Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Palavras do mundo 11 tds prof.ª cristina tomé

1,038 views

Published on

Trabalho de pesquisa realizado pela turma 11ºTDS, sob a orientação da professora de Inglês, Cristina Tomé, no âmbito do projeto Ler+Mar=Ser

Published in: Education
  • Ich kann eine Website empfehlen. Er hat mir wirklich geholfen. ⇒ www.WritersHilfe.com ⇐ Zufrieden und beeindruckt.
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • Verifique a fonte ⇒ www.boaaluna.club ⇐. Este site me ajudou escrever uma monografia.
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
  • Be the first to like this

Palavras do mundo 11 tds prof.ª cristina tomé

  1. 1. Página 1 de 41 LER+MAR=SER “PALAVRAS DO MUNDO” NIGÉRIA CHINUA ACHEBE BIOGRAFIA Chinua Achebe nasceu no dia 16 de novembro de 1930 e faleceu em Boston, 22 de Março de 2013. Foi romancista, poeta, crítico literário e um dos autores africanos mais conhecidos do século XX. Achebe escreveu cerca de 30 livros (romance, contos, ensaio e poesia), alguns dos quais retrataram a depreciação que o Ocidente faz sobre a cultura e a civilização africanas, bem como os efeitos da colonização do continente pelos europeus, mas também escreveu obras abertamente críticas à política nigeriana.
  2. 2. Página 2 de 41 BIBLIOGRAFIA POESIA - Beware, Soul-Brother, and Other Poems (1971) - Don't Let Him Die: An Anthology of Memorial Poems for Christopher Okigbo (1978) - Another Africa (1998) - Collected Poems (2005) - Refugee Mother and Child - Vultures EXEMPLO DE POEMAS BENIN ROAD Speed is violence Power is violence Weight violence The butterfly seeks safety in lightness In weightless, undulating flight But at a crossroads where mottled light From old trees falls on a brash new highway Our separate errands collide I come power-packed for two And the gentle butterfly offers Itself in bright yellow sacrifice Upon my hard silicon shield.
  3. 3. Página 3 de 41 A MOTHER IN A REFUGEE CAMP No Madonna and Child could touch Her tenderness for a son She soon would have to forget. . . . The air was heavy with odors of diarrhea, Of unwashed children with washed-out ribs And dried-up bottoms waddling in labored steps Behind blown-empty bellies. Other mothers there Had long ceased to care, but not this one: She held a ghost-smile between her teeth, And in her eyes the memory Of a mother’s pride. . . . She had bathed him And rubbed him down with bare palms. She took from their bundle of possessions A broken comb and combed The rust-colored hair left on his skull And then - humming in her eyes - began carefully to part it. In their former life this was perhaps A little daily act of no consequence Before his breakfast and school; now she did it Like putting flowers on a tiny grave. WEBGRAFIA: http://en.wikipedia.org/wiki/Chinua_Achebe http://armedwithvisions.com/2013/03/29/chinua-achebe-benin-road/ https://kianda.wordpress.com/category/poesia/ Turma: 11ºTDS Aluna: Teresa Vieira
  4. 4. Página 4 de 41 WOLE SOYINKA BIOGRAFIA Escritor e homem de letras nigeriano, Akinwande Oluwole Soyinka nasceu a 13 de julho de 1934, em Abeokuta. Após ter concluído os seus estudos propedêuticos no Instituto Superior de Ibadan, partiu em 1954 para o Reino Unido, matriculando-se no curso de Literatura Inglesa da Universidade de Leeds, que concluiu em 1959. Enquanto estudante apaixonou-se pelo teatro, e por altura da sua formação, já havia levado a palco algumas peças da sua autoria, como A Quality Of Violence (1959), The Swamp Dwellers e The Lion And The Jewel. Foi galardoado com o Prémio Nobel da Literatura em 1986. BIBLIOGRAFIA - Idanre & Other Poems (1967); - Poems From Prison (1969); - A Shuttle in the Crypt (1972); - Ogun Abibimañ (1976); - Mandela's Earth and Other Poems (1988); EXEMPLO DE POEMAS NIGHT Your hand is heavy, Night, upon my brow. I bear no heart mercuric like the clouds, to dare. Exacerbation from your subtle plough. Woman as a clam, on the sea's cresent. I saw your jealous eye quench the sea's
