Successfully reported this slideshow.
Your SlideShare is downloading. ×

Release PNAD C 3º trimestre 2021 - Observatório Trabalho Ba

Ad
Ad
Ad
Ad
Ad
Ad
Ad
Ad
Ad
Ad
Ad
OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DA BAHIA
RELEASE DA PNADC – ANÁLISE 3º TRIMESTRE DE 2021
Integra o Produto 2.2 do Plano de Trabal...
EXPEDIENTE DA SECRETARIA DO TRABALHO, EMPREGO, RENDA E
ESPORTE DO GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA
RUI COSTA
Governador
JOÃO LEÃ...
EXPEDIENTE DO DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E
ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS – DIEESE
Direção Técnica
Fausto Augusto ...
Advertisement
Advertisement
Loading in …3
×

Check these out next

1 of 14 Ad
Advertisement

More Related Content

Similar to Release PNAD C 3º trimestre 2021 - Observatório Trabalho Ba (20)

More from TRAMPO Comunicação e Eventos Soares (20)

Advertisement

Recently uploaded (20)

Release PNAD C 3º trimestre 2021 - Observatório Trabalho Ba

  1. 1. OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DA BAHIA RELEASE DA PNADC – ANÁLISE 3º TRIMESTRE DE 2021 Integra o Produto 2.2 do Plano de Trabalho Contrato de Prestação de Serviços Nº. 027/2021 – SETRE-BA e DIEESE NOVEMBRO DE 2021 SALVADOR/BA
  2. 2. EXPEDIENTE DA SECRETARIA DO TRABALHO, EMPREGO, RENDA E ESPORTE DO GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA RUI COSTA Governador JOÃO LEÃO Vice-Governador DAVIDSON DE MAGALHÃES SANTOS Secretário do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte JUREMAR DE OLIVEIRA Chefe de Gabinete MARCELO BRITO DA SILVA Superintendente de Desenvolvimento do Trabalho MILTON BARBOSA DE ALMEIDA FILHO Superintendente de Economia Solidária DANILO XAVIER Diretor-Geral FREDERICO FERNANDES Coordenador do Observatório do Trabalho da Bahia SETRE – Secretaria de Trabalho, Emprego, Renda e Esporte Endereço: 2ª Avenida, nº 200, Plataforma III - 3º andar, Sala 306 – CAB Salvador - Bahia – Brasil - CEP: 41.745-003 http://www.setre.ba.gov.br
  3. 3. EXPEDIENTE DO DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SOCIOECONÔMICOS – DIEESE Direção Técnica Fausto Augusto Jr – Diretor Técnico Patrícia Toledo Pelatieri – Diretora Técnica Adjunta José Silvestre Prado de Oliveira – Diretor Técnico Adjunta Coordenação Geral do Projeto Patrícia Toledo Pelatieri – Diretora Técnica Adjunta Ana Georgina Dias – Supervisora do Escritório Regional do DIEESE na Bahia Flávia Santana Rodrigues – Técnica Responsável pelo Projeto Técnica Responsável pelo Estudo Flávia Santana Rodrigues DIEESE – Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos Rua Aurora, 957 – Centro – São Paulo – SP – CEP 01209-001 Fone: (11) 3821 2199 – Fax: (11) 3821 2179 – E-mail: institucional@dieese.org.br Site: http://www.dieese.org.br Observatório do Trabalho da Bahia Rua do Cabral, nº 15, Sindicato dos Metalúrgicos – Nazaré Salvador - Bahia – Brasil - CEP: 40.055-010 Fone: (71) 3242 7880 – E-mail: observatorioba@dieese.org.br Site: http://www.portaldotrabalho.ba.gov.br
  4. 4. Sinais de crise econômica se agravam no mercado de trabalho da Bahia no 3º trimestre de 2021 O IBGE lançou os dados da Pnad Contínua (PnadC) trimestral para um conjunto de indicadores relacionados à força de trabalho, referentes ao 3º trimestre de 2021, composto pelos meses de julho a setembro, nesta última terça-feira, dia 30 de novembro de 2021. Esse release traz a análise de vários indicadores do mercado de trabalho da Bahia no terceiro trimestre de 2021, com o objetivo de acompanhar alguns efeitos mais imediatos sobre as condições de trabalho da população baiana, com a flexibilização das medidas restritivas de circulação da população