História da radiologia no mundo aula 1

12,747 views

Published on

Aula de história da radiologia mundial.

Published in: Health & Medicine
  • Be the first to comment

História da radiologia no mundo aula 1

  1. 1. PORQUE IMAGEM É TUDO! Prof. Magno Cavalheiro Faria. Técnico em Radiologia Médica; Tecnólogo em Radiologia (Universidade do Grande Rio) Especializado em Tomografia Computadorizada (CENIB) Especializado em Densitometria Óssea (UERJ) Especializado em Proteção Radiológica (ESPJV – FIOCRUZ)
  2. 2. HISTÓRIA DA RADIOLOGIA História do raios X no mundo e no Brasil Professor: Magno Cavalheiro Faria PORQUE IMAGEM É TUDO!
  3. 3. OBJETIVOS GERAIS AO FINAL DESTA AULA VOCÊ DEVERÁ SER CAPAZ DE CONHECER: O que é radiologia e raios X; O que é eletricidade e seu descobridor; Ampola de Crookies e seu inventor; Raios Catódicos; Significado do Símbolo da radiação; William D. Coolidge; O descobridor do raios X; Pioneiros da radiologia no Brasil.
  4. 4. O QUE É RAIOS X ? • É uma energia que se propaga no espaço ou em um ambiente de por meio físico ou ondulatório
  5. 5. SIGINIFICADO DO SÍMBOLO DA RADIOLOGIA
  6. 6. A ELETRECIDADE No final do século XVIII Benjamin Franklin observou duas espécies elétricas, que existem de cargas chamadas por ele, arbitrariamente, de positiva e negativa.
  7. 7. TUBO DE CROOKES Em 1878 William Crookes desenvolve o tubo que é chamado pelo seu prórpio nome: Tubo de Crookes. Nestes tubos eram estudados os raios catódicos.
  8. 8. TUBO DE CROOKES
  9. 9. EXPERIÊNCIAS DE WILLIAM CROOKES Uma das grandes experiências de William Crookes em 1878 apontaram descargas elétricas que partiam do catodo em direção ao alvo oposto, onde ele introduzia gases dentro do tubo e emitia luz de diversas cores.
  10. 10. EXPERIÊNCIAS DE WILLIAM CROOKES William Crookes em 1878 ao fazer experiências com uma cruz Malta notou que formava-se uma sombra atrás do objeto. Tendo a conclusão de que os raios catódicos propagavam-se em linha reta.
  11. 11. 1879 – J.J THONSOM Em 1879, J.J Thonsom demonstrou que os raios catódicos eram desviados em um campo elétrico.
  12. 12. LENARD: O INIMIGO DE RÖENTGEN Philipp Eduard Lenard, apesar de ter tido um grande laboratório equipado e ter sido o pioneiro para a descoberta do raios X de Röentgen, tropeçou no raios X, mas não o percebeu. Era um homem rancoroso. Queria todos os prêmios só para ele. Por diversas vezes disse: “ Röentgen foi a parteira do raios X, mas a mãe Foi eu”. Em 1888 ele modificou a ampola de Crookes, colocando um alumínio na janela de onde os raios saiam. Utilizou um anteparo fluorescente e verificou que os raios o sensibilizavam
  13. 13. O DESCOBRIDOR DO RAIOS X • • • • • • • Em sua infância, expulso da escola por ter feito uma caricatura do professor; Enviado a Escola Politécnica de Zurique para estudar na Suíça, pois havia ficado reprovado na escola renomada de Utrecht; Formou-se em Engenheiro mecânico; Já casado com Ana Bertha e vivendo da mesada do seu pai; Tornou-se professor adjunto de matemática e química na universidade agrícola de Hoheinheim; Convidado para ser professor de física da Utrecht que o havia rejeitado, negou o convite; Voltou para Würzburg e foi renomado reitor da universidade.
  14. 14. CASA ONDE VIVEU Vivei em Linnep, Alemanha. Filho de um industrial e comerciante de tecidos.
  15. 15. ANA BERTHA RÖENTGEN