  5. 5. Página 5 de 41 Flouorescence, dance on the pulse incessant Of the waves. And I stood, drained Submitting like the sands, blood and brine Coursing to the roots. Night, you rained Serrated shadows through dank leaves Till, bathed in warm suffusion of your dappled cells Sensations pained me, faceless, silent as night thieves. Hide me now, when night children haunt the earth I must hear none! These misted cells will yet Undo me; naked, unbidden, at Night's muted birth. I THINK IT RAINS I think it rains That tongues may loosen from the parch Uncleave roof-tops of the mouth, hang Heavy with knowledge I saw it raise The sudden cloud, from ashes. Settling They joined in a ring of grey; within, The circling spirit. O it must rain These closures on the mind, blinding us In strange despairs, teaching Purity of sadness. And how it beats Skeined transperencies on wings
  6. 6. Página 6 de 41 Of our desires, searing dark longings In cruel baptisms. Rain-reeds, practised in The grace of yielding, yet unbending From afar, this, your conjugation with my earth Bares crounching rocks. WEBGRAFIA: http://www.infopedia.pt/$wole-soyinka http://allpoetry.com/Wole-Soyinka Turma: 11ºTDS Alunos: Luís Ribeiro e José Ribeiro
  7. 7. Página 7 de 41 GABRIEL OKARA BIOGRAFIA Jibaba Gabriel Okara (nascido em 25 de abril de 1921) é um poeta nigeriano e romantista, que nasceu em Bomoundi no estado de Bayelsa, Nigéria. Ele foi educado no colégio do governo, Umuahia e mais tarde na faculdade superior de Yaba. Estudou jornalismo na Universidade Northwestern, em 1949, e antes da eclosão da Guerra Civil nigeriana trabalhou como oficial de informações para o serviço de governo nigeriano Oriental. Em 1979, ele foi premiado com o prémio de poesia da Comunidade. Ele viveu nos Estados Unidos durante vários anos na década de 1970, e voltou para os EUA em 1990, após um acidente de carro. A partir de 2009 até sua morte, foi professor na Universidade de Brown, nos Estados Unidos. BIBLIOGRAFIA POESIA - Cuidado, Soul Irmão, e outros poemas - Não deixá-lo morrer: An Anthology of Memorial Poemas para Christopher Okigbo - Outra África - Recolhidos Poems Carcanet Imprensa - Refugiados Mãe e criança - Vultures
  8. 8. Página 8 de 41 EXEMPLO DE POEMAS PIANO AND DRUMS When at break of day at a riverside I hear the jungle drums telegraphing the mystic rhythm, urgent, raw like bleeding flesh, speaking of primal youth and the beginning I see the panther ready to pounce the leopard snarling about to leap and the hunters crouch with spears poised; And my blood ripples, turns torrent, topples the years and at once I’m in my mother’s laps a suckling; at once I’m walking simple paths with no innovations, rugged, fashioned with the naked warmth of hurrying feet and groping hearts in green leaves and wild flowers pulsing. Then I hear a wailing piano solo speaking of complex ways in tear-furrowed concerto; of far away lands and new horizons with coaxing diminuendo, counterpoint, crescendo. But lost in the labyrinth of its complexities, it ends in the middle of a phrase at a daggerpoint. And I lost in the morning mist
  9. 9. Página 9 de 41 of an age at a riverside keep wandering in the mystic rhythm of jungle drums and the concerto. ONCE UPON A TIME Once upon a time, son, they used to laugh with their hearts and laugh with their eyes: but now they only laugh with their teeth, while their ice-block-cold eyes search behind my shadow. There was a time indeed they used to shake hands with their hearts: but that’s gone, son. Now they shake hands without hearts while their left hands search my empty pockets. ‘Feel at home!’ ‘Come again': they say, and when I come again and feel at home, once, twice, there will be no thrice- for then I find doors shut on me. So I have learned many things, son. I have learned to wear many faces like dresses – homeface, officeface, streetface, hostface, cocktailface, with all their conforming smiles like a fixed portrait smile.
