O negro na literatura brasileira

4,709 views

Published on

5 Comments
11 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
4,709
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2,220
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
5
Likes
11
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

O negro na literatura brasileira

  1. 1. história da literaturaO negro na literatura brasileira Manoel Neves
  2. 2. ALGUNS PRESSUPOSTOS! o negro na literatura brasileira
  3. 3. ALGUNS PRESSUPOSTOS! o negro na literatura brasileira LITERATURA  NEGRA   sen$do  amplo   sen$do  estrito  qualquer  texto  que  tenha  o  negro  por  tema;   feita  por  negros  ou  afrodescendentes;  revela  a  condição  do  negro/afrodescendente;   é  perpassada  pela  visão  de  mundo  do  negro;   o  negro  é  visto  como  grupo  étnico  singular.   aspectos  sociais,  culturais  e  históricos  do  negro.
  4. 4. ALGUNS PRESSUPOSTOS! o negro na literatura brasileira LITERATURA  NEGRA   negro  como  objeto   negro  como  sujeito  visão  distanciada  [literatura  sobre  o  negro]   a$tude  engajada  [literatura  do  outro/negro]   o  negro  aparece  como  personagem   o  locutor  é  um  [d]enunciador  de  sua  condição  ideologia/estereó$pos  da  esté$ca  branca   sujeito  d  história:  definição  d  iden$dade  negra  
  5. 5. PRECONCEITO E ESTEREÓTIPO! o negro na literatura brasileira origens do preconceitonos  textos  do  início  da  colonização,  a  dicotomia  colonizador  x  colonizado  é  muito  clara   COLONIZADOR   COLONIZADO   civilizado   bárbaro   racional   irracional   decente   indecente   religioso   pagão   culto   inculto  
  6. 6. PRECONCEITO E ESTEREÓTIPO! o negro na literatura brasileira origem bíblicao  mito  bíblico  de  Cam,  presente  no  Velho  Testamento,  trata,  para  alguns,  da  origem  da  África   o preconceito de cor seguindo  a  lógica  eurocêntrica  colonialista,  a  cor  negra  estaria  associada  ao  mal  e  à  feiura   a  cor  branca,  por  sua  vez,  encarnaria  a  bondade  e  a  beleza.   estereótipos raciais três  são  os  estereó$pos  do  negro  que  perpassam  a  literatura  brasileira   [o  bom  negro,  o  negro  perverso  e  o  negro  sexualizado]  
  7. 7. PRECONCEITO E ESTEREÓTIPO! o negro na literatura brasileira o bom negro escravo  completamente  fiel  ao  senhor;   não  ques$ona  a  escravidão  nem  possui  a  liberdade  do  homem  livre;  Isaura,  protagonista  do  romance  de  Bernardo  Guimarães;  Bertoleza,  de  O  cor&ço.   o negro perverso intrinsecamente  mau,  bárbaro  e  animalizado;   a  ins$tuição  o  animaliza;  de  outro  modo,  poderia  ser  um  bom  cidadão;  Pedro,  protagonista  de  O  demônio  familiar;  Amaro,  protagonista  de  Bom  Crioulo.   o negro sexualizado extremamente  sensual,  perver$do;   seu  comportamento  provém  da  licenciosidade  das  senzalas   Firmo  e  Rita  Baiana,  personagens  de  O  cor&ço.  
