantas vezes. Cada professor deve deixar marcas positivas nos estudantes com os quais interage. Esse é o primeiro ensinamento para iniciar o jogo do contrário. Pensar em cada aprendiz de uma sala de aula, acabando com os anonimatos, valorizando como sujeitos de sua própria história, assumindo o compromisso, como educadores, de otimizar tempos e oportunidades de aprender. AVALIAÇÃO MEDIADORA EM TRÊS TEMPOS 1. TEMPO DE ADMIRAÇÃO DOS ALUNOS 2. TEMPO DE REFLEXÃO SOBRE SUAS TAREFAS E MANIFESTAÇÕES DE APRENDIZAGEM 3. TEMPO DE RECONSTRUÇÃO DAS PRÁTICAS AVALIATIVAS E/OU DE INVENÇÃO DE ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS PARA PROMOVER MELHORES OPORTUNIDADES DE APRENDIZAGEM TEMPO DE ADMIRAÇÃO O tempo de admiração não se inicia com o ano letivo, mas antes de o professor iniciar com os alunos, pesquisando nos arquivos das instituições, resgatando suas histórias de vida, a partir de entrevistas com eles, de conversas com seus professores de anos anteriores e familiares, da análise de tarefas e da leitura de registros de avaliação, não somente em relação à escola básica, mas em todas as experiências de vida de jovens e adultos do ensino médio e superior.
  2. 2. 2 É preciso que se criem espaços e tempos nas instituições de ensino para que se organizem informações sobre alunos para que os professores analisem e compartilhem suas observações, sem deixar para depois. Com relação às dificuldades dos professores é importante salientar que o caminho para resolvê-las é o diálogo. Porque não há educação sem diálogo, e o verdadeiro diálogo pressupõe retorno, interlocução, reconstrução conjunta das práticas avaliativas. É preciso ter clareza de que as aprendizagens dos alunos são de dimensões diferentes para se realizar um trabalho eticamente responsável. Agressividade, apatia, desinteresse, agitação, ausência, e muitas outras questões não explicam nem justificam problemas de aprendizagem na escola. Em muitos casos que acompanhamos, as condutas dos alunos melhoram sensivelmente à medida que eles avançaram na alfabetização, na escrita, na leitura, nas disciplinas nas quais estavam sendo orientados. O tempo de admirar em avaliação mediadora é o tempo da busca de outro olhar. Um olhar que duvida do próprio olhar, um olhar que duvida sempre da primeira impressão e que alcança o próprio aluno, dialoga com ele, com palavras e silenciosamente, observa à distância sua relação com os outros. Uma escola que não aprofunda o conhecimento sobre suas crianças e jovens, não lhes permite a autoria de pensamento, pois traça expectativas irreais e ilusórias, atribuindo-lhe responsabilidades, deveres em demasia ou aquém de suas potencialidades. O aluno no processo de aprendizagem tem que ter a consciência de se perceber aprendendo e de querer aprender mais. Portanto, ele não pode aprender para alguém ou para alguma coisa, mas aprender pelo prazer da curiosidade, da superação intelectual, aprender para si próprio e para a vida. CONSELHOS DE CLASSE: COMPREENDER PARA ENCAMINHAR? Os conselhos de classe de hoje fazem o trabalho burocrático e de sentenciar os alunos. Deveriam ser espaços onde fossem compartilhadas as interpretações sobre as trajetórias de aprendizagens dos alunos durante o período escolar e assim definir, em consenso ações pedagógicas a serem desencadeadas. TEMPO DE REFLEXÃO O tempo de reflexão referente ao conjunto de idéias, sentimentos e possibilidades de ações futuras que afloram quando o professor pára e pensa sobre como os alunos estão se manifestando às tarefas e situações de aprendizagens propostas. Essa reflexão acontece todo tempo em sala de aula: por trás de toda ação do professor há uma “intenção” pedagógica. Mas é importante que se faça conscientemente o “silêncio” que permite refletir. Tornando possível interpretar em termos didáticos, epistemológicos e relacionais as situações de aprendizagens vividas pelos estudantes, transformando as práticas avaliativas em mediadoras, no sentido de serem intencionalmente construídas na direção de seus diferentes interesses e necessidades. Em avaliação mediadora, interpreta-se para compreender e para cuidar que o aluno aprenda. O tempo da reflexão, assim não é o de olhar para trás, explicando o que o aluno não fez, não alcançou ou não sabe,mas o de projetar o futuro, tempo de prospecção. É preciso que na prática avaliativa mediadora no contexto da diversidade, é necessário ir muito além do dar aulas, corrigir tarefas e dar notas. Não se corrigem, nem se somam, mas se interpretam, exigindo, portanto, reflexão séria assegurando uma visão positiva e confiante sobre o aluno. MEDIAR A MOBILIZAÇÃO?
