Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 51-52

592 views

Published on

Aula 51-52

Published in: Education
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 51-52

  1. 1. Nos dois primeiros parágrafos (ll. 1-9), refere-se duas contradições do primeiro poema da série de «O Guardador de Rebanhos»: a) entre o paradoxo como processo de representação e a inocência do autor; entre o que se afirma no título e o que se nega quase a seguir. b) entre um pensamento poético complexo e a inocência de Caeiro; entre os procedimentos poéticos e a natureza. c) entre Caeiro e o guardador de rebanhos; entre o contacto íntimo com a natureza e a poesia. d) entre o título e a afirmação no primeiro verso [4- 5]; entre elaboração do discurso e a alegada ingenuidade do eu poético [6-9].
  2. 2. Na l. 3, o primeiro «que [mais complexo do que] é a) pronome relativo. b) conjunção completiva. c) conjunção comparativa. d) conjunção causal.
  3. 3. No terceiro parágrafo (ll. 10-19), por um lado, menciona-se um processo (de negação do que se afirmara antes) já observado no poema I [10- 12], mas mostra-se ainda que no poema IX a) se estabelece uma teoria de raiz sensacionalista. b) se marca a importância das sensações [12-17] e, em particular, das visuais [17-19]. c) se considera a relação entre o poeta e o mundo como prioritária. d) a alusão aos sentidos não é aleatória: Caeiro privilegia, antes de todos eles, a visão [17-19].
  4. 4. As palavras «sensacionista» (l. 13), «olhos» (l. 14), «ouvidos», «mãos», «pés», «nariz», «boca» (l. 15), «sentidos» (l. 15), «sentidos» (l. 17), «visão», «audição», «tato», «olfato» e «gosto» (l. 19) contribuem para a coesão a) referencial. (pronomes) b) lexical (co-hipónimos, hiperónimo-hipónimos, sinonímia, etc.) c) interfrásica. (conectores) d) temporoaspetual. (verbos)
  5. 5. A oração introduzida por «que» em «Com esse misto de inocência e perversidade que é a essência mesma da sua forma de estar no mundo» (ll. 21-22) é subordinada a) substantiva completiva. b) adverbial causal. c) adjetiva relativa restritiva. d) adjetiva relativa explicativa.
  6. 6. No quarto parágrafo, nas ll. 23-25 são referidas duas aceções de «saber». Por esta ordem: a) ‘sabor’ e ‘gosto’. b) ‘gosto’ e ‘conhecimento’. c) referencial e conotativo. d) ‘saber’ e ‘sabor’.
  7. 7. A palavra «ambíguo» (l. 23) é usada com o sentido de a) repetido. b) polissémico. (cfr. duas aceções) c) expressivo. d) inequívoco.
  8. 8. Segundo o parágrafo incial da p. 90 (ll. 29-41), Caeiro a) prefere a religião à metafísica. b) teria uma religiosidade, por assim dizer, pagã, fundada nas sensações e na natureza. c) prefere a metafísica à religião. d) dá prioridade às sensações e à natureza, sem, porém, descartar a cultura e a religião convencional.
  9. 9. No contexto em que ocorrem, os termos «sensações» (l. 29) e «metafísica» (l. 30) mantêm entre si um relação de a) equivalência. b) inclusão. c) oposição. d) hierarquia.
  10. 10. A expressão «sob o signo de», usada na passagem «Caeiro procede a uma espécie de reconstituição da ideia de Deus, sob o signo da Natureza» (ll. 33- 34), significa a) dentro de. b) com a influência de. c) ao contrário de. d) a partir de sinais de.
  11. 11. No parágrafo que abrange as ll. 42-48, a referência à repetição da conjunção copulativa [= e… e… e…] ilustra como a) o sujeito poético, sofregamente, se deixa conduzir pelos sentimentos. b) os polissíndetos desmentem as características de Alberto Caeiro. c) o estilo contradiz a alegada simplicidade de Alberto Caeiro. d) a linguagem usada no poema imita a espontaneidade de Alberto Caeiro.
