Formaçao das Rochas Sedimentares

19,028 views

Published on

0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
19,028
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
428
Actions
Shares
0
Downloads
4
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Formaçao das Rochas Sedimentares

  1. 1. Escola Secundária de Viriato - 2008 - A.S.
  2. 2. <ul><li>Conjunto de processos que leva à alteração das características iniciais das rochas, por acção de processos físicos e químicos, que ocorrem na superfície da Terra. </li></ul><ul><li>Ajuda a fragmentar as rochas em pequenas porções, que, posteriormente, serão erodidas. </li></ul>Escola Secundária de Viriato - 2008 - A.S.
  3. 3. <ul><li>Meteorização física ou mecânica – inclui os diversos processos que fragmentam a rocha em pedaços cada vez mais pequenos sem que, no entanto, ocorram transformações químicas que alterem a sua composição. </li></ul><ul><li>Meteorização química – verifica-se uma alteração, quer na composição química, quer na composição mineralógica; alguns são destruídos e outros são formados com estruturas cristalinas, mais estáveis nas condições que dominam na superfície terrestre. </li></ul>Escola Secundária de Viriato - 2008 - A.S.
  4. 4. <ul><li>Acção da água : </li></ul><ul><li>Alternância de períodos secos com períodos de forte humidade, originam aumentos de volume e retracções, gerando tensões que conduzem à fracturação e, eventualmente, à desagregação do material rochoso. </li></ul>Escola Secundária de Viriato - 2008 - A.S.
  5. 5. <ul><li>Acção do gelo ou crioclastia </li></ul><ul><li>A água ao mudar do estado líquido para o estado sólido expande-se, e o seu acréscimo de volume exerce forças que aumentam as fissuras já existentes, ou originam novas fissuras, contribuindo, deste modo, para a desagregação das rochas. </li></ul>Escola Secundária de Viriato - 2008 - A.S.
  6. 6. <ul><li>Acção do calor ou termoclastia </li></ul><ul><li>Um aumento de temperatura implica dilatação; um arrefecimento implica contracção. </li></ul><ul><li>Este movimento sistemático, provocado por grandes amplitudes térmicas, leva a uma grande fracturação das rochas com formação de materiais soltos. </li></ul>Escola Secundária de Viriato - 2008 - A.S.
  7. 7. <ul><li>Acção do seres vivos </li></ul><ul><li>A implantação de sementes nas fracturas de rochas porosas e com fraca resistência pode contribuir para a desagregação das mesmas. </li></ul><ul><li>As raízes são responsáveis pelo alargamento das fendas pré-existentes, com consequente separação dos blocos rochosos. </li></ul><ul><li>O vento faz balançar as árvores obrigando ao alargamento das fendas. </li></ul>Escola Secundária de Viriato - 2008 - A.S.
  8. 8. <ul><li>Crescimento de minerais ou haloclastia </li></ul><ul><li>Por vezes, a água que existe nas fracturas e poros das rochas contém sais dissolvidos, que podem precipitar e iniciar o seu crescimento exercendo assim, uma força expansiva, que contribui para uma maior desagregação das rochas. </li></ul><ul><li>Ex. crescimento de cristais do mineral de halite nas áreas costeiras. </li></ul>Escola Secundária de Viriato - 2008 - A.S.
  9. 9. <ul><li>Alívio de pressão </li></ul><ul><li>A redução de pressão sobre uma massa rochosa pode causar a sua expansão e posterior fragmentação. </li></ul><ul><li>Por vezes, este alívio de pressão provoca o aparecimento de camadas concêntricas da capas algo semelhantes escamas de cebola – disjunção esferoidal. </li></ul>Escola Secundária de Viriato - 2008 - A.S.
  10. 10. <ul><li>Este processo transforma os minerais das rochas em novos produtos químicos. </li></ul><ul><li>A sua acção é tanto mais intensa e facilitada quanto maior for o estado de desagregação das rochas. </li></ul><ul><li>É mais frequente em regiões quentes e húmidas; a temperatura desempenha um papel importante na velocidade e dinâmica das reacções químicas que se efectuam. </li></ul>Escola Secundária de Viriato - 2008 - A.S.
