Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Avaliação orientações teórico -metodológicas

949 views

Published on

Síntese do texto "

Published in: Education
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Avaliação orientações teórico -metodológicas

  1. 1. AS ORIENTAÇÕES TEÓRICO-METODOLÓGICAS DA AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM: SIGNIFICADOS E IMPLICAÇÕES PARA A PRÁTICA AVALIATIVA DO PROFESSOR Sonia Maria Duarte Grego Por: Prof.ª Maria Inês Síntese do texto:
  2. 2. OBJETIVO O texto apresenta três modelos teóricos de avaliação educacional, com enfoque em suas dimensões política, ética e metodológica com o objetivo de subsidiar professores e gestores na análise das avaliações que são praticadas nas escolas brasileiras.
  3. 3. INTRODUÇÃO A prática da AVALIAÇÃO não é neutra. Ao optar por um modelo de avaliação, o educador revela seu posicionamento político e ideológico em sua ação pedagógica. É necessário, portanto, conhecer os fundamentos teórico-metodológicos da avaliação que revelam princípios, objetivos e valores que regem os sistemas de avaliação aplicados nas instituições escolares.
  4. 4. AVALIAÇÃO NAS ESCOLAS HOJE  Com relação aos discursos teóricos: No interior das escolas Qualitativa: privilegia a aprendizagem Avaliação externa Quantitativa: analisa a instituição escolar
  5. 5. AVALIAÇÃO NAS ESCOLAS HOJE  Com relação à prática, verifica-se:  Prevalência de uma prática conservadora e elitista no cotidiano das salas de aula.  Processo de avaliação externa de orientação instrumental, centrado em resultados quantitativos e implementado para o monitoramento do sistema.
  6. 6. O que é necessário fazer?  Esclarecer as lógicas e os princípios assumidos nos enfoques teóricos de avaliação para viabilizar a reflexão sobre o significado e o sentido das práticas embutidas nas diferentes metodologias utilizadas nas avaliações internas e externas na rede de ensino público.
  7. 7. Orientações teórico-metodológicas de avaliação A avaliação educacional pode ser entendida como um processo que visa a produzir conhecimentos e informações para orientar o processo de tomada de decisões de diferentes sujeitos em função dos valores que sustentam, seja sobre um sistema educacional, um projeto curricular, um programa de ensino ou sobre o processo de aprendizagem e formação dos alunos. (MacDONALD, 1974; HOUSE, 1989)
  8. 8. Surge, então a pergunta: Quais são os interesses e pressuposições que sustentam cada orientação metodológica?
  9. 9. Habermas (1987) identifica três formas de conhecimento:  Um conhecimento instrumental - que se define na dimensão de produção da vida material, a saber, o trabalho.  Um conhecimento subjetivo-interpretativo - que se define na dimensão da linguagem, nos significados que as pessoas atribuem às coisas e experiências vivenciadas.  Um conhecimento crítico ou teórico-crítico – que se define na dimensão do poder.
  10. 10. Aoki (1986), Grego (1991) e Rodrigues (1994) sugerem três enfoques teórico-metodológicos:  Orientação positivista  Orientação subjetivo-interpretativa ou qualitativa  Orientação crítica ou teórico-crítica
  11. 11. ORIENTAÇÃO POSITIVISTA Tem um interesse em controle, como refletido nos valores de eficiência, efetividade, certeza e predição. A fo rm a d e c o nhe c im e nto im p lic a e m a bs tra ir o s fa to s d e va lo re s , s e nd o a re a lid a d e p a s s íve l d e s e r c o nhe c id a e m te rm o s d e c a us a lid a d e line a r e d e m o ns trá ve l a tra vé s d e p ro c e d im e nto s c ie ntífic o s e x p e rim e nta is , q ua ntific a d a e a na lis a d a e s ta tis tic am e nte .
  12. 12. ORIENTAÇÃO POSITIVISTA valoriza dados empíricos, quantificáveis e tomados como fatos. Exemplos:  Testes de inteligência Tem como base critérios relativos, referenciados na norma ou padrão de grupo.  Testes referentes a critério Utilizados nas avaliações de órgãos oficiais e nas salas de aula. Primeira geração da avaliação-medição Segunda geração da avaliação
  13. 13. Qual foi o embasamento teórico da orientação positivista? O determinismo biológico. “As d e s ig ua ld a d e s na tura is e intríns e c a s e ntre o s s e re s hum a no s a o na s c e re m s ã o d e te rm ina nte s d e e ve ntua is d ife re nç a s e m s e us s ta tus , riq ue z a e p o d e r e q ue e s ta s p ro p rie d a d e s q ue d e fine m o s ind ivíduo s s ã o d e te rm ina d a s bio lo g ic am e nte ”. (LEWONTIN, 1982, p. 153). Uma sociedade democrática providencia não ig ua ld a d e d e s ta tus , m a s d e oportunidade.
