Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Proposta de redação: A implantação das escolas cívico-militares em debate

1,574 views

Published on

Proposta de redação, Escolas cívico-militares, Proposta de redação sobre escolas cívico-militares, Proposta de redação sobre implantação de escolas cívico-militares, Proposta de redação sobre educação, Proposta de redação sobre educação, Proposta de redação para o ENEM, Propostas de redação para o ENEM, Curso de redação, Curso online de redação, Curso de redação para o ENEM, Curso online de redação para o ENEM, Curso on-line de redação para o ENEM, Salinha de redação, Salinha de redação para o ENEM, Salinha de redação em Belo Horizonte, Salinha de redação em Belo Horizonte para o ENEM, Manoel Neves, Professor Manoel Neves

Published in: Education
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Proposta de redação: A implantação das escolas cívico-militares em debate

  1. 1. Acesse nosso site para mais conteúdo de Redação, linguagens para o ENEM, literatura, língua portuguesa e concursos públicos. www.manoelneves.com - contato@manoelneves.com Instagram: @ manoelnevesmn / Facebook: manoelnevespontocom INSTRUÇÕES PARA A REDAÇÃO • O rascunho da redação deve ser feito no espaço apropriado. • O texto definitivo deve ser escrito à tinta, na folha própria, em até 30 linhas. • A redação que apresentar cópia dos textos da Proposta de Redação ou do Caderno de Questões terá o número de linhas copiadasdesconsiderado para efeito de correção. • Receberá nota zero, em qualquer das situações expressas a seguir, a redação que: a) tiver até 7 (sete) linhas escritas, sendo considerada “texto insuficiente”; b) fugir ao tema ou que não attender ao tipo dissertativo-argumentativo; c) apresentar parte do texto deliberadamente desconectada do tema proposto. TEXTOS MOTIVADORES TEXTO 01 O presidente assinou nesta quinta-feira (5), um decreto que regulamenta a adesão ao Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares. Ao ser lembrado pelo governador Ibaneis Rocha (MDB) de que no Distrito Federal algumas escolas recusaram o modelo militar, Bolsonaro foi taxativo. “Me desculpa não tem de aceitar, tem de impor.” A fala do presidente contraria um dos requisitos para adesão ao programa — o fato de ser voluntária e necessitar da realização de consultas públicas. O governo federal pretende implementar essa gestão em 216 instituições até 2023 — com 54 lugares por ano. Questionado sobre a fala de Bolsonaro, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, reforçou que a adesão ao programa é voluntária. Mas disse que há fila de pais e gestores interessados. E ponderou que a “última palavra” para os assuntos do governo é do Executivo. A ideia é que os militares atuem em tutorias e na área administrativa. Eles não vão substituir os professores dentro da sala de aula, por exemplo. Devem ser contratados militares da reserva, por meio de processo seletivo. A duração mínima dos serviços é de dois anos, prorrogável por até dez. O contrato com os militares pode ser cancelado a qualquer momento. Os profissionais vão ganhar 30% da remuneração que recebiam antes de se aposentar. Em geral, a justificativa da gestão compartilhada com a PM é a de trazer mais segurança e disciplina para as escolas em áreas de risco social. Em Goiás, já há 60 escolas estaduais militarizadas, com avaliação positiva do governo. Como o modelo é recente, não há estudos conclusivos mostrando melhor desempenho dos alunos. Em uma apresentação local, o MEC mostrou um slide que dizia que as escolas cívico-militares tinham Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) superior às escolas públicas civis, mas, questionado pela reportagem, não soube explicar como foram calculados os dados. (…) Para toda regra não cumprida é realizada uma ocorrência e o aluno perde pontos. Cabelos fora do padrão, por exemplo, constituem falta leve. Estudam na escola filhos de policiais militares, a maioria, e de civis. (…) Para a presidente executiva do movimento Todos Pela Educação, Priscila Cruz, é mais uma política que vai tirar recursos e tempo de gestão, em vez de investir em formação dos professores e adoção de tempo integral nos colégios. “A militarização é a confissão deste governo da sua incapacidade de formular e implementar políticas educacionais consagradas pelas experiências nacionais e internacionais”, diz. Governo quer 54 escolas cívico-militares e fala em “impor” modelo. Revista Exame, 2019. TEXTO 02 Esses 12.561 alunos dos colégios militares correspondem a 0,07% do total de 17,1 milhões de estudantes em instituições públicas do país, nos mesmos anos escolares. Ou seja, trata-se de uma fatia ínfima de alunos - e com acesso restrito a civis. Além disso, o custo de um aluno no colégio militar é 2,7 vezes superior ao da rede pública de ensino.
  2. 2. Acesse nosso site para mais conteúdo de Redação, linguagens para o ENEM, literatura, língua portuguesa e concursos públicos. www.manoelneves.com - contato@manoelneves.com Instagram: @ manoelnevesmn / Facebook: manoelnevespontocom Enquanto o custo médio anual estimado de um estudante de escola pública do sexto ao nono ano é de R$ 5,9 mil, segundo o Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais), cada aluno custa R$ 16 mil ao ano no colégio militar, de acordo com o Exército. O valor se aproxima da despesa anual por aluno nas universidades públicas, O valor se aproxima da despesa anual por aluno nas universidades públicas, estimado em R$ 21,8 mil. Bolsonaro quer um colégio militar em cada capital até 2020. UOL confere, 2018. TEXTO 03 O governo ainda não explicou se vai bancar eventuais custos extras que as escolas possam ter com as novas regras militares. Se os alunos tiverem de usar fardas, por exemplo — que custam mais caro que os uniformes normais das redes estaduais — não está claro se quem vai bancar é o governo federal ou as secretarias. "Nas escolas que atualmente adotam o modelo de parceria cívico-militar, fora do programa, na verdade as escolas acabaram gastando mais dinheiro", diz Costin, citando casos de unidades na Bahia e em Goiás. Nem o salário dos militares é pago pelo governo federal, é dinheiro do orçamentos locais que é utilizado. "Você desvia a política educacional, a energia e os recursos da educação que já são escassos para profissionais que não são da área", analisa Costin. O que o governo ainda precisa explicar sobre o funcionamento das escolas cívico-militares. BBC Brasil, 2019. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/brasil-49982226. Acesso em: 12 out. 2019. TEXTO 04 Algumas das principais entidades especializadas em educação criticaram a adoção do modelo porque toma como modelo escolas militares ligadas ao Exército. "O investimento por aluno é três vezes maior do que na escola regular de turno parcial, faz seleção de alunos e atende a uma parcela com nível socioeconômico mais alto", afirmou o movimento Todos Pela Educação (TPE). […] Em outro ponto do artigo, as entidades apontam que a militarização como "política educacional fere o direito universal à educação de qualidade para todos os cidadãos", já que haverá investimento em algumas escolas, enquanto "as demais escolas das redes públicas regulares padecem em precárias condições infraestruturais, tecnológicas, pedagógicas e de pessoal". Escola cívico-miliar: veja perguntas e respostas sobre o modelo defendido pelo governo Bolsonaro. G1, 2019. Disponível em: https://g1.globo.com/educacao/noticia/2019/09/05/escola-civico-militar-veja-perguntas-e-respostas-sobre-o-modelo-defendido-pelo-governo- bolsonaro.ghtml. Acesso em: 13 out. 2019. PROPOSTA DE REDAÇÃO A partir da leitura dos textos motivadores e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija texto dissertativo-argumentativo em norma padrão da língua portuguesa sobre o tema: “Implementação das escolas cívico-militares em debate”. Selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, argumentos e fatos para defesa de seu ponto de vista.

×