  10. 10. Página 10 de 41 And I have learned too to laugh with only my teeth and shake hands without my heart. I have also learned to say,’Goodbye’, when I mean ‘Good-riddance': to say ‘Glad to meet you’, without being glad; and to say ‘It’s been nice talking to you’, after being bored. But believe me, son. I want to be what I used to be when I was like you. I want to unlearn all these muting things. Most of all, I want to relearn how to laugh, for my laugh in the mirror shows only my teeth like a snake’s bare fangs! So show me, son, how to laugh; show me how I used to laugh and smile once upon a time when I was like you. WEBGRAFIA: https://thehenrybrothers.wordpress.com/2011/06/04/once-upon-a-time- gabriel-okara/ http://finslab.com/enciclopedia/letra-c/chinua-achebe.php Turma: 11ºTDS Aluna: Bárbara Leite
  11. 11. Página 11 de 41 NIYI OSUNDARE BIOGRAFIA O poeta nigeriano nasceu em Ikere-Ekiti e estudo na Universidade de Ibadan, Universidade de Leeds, e a Universidade de York, Toronto. Voltou para a Nigéria para trabalhar como professor universitário e jornalista. Desde 1985, tem divulgado a poesia a um vasto público através da coluna que publica no jornal Tribune. Um dos poetas contemporâneos mais prolíficos e conceituados da Nigéria, Osundare utiliza idiomas literários e vernaculares para enquadrar de uma forma lírica e satírica a sua preocupação com a justiça social. É um grande declamador da sua poesia, mostrando afinidade com as tradições orais nigerianas. BIBLIOGRAFIA POESIA - Songs of the Marketplace (1984), - Waiting Laughters (1990), - Songs of the Season (1990), - Selected Poems (1992), - Midlife (1993). - The Eye of the Earth (1986)
  12. 12. Página 12 de 41 EXEMPLO DE POEMAS NOT MY BUSINESS They picked Akanni up one morning Beat him soft like clay And stuffed him down the belly Of a waiting jeep. What business of mine is it So long they don’t take the yam From my savouring mouth? They came one night Booted the whole house awake And dragged Danladi out, Then off to a lengthy absence. What business of mine is it So long they don’t take the yam From my savouring mouth? Chinwe went to work one day Only to find her job was gone: No query, no warning, no probe – Just one neat sack for a stainless record. What business of mine is it So long they don’t take the yam From my savouring mouth? And then one evening As I sat down to eat my yam A knock on the door froze my hungry hand. The jeep was waiting on my bewildered lawn Waiting, waiting in its usual silence.
  13. 13. Página 13 de 41 dark sna ky str structures tor tuous milli pede on legs of iron crawl ing wear ily fromswamptosavannah (Songs of the Marketplace, 30) WEBGRAFIA: http://www.bigbridge.org/BB14/interview-osundare.html http://www.jrank.org/literature/pages/5322/Niyi-Osundare.html Turma: 11ºTDS Aluno: César Ribeiro
  14. 14. Página 14 de 41 CHIMAMANDA NGOZI ADICHIE Chimamanda Ngozi Adichie nasceu na Nigéria, em 1977, tendo ido estudar para os Estados Unidos aos dezanove anos. Os seus contos apareceram em diversas publicações e receberam inúmeros galardões como o da BBC Short Story Competition em 2002 e o O. Henry Short Story Prize em 2003. A Cor do Hibisco, o seu primeiro romance, foi distinguido com o Hurston/Wright Legacy Award 2004 e o Commonwealth Writers’ Prize 2005, tendo também sido finalista do Orange Broadband Prize 2004 e nomeado para o Man Booker Prize 2004. Meio Sol Amarelo, já publicado pela ASA, venceu, em 2007, o Orange Broadband Prize, o Anisfield-Wolf Book Award e o PEN "Beyond Margins Award". Americanah venceu o Chicago Tribune Heartland Prize 2013. A escritora foi também distinguida, em 2008, com um Future Award na categoria de Jovem do Ano e recebeu uma bolsa da MacArthur Foundation, considerada a "bolsa dos génios", no valor de 500 mil dólares. A sua obra encontra-se traduzida em trinta e uma línguas. BIBLIOGRAFIA - Purple Hibiscus, 2003, - Half of a Yellow Sun, 2006, - The Thing Around Your Neck, 2009, - Americanah, 2013, - We Should All Be Feminists, 2014,
  15. 15. Página 15 de 41 CITAÇÕES
  16. 16. Página 16 de 41 WEBGRAFIA: http://www.wook.pt/authors/detail/id/41617 http://pt.wikipedia.org/wiki/Chimamanda_Ngozi_Adichie Turma: 11ºTDS Aluno: Lucas Ferreira
  17. 17. Página 17 de 41 ANGOLA ALDA LARA BIOGRAFIA Alda Ferreira Pires Barreto de Lara Albuquerque nasceu em Benguela, Angola, no dia 9 de Julho de 1930. Viveu grande parte da adolescência em Lisboa onde concluiu o liceu e frequentou a universidade de Medicina de Lisboa e de Coimbra, local onde se licenciou. Esteve ligada a atividades da casa dos estudantes do império, sendo uma excelente declamadora, chamando assim à atenção para os poetas africanos. Após a sua morte, a Câmara Municipal de Sá da Bandeira (actual Lubango) instituiu o Prémio Alda Lara de poesia, em sua homenagem. O seu marido, recolheu a sua poesia e publicou postumamente toda a sua obra. BIBLIOGRAFIA POESIA - Poemas, 1966, Sá de Bandeira, Publicações Imbondeiro; - Poesia, 1979, Luanda, União dos Escritores Angolanos; - Poemas, 1984, Porto, Vertente Ltda. (poemas completos).