  8. 8. O NEGRO NO BARROCO! o negro na literatura brasileira
  9. 9. O NEGRO NO BARROCO! o negro na literatura brasileira Quem  são  seus  doces  objetos?...  Pretos.     Tem  outros  bens  mais  maciços?...  Mes$ços.     Quais  destes  lhe  são  mais  gratos?...  Mulatos.   Dou  ao  demo  os  insensatos,     Dou  ao  demo  a  gente  asnal,     Que  es$ma  por  cabedal     Pretos,  mes$ços,  mulatos.  MATOS, Gregório de. Juízo anatômico da cidade. Disponível em: http://manoelneves.com   o  negro  é  estereo$pado:  a  cor  da  pele  é  índice  do  que  se  deve  desprezar  
  10. 10. O NEGRO NO BARROCO! o negro na literatura brasileira Jelu,  vós  sois  rainha  das  mulatas.   E,  sobretudo,  vós  sois  rainha  das  putas.   Tendes  o  mando  sobre  as  dissolutas   Que  moram  nas  quitandas  dessas  gatas.  MATOS, Gregório de. Rainha das mulatas. Disponível em: http://www.elsonfroes.com.br/sonetario/matos.htm   o  negro  e  o  impuro,  o  bes$al,  o  sórdido  
  11. 11. O NEGRO NO ROMANTISMO! o negro na literatura brasileira
  12. 12. O NEGRO NO ROMANTISMO! o negro na literatura brasileira–  Não  gosto  que  a  cantes,  não,  Isaura.  Hão  de  pensar  que  és  maltratada,  que  és  uma  escrava  infeliz,  ví$ma  de  senhores  bárbaros  e  cruéis.  Entretanto  passas  aqui  uma  vida,  que  faria  inveja  a  muita   gente   livre.   Gozas   da   es$ma   de   teus   senhores.   Deram-­‐te   uma   educação,   como   não  $veram   muitas   ricas   e   ilustres   damas,   que   eu   conheço.   És   formosa   e   tens   uma   cor   linda,   que  ninguém  dirá  que  gira  em  tuas  veias  uma  só  gota  de  sangue  africano.     GUIMARÃES, Bernardo. A escrava Isaura. São Paulo: Ática, 2001.   escravo  nobre,  que  vence  à  força  de  seu  branqueamento  e  a  custo  de  sacriccio  e  humilhação  
  13. 13. O NEGRO NO ROMANTISMO! o negro na literatura brasileiraEDUARDO:   Por   que,   minha   irmã?   Todos   devemos   perdoar-­‐nos   mutuamente;   todos   somos  culpados  por  havermos  acreditado  ou  consen$do  no  fato  primeiro,  que  é  a  causa  de  tudo  isto.  O  único  inocente  é  aquele  que  não  tem  imputação,  e  que  fez  apenas  uma  travessura  de  criança,  levado   pelo   ins$nto   da   amizade.   Eu   o   corrijo,   fazendo   do   autômato   um   homem;   res$tuo-­‐o   à  sociedade,  porém  expulso-­‐o  do  seio  de  minha  família  e  fecho-­‐lhe  para  sempre  a  porta  de  minha  casa.   (a   PEDRO)   Toma:   é   a   tua   carta   de   liberdade,   ela   será   a   tua   punição   de   hoje   em   diante,  porque   as   tuas   faltas   recairão   unicamente   sobre   $;   porque   a   moral   e   a   lei   te   pedirão   uma   conta  severa  de  tuas  ações.  Livre,  sen$rás  a  necessidade  do  trabalho  honesto  e  apreciarás  os  nobres  sen$mentos  que  hoje  não  compreendes.  (PEDRO  beija-­‐lhe  a  mão.)   ALENCAR, José de. O demônio familiar. Disponível em: http://www.calendario.cnt.br/demoniofamiliar03.htm   negro  infan$lizado:  inimputável,  irresponsável,  serviçal  e  subalterno  