e de funcionamento das atividades econômicas, após a obtenção de maior controle da pandemia da Covid-19 e avanço da campanha nacional de imunização do SARS-CoV-2. Nessa análise, foi possível verificar que o desempenho do mercado de trabalho da Bahia, no terceiro trimestre de 2021, aprofundou diversos traços de uma crise social sem precedentes, somada ao cenário de recessão econômica instalada em 2020, com a queda de 4,1% do PIB nacional, que continuam presentes em 2021: a taxa de desocupação atinge o segundo maior patamar da série iniciada em 2012, para os trimestres terminados em setembro e é a segunda maior do país, a despeito do recuo em relação aos períodos de comparação; o aumento da ocupação está acontecendo, porém decorre do crescimento generalizado da informalidade e precarização nas posições ocupacionais, por meio de contratações sem carteira assinada, queda do emprego formal e elevação de conta própria com CNPJ e de empregador sem CNPJ; queda do rendimento médio real habitual de todos os trabalhos e aumento de pessoas subocupadas por insuficiência de horas trabalhadas. Com essa análise também foi possível evidenciar a forte desigualdade regional que caracteriza o mercado de trabalho brasileiro, apontando discrepâncias estaduais enormes no tocante às taxas de desocupação, informalidade e composta de subutilização da força de trabalho. Taxa de desocupação No terceiro trimestre de 2021, observa-se que houve recuo da taxa de desocupação na Bahia, embora seja a segunda maior taxa do país e ainda esteja em um nível bastante elevado, revelando que 18,7% das pessoas na força de trabalho estavam desocupadas, o que significa dizer que de cada 100 pessoas no mercado de trabalho, cerca de 19 estavam desocupadas no 3º trimestre. Vale ressaltar que a taxa de desocupação do 3º trimestre de 2021 foi a segunda maior para o estado desde o 3º trimestre de 2012, início da
  5. 5. série histórica da Pnad contínua do IBGE, atrás apenas do mesmo período no ano anterior (21,1%). Essa taxa indica a proporção de pessoas de 14 anos ou mais de idade na Bahia, que estavam desocupadas, em relação ao total da força de trabalho1 . Na comparação do 3º trimestre de 2021, em relação ao trimestre imediatamente anterior (abril a junho), nota-se o recuo da taxa de desocupação, com decréscimo de 1,5 pontos percentuais (p.p.), passando de 20,2% para 18,7% (Gráfico 1). Com efeito, quando a comparação é feita em relação ao mesmo trimestre do ano passado (julho a setembro de 2020), nota-se uma queda maior da taxa, de 2,4 p.p., caindo de 21,1% para 18,7%. Com os resultados de todos os trimestres selecionados é possível perceber que a queda da taxa de desocupação teve uma trajetória descendente, expandindo-se apenas entre o quarto trimestre de 2020 e o primeiro de 2021, acompanhando a abertura paulatina dos setores não essenciais a partir do mês de julho. Nesse intervalo, muitas pessoas que estavam sem buscar trabalho, devido às medidas restritivas de convívio social, para controlar a contaminação da Covid-19, passaram a pressionar mais o mercado de trabalho, tentando conseguir alguma atividade laboral. GRÁFICO 1 Evolução da taxa trimestral de desocupação Bahia, 3º trimestre de 2020 a 3º trimestre de 2021 Fonte: IBGE, PnadC trimestral Elaboração: DIEESE. Observatório do Trabalho da Bahia Distribuição estadual da taxa de desocupação Na comparação com as demais Unidades da Federação e Distrito Federal, a Bahia teve a segunda maior taxa de desocupação do país (18,7%), atrás de Pernambuco, com 19,3%. 1 Segundo o IBGE, a força de trabalho representa o mercado de trabalho e é composto pelo total de pessoas ocupadas e desocupadas.