  18. 18. Página 18 de 41 CONTOS - Tempo de chuva. Lobito: Colecção Capricórnio, 1973 EXEMPLO DE POEMAS TESTAMENTO À prostituta mais nova Do bairro mais velho e escuro, Deixo os meus brincos, lavrados Em cristal, límpido e puro... E àquela virgem esquecida Rapariga sem ternura, Sonhando algures uma lenda, Deixo o meu vestido branco, O meu vestido de noiva, Todo tecido de renda... Este meu rosário antigo Ofereço-o àquele amigo Que não acredita em Deus... E os livros, rosários meus Das contas de outro sofrer, São para os homens humildes, Que nunca souberam ler. Quanto aos meus poemas loucos, Esses, que são de dor Sincera e desordenada... Esses, que são de esperança, Desesperada mas firme, Deixo-os a ti, meu amor... Para que, na paz da hora,
  19. 19. Página 19 de 41 Em que a minha alma venha Beijar de longe os teus olhos, Vás por essa noite fora... Com passos feitos de lua, Oferecê-los às crianças Que encontrares em cada rua… APELO Na outra margem do rio, (e eu vejo-a!) há campos vedes de esperança, abandonados ao calor de um sol eterno... Na outra margem do rio, onde não chega o inverno, há campos ondulantes de searas maduras. para os pobres matarem nelas todas as fomes do mundo... Na outra margem, Tudo se começa de novo e não há dias passados que amargurem os desgraçados. Não há dinheiro, E os homens dão-se as mãos, que pelo dia inteiro ouvi as canções que os seus lábios entoaram... Nem raivas mal contidas,... nem agonias perdidas, nem dor... que na outra margem do rio,
  20. 20. Página 20 de 41 há Amor... ……………………………………… E entre mim, e a outra margem, esta terrível viagem. Este rio caudaloso, imundo, sujo de todos os calhaus, que nele vomitou o mundo... Entre mim e a outra margem, O rio… Ah! barqueiro... Porque tardas?... Não vês que faz frio?... Espero, mas desfaleço… Não tardes mais barqueiro Não tardes!... que é tão longe ainda a outra margem do rio… WEBGRAFIA: http://lusofonia.com.sapo.pt/alda_lara.htm http://clubedospensadores.blogspot.pt/2009/05/testamento-alda-lara.html http://parquedospoetas.cm-oeiras.pt/?page_id=1224 Turma: 11ºTDS Aluna: Ana Catarina Sampaio
  21. 21. Página 21 de 41 ANA PAULA RIBEIRO TAVARES BIOGRAFIA A poetisa nasceu em Lubango, província da Huíla, Angola, 30 de Outubro de 1952. Iniciou o seu curso de história na Faculdade de Letras do Lubango (hoje ISCED- Instituto Superior de Ciências da Educação - Lubango) terminando-o em Lisboa. Em 1996 concluiu o Mestrado em Literaturas Africanas. Atualmente vive em Portugal, faz o Doutoramento em literatura e lecciona na Universidade Católica de Lisboa. Ana Paula Tavares é a única poetisa contemporânea do período pós-independência angolana (11 de Novembro de 1975). Sempre trabalhou na área da cultura, museologia, arqueologia e etnologia, património, animação cultural e ensino. Participou em simpósios, congressos, comissões de estudo e elaboração de inúmeros projectos da área cultural. Foi Delegada da Cultura no Kwanza Norte, técnica do Centro Nacional de Documentação e Investigação Histórica (hoje Arquivo Histórico Nacional) do Instituto do Património Cultural. Foi membro do júri do Prémio Nacional de Literatura de Angola nos anos de 1988 a 1990 e responsável pelo Gabinete de Investigação do Centro Nacional de Documentação e Investigação Histórica em Luanda, de 1983 a 1985. É também membro de diversas organizações culturais como o Comité Angolano do Conselho Internacional de Museus (ICOM), Comité Angolano do Conselho Internacional de Monumentos e Sítios (ICOMOS), da Comissão Angolana para a UNESCO. Tanto a prosa como a poesia de Ana Paula Tavares estão presentes em várias antologias em Portugal, no Brasil, em França, na Alemanha, em Espanha e na Suécia.
