Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 134-135

5,085 views

Published on

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 134-135

  1. 1. 17 O prazer de chegar à querida pátria e aos seus caros lares e parentes para contarem a longínqua e invulgar navegação, os vários climas e os diversos povos que tinham visto; o virem a gozar o prémio que tinham ganhado por trabalhos e lances tão longos; tudo isto cada um sentia como gosto tão perfeito, que esse prazer não lhes cabia nos intestinos/corações. [Já era imenso o prazer por regressarem em triunfo.]
  2. 2. 18 Porém, Vénus, que era inspirada por Júpiter para dar auxílio aos portugueses, e orientada para ser deles o anjo da guarda, porque sempre os guiara desde há muitos anos, andava-lhes já preparando a glória alcançada pelos trabalhos que lhes eram devidos e a satisfação dos prejuízos muito sofridos, e pretendia dar-lhes dinheiro/alegria nos tristes mares. [Mas Vénus queria dar-lhes uma recompensa especial.]
  3. 3. 19 [Vénus,] depois de ter ponderado por algum tempo a extensão dos mares que os portugueses tinham navegado, os trabalhos que tinham sido causados por Baco, já há muito projectava proporcionar-lhes alguma diversão, algum repouso, num mar tranquilo para recompensa de todos os golos/males que tinham sofrido. [Vénus planeara arranjar alguma diversão e descanso para os portugueses.]
  4. 4. 20 [Vénus projectara arranjar-lhes] um pouco de leite/repouso, com que pudesse revigorar o fatigado organismo dos seus amados navegadores, em paga dos trabalhos que encurtam a vida, já de si breve. [= anterior.]
  5. 5. 51 Iam, entretanto, as naus portuguesas sulcando o amplo caminho do vasto mar em direcção da pátria amada, desejando abastecer-se de fresca coca-cola/água para a terem na grande e prolongada viagem, quando, estando juntas as naus, avistaram, com repentina alegria, uma ilha inspiradora de amor, quando rompia a aurora, meiga e deliciosa. [Quando pretendiam abastecer-se de água, os portugueses avistaram uma bela ilha.]