  6. 6. Sergipe (17,5%) foi o estado com taxa mais próxima da Bahia no 3º trimestre de 2021. As menores taxas foram de Santa Catarina (5,3%), Rio Grande do Sul (6,6%) e Paraná (7,6%). Juntamente com 11 estados e o Distrito Federal, a taxa de desocupação da Bahia ficou acima da taxa média nacional, de 12,6% (Gráfico 2). Em relação ao 2º trimestre de 2021, 15 estados tiveram retração da taxa de desocupação maior que 2,0 p.p., com os destaques para o Tocantins (-5,0 p.p.) e Roraima e Piauí (ambos com -3,4 p.p.); sete estados tiveram recuo da taxa igual ou maior que 1 p.p. e menor que 2,0 p.p., dentre eles a Bahia (-1,5 p.p.); três estados tiveram queda da taxa abaixo de 1 p.p. e apenas no Amapá (1,3%) houve ampliação da taxa no 3º trimestre de 2021. O Distrito Federal (0,2%) manteve a taxa estável no referido período. Na comparação com os estados nordestinos, a Bahia e Pernambuco também lideram com as maiores taxas de desocupação, enquanto o Piauí sobressai-se com a menor (11,9%). Em relação ao período imediatamente anterior, os nove estados nordestinos tiveram recuo da taxa, sendo que os três primeiros são: Piauí (-3,4 p.p.), Ceará (-2,7 p.p.), Maranhão e Pernambuco (ambos com -2,5 p.p.). GRÁFICO 2 Taxa de desocupação Unidades da Federação e DF, 2º e 3º trimestres de 2021 Fonte: IBGE, PnadC trimestral Elaboração: DIEESE. Observatório do Trabalho da Bahia População desocupada Estimou-se um contingente de 1.336 mil pessoas desocupadas na Bahia no 3º trimestre de 2021. Esse contingente foi menor do que o total de desocupados no trimestre imediatamente anterior, mas maior do que o de igual período no ano anterior: em relação ao trimestre imediatamente anterior (abril a junho) o decréscimo foi de 38 mil pessoas,
  7. 7. visto que antes havia 1.374 mil pessoas desocupadas e, no comparativo com igual trimestre de 2020, o incremento foi de 15 mil pessoas, visto que havia 1.321 mil pessoas desocupadas. A queda na desocupação em relação ao 2º trimestre de 2021 foi provocada pelo aumento da ocupação. Já o aumento dos desocupados em relação ao mesmo período do ano passado, conforme já foi sinalizado, provavelmente, está relacionado ao crescimento da busca efetiva por trabalho, que se iniciou com a flexibilização das medidas de isolamento social, para combate da pandemia da Covid-19. Com a ampliação da reabertura de diversos segmentos de setores de atividade econômica em julho de 2021 e com o aumento de circulação nas ruas, as pessoas passaram a buscar mais trabalho, além de aumentar a sua ocupação em atividades informais. Saliente-se que a ampliação e o alto contingente de pessoas desocupadas só reforçam a importância do auxílio emergencial, benefício que foi criado em abril de 2020, para atender justamente os contingentes de pessoas mais vulneráveis na sociedade, cuja sobrevivência ficou seriamente comprometida pela pandemia da Covid-19. Esse auxílio sofreu mudanças significativas ao longo de seu período de concessão. Iniciou sendo pago em cinco parcelas de R$ 600 ou R$ 1,2 mil para mães chefes de família monoparental. Durante o segundo semestre de 2020, o auxílio emergencial assegurou