  22. 22. Página 22 de 41 BIBLIOGRAFIA - Ritos de Passagem, 1985 - O Lago da Lua, 1999 - O Sangue da Buganvilia 1998 - Dizes-me coisas amargas como os frutos, 2001 - Ex- votos, 2003 - A cabeça de Salomé, 2004 - Os olhos do homem que chorava no rio, 2005 (co- autor: Manuel Jorge Marmelo) - Manual para amantes desesperados, 2007 EXEMPLO DE POEMAS RAPARIGA Cresce comigo o boi com que me vão trocar Amarraram-me às costas, a tábua Eylekessa Filha de Tembo organizo o milho Trago nas pernas as pulseiras pesadas Dos dias que passaram... Sou do clã do boi — Dos meus ancestrais ficou-me a paciência O sono profundo do deserto, a falta de limite... Da mistura do boi e da árvore a efervescência o desejo a intranquilidade a proximidade do mar Filha de Huco
  23. 23. Página 23 de 41 Com a sua primeira esposa Uma vaca sagrada, concedeu-me o favor das suas tetas úberes BOI À VELA Os bens nascidos na huíla são altos, magros navegáveis de cedo lhes nascem cornos leite cobertura os cornos são volantes indicam o sul as patas lavram o solo deixando espaço para a semente a palavra a solidão
  24. 24. Página 24 de 41 A ABÓBORA MENINA Tão gentil de distante, tão macia aos olhos vacuda, gordinha, de segredos bem escondidos estende-se à distância procurando ser terra quem sabe possa acontecer o milagre: folhinhas verdes flor amarela ventre redondo depois é só esperar nela desagúem todos os rapazes. WEBGRAFIA: http://pt.wikipedia.org/wiki/Ana_Paula_Ribeiro_Tavares http://www.antoniomiranda.com.brpoesia_africana/angola/ana_paula_ tavares.html Turma: 11ºTDS Aluno: Carlos Martins
  25. 25. Página 25 de 41 JOÃO MAIMONA BIOGRAFIA Nasceu em 1955, em Quibocolo, município de Maquela do Zombo, na província de Uíge. Em 1961, refugiou-se na República do Zaire. Estudou Humanidades Científicas em Kinshasa e em 1975 ingressou na Faculdade de Ciências, regressando a seu país em 1976. Dois anos depois, fixou residência em Huambo, onde se licenciou em Medicina Veterinária. É membro-fundador da Brigada Jovem de Literatura do Huambo e membro da União dos Escritores Angolanos. BIBLIOGRAFIA - Trajetória Obliterada, (poesia, 1985); - Les Roses Perdues de Cunene, (poesia, 1985); -Traço de União (poesia, 1987, 1990); - Diálogo com a Peripécia, (teatro, 1987); - As Abelhas do Dia, (poesia, 1988, 1990); - Quando se ouvir os sinos das sementes (poesia, 1993); - Idade das Palavras (poesia, 1997). EXEMPLO DE POEMAS O TRONCO DA INCERTEZA caminhos perdidos. festas espirituais decepcionantes. não é a barrela que falta.
  26. 26. Página 26 de 41 nem sequer a lavagem. nem sequer as varridelas. promessas feitas - isto não é suficiente para olhar os caminhos perdidos. DÚVIDAS as árvores penetram as raízes da noite. as folhas cristalizam as águas do tempo precipitando os dramas do fumo nos raios por onde passaram as árvores. os raios descobrem-se novos caminhos condensam o tempo que arrefece as folhas nos voos ensanguentados e desnudados. quem irá arrefecer as folhas e cristalizar as águas? as sombras enquanto sobrevivem parecem estar sem a luz da noite.