  14. 14. O NEGRO NO ROMANTISMO! o negro na literatura brasileira "Minha  terra  é  lá  bem  longe,   "O  sol  faz  lá  tudo  em  fogo,   "Aquelas  terras  tão  grandes,  Das  bandas  de  onde  o  sol  vem;   Faz  em  brasa  toda  a  areia;   Tão  compridas  como  o  mar,   Esta  terra  é  mais  bonita,   Ninguém  sabe  como  é  belo   Com  suas  poucas  palmeiras   Mas  à  outra  eu  quero  bem!   Ver  de  tarde  a  papa-­‐ceia!   Dão  vontade  de  pensar...   O  escravo  calou  a  fala,   O  escravo  então  foi  deitar-­‐se,   Porque  na  úmida  sala   Pois  $nha  de  levantar-­‐se   O  fogo  estava  a  apagar;   Bem  antes  do  sol  nascer,   E  a  escrava  acabou  seu  canto,   E  se  tardasse,  coitado,   Pra  não  acordar  com  o  pranto   Teria  de  ser  surrado,   O  seu  filhinho  a  sonhar!   Pois  bastava  escravo  ser.   ALVES, Castro. Canção do africano. Disponível em: http://www.revista.agulha.nom.br/calves08.html   negro  ví$ma:  idealizado;  pretexto  para  a  exaltação  da  liberdade  e  da  causa  abolicionista  
  15. 15. O NEGRO NO NATURALISMO! o negro na literatura brasileira
  16. 16. O NEGRO NO NATURALISMO! o negro na literatura brasileiraEra   uma   pena,   decerto,   ver   aquele   rosto   de   mulher,   aquelas   formas   de   mulher,   aquela  estatuazinha  de  mármore,  entregue  às  mãos  grosseiras  de  um  marinheiro,  de  um  negro...  Muita  vez  o  pequeno  fora  seduzido,  arrastado.     CAMINHA, Adolfo. Bom Crioulo. São Paulo: Ática, 2005.   estereó$po:  negro  perver$do,  beberrão  e  brigador  
  17. 17. O NEGRO NO NATURALISMO! o negro na literatura brasileiraUma  conversa  cerrada  travara-­‐se  no  resto  da  fila  de  lavadeiras  a  respeito  da  Rita  Baiana.  —   É   doida   mesmo!...   censurava   Augusta.   Meter-­‐se   na   pândega   sem   dar   conta   da   roupa   que   lhe  entregaram...  Assim  há  de  ficar  sem  um  freguês...  —   Aquela   não   endireita   mais!...   Cada   vez   fica   até   mais   assanhada!...   Parece   que   tem   fogo   no  rabo!  Pode  haver  o  serviço  que  houver,  aparecendo  pagode,  vai  tudo  pro  lado!  Olha  o  que  saiu  o  ano  passado  com  a  festa  da  Penha!...  —  Então  agora,  com  este  mulato,  o  Firmo,  é  uma  pouca-­‐vergonha!  Est’ro  dia,  pois  você  não  viu?  levaram  ai  numa  bebedeira,  a  dançar  e  cantar  à  viola,  que  nem  sei  o  que  parecia!  Deus  te  livre!  —  Para  tudo  há  horas  e  há  dias!...  —  Para  a  Rita  todos  os  dias  são  dias  santos!  A  questão  é  aparecer  quem  puxe  por  ela!  —  Ainda  assim  não  e  má  criatura...  Tirante  o  defeito  da  vadiagem...   AZEVEDO, Aluísio. O cortiço. São Paulo: Ática, 2001.   estereó$po:  negra  sexualizada,  irresponsável,  perdulária,  festeira,  sem  vergonha,  vadia  
  18. 18. O NEGRO NO NATURALISMO! o negro na literatura brasileiraFirmo,  o  atual  amante  de  Rita  Baiana,  era  um  mulato  pachola,  delgado  de  corpo  e  ágil  como  um  cabrito;   capadócio   de   marca,   pernós$co,   só   de   maçadas,   e   todo   ele   se   quebrando   nos   seus  movimentos  de  capoeira.     AZEVEDO, Aluísio. O cortiço. São Paulo: Ática, 2001.   estereó$po:  negro  sexualizado,  vagabundo,  malandro,  espertalhão  
  19. 19. O NEGRO NO NATURALISMO! o negro na literatura brasileiraBertoleza  é  que  con$nuava  na  cepa  torta,  sempre  a  mesma  crioula  suja,  sempre  atrapalhada  de  serviço,  sem  domingo  nem  dia  santo;  essa,  em  nada,  em  nada  absolutamente,  par$cipava  das  novas  regalias  do  amigo;  pelo  contrário,  à  medida  que  ele  galgava  posição  social,  a  desgraçada  fazia-­‐se  mais  e  mais  escrava  e  rasteira.  João  Romão  subia  e  ela  ficava  cá  embaixo,  abandonada  como  uma  cavalgadura  de  que  já  não  precisamos  para  con$nuar  a  viagem.   AZEVEDO, Aluísio. O cortiço. São Paulo: Ática, 2001.   estereó$po:  negro  bom:  coitado,  sofre  sem  reclamar,  obedece  cegamente  ao  seu  algoz  
