Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Análise da Prova de Redação da UERJ-2010

26 views

Published on

Proposta de redação, UERJ, Análise da prova de redação da UERJ-2020, Vidas secas, Proposta de redação sobre o livro Vidas secas, Proposta de redação para a UERJ, , Curso de redação, Curso online de redação, Curso on-line de redação, Curso de redação para o ENEM, Curso online de redação para o ENEM, Curso on-line de redação para o ENEM, Salinha de redação, Salinha de redação para o ENEM, Salinha de redação em Belo Horizonte, Salinha de redação em Belo Horizonte para o ENEM, Manoel Neves, Professor Manoel Neves

Published in: Education
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Análise da Prova de Redação da UERJ-2010

  1. 1. ANÁLISE DA PROVA DE REDAÇÃO DA UERJ TEXTO DE APOIO COMANDO ANALISANDO OS TEXTOS DE APOIO Os textos de apoio indicam, de forma muito clara, duas personagens a que Fabiano se submete, a saber: o Patrão e o Soldado Amarelo. Obviamente, seria muito mais fácil construer a dissertação a partir da explicação/análise dos (dois) tipos de opressão exercidas por essas
  2. 2. personagens. O candidato poderia, entretanto, a partir da leitura do comando da prova de redação, indicar outros elementos — que não os sugeridos no texto de apoio — como responsáveis da opressão sofrida pela personagem. ARGUMENTOS/TESES O PATRÃO: opressão econômica Explanação/Explicação da tese: Fabiano submete-se ao patrão devido à necessidade de sobrevivência econômica. Justificativas/Cenas que comprovam a validade da tese: a) a família chega à fazenda e espera, submissa, pelo chegada do dono; b) Fabiano e sua família trabalham para o proprietário; c) o patrão paga menos do que o valor combinado a Fabiano; d) Fabiano sabe que está recebendo uma quantia menor do que o patrão lhe devia; e) Fabiano aceita que o patrão tome parte de seu pagamento, pois tema ficar sem ter onde trabalhar. O SOLDADO AMARELO: opressão social Explanação/Explicação da tese: O protagonista de “Vidas secas” submete-se ao Soldado Amarelo porque essa personagem representa o Poder Público, o governo. Justificativas/Cenas que comprovam a validade da tese: a) Fabiano aceita o convite do soldado amarelo para jogar; b) Fabiano é espancado pelo Soldado Amarelo; c) Fabiano passa vários dias preso; d) Fabiano reencontra o Soldado Amarelo na caatinga; e) o Soldado Amarelo, mesmo tendo agredido injustamente Fabiano pede um favor ao sertanejo; f) Fabiano hesita em ajudar; g) Fabiano indica o caminho para o Soldado Amarelo [a frase pronunciada pelo protagonista — “Governo é governo” — evidencia a incapacidade de pensar criticamente — trata-se de um raciocínio infantil, repetitivo, circular, tautológico — e a submissão do homem comum ao poder opressor do Estado]. OUTRAS HIPÓTESES ARGUMENTATIVAS DETERMINISMO BIOLÓGICO [o homem é fruto de suas heranças biológicas] Em vários momentos, na obra, percebe-se que a situação de (opressão vivida por) Fabiano é compartilhada por outras personagens. Apesar de o protagonista do romance possuir o fenótipo da classe dominante (ruivo de olhos azuis), sua posição social foi herdada de seus pais, e seus filhos inexoravelmente seguirão os passos do pai. DETERMINISMO SOCIAL [o homem é fruto do meio — físico ou social —] O meio físico oprime Fabiano: a seca determina o destino da personagem: já no primeiro capítulo, os retirantes fogem da seca e buscam melhores condições de vida; tempo depois, após decifrar os sinais de que outra seca era iminente, o protagonista e sua família acabam fugindo, tal qual ocorrera no início da obra.
  3. 3. O meio social oprime Fabiano: além das duas cenas protagonizadas por Fabiano e pelo Soldado Amarelo, pode-se citar a cena em que Fabiano e sua família vão à Igreja. Apesar de as personagens estarem em meio a iguais em uma festividade natalina, Fabiano sente-se oprimido (pelas pessoas, por não saber conversar, pela roupa nova). LINGUAGEM Outra hipótese argumentativa seria apontar a falta de domínio da linguagem como índice de opressão. Para fundamentar essa hipótese, o aluno poderia apontar o fato de a personagem ter dificuldade para se comunicar com os humanos. Exemplos são abundantes na obra. A vontade de imitar Seu Tomás da Bolandeira e o uso de expressões tautológicas — “Festa é festa” e “Governo é governo” — são alguns hipóteses de demonstração da validade desse argumento. @manoelnevesmn

×