  12. 12. Com a utilização de «que» [convém notar que estilisticamente o discurso poético de Caeiro parece…] (l. 42), inicia-se uma oração a) subordinada adjetiva relativa restritiva. b) subordinante. c) subordinada substantiva completiva. d) subordinada adjetiva relativa explicativa.
  13. 13. Relativamente à reflexão desenvolvida no parágrafo anterior, o parágrafo iniciado por «Contudo» (l. 49) apresenta a) uma consequência. b) um facto semelhante. c) uma ideia equivalente. d) uma posição adversa.
  14. 14. Com o recurso ao conector «afinal» (l. 59), o enunciador insere um nexo a) causal. b) conclusivo. [quase concessivo, adversativo] c) final. d) condicional. “a prosa dos meus versos” acaba, afinal, por exigir ao poeta uma atitude formal e construtiva: decidir onde fragmentar o discurso, …
  15. 15. No último período do penúltimo parágrafo, defende-se que a) o verso livre faz que a poesia de Caeiro possa ser menos trabalhada. b) a «prosa dos meus versos» traduz a informalidade da poesia de Caeiro. c) a rima implica um cuidado rítmico que o verso não rimado dispensa. d) o verso, mesmo sem rima, obriga já a bastante elaboração poética.
  16. 16. No último parágrafo (ll. 63-69), a) reconhece-se o magistério de Caeiro relativamente aos outros heterónimos. b) põe-se em causa a importância de Caeiro. c) declara-se atenuada a posição crucial de Caeiro relativamente aos outros heterónimos. d) considera-se estar patente, na poesia de Caeiro, uma conceção contrastante com a do restante Pessoa.
  17. 17. O sujeito poético não se preocupa com os aspetos formais, já que pretende que a sua poesia seja natural, sem o constrangimento da rima. Aliás, na natureza não há rima, pois que «raras vezes há duas árvores iguais, uma ao lado da outra» (v. 2).
  18. 18. O sujeito poético não consegue atingir a «perfeição», pois falta-lhe «a simplicidade divina / De ser todo só o meu exterior» (vv. 5-6). Não responde, como deveria, apenas a «sensações», à realidade — infelizmente, também pensa.
  19. 19. O eu lírico defende de novo a «poesia natural» através da crítica «aos poetas que são artistas», os que trabalham os seus textos, em vez de colherem apenas inspiração na natureza.
  20. 20. 9 Penso nisto, não como quem pensa, mas como quem respira. atitude antimetafísica
  21. 21. 10 E olho para as flores e sorrio... objetivismo
  22. 22. 13 Mas sei que a verdade está nelas e em mim misticismo
  23. 23. 14 E na nossa comum divindade paganismo
  24. 24.  13-14 Mas sei que a verdade está nelas e em mim E na nossa comum divindade panteísmo
  25. 25. 15-16 E levar ao colo pelas Estações contentes E deixar que o vento cante para adormecermos sensacionismo
  26. 26. 18 E não termos sonhos no nosso sono. atitude antimetafísica
  27. 27. a. Com o recurso ao complexo verbal «ter que pôr» (v. 5), 6. o enunciador confere à ação um caráter de obrigatoriedade.
  28. 28. b. Com a utilização do pronome «Que» (v. 8), 1. o enunciador contribui com informação adicional sobre o referente anteriormente expresso.
  29. 29. c. Com a utilização de «Não sei» (v. 11) e «Nem [sei]» (v. 12), 4. o enunciador apresenta o conteúdo das frases como dúvidas.
  30. 30. d. Com o uso do conetor «mas» (v. 13), 7. o enunciador integra uma conexão adversativa.
  31. 31. e. Com o recurso à conjunção «que» (v. 13), 2. o enunciador introduz uma oração que complementa o sentido dos verbos.
  32. 32. TPC — Lembro que está a decorrer — até 4 de dezembro — o prazo da tarefa com poema de Pessoa. Lê bem as instruções em Gaveta de Nuvens.

×