  20. 20. O NEGRO NO SIMBOLISMO! o negro na literatura brasileira
  21. 21. O NEGRO NO SIMBOLISMO! o negro na literatura brasileiraDeus  meu!  Por  uma  questão  banal  da  química  biológica  do  pigmento  ficam  alguns  mais  rebeldes  e   curiosos   fósseis   preocupados,   a   ruminar   primi$vas   erudições,   perdidos   e   atropelados   pelas  longas  galerias  submarinas  de  uma  sabedoria  infinita,  esmagadora,  irrevogável!  Mas,   que   importa   tudo   isso?!   Qual   é   a   cor   da   minha   forma,   do   meu   sen$r?   Qual   é   a   cor   da  tempestade  de  dilacerações  que  me  abala?  Qual  a  dos  meus  sonhos  e  gritos?  Qual  a  dos  meus  desejos  e  febre?  —   Tu   és   dos   de   Cam,   maldito,   réprobo,   anatema$zado!   Falas   em   abstrações,   em   Formas,   em  Espiritualidades,  em  Requintes,  em  Sonhos!  Como  se  tu  fosses  das  raças  de  ouro  e  da  aurora,  se  viesses   dos   arianos,   depurado   por   todas   as   civilizações,   célula   por   célula,   tecido   por   tecido,  cristalizado  o  teu  ser  num  verdadeiro  cadinho  de  ideias,  de  sen$mentos  —  direito,  perfeito,  das  perfeições  oficiais  dos  meios  convencionalmente  ilustres!   SOUZA, João da Cruz e. Emparedado. Disponível em: http://manoelneves.com   denuncia-­‐se,  denota$vamente,  o  preconceito  reves$do  de  ciência  [determinismo  biológico]  
  22. 22. O NEGRO NO PRÉ-MODERNISMO! o negro na literatura brasileira
  23. 23. O NEGRO NO PRÉ-MODERNISMO! o negro na literatura brasileiraAh!  Seria  doutor!  Resgataria  o  pecado  original  do  meu  nascimento  humilde,  amaciaria  o  suplício  premente,  cruciante  e  omnímodo  de  minha  cor...     BARRETO, Lima. Recordações do escrivão Isaías Caminha. São Paulo: Ática, 2001.   denúncia:  preconceito  racial  e  poucas  oportunidades  de  ascensão  social  dos  afrodescendentes  
  24. 24. O NEGRO NO PRÉ-MODERNISMO! o negro na literatura brasileiraNegrinha   era   uma   pobre   órfã   de   sete   anos.   Preta?   Não;   fusca,   mula$nha   escura,   de   cabelos  ruços  e  olhos  assustados.  Nascera   na   senzala,   de   mãe   escrava,   e   seus   primeiros   anos   vivera-­‐os   pelos   cantos   escuros   da  cozinha,  sobre  velha  esteira  e  trapos  imundos.  O  corpo  de  Negrinha  era  tatuado  de  sinais,  cicatrizes,  vergões.  Ba$am  nele  os  da  casa  todos  os  dias,  houvesse  ou  não  houvesse  mo$vo.   LOBATO, Monteiro. Negrinha. Disponível  em:  hpp://www.releituras.com.br     denúncia  da  violência  de  que  é  ví$ma  o  negro  
  25. 25. O NEGRO NO MODERNISMO! o negro na literatura brasileira
  26. 26. O NEGRO NO MODERNISMO! o negro na literatura brasileira Você  é  tão  suave,     Vossos  lábios  suaves     Vagam  no  meu  rosto,     Fecha  meu  olhar.     Sol-­‐posto.     É  a  escureza  suave     Que  vem  de  você,     Que  se  dissolve  em  mim.  LIMA, Jorge de. Poemas negros. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001.   celebração  da  beleza  negra  
  27. 27. O NEGRO NO MODERNISMO! o negro na literatura brasileira Seu  branco,  dê  o  fora,   Deixe  os  nêgo  em  páis.   Nóis  tem  cachacinha,   Tem  coco  de  sobra,   Nóis  tem  iaiá  preta,   Nóis  dança  de  noite;   Nóis  reza  com  fé.   Seu  branco  é  demais.   Praquê  que  vancêis   Foi  rúim  pros  escravo,   Jogou  no  porão   Pra  gente  morrê   Com  falta  de  ar?  
