Pró álcool e-pró-óleo

5,551 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
5,551
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
45
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Pró álcool e-pró-óleo

  1. 1. Prof. MSc. Vanessa Carneiro Leite
  2. 2. <ul><li>Pr ograma de substituição em larga escala dos derivados de petróleo. </li></ul><ul><li>Foi desenvolvido para evitar o aumento da dependência externa de divisas quando dos choques de preço de petróleo. </li></ul><ul><li>De 1975 a 2000, foram produzidos cerca de 5,6 milhões de veículos a álcool hidratado. </li></ul><ul><li>Substituiu por uma fração de álcool anidro (entre 1,1% a 25%) um volume de gasolina pura consumida por uma frota superior a 10 milhões de veículos a gasolina. </li></ul>
  3. 3. Evitou emissões de gás carbônico da ordem de 110 milhões de toneladas de carbono (contido no CO 2 ), a importação de aproximadamente 550 milhões de barris de petróleo e, ainda, proporcionou uma economia de divisas da ordem de 11,5 bilhões de dólares.
  4. 4. <ul><li>1975 a 1979 – </li></ul><ul><li>Fase Inicial </li></ul><ul><li>Esforço na produção de álcool anidro para a mistura com gasolina; </li></ul><ul><li>Produção cresceu de 600 milhões de L/ano (1975–76) para 3,4 bilhões de L/ano (1979-80). </li></ul><ul><li>Primeiros carros movidos a álcool surgiram em 1978 </li></ul>
  5. 5. <ul><li>1980 a 1986 - Fase de Afirmação </li></ul><ul><li>o segundo choque do petróleo (1979-80) triplicou o preço do barril de petróleo e as compras desse produto passaram a representar 46% da pauta de importações brasileiras em 1980. </li></ul><ul><li>Acelera o programa </li></ul><ul><li>A produção alcooleira atingiu um pico de 12,3 bilhões de litros em 1986-87, superando em 15% a meta inicial do governo de 10,7 bilhões de L/ano para o fim do período. </li></ul><ul><li>A proporção de carros a álcool no total de automóveis produzidos no país aumentou de 0,46% em 1979 para 26,8% em 1980, atingindo um teto de 76,1% em 1986. </li></ul>
  6. 6. <ul><li>1986 a 1995 - Fase de Estagnação </li></ul><ul><li>Os preços do barril de óleo bruto caíram de um patamar de US$ 30 a 40 para um nível de US$ 12 a 20. </li></ul><ul><li>Na política energética brasileira, seus efeitos foram sentidos a partir de 1988, coincidindo com um período de escassez de recursos públicos para subsidiar os programas de estímulo aos energéticos alternativos, resultando num sensível decréscimo no volume de investimentos nos projetos de produção interna de energia. </li></ul><ul><li>A oferta de álcool não pôde acompanhar o crescimento descompassado da demanda, com as vendas de carro a álcool atingindo níveis superiores a 95,8% das vendas totais de veículos para o mercado interno em 1985. </li></ul>
  7. 8. <ul><li>1995 a 2000  - Fase de Redefinição </li></ul><ul><li>Os mercados de álcool combustível, tanto anidro quanto hidratado, encontram-se liberados em todas as suas fases de produção, distribuição e revenda sendo os seus preços determinados pelas condições de oferta e procura. </li></ul><ul><li>Em 28 de maio de 1998, a medida provisória nº 1.662 dispôs que o Poder Executivo elevará o percentual de adição de álcool etílico anidro combustível à gasolina obrigatório em 22% em todo o território nacional até o limite de 24%. </li></ul>
  8. 9. <ul><li>Fase Atual </li></ul><ul><li>Expansão dos canaviais com o objetivo de oferecer, em grande escala, o combustível alternativo. </li></ul><ul><li>O plantio avança além das áreas tradicionais, do interior paulista e do Nordeste, e espalha-se pelos cerrados. </li></ul><ul><li>A corrida agora é para ampliar unidades e construir novas usinas, decisões da iniciativa privada, convicta de que o álcool terá, a partir de agora, um papel cada vez mais importante como combustível, no Brasil e no mundo. </li></ul><ul><li>Tecnologia dos motores flex fuel </li></ul>