  27. 27. Página 27 de 41 CREPÚSCULO DE DORES as feridas cresciam nas margens tristes. interrogando as dores. imprevistas. bondosas. as dores também cresciam nos lábios indefinidos onde agonizam as esperanças florescidas. nos meus olhos imperceptíveis cresciam feridas, cresciam dores nas pedras do meu muro: cresciam e ainda crescem. WEBGRAFIA: http://www.infopedia.pt/$joao-maimona http://www.antoniomiranda.com.br/poesia_africana/angola/joao_maimona.html http://angolapoetas.blogspot.pt/2014/04/o-tronco-da-incerteza.html http://angolapoetas.blogspot.pt/2013/04/duvidas.html http://angolapoetas.blogspot.pt/2012/09/crepusculo-de-dores.html Turma: 11ºTDS Aluno: Flávio Alves
  28. 28. Página 28 de 41 CARLOS FERREIRA BIOGRAFIA Poeta e jornalista angolano, Carlos Sérgio Monteiro Ferreira, o Cassé, caluanda de origem, nasceu em 1960, em Angola. Amante do jornalismo, escreve crónicas para alguns jornais angolanos e é redator da Rádio Nacional de Angola onde é responsável e realizador de programas importantes. Mantendo uma grande ligação com a música, Carlos Ferreira é autor de reconhecidas letras para canções, faceta que lhe deu grande prestígio. Membro da União de Escritores Angolanos (UEA), foi cofundador da Brigada Jovem de Literatura de Luanda (BJLL). BIBLIOGRAFIA - Projecto Comum (1982), - Projecto Comunm II (1983), - O Homem dos 4 Andamentos (1985), - Sabor a Sal – Crónicas (1986), - Começar de Novo (1988), Voz à Solta (1991), - Marginal (1994), Namoro o Mar (1996), - Ressaca (2000), - Angústia do Fim (2001), - Quase Exílio (2003).
  29. 29. Página 29 de 41 EXEMPLO DE POEMAS Poema Cinco Busco um sítio. Sinto-me. Gela-me o sangue tanta indiferença. Está partido o banco da felicidade Poema dez Bêbado desloco meus dedos fugazes num piano à solta. A sala cheia com teu nome. WEBGRAFIA: http://www.antoniomiranda.com.br/poesia_africana/angola/carlos_ferreira.html http://www.infopedia.pt/$carlos-ferreira http://www.voaportugues.com/content/angola-carlos-ferreira/1831665.html Turma: 11ºTDS
  30. 30. Página 30 de 41 Aluna: Soraia Pereira EUGÉNIA NETO BIOGRAFIA Maria Eugénia Neto nasceu em 1934, em Trás dos Montes (Portugal) e cresceu em Lisboa. Estudou desenho e línguas estrangeiras e participou nos coros do Conservatório Nacional Português. Publicou os seus primeiros poemas e artigos na imprensa portuguesa. Em 1948, num círculo de intelectuais africanos conhece Agostinho Neto, com quem viria a casar-se dez anos depois. Durante a luta armada de libertação nacional contribui intensamente na divulgação de poemas em programas de rádio e com artigos e poemas em jornais no estrangeiro. Tem-se dedicado à literatura para crianças, tendo já sido traduzida para várias línguas. Já alcançou o prémio de honra da Comissão da RDA para a Unesco; na Exposição Os mais belos livros do mundo, realizada em Leipzig em 1978, com o seu primeiro livro. BIBLIOGRAFIA - Foi Esperança e Foi Certeza. (Literatura infantil): - Nas Florestas dos Bichos falaram (1977); - As nossas mãos constroem a Liberdade (1979); - A formação de uma estrela e outras histórias na terra (1979)
  31. 31. Página 31 de 41 EXEMPLO DE POEMAS Senhor Ando com uma vontade louca de te contactar se não for contigo desabafo com quem ... os amigos não sei em que céus planam. senhor! Pedra negou-te antes do galo cantar. Mas a semente queiram ou não há-de germinar. Andam tíbios foi-se-lhes a fé a esperança e a certeza Ah, senhor! Pedra negou-te antes do galo cantar. Mas a semente queiram ou não há-de germinar.