  11. 11. <ul><li>Pode ocorrer de 2 maneiras distintas: </li></ul><ul><li>Os minerais são dissolvidos completamente, a exemplo da calcite ou halite, e, posteriormente, podem precipitar formando os mesmos minerais; </li></ul><ul><li>Os minerais são alterados, a exemplo dos feldspatos e micas, e, posteriormente, formam novos minerais, especialmente, minerais de argila. </li></ul>Escola Secundária de Viriato - 2008 - A.S.
  12. 12. <ul><li>Processo pelo qual os agentes erosivos, principalmente a água e o vento, arrancam e separam fragmentos da rocha-mãe. </li></ul><ul><li>A acção erosiva das águas pode originar estruturas muito peculiares, como as chaminés-de-fada. </li></ul>Escola Secundária de Viriato - 2008 - A.S.
  13. 13. <ul><li>Em regra, os materiais resultantes da meteorização não permanecem no seu local de formação. </li></ul><ul><li>A força exercida pelos agentes erosivos é, geralmente suficiente para iniciar o transporte desses materiais. </li></ul><ul><li>De entre os agentes de transporte, os mais importantes são a gravidade terrestre, o vento e a água. </li></ul>Escola Secundária de Viriato - 2008 - A.S.
  14. 14. <ul><li>Arredondamento </li></ul><ul><li>devido aos choques e ao atrito com as rochas da superfície, os fragmentos vão ficando com a sua superfície mais lisa e curva. </li></ul><ul><li>Granotriagem </li></ul><ul><li>as partículas são seleccionadas e separadas de acordo com o tamanho, a forma e a densidade. </li></ul>Escola Secundária de Viriato - 2008 - A.S.
  15. 15. <ul><li>Em locais onde a acção dos agentes de erosão e transporte se anula ou é muito reduzida ocorre a deposição dos materiais. </li></ul><ul><li>O processo de deposição dos sedimentos designa-se sedimentação. </li></ul><ul><li>Para além dos detritos podem depositar-se novos minerais (resultantes da meteorização química), minerais de precipitação das substâncias em solução, e matéria orgânica (plantas mortas, conchas e esqueletos de animais). </li></ul>Escola Secundária de Viriato - 2008 - A.S.
  16. 16. <ul><li>Conjunto dos fenómenos físicos e químicos que transforma os sedimentos móveis e incoerentes em rochas sedimentares com diferentes graus de evolução. </li></ul><ul><li>Dos fenómenos que intervêm na diagénese analisaremos: </li></ul><ul><li>A compactação </li></ul><ul><li>A cimentação </li></ul><ul><li>A recristalização </li></ul>Escola Secundária de Viriato - 2008 - A.S.
  17. 17. <ul><li>À medida que a deposição ocorre, os sedimentos são sucessivamente comprimidos por acção dos novos sedimentos que sobre eles se vão depositando. </li></ul><ul><li>Os materiais subjacentes são sujeitos a um aumento de pressão crescente, o que vai provocar a expulsão da água que existe entre eles e a diminuição da sua porosidade, com consequente diminuição do seu volume. </li></ul>Escola Secundária de Viriato - 2008 - A.S.
  18. 18. <ul><li>Entre os espaços das diferentes partículas pode ocorrer precipitação de substâncias químicas dissolvidas na água, tais como a sílica, o carbonato de cálcio e os óxidos de ferro. </li></ul><ul><li>Este fenómeno de agregação de sedimentos, com a ajuda de uma substância precipitada, designa-se cimentação . </li></ul>Escola Secundária de Viriato - 2008 - A.S.
  19. 19. <ul><li>Alguns minerais alteram a sua estrutura cristalina. </li></ul><ul><li>Este fenómeno ocorre devido a alterações das condições de pressão e temperatura, bem como à circulação de água e outros fluidos, onde estão dissolvidos certos iões. </li></ul>Escola Secundária de Viriato - 2008 - A.S.
  20. 20. <ul><li>DIAS, A.G et al. (2004). Geologia 11 . Porto: Areal Editores </li></ul><ul><li>SILVA, A.D et al. (2004). Terra, Universo de Vida, 2ª parte, Geologia . Porto: Porto Editora </li></ul>Escola Secundária de Viriato - 2008 - A.S.

×