Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Princípios Gerais para o Design de Interfaces

7,598 views

Published on

Uma descrição simples de "cuidados" a ter na concepção de Interfaces.

Published in: Education

Princípios Gerais para o Design de Interfaces

  1. 1. Princípios Gerais para o Design de Interfaces
  2. 2. INTRODUÇÃO <ul><li>MULTIMÉDIA </li></ul><ul><li>Multi </li></ul><ul><li>+ </li></ul><ul><li>Media </li></ul><ul><li>= </li></ul><ul><li>combinação de meios </li></ul><ul><li>(texto, narração, imagens, gráficos, animação, vídeo, música) </li></ul><ul><li>em representação digital </li></ul>Princípios Gerais para o Desenho de Interfaces Professora: Marlene de Oliveira Peres
  3. 3. INTRODUÇÃO Princípios Gerais para o Desenho de Interfaces Professora: Marlene de Oliveira Peres INTERFACE A forma como a informação é organizada e como o utilizador interage com essa informação
  4. 4. INTRODUÇÃO Princípios Gerais para o Desenho de Interfaces Professora: Marlene de Oliveira Peres INTERACTIVIDADE Possíbilidade de navegar e jogar com a informação disponível (Hipertexto; Zonas Sensíveis; Links)
  5. 5. INTRODUÇÃO Princípios Gerais para o Desenho de Interfaces Marlene de Oliveira Peres USABILIDADE “ Facilidade de uso” de um interface quanto mais elevada for a facilidade de uso, tanto melhor, permitindo assim diminuir os tempos de aprendizagem associados a esse interface. ? ?
  6. 6. INTRODUÇÃO Princípios Gerais para o Desenho de Interfaces Professora: Marlene de Oliveira Peres UTILIZADORES Pensar como o utilizador Todas as pessoas são diferentes Devemos perder todo o tempo procurando facilitar as coisas ao utilizador. Procurar a melhor, a mais simples e a mais fácil forma de entender e retirar a informação.
  7. 7. INTRODUÇÃO Princípios Gerais para o Desenho de Interfaces Professora: Marlene de Oliveira Peres UTILIZADORES 2 Erros Comuns: - Todos os utilizadores são iguais - Todos os utilizadores agem como quem desenvolveu o programa Se um interface é fácil de utilizar para um programador não significa que o seja para o utilizador Se um interface resulta com meia dúzia de utilizadores não significa que resulta com os restantes
  8. 8. INTRODUÇÃO Princípios Gerais para o Desenho de Interfaces Professora: Marlene de Oliveira Peres INTERACÇÃO HOMEM-COMPUTADOR O número de utilizadores sem conhecimentos especiais de informática tem vindo a aumentar Os computadores devem estar ao serviço do homem e não o homem ao serviço do computador Todo o sucesso da interacção está centrada no utilizador
  9. 9. PRINCÍPIOS GERAIS PARA O DESENHO DE INTERFACES Professora: Marlene de Oliveira Peres Princípios Gerais para o Desenho de Interfaces <ul><li>COMPATIBILIDADE </li></ul><ul><li>COMPATIBILIDADE DE TAREFAS </li></ul><ul><li>MULTITAREFA </li></ul><ul><li>CONSISTÊNCIA </li></ul><ul><li>FAMILIARIDADE </li></ul><ul><li>SIMPLICIDADE </li></ul><ul><li>FEEDBACK </li></ul><ul><li>PROTECÇÃO </li></ul><ul><li>CONTROLO </li></ul><ul><li>WYSIWYG </li></ul><ul><li>TECNOLOGIA INVISÍVEL </li></ul><ul><li>ROBUSTEZ </li></ul><ul><li>FLEXIBILIDADE </li></ul><ul><li>FÁCIL DE USAR E FÁCIL DE APRENDER </li></ul>
  10. 10. PRINCÍPIOS GERAIS PARA O DESENHO DE INTERFACES Professora: Marlene de Oliveira Peres Princípios Gerais para o Desenho de Interfaces <ul><li>COMPATIBILIDADE </li></ul><ul><li>- Reduz o tempo de aprendizagem </li></ul><ul><li>Reduz a possibilidade de o utilizador cometer erros </li></ul><ul><li>O desenho de novos programas deve levar em consideração os hábitos dos utilizadores </li></ul><ul><li>Auxilia a memorização de funções </li></ul><ul><li>Ex: utilizar formas de navegação dos programas com que está habituado. CTRL C; CTRL V; CTRL Z </li></ul>