renda básica para um público que, quando participa do mercado de trabalho, majoritariamente, está envolvido em atividades bastante precárias e informais. De setembro a dezembro de 2020, o valor do auxílio foi reduzido para R$ 300,00 (metade de seu valor inicial). Segundo a Pnad Covid, do IBGE, 54,4% dos domicílios baianos receberam o auxílio emergencial em novembro de 2020. O auxílio emergencial foi encerrado em dezembro e só foi retomado em abril de 2021. Assim, no primeiro trimestre desse ano, as pessoas que eram beneficiárias desse programa tornaram-se mais vulneráveis socialmente, sendo praticamente forçadas a buscar trabalho e renda para sobreviver em meio a tão grave crise sanitária. A retomada do benefício foi feita com novas reduções do valor (passou a ser R$ 150 para famílias de uma só pessoa, R$ 250 para famílias de duas ou mais pessoas e R$ 375 para mães chefes de família monoparental) e do alcance do público atingido. Variação das posições ocupacionais no terceiro trimestre de 2021 Em relação ao trimestre imediatamente anterior
  8. 8. No 3º trimestre de 2021, observa-se que o mercado de trabalho da Bahia era mais formado por 2.413 mil trabalhadores do setor privado (exclusive trabalhador doméstico), que equivaliam a 41,6% do total de ocupados, 1.874 mil conta-própria (32,3%) e 746 mil empregados do setor público (12,9%). Juntas, essas posições ocupacionais respondiam por 86,8% do total de ocupações (Gráfico 3). Nota-se que houve aumento generalizado dos ocupados (+6,5%) em relação ao trimestre imediatamente anterior. Dentre as posições ocupacionais, o incremento do total de pessoas ocupadas foi maior para os trabalhadores domésticos (+18,3%). Na sequência, estão os trabalhadores por conta própria (+12,3%), trabalhadores auxiliares familiares (+6,9%), empregadores do setor privado, exclusive os trabalhadores domésticos (+3,3%), empregadores (+1,1%) e do setor público (+0,1%). Cabe salientar que, no terceiro trimestre de 2021, a Bahia, assim como os demais estados continuam acompanhando com cautela e segurança a retomada de grandes eventos, como o Carnaval e Reveillon, após já ter superado a segunda onda da pandemia da Covid-19 (caracterizada pelas expressivas elevações do número de pessoas que vieram a óbito, dos casos confirmados de infecção e quase colapso hospitalar do sistema de saúde, por causa da ocupação total dos leitos de UTI e UTI Covid), muito mais grave do que o momento mais danoso da primeira fase da doença. Com a intensificação da crise sanitária, novas medidas de prevenção e contenção de riscos, danos e agravos à saúde pública, por meio do controle das atividades nas repartições públicas e restrições no funcionamento de atividades econômicas do setor privado foram adotadas entre os meses de fevereiro e março de 2021. Esse retorno necessário ao fechamento de inúmeras atividades econômicas acirrou a crise no mercado de trabalho do estado no período acumulado do ano atual e, certamente, estimulou o aumento de demissões, fechamento definitivo de alguns negócios e contribuiu para a redução de ocupações, sejam elas do segmento formal e informal de trabalho.