  3. 3. 3 Avaliar nesse momento é manter-se atento ao interesse de cada um dos alunos nas propostas pedagógicas em andamento, no sentido de refletir e provocar o seu desejo de aprender. A intenção de avaliar na etapa de mobilização não é de analisar se o aluno está aprendendo. Ele está aprendendo em todos os momentos da escola, mas não é essa a maior intenção de o professor estar atento nesse momento. Esse é o tempo de assegurar o interesse dele em aprender, pela organização e manutenção de um ambiente provocativo significativo e adequado às suas possibilidades. O aluno não pode estudar somente para a nota. MEDIAR A EXPERIÊNCIA EDUCATIVA? Mediar a experiência educativa é acompanhar o aluno em processos simultâneos de apropriar-se de informações e de aprender a buscar novos conhecimentos, em ambientes interativos, de respeito e convívio humanos, refletindo e intervindo criticamente sobre sua postura de colega, de aluno e de aprendiz. O professor deve apontar avanços, devolvendo e comentando tarefas, conversando mediando conflitos. Também assegurar a interação. Se um aluno não se integra a um grupo de trabalho, é papel de o professor organizar outros, variar as turmas, variar os grupos, variar formas de trabalhar com os alunos e nesse sentido os trabalhos em grupo devem acontecer em horário escolar sob a atenção dos professores para que acompanhem a discussões e observemos alunos em interação. Trabalhos em grupo são momentos de argumentação e de troca de idéias, fundamentais à superação intelectual. Quando o estudante é curioso, faz uma série de perguntas ou tentativas para chegar a uma solução e tende a cometer mais erros em seus ensaios, caso esses erros forem dados como “prontos” pelo professor, tomados como resultados finais e o estudante for penalizado de alguma forma por isso, o que ele aprenderá na escola? Que não deve nunca experimentar, tentar, errar, nada. Passará então a ousar menos, a reproduzir mais para acertar mais. As práticas avaliativas tradicionais que se propõe ou recebe um grau ou uma nota classificatória não importando o que o aluno aprendeu o que valem são as notas que tiraram em cada semana de aula, sobre cuja soma total se calcula uma média. Duvidar não é erro. Processos não são resultados. Os instrumentos de avaliação, por si só, não dizem nada. Eles só tem sentido para aquele que os interpreta. TEMPO DE RECONSTRUÇÃO AVALIAR PARA APROVAR E REPROVAR OU FORMAR PARA AVIDA? O terceiro tempo da avaliação é o tempo da transformação, do compromisso com a criação, tempo de fazer diferença sobre a vida que desejamos para as futuras gerações. De acordo com Paulo Freire, acreditar nos caminhos da inovação educacional em nosso país, defendendo com seriedade, rigorosamente, mas também apaixonadamente, uma tese, uma posição, uma preferência, estimulando e respeitando, ao mesmo tempo, o direito ao discurso contrário. AVALIAÇÃO FORMATIVA OU AVALIAÇÃO MEDIADORA? Ao avaliar efetiva-se um conjunto de procedimentos didáticos que se estendem sempre por um longo tempo e se dão em vários espaços escolares, procedimentos de caráter múltiplo e complexo tal como se delineia um processo. Dessa forma não se deve denominar por avaliação testes, provas ou exercícios (instrumentos de avaliação). Muito menos se deve nomear por avaliação boletins, fichas e relatórios. A avaliação da aprendizagem envolve e diz respeito diretamente a dois elementos do processo: educardor/avaliador e educando/avaliando. Alguém (educando) que é