  32. 32. Página 32 de 41 Poesia Quantas vezes não te fujo poesia para que o meu ser não balance como barco em mar revolto. A história é lenta mas num repente dobra a esquina. Ah! O que barra ainda os horizontes da lua Nada. Apenas o momento predito exacto da hora. WEBGRAFIA: http://www.antoniomiranda.com.br/poesia_africana/angola/eugenia_neto.html http://www.ueangola.com/bio-quem/item/819-maria-eug%C3%A9nia-neto Turma : 11ºTDS Alunas: Anabela Moreira e Filipa Silva
  33. 33. Página 33 de 41 LOPITO FEIJÓO BIOGRAFIA João André da Silva Feijó nasceu em Malanje, a 29 de Setembro de 1963. Estudou Direito em Luanda, na Universidade Agostinho Neto (UAN). Como criador assina usualmente J. A. S. Lopito Feijóo K. Poeta e crítico literário, ensinou Literatura Angolana. Membro fundador da brigada Jovem de Literatura Angolana. Membro fundador da Brigada Jovem de Literatura de Luanda (BJLL), e do Colectivo de Trabalhos Literários OHANDANJI, é membro da União dos Escritores Angolanos (UEA), onde exerceu o cargo de secretário para elações Internacionais. É, atualmente, presidente da Sociedade Angolana do Direito de Autor (SADIA), dirigindo a gazeta dos Autores, órgão de divulgação dessa instituição. Tem colaboração dispersa em publicações de Angola, Portugal, Espanha, Brasil, Estados Unidos da América (EUA), Moçambique, São Tomé e Príncipe, Nigéria, etc. É membro da International Poetry dos EUA e da Maison Internationale de la Poesie, sediada em Bruxelas, Reino da Bélgica. Está repertoriado na 10ª edição do International directory of distinguished leadership (2004-2005), do American Biographical Institute, bem como no Dicionário de Autores de Literaturas Africanas de Língua Portuguesa (1997), de Aldónio Gomes e Fernanda Cavacas. BIBLIOGRAFIA - Doutrina (poesia, UEA,1987); - Me Ditando, Rosa Cor de Rosa, Corpo-a-Corpo (plaquetes de poesia, 1987);
  34. 34. Página 34 de 41 - No Caminho Doloroso das Coisas — Antologia de Jovens Poetas Angolanos (UEA 1988); - Cartas de Amor (UEA, poesia, 1990); - Meditando (ensaio e crítica, 1994). EXEMPLO DE POEMAS KURTA ÁFRICA Não passeia e nunca desce o sol ilumina alumia e brilha dá-nos de njamba a ancestral robustez e o dinamismo de kandimba sempre no auge. Argumentados com um funge de kandumba o calculismo e a tranquilidade dos kilambas os azares dos capazes e a sorte dos audazes rapazes. Turbulenta auto-estrada e fértil fragrância alimento sem o qual hoje e depois não somos o mesmo igual. Autocratas burocratas tecnocratas ou democratas aristocratas de sumaúma ou mesmo artistas de rua com a turva suruma de repetentes olhares!
  35. 35. Página 35 de 41 POEMA PRIMEIRO DA CAUSA Não importa a cor não importa a dor -viva a maciez do oiro. Não importa a voz não importa a foz -viva o caudal do riso. Não importa o berço não importa a bênção -viva a escavação do incauto. (Extrair do humano o jorro bicôncavo do bicho-da-seda. Assumir a sede de um outro irmão. Canalizar o milho Entre nós abundante reconduzindo a lavoura à idade leal) Não importa a malha não importa a falha -importa a função do lema. Não importa o galardão não importa a geração: -importa a assumpção da causa. ÁFRICA! WEBGRAFIA: http://www.portaldeangola.com/2013/06/tres-poemas-de-j-a-s-lopito-feijoo-k/ http://nossomos.org/?p=29 http://www.lusofoniapoetica.com/artigos/angola/lopito-feijoo/biografia-lopito- feijoo.html Turma: 11ºTDS Alunas: Anabela Moreira e Filipa Silva
  36. 36. Página 36 de 41 AGOSTINHO NETO BIOGRAFIA Agostinho Neto nasceu na aldeia de Kaxicane, região de Icolo e Bengo, a cerca de 60 km de Luanda. Envolve-se desde muito cedo em actividades políticas sendo preso em 1951, quando reunia assinaturas para a Conferência Mundial da Paz em Estocolmo. Em 1958, Agostinho Neto licenciou-se em Medicina e, casou com Maria Eugénia, no próprio dia em que concluiu o curso. Neste mesmo ano, foi um dos fundadores do clandestino Movimento Anticolonial (MAC), que reunia patriotas oriundos das diversas colónias portuguesas. Em 8 de Junho de 1960, o director da PIDE veio pessoalmente prender Neto no seu Consultório em Luanda. Foi transferido para uma prisão de Lisboa e, mais tarde foi enviado para Cabo Verde, para Santo Antão e, depois para Santiago, onde continuou a exercer a medicina sob constante vigilância política. Foi durante este período, eleito Presidente Honorário do MPLA. Agostinho Neto regressa a Luanda no dia 4 de Fevereiro de 1975, sendo alvo da mais grandiosa manifestação popular de que há memória em Angola. Membro fundador da União dos Escritores Angolanos, foi eleito pelos seus pares o seu primeiro Presidente. Foi um esclarecido homem de cultura para quem as manifestações culturais tinham de ser, antes de mais, a expressão viva das aspirações dos oprimidos, armas para a denúncia de situações injustas, instrumento para a reconstrução da nova vida.