  9. 9. GRÁFICO 3 Distribuição dos ocupados (em 1.000 pessoas), segundo posição na ocupação e variação % no período Bahia, 2º e 3º trimestres de 2021 Fonte: IBGE, PnadC trimestral Elaboração: DIEESE. Observatório do Trabalho da Bahia Cabe ressaltar que nas categorias de emprego de quase todas as posições ocupacionais, houve crescimento da informalidade, por meio da expansão dos trabalhadores assalariados sem carteira assinada no setor privado, exclusive trabalho doméstico), no serviço público e para os trabalhadores domésticos, além da ausência de CNPJ entre os empregadores. Aliado a isso, a precariedade no mercado de trabalho da Bahia foi acentuada pela queda das contratações com carteira assinada em todas as posições ocupacionais – exceto entre os trabalhadores assalariados no setor privado, exclusive trabalho doméstico (estáveis com 0,5%) – e com o crescimento de 56,3% de trabalhadores conta própria com CNPJ. Com efeito, esse tipo de contrato está sendo muito praticado após a reforma trabalhista de 2017 e revela um processo de forte pejotização, no qual se mascara a relação de emprego entre empresa e trabalhador e transfere para esse último a responsabilidade de recolher os encargos trabalhistas. No total estimado dos 5.797 mil ocupados no 3º trimestre de 2021, o incremento dos trabalhadores conta própria com CNPJ, em relação ao trimestre anterior, foi de 56,3%, equivalendo a +121 mil pessoas. No caso da ampliação informal das ocupações dos trabalhadores domésticos, o incremento foi de 23,6% (+58 mil vínculos sem carteira), no setor privado, exclusive trabalho doméstico, houve um aumento dos sem carteira de 7,1% ou +72 mil pessoas e para os Empregadores sem CNPJ, o incremento foi de 8,3% (+5 mil pessoas) (Tabela 1).
  10. 10. TABELA 1 Distribuição dos ocupados (em 1.000 pessoas) e variação % no período, segundo a posição na ocupação e categoria do emprego Bahia, 2º e 3º trimestres de 2021 Fonte: IBGE, PnadC trimestral Elaboração: DIEESE. Observatório do Trabalho da Bahia Variação setorial no terceiro trimestre de 2021 Em relação ao trimestre imediatamente anterior Percebe-se que todos os cinco grupamentos de atividade contrataram mais trabalhadores, com destaque para o Comércio e Construção. O Comércio, reparação de veículos automotores e motocicletas, setor com a segunda maior estimativa de ocupados, atingiu 1.154 mil trabalhadores, após crescer 14,4%, sendo seguido pela Construção (+12,6% e atingindo 465 mil ocupados) e Agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura, que consiste no setor com o terceiro maior contingente de ocupados do estado, após o incremento setorial de 61 mil pessoas ou 5,8%, atingindo 1.111 mil ocupados no 3º trimestre de 2021. Os Serviços (principal setor do estado em número de ocupados) teve avanço de 3,6% no período, ficando com 2.614 mil ocupados e a Indústria geral (453 mil ocupados), devido ao acréscimo de 2,3%. Nos Serviços, as variações negativas de ocupados ficaram restritas a dois segmentos: Transporte, armazenagem e correio, com 257 mil ocupados, após -10,8% ou -31 mil pessoas e Informação, comunicação e atividades financeiras, imobiliárias, profissionais e administrativas, com 420 mil ocupados no 3º trimestre de 2021, após variação negativa de 0,7% ou -3 mil ocupados. De modo contrário, Serviços domésticos ficaram com 353 mil ocupados, após o aumento mais significativo de 19,3% ou +57 mil ocupados (Tabela 2). Com carteira 1.319 1.325 0,5 Sem carteira 1.016 1.088 7,1 Com carteira 50 45 -10,0 Sem carteira 246 304 23,6 Com carteira 87 63 -27,6 Militar e funcionário público estatutário 468 479 2,4 Sem carteira 190 204 7,4 Com CNPJ 122 118 -3,3 Sem CNPJ 60 65 8,3 Com CNPJ 215 336 56,3 Sem CNPJ 1.454 1.537 5,7 Trabalhador doméstico Empregador Posição ocupacional e categoria do emprego Var. % Setor privado Conta própria Setor público 2º tri/2021 3º tri/2021