  11. 11. PRINCÍPIOS GERAIS PARA O DESENHO DE INTERFACES Professora: Marlene de Oliveira Peres Princípios Gerais para o Desenho de Interfaces COMPATIBILIDADE DE TAREFAS - As tarefas devem estar organizadas em função das tarefas dos utilizadores - Linguagem deve ser a mesma das pessoas que a estão a utilizar Ex: As funções parecidas devem ocupar a mesma área
  12. 12. PRINCÍPIOS GERAIS PARA O DESENHO DE INTERFACES Professora: Marlene de Oliveira Peres Princípios Gerais para o Desenho de Interfaces MULTITAREFA - Os sistema e as aplicações devem suportar o conceito de interromper, voltar atrás, depois continuar . (Gestão do Caos) - Tem que se deixar uma certa mobilidade às pessoas – não se pode obrigar o utilizador a ver tudo até ao fim . O utilizador não pode ficar sem alternativa. Ele tem que ter a liberdade de controlar a máquina e não a máquina controlá-lo a ele. Ex: Barras e menus de navegação
  13. 13. PRINCÍPIOS GERAIS PARA O DESENHO DE INTERFACES Professora: Marlene de Oliveira Peres Princípios Gerais para o Desenho de Interfaces CONSISTÊNCIA - As pessoas pensam por analogia - Tarefas semelhantes devem ter procedimentos semelhantes - Consistência implica coerência e que o utilizador deve intuir o modo de funcionamento de certas funções, face ao que já experimentou - Cuidado com a consistência nas acções perigosas -> para não “baralhar” o utilizador Ex: utilizar a mesma estrura de menus, nas mesmas posições ao longo de toda a navegação
  14. 14. PRINCÍPIOS GERAIS PARA O DESENHO DE INTERFACES Professora: Marlene de Oliveira Peres Princípios Gerais para o Desenho de Interfaces FAMILIARIDADE - Familiaridade com os temas, as imagens, as metáforas, a sinalética que consta no reportório cultural do utilizador - Ícones que as pessoas conhecem (cores, símbolos,... ) Ex: vermelho “parar” ou “perigo” verde “avançar” Ambiente windows - escritório
  15. 15. PRINCÍPIOS GERAIS PARA O DESENHO DE INTERFACES Professora: Marlene de Oliveira Peres Princípios Gerais para o Desenho de Interfaces SIMPLICIDADE - Os sistemas devem ser simples e fáceis de usar - Só se deve dar ao utilizador o que ele precisa no momento Ex: Motores de busca
  16. 16. PRINCÍPIOS GERAIS PARA O DESENHO DE INTERFACES Professora: Marlene de Oliveira Peres Princípios Gerais para o Desenho de Interfaces MANIPULAÇÃO DIRECTA - É mais do que uma metáfora, é o utilizador poder visualizar, modificar, alterar directamente os elementos . Ex: edição de palavras nos modernos processadores de texto ou editar linhas com posição nos antigos
  17. 17. PRINCÍPIOS GERAIS PARA O DESENHO DE INTERFACES Professora: Marlene de Oliveira Peres Princípios Gerais para o Desenho de Interfaces CONTROLO - O utilizador gosta de tomar as rédeas das operações. É frustrante ser controlado por uma máquina - O utilizador gosta de definir por onde quer ir , quando quer , e quanto tempo lá vai ficar.
  18. 18. PRINCÍPIOS GERAIS PARA O DESENHO DE INTERFACES Professora: Marlene de Oliveira Peres Princípios Gerais para o Desenho de Interfaces WYSIWYG (What You See Is What You Get) - Geralmente refere-se a uma relação directa entre o que se vê representado num ecrã e um impressora. Ex: Os displays antigos não tinham essa capacidade e não permitiam visualizar os bolds, itálicos, etc. que depois saiam na impressora