  4. 4. 4 avaliado por alguém (educador). Mesmo que ocorra o problema do número muito grande de alunos na sala de aula, a relação no processo avaliativo vai se estabelecer de forma diferente com cada um deles o professor estará afetando vidas e influenciando aprendizagens individuais e cada aluno irá estabelecer maiores ou menores vínculos intelectuais com cada professor. Todo processo avaliativo deve ter por intenção:  Observar o aprendiz,  Analisar e compreender suas estratégias de aprendizagem, e  Tomar decisões pedagógicas favoráveis à continuidade do processo. É importante que aconteça a mediação no momento em que o educando for avaliado. O avaliador de deve conhecer, compreender, acolher os alunos em suas diferenças e estratégias próprias de aprendizagem para planejar e ajustar ações pedagógicas favorecedoras a cada um e ao grupo como um todo. A avaliação deve ser contínua e evolutiva, não podendo ocorrer por etapas delimitadas. Bimestres, trimestres, semestres, anos letivos, no que se refere aos registros escolares,não podem ser determinantes da sistemática de avaliação. Portanto aplicar vários testes ao longo de um bimestre, mas corrigir todos eles ao final, por exemplo, é um procedimento classificatório.Não apresentando dessa forma um processo de avaliação formativa cujo pressuposto básico é a continuidade do processo de aprendizagem e a intervenção pedagógica desafiadora. Muda-se o jeito de fazer algumas coisas mas não as concepções do professor. A essência da concepção formativa está no envolvimento do professor com os alunos e na tomada de consciência acerca do seu comprometimento com o progresso deles em termos de aprendizagens. A visão formativa parte do pressuposto de que, sem orientação de alguém que tenha maturidade para tal, sem desafios cognitivos adequados, é improvável que os alunos venham adquirir da maneira mais significativa possível os conhecimentos necessários ao seu desenvolvimento, isto é, sem que ocorra o processo de mediação. Para isso, é essencial que aconteça uma postura mediadora do professor que pode fazer toda a diferença em avaliação formativa. AS CONTRIBUIÇÕES DE PIAGET E VIGOTSKI Por fim, a autora destaca as contribuições de Piaget e Vigotski, sem destacar suas diferenças de concepção de mundo. Nesse caso, um complementando o disposto pelo outro. Segundo os estudos da linha de trabalho de Piaget, se sugere situações educativas que privilegiem desafios cognitivos ao invés do “instrucionismo” que prevalece, hoje, nas salas de aula. O desafio está em propor atividades provocativas aos alunos, desde adequadas às suas possibilidades de desenvolvimento, o que lhes exige, então, um grande conhecimento aos educandos. Segundo os estudos de Vigotsky, o educador não deve levar em conta, como ponto de partida para a ação pedagógica apenas o que o aluno já conhece ou faz, mas, principalmente deve pensar nas potencialidades cognitivas dos educandos, fazendo outros desafios e mais exigentes no sentido de envolvê-los em novas situações de modo a provocá-los permanentemente, à superação cognitiva. Hoffman conclui com a idéia que norteia todo o desenvolvimento do seu livro, de que as escolas hoje agem de uma forma onde a avaliação é para se obter uma nota e sendo assim, o que acontece é que no final do bimestre o aluno recebe uma sentença e não uma avaliação que possibilite o seu processo de aprendizagem. Julho/2007
  5. 5. 5

×