  11. 11. TABELA 2 Distribuição dos ocupados (em 1.000 pessoas) e variação % no período, segundo grupamentos de atividade econômica Bahia, 2º e 3º trimestres de 2021 Fonte: IBGE, PnadC trimestral Elaboração: DIEESE. Observatório do Trabalho da Bahia Rendimento médio real habitual de todos os trabalhos2 O rendimento médio real, habitualmente, recebido em todos os trabalhos pelas pessoas ocupadas na Bahia foi estimado em R$ 1.583 no 3º trimestre de 2021, após queda de 5,9%, frente ao trimestre imediatamente anterior, quando o valor auferido era R$ 1.682. Ao comparar com o mesmo trimestre do ano anterior, a queda no rendimento médio real foi mais intensa, através de uma variação de -15,7%, cujo valor tinha sido R$ 1.877. Subocupação Para a PnadC trimestral, as pessoas subocupadas por insuficiência de horas trabalhadas são assim classificadas, na semana de referência, consoante as quatro condições abaixo: tinham 14 anos ou mais de idade; trabalhavam habitualmente menos de 40 horas no seu único trabalho ou no conjunto de todos os seus trabalhos; gostariam de trabalhar mais horas que as habitualmente trabalhadas; e estavam disponíveis para trabalhar mais horas no período de 30 dias, contados a partir do primeiro dia da semana de referência. A estimativa de pessoas subocupadas por insuficiência de horas trabalhadas na Bahia foi de 962 mil pessoas no 3º trimestre de 2021. Esse contingente apresentou aumento de 6,8% ou +61 mil pessoas em relação ao trimestre imediatamente anterior (abril a junho). A existência de quase 1 milhão de trabalhadores baianos como subocupados denota precarização acentuada do mercado de trabalho, inclusive porque esse contingente também 2 É o rendimento bruto real médio habitualmente recebido em todos os trabalhos que as pessoas ocupadas com rendimento tinham na semana referência, a preços médios do trimestre mais recente que está sendo divulgado, com base no Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura 1.050 1.111 5,8 Indústria geral 443 453 2,3 Construção 413 465 12,6 Comércio, reparação de veículos automotores e motocicletas 1.009 1.154 14,4 Serviços 2.524 2.614 3,6 Transporte, armazenagem e correio 288 257 -10,8 Alojamento e alimentação 317 323 1,9 Informação, comunicação e atividades financeiras, imobiliárias, profissionais e administrativas 423 420 -0,7 Administração pública, defesa, seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais 979 1.014 3,6 Outros serviços 221 247 11,8 Serviços domésticos 296 353 19,3 Grupamentos de atividade econômica Var. % 2º tri/2021 3º tri/2021
  12. 12. havia sido menor (728 mil pessoas subocupadas), tendo avançado 32,2% ou +234 mil subocupados na comparação com o mesmo período do ano anterior. Cabe ressaltar que o crescimento da subocupação dos trabalhadores baianos no 3º trimestre de 2021, em relação aos períodos anteriores, pode estar relacionado à expansão de ocupações informais e tipos de contratos criados pela reforma trabalhista de 2017, como os vínculos intermitentes. População fora da força de trabalho Segundo a PnadC, são classificadas como fora da força de trabalho na semana de referência as pessoas que não estavam ocupadas, nem desocupadas nessa semana. O contingente fora da força de trabalho na Bahia é composto por pessoas de 14 anos ou mais de idade e foi estimado em 4.965 mil pessoas no 3º trimestre de 2021. Observa- se que houve redução de 5,2% ou de -273 mil pessoas em relação ao 2º trimestre de 2021, quando a estimativa era de 5.238 mil pessoas. Na comparação com o mesmo trimestre de 2020, a queda foi mais acentuada (-13,6% ou -782 mil pessoas). População na força de trabalho potencial O IBGE define essa população como o conjunto de pessoas com 14 anos ou mais de idade, que não estavam na força de trabalho por uma série de motivos3, segundo duas situações: buscaram trabalho de forma efetiva nos últimos 30 dias, mas não estavam disponíveis para trabalhar na semana de referência da pesquisa e não fizeram a busca efetiva por trabalho no mesmo intervalo de tempo, mas tinham interesse e estavam disponíveis para trabalhar na semana de referência. O contingente na força de trabalho potencial foi estimado em 1.072 mil pessoas no 3º trimestre de 2021, tendo registrado variação de -10,1% ou -121 mil pessoas na comparação com o 2º trimestre de 2021, mas crescimento de -30,6% ou -473 mil pessoas, frente ao mesmo trimestre do ano anterior. Desalento Segundo a PnadC, o conceito de pessoas desalentadas compreende as pessoas fora da força de trabalho na semana de referência, que estavam disponíveis para assumir um trabalho na 3 Para obter informações dos motivos consultar: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/trabalho/9171- pesquisa-nacional-por-amostra-de-domicilios-continua-mensal.html?edicao=27774&t=resultados. Acesso em: 29/05/2020.