  37. 37. Página 37 de 41 BIBLIOGRAFIA - Quatro Poemas de Agostinho Neto, 1957, Póvoa do Varzim, e.a.; - Poemas, 1961, Lisboa, Casa dos Estudantes do Império; - Sagrada Esperança, 1974, Lisboa, Sá da Costa (inclui os poemas dos dois primeiros livros); - A Renúncia Impossível, 1982, Luanda, INALD (edição póstuma). EXEMPLO DE POEMAS TWAMBA KAFUNTA Ku matala, ku maha etu, ku yiweleli yetu, mujintema jetu, TWAMBA KAFUNTA Ku maseki etu achinada na kafe-e atookoloka na ndanda eyiluka na nsachi TWAMBA KAFUNTA Ku nyingoti yetu ya ndayimani ya wuru, ndeeña, ya potololi TWAMBA KAFUNTA Mu tuloña twetu, majiya etu
  38. 38. Página 38 de 41 ku jimpidi, ku mavunda TWAMBA KAFUNTA Ku wulelu wa musuwa ku yisemwa yetu mu tufukishili ni ku majiku TWAMBA KAFUNTA Ku jindimba ni muyi-sanji mu kalinavali ketu TWAMBA KAFUNTA Ku Lubanji lwa Angola Ituña detu Iseki detu, nvwali yetu AMANHECER Há um sussuro morno sobre a terra; degladiam-se luz e trevas pela posse do Universo; sente-se a existência a penetrar-nos nas veias vinda lá de fora através da janela; cresce a alegria na alma a Vida murmura-nos doces fantasias.
  39. 39. Página 39 de 41 WEBGRAFIA: http://www.lusofoniapoetica.com/artigos/angola/agostinho-neto/biografia- agostinho-neto.html http://www.agostinhoneto.org/index.php?option- com_content&view=section&id=14&Itemid=202 Turma: 11ºTDS Alunos: Luís Ribeiro e José Ribeiro
  40. 40. Página 40 de 41 CONCEIÇÃO CRISTOVÃO BIOGRAFIA Poeta, engenheiro, docente universitário e deputado angolano, Conceição Luís Cristóvão nasceu no dia 4 de Julho de 1962, em Malanje. Depois de terminar o ensino primário, foi para a cidade do Huambo, onde fez os estudos secundários. Nesta cidade, sentiu o fervilhar do seu gosto pelas Letras, criando os seus primeiros textos poéticos que o vão revelar como um dos nomes importantes do universo literário da geração de 80. Integra, então, a Brigada Jovem de Literatura do Huambo (BJLH). Angolano empenhado e preocupado com os destinos do seu país, Conceição Cristovão assumiu também as funções de deputado à Assembleia Nacional de Angola. Político e poeta, o autor sempre soube, contudo, separar e distinguir o seu discurso argumentativo e político do seu discurso lírico. Licenciado em engenharia e a exercer a docência na Universidade Agostinho Neto, o autor é membro da União de Escritores Angolanos (UEA). BIBLIOGRAFIA - A voz dos Passos Silenciosos; - Amores elípticos; - Idade digital do verso. EXEMPLO DE POEMAS RITOS a cobra se ao deslocar se deixa rasto. a cabra cobra
  41. 41. Página 41 de 41 se no óbito há choro de mutudi. ... rasgar a noite negra? se e só no pó se lê: - o riso da morte é único. e redondo. como um ponto final. IDADE DA PEDRA (há um discurso de facas nas fronteiras lívidas do rosto. a madrugada morre de leucemia. e ainda as florestas não revelam as crateras abertas. línguas de fogo economizam tristezas. deslizam águas na luz da pedra. oh, vidas de pedra, náuseas de pedra. na dura frágil idade da pedra.) WEBGRAFIA: http://www.infopedia.pt/$conceicao-cristovao http://www.antoniomiranda.com.br/poesia_africana/angola conceicao_cristovao.html http://www.lusofoniapoetica.com/artigos/angola/conceicao-cristovao /idade-da-pedra.html Turma: 11ºTDS Aluna: Patrícia Mendes

×