  9. 10. <ul><li>A preocupação ambiental se somou à redução dos estoques e à alta dos preços dos combustíveis fósseis para valorizar as fontes renováveis e menos poluentes de energia. </li></ul><ul><li>A tentativa de se retomar projetos que levem em conta o meio ambiente e o mercado de trabalho. </li></ul><ul><li>O surgimento, em todo o mundo, de novos tipos de veículos e tecnologias de motores (como é o caso dos motores de pilhas a combustível e dos veículos “flex fuel”) tem provocado mudanças importantes na tradicional postura da indústria automobilística e de outros agentes atuantes no mercado. </li></ul>
  10. 11. &quot;O motor Diesel pode ser alimentado com óleos vegetais e poderá ajudar consideravelmente o desenvolvimento da agricultura nos países onde ele funcionar. Isto parece um sonho do futuro, mas eu posso predizer com inteira convicção que esse modo de emprego do motor Diesel pode, num dado tempo, adquirir uma grande importância“ Dr. Rudolph Diesel (1911 )
  11. 12. Matéria-Prima para Produção de Biodiesel Óleos Vegetais
  12. 13. Matéria-Prima para Produção de Biodiesel Óleos Animais
  13. 14. Produção do Biodiesel
  14. 15. Transesterificação Catalisador Reação de Transesterificação Óleo Vegetal Metanol ou Etanol Biodiesel Glicerina Ácido Básico Enzimático
  15. 16. Aspectos Positivos Aspectos Negativos
  16. 17. <ul><li>Fonte renovável de energia </li></ul><ul><li>Aproveitamento de matérias primas de baixo custo </li></ul><ul><li>Redução da emissão de fumaça preta e enxofre </li></ul><ul><li>CO 2 emitido é recapturado pelas plantas </li></ul><ul><li>Não necessita de modificações no motor para que funcione </li></ul><ul><li>Possibilidade de aproveitamento de óleo de fritura </li></ul><ul><li>Custo superior ao diesel </li></ul>Aspectos Positivos e Negativos
  17. 18. Biodiesel no Brasil Diminuir a dependência dos derivados do Petróleo Incrementar o setor agrícola Gerar empregos Melhoria da qualidade dos grandes centros Provável LÍDER da produção mundial
  18. 19. Potencialidade Brasileira
  19. 20. Metanol X Etanol 15/21 Metanol Etanol Álcool Tóxico Cana-de-açúcar Venenoso 100% Renovável Derivado de Petróleo Maior Segurança na Manipulação Mais Barato Maior Disponibilidade
  20. 21. Programa Brasileiro de Desenvolvimento Tecnológico de Biodiesel (ProBiodiesel) 30 de Outubro de 2002 O PROBIODIESEL visa “ promover o desenvolvimento científico e tecnológico de biodiesel, a partir de ésteres etílicos de óleos vegetais puros e/ou residuais.” Sua meta é a “viabilidade técnica, sócio-ambiental e econômica do biodiesel de éster etílico (soja e etanol) e metílico, (...)” 16/21 Portaria 702 do Ministério de Ciência e Tecnologia
  21. 22. Programa Brasileiro de Desenvolvimento Tecnológico de Biodiesel (ProBiodiesel) Objetivos: Plano de Produção de Biodiesel Incentivo ao Plantio de Diversas Oleaginosas Adição de 2% de Biodiesel no Diesel (B2) 2006 2008 Obrigatório 17/21
  22. 23. Referência Bibliográfica 1. COSTA NETO, P.R. Obtenção de Ésteres Alquílicos (Biodiesel) por Via Enzimática a partir de Óleo de Soja. Tese de Doutorado; Curso de Pós-Graduação em Química da Universidade Federal de Santa Catarina, 2002. 2. OBREGÓN, C.L. Obtenção de Biodiesel através da Transesterificação Enzimática: Energia Alternativa para Auto-desenvolvimento, Prêmio Mercosul de Ciência e Tecnologia , 2004. 3. OLIVEIRA D., OLIVEIRA J.V., FACCIO C., MENONCIN S., AMROGINSKI C., Influência das Variáveis de Processo na Alcoólise Enzimática de Óleo de Mamona, Cient. Tecnol. Aliment. , 2004; 4. PASSEY R. , Biodiesel: A Fuel for the Future. Disponível em: http:/www.suitnability.doc.wa.gov.au/CaseStudies/biodiesel/biodiesel.htm Último acesso em: Novembro/2005. 5. PINHEIRO S. , Biodiesel: A Inteligência Nativa e a Ingenuidade Britânica. Disponível em: http://www.biodieselecooleo.com.br/noticias/modules.php . Último acesso em: Novembro/2005. 6. Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel. Disponível em: http://www.biodiesel.gov.br/informacoes.html . Último acesso em: Novembro/2005. 7. http:// www.eca.usp.br/.../ voxscientiae/william15.html . Último acesso em: Novembro/2005 20/21

×