  16. 16. INSTITUTO DE FÍSICA DA UNIV. JULIUS MAXIMILIAM - WÜRZBUG
  17. 17. A GRANDE DESCOBERTA Em 8 Novembro de 1895, Wilhelm Conrad Röentgen descobre o raios X em seu laboratório em um tubo de Crookes e uma placa de cianeto de bário.
  18. 18. A EXPERIÊNCIA DE RÖENTGEN Röentgen estava utilizando a ampola de Crookes e fazendo experimentos com a descoberta de Lenard, onde teve a ideia de observar os raios para fora da ampola o que seria possível envolvendo o tubo com um cartão preto e ambiente escuro e colocando vários objetos entre o tubo e as placas de cianureto de bário, onde depois trocou por placas fotográficas.
  19. 19. A COBAIA: ANA BERTHA Após ter mudado sua cama para o laboratório e pedido sua esposa que servisse suas refeições lá, pediu também o auxílio dela, convencendo-a a utilizá-la como cobaia para um de seus experimentos. Foi aí que Ana Bertha permitiu a primeira radiografia humana da história em 22 de Novembro de 1895.
  20. 20. A 1º RADIOGRAFIA HUMANA DA HISTÓRIA MUNDIAL
  21. 21. O ANÚNCIO A SOCIEDADE CIENTÍFICA DA ÉPOCA Em 28 de dezembro de 1895, aproveitando os festejos de natal e final de ano, Röentgen entrega ao presidente da sociedade de física médica de Würzburg e conseguiu convencê-lo a publicar o noticiário as pressas. Enviou para diversos cientistas da época em vários lugares do mundo a sua descoberta com documentos, sendo aproximadamente em número de 90. O primeiro Jornal a anunciar a descoberta foi o alemão.
  22. 22. ANÚNCIO EM VIENA E AMERICANO
  23. 23. ANÚNCIO DE RAIOS X EM PORTUGAL E CONJECTURAS
  24. 24. AS PRIMEIRAS RADIOGRAFIAS Mão do anatomista em sua apresentação Primeira utilização de raios X como método de diagnóstico América
  25. 25. 1º Comunicado Impresso de Röentgen
  26. 26. CAPA DA TESE DE DOUTORADO DE RÖETGEN
  27. 27. RAIOS X VIRA RAIOS DE RÖETGEN
  28. 28. RAIOS X VIRA RAIOS DE RÖETGEN
  29. 29. RAIOS X VIRA RAIOS DE RÖETGEN
  30. 30. RECONHECIMENTO 1901 Toda sociedade científica da época homenageia o grande descobridor daquilo que viria mudar o mundo. Röentgen abre mão dos 50 mil marcosouro para doar para a universidade de Würzburgo
  31. 31. PLACA EMÉRITA AO NOBEL DE RÖENTGEN
  32. 32. FALECIMENTO DE ANA BERTHA Em 1919 Ana Bertha Röentgen morre vítima de uma longa série de pequenas doenças. “... É apagada como uma vela, aos poucos”.
  33. 33. RÖENTGEN SE ENTRISTECE... e morre 1923. No mesmo ano Röentgen pede para mudar-se, onde foi para Munique vivendo mais 4 anos após o falecimento de Ana Bertha, solitariamente e diagnosticado com um tumor através do raios X que ele mesmo descobriu. “ Bela consolação”. Morreu após ter tomado uma injeção de morfina para aliviar a dor. “... Ninguém chorou em seu enterro”.
  34. 34. TÚMULO DE RÖENTGEN
  35. 35. LINHA DO TEMPO
  36. 36. EPÍGRAFE
  37. 37. CASA E MUSEU DE RÖENTGEN
  38. 38. EPÍGRAFE “ Um anjo do céu, apresentou o maravilhoso raios aos cientistas. A medicina recebeu a parte do leão da descoberta. A natureza se manifesta desta forma apenas aos que, pela pesquisa incansável, desenvolveram um instinto para suas complexidades e leis (...). Ninguém poderia ser mais digno, mais predestinado a receber este presente da natureza. A vida deu-lhe muita coisa, mas ele nos deu mais do que recebeu. Uma centelha de sua mente acendeu uma luz que iluminou as trilhas escuras da ciência. Imortal é seu trabalho, imortal é seu nome. ” Rudolph Grashey

×