  28. 28. O NEGRO NO MODERNISMO! o negro na literatura brasileira Seu  branco  dê  o  fora,   Sinão  toma  pau   Aqui  no  quilombo   Quem  manda  primeiro   Deus  nosso  sinhô,   Depois  é  São  Cosme   Mais  São  Damião,   A  Virge  Maria,   Depois  semo  nóis.   Ezerço  de  branco   Não  vale  um  real,   Zumbi  aparece,   Mostrou  o  penacho,   Vai  branco  sumiu   Crúiz  credo  no  inferno.   Seu  branco,  dê  o  fora,   Não  volte  mais  não.    MENDES, Murilo Cantiga de Palmares. In.: História do Brasil. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2003.   celebração  do  cultura,  da  ideologia  e  da  visão  negra  do  mundo  
  29. 29. O NEGRO NO MODERNISMO! o negro na literatura brasileiraJOÃO   GRILO:   Muito   bem.   Falou   pouco,   mas   falou   bonito.   A   cor   pode   não   ser   das   melhores,   mas  o  senhor  fala  bem  que  faz  gosto.  MANUEL:   Muito   obrigado,   João,   mas   agora   é   sua   vez.   Você   é   cheio   de   preconceito   de   raça.   Vim  hoje  assim  de  propósito,  porque  sabia  que  ia  despertar  comentários.  Que  vergonha!  Eu,  Jesus,  nasci  branco  e  quis  nascer  judeu,  como  podia  ter  nascido  preto.  Para  mim  tanto  faz  um  branco  ou  um  preto.  Você  pensa  que  sou  americano  para  ter  preconceito  de  raça?   SUASSUNA, Ariano. Auto da Compadecida. Rio de Janeiro: Agir, 2001.   celebração  do  cultura,  da  ideologia  e  da  visão  negra  do  mundo  
  30. 30. O NEGRO NO MODERNISMO! o negro na literatura brasileira Mas  irmão,  fica  sabendo     Piedade  não  é  o  que  eu  quero     Piedade  não  me  interessa     Os  fracos  pedem  piedade     Eu  quero  coisa  melhor     Eu  não  quero  mais  viver     No  porão  da  sociedade     Não  quero  ser  marginal     Quero  entrar  em  toda  a  parte     Quero  ser  bem  recebido     Basta  de  humilhações     Minha  alma  já  está  cansada     Eu  quero  o  sol  que  é  de  todos     Ou  alcanço  tudo  o  que  eu  quero     Ou  gritarei  a  noite  inteira     Como  gritam  os  vulcões     Como  gritam  os  vendavais     Como  grita  o  mar     E  nem  a  morte  terá  força     Para  me  fazer  calar!   ASSUNÇÃO, Carlos. Protesto.  

×