  19. 19. PRINCÍPIOS GERAIS PARA O DESENHO DE INTERFACES Professora: Marlene de Oliveira Peres Princípios Gerais para o Desenho de Interfaces FEEDBACK - Dar ao utilizador sinais claros de resposta da máquina , informar o utilizador do que é que está a acontecer (botões, mensagens;…) - O tempo de resposta deve ser o mais curto possível Ex: Barras de tempo dão ao utilizador uma melhor ideia do que apenas uma ampulheta do tempo que vai demorar uma tarefa A expressão “Está a carregar” ou “faltam…”
  20. 20. PRINCÍPIOS GERAIS PARA O DESENHO DE INTERFACES Professora: Marlene de Oliveira Peres Princípios Gerais para o Desenho de Interfaces FLEXIBILIDADE - Permitir ao utilizador definir uma série de parâmetros relativos à interface: estilos de diálogo, cores, background , etc. - Também ao nível do tipo de inputs deve haver flexibilidade: Ex: rato e teclado; ambiente windows msn messenger
  21. 21. PRINCÍPIOS GERAIS PARA O DESENHO DE INTERFACES Professora: Marlene de Oliveira Peres Princípios Gerais para o Desenho de Interfaces TECNOLOGIA INVISÍVEL - O utilizador deve saber o mínimo possível de detalhes técnicos , de como o sistema está tecnicamente implementado - o utilizador não deve confrontado com técnicas ou palavras que desconhece em absoluto e que lhe dão uma sensação de desconforto. Ex: quando se estala um programa, o tipo de linguagem tem que ser acessível para o utilizador compreender
  22. 22. PRINCÍPIOS GERAIS PARA O DESENHO DE INTERFACES Professora: Marlene de Oliveira Peres Princípios Gerais para o Desenho de Interfaces ROBUSTEZ - O sistema deve tolerar o erro do utilizador e saber lidar com ele - O utilizador não deve ter a sensação de que aquilo que ele fizer pode destruir ou danificar qualquer coisa. Isso irá inibi-lo fortemente. Ex:Os craches do sistema devem ser mínimos
  23. 23. PRINCÍPIOS GERAIS PARA O DESENHO DE INTERFACES Professora: Marlene de Oliveira Peres Princípios Gerais para o Desenho de Interfaces PROTECÇÃO - Os sistemas devem estar protegidos contra as possíveis más acções do utilizador Ex: Devem aparecer uma série de confirmações antes de o utilizador puder apagar todos os ficheiros
  24. 24. PRINCÍPIOS GERAIS PARA O DESENHO DE INTERFACES Professora: Marlene de Oliveira Peres Princípios Gerais para o Desenho de Interfaces FÁCIL DE USAR E FÁCIL DE APRENDER - Os sistemas devem ser simples para quem os utiliza pela primeira vez e ao mesmo tempo para os utilizadores avançados Ex: Internet Explorer Sistema Operativo Windows Multibancos
  25. 25. CONCLUSÃO Professora: Marlene de Oliveira Peres Princípios Gerais para o Desenho de Interfaces Este conjunto de princípios entram às vezes em conflito. Em cada situação há que ter bom senso para poder escolher qual o peso que deve ser dado a cada princípio. A Interface é um dos factores críticos para o sucesso de um sistema. A Interface deve ser fácil de usar - não existem métodos universalmente aceites para realizar tal propósito.
  26. 26. EXERCÍCIO DA AULA <ul><li>Consultar os seguintes sites: </li></ul><ul><li>http://www.usabilidade.com/ </li></ul><ul><li>http://www.useit.com/ </li></ul><ul><li>http://www.simplicidade.com/ </li></ul><ul><li>http://www.acessibilidade.net / </li></ul><ul><li>http://www.w3c.org/WAI/ </li></ul><ul><li>http://www.microsoft.com/enable </li></ul><ul><li>http://www.macromedia.com/macromedia/accessibility/ </li></ul><ul><li>http://www.acesso.umic.pcm.gov.pt/ </li></ul><ul><li>http://www.w3.org </li></ul>Professora: Marlene de Oliveira Peres Princípios Gerais para o Desenho de Interfaces

×