  14. 14. Críticas ao uso dos testes de inteligência:  critérios de ‘normalidade’ estabelecidos ideologicamente, com base na cultura da classe dominante.  assimilação acrítica dos diagnósticos psicométricos pelo pensamento pedagógico, institucionalizando a explicação do fracasso escolar das crianças com dificuldades escolares, rotuladas como ‘fracas’, ‘atrasadas’, ‘desajustadas’
  15. 15. Críticas ao uso dos testes referenciados no padrão de grupo:  Uso dos resultados para estabelecer comparações e classificando o aluno como excelente, regular ou insuficiente.  contradição com o discurso atual de uma escola de qualidade para todos, de uma escola inclusiva, pois a cada estudante é atribuído um valor, uma capacidade de inserção. Isso significa classificar, selecionar, discriminar.
  16. 16. Florestan Fernandes (1986) enfatiza, com relação à tradição cultural e educacional brasileira ... [. . . ] é d e um e litism o c ultura l fe cha d o , c e rra d o , num a s o c ie d a d e na q ua l s e c ultivo u, s e m p re , o c o nhe c im e nto , o livro e a té a filo s o fia d a ilus tra ç ã o [. . . ] o p ró p rio p ro fe s s o r inte re s s a va à m e d id a q ue e ra um a g e nte p uro e s im p le s d e tra nsm is s ã o c ultura l [. . . ] um e le m e nto d e m e d ia ç ã o , na c a d e ia inte rm iná ve l d e d o m ina ç ã o p o lític a e c ultura l [. . . ] nunc a p o s to num c o nte x to d e re la ç ã o d e m o c rá tic a c o m a s o c ie d a d e .
  17. 17. Nesta concepção, a finalidade da escola é:  fundamentar e legitimar a hierarquia social.  distinguir, discriminar os “mais aptos” dos “menos aptos” por meio da avaliação da aprendizagem.  justificar as diferenças sociais apresentando-as apenas como individuais.  indicar a adequação ou inadequação do aluno para a continuidade dos estudos.  informar a posição do aluno no grupo-classe onde se insere.  criar expectativas antecipadas quanto à qualificação dos alunos. Obs: isso decorre dos procedimentos avaliativos aplicados na prática Obs: isso decorre dos procedimentos avaliativos aplicados na prática escolar. escolar.
  18. 18. O que a escola está avaliando? Apenas o q ua nto o aluno é capaz de reproduzir de um determinado conteúdo em relação a outros alunos do grupo-classe e esse q ua nto p o d e va ria r, dependendo do grupo de referência. Apenas o q ua nto o aluno é capaz de reproduzir de um determinado conteúdo em relação a outros alunos do grupo-classe e esse q ua nto p o d e va ria r, dependendo do grupo de referência.
  19. 19. A avaliação quantitativa referente a critério: as teorias ambientalistas (a teoria da carência cultural) e a avaliação por objetivos  Mudou o foco de explicação das diferenças entre os indivíduos para fatores ambientais.  Pressuposto: as condições materiais, culturais e emocionais do ambiente familiar têm grande influência na progressão das crianças e dos jovens no processo de escolarização.  teoria da privação cultural parte do princípio de que ausência de conhecimentos, habilidades, valores e modos de linguagem apropriados levam ao baixo aproveitamento escolar.
  20. 20. A avaliação referenciada em critério e avaliação formativa: controle ou desenvolvimento do processo de ensino e aprendizagem?  Tem seu foco em objetivos educacionais.  avaliação por objetivos tem possibilitado a emergência de novas formas de avaliação mais qualitativa.  pretende-se que atenda aos princípios da democracia e da inclusão.  avaliação da qualidade e da eficiência do sistema educacional.
  21. 21. Contradições: - Avaliação da qualidade e da eficiência do sistema educacional envolvem o monitoramento e controle das escolas, do trabalho docente e da aprendizagem dos alunos; - Avaliação do processo de ensino e aprendizagem é comprometida com a formação do aluno e/ou em otimizar as aprendizagens.
  22. 22. OBSERVAÇÕES:  Se a finalidade é avaliar a eficiência e eficácia de um programa ou das escolas, com base nos resultados obtidos pelos alunos em um teste, o interesse é em controle.  Se a finalidade é obter informações relevantes sobre o processo educativo para orientar propostas de melhoria do ensino-aprendizagem, então o interesse é pedagógico e qualitativo.
  23. 23. Questões: Como nos posicionarmos ante estes dois enfoques, de modo a orientar nossa avaliação para uma finalidade pedagógica em essência? E como posicionar nossa prática a serviço de uma pedagogia situada social, cultural e politicamente à realidade brasileira, considerando que os modelos, hoje, postos foram pensados e gestados para outra sociedade, fundamentada em outras concepções de educação e de formação?
  24. 24. Fonte de consulta: http://www.acervodigital.unesp.br/bitstream/123456789/
  25. 25. Obrigada!

×