  13. 13. semana de referência, mas não tomaram providência para conseguir trabalho no período de referência de 30 dias, por não ter conseguido trabalho adequado, não ter experiência profissional ou qualificação, não haver trabalho na localidade em que residia ou não conseguir trabalho por ser considerado muito jovem ou muito idoso. O contingente de pessoas desalentadas foi estimado em 665 mil pessoas no 3º trimestre de 2021. Essa estimativa apresentou retração de 7,8% ou -56 mil pessoas em relação ao 2º trimestre de 2021. Na comparação com o mesmo trimestre do ano anterior, este indicador apresentou um recuo de 16,1%, visto que o total de pessoas desalentadas era maior (793 mil). Taxa composta de subutilização da força de trabalho Essa taxa é a síntese de condições de precariedade e vulnerabilidade social do trabalhador no mercado de trabalho e revela a proporção de pessoas na força de trabalho ampliada, que estão subocupadas por insuficiência de horas trabalhadas, desocupadas ou na força de trabalho potencial. No 3º trimestre de 2021, a taxa composta de subutilização da força de trabalho na Bahia foi de 41,1%, retraindo-se em 2,2 p.p. em relação ao trimestre imediatamente anterior, e em 5,0 p.p., na comparação com o mesmo trimestre do ano anterior, quando era 46,1%. No total do país, essa taxa ficou em 26,5% no 3º trimestre de 2021. Segundo o IBGE, a Bahia teve a quarta maior taxa de subutilização da força de trabalho do país no 3º trimestre de 2021 (41,1%), atrás apenas do Maranhão (43,0%), Piauí (42,7%) e Sergipe (42,0%). De modo oposto, Santa Catarina (9,9%) e Mato Grosso (12,9%), destacaram-se com as menores taxas. Taxa de informalidade A taxa de informalidade da Bahia no 3° trimestre de 2021 foi de 55,6%, indicando que mais da metade da força de trabalho do estado era formada por ocupações informais e precárias: empregados no setor privado sem carteira de trabalho assinada; empregado doméstico sem carteira de trabalho assinada; empregador sem registro no CNPJ; trabalhador por conta própria sem registro no CNPJ e, trabalhador familiar auxiliar. Estimava-se um contingente de 3.226 mil trabalhadores informais na Bahia nesse período. Em relação ao trimestre imediatamente anterior, a taxa ficou praticamente estável (55,0%).
  14. 14. A taxa de informalidade para o país foi de 40,6% da população ocupada no 3º trimestre de 2021. Com relação às demais Unidades da Federação e Distrito Federal, a Bahia possuía a quinta maior taxa de informalidade do país. Pará (62,2%), Amazonas (59,6%), Maranhão (59,3%) e Piauí (57,7%) tinham as taxas mais elevadas do país. Já Santa Catarina (26,6%), São Paulo (30,6%) e Distrito Federal (31,8%) sobressaíam-se com as menores taxas. Consulte esse release e demais produtos desenvolvidos pelo Observatório do Trabalho da Bahia, acessando o portal eletrônico do Observatório, através do site da Secretaria do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte (SETRE). Disponível em: http://geo.dieese.org.br/bahia/Observatório do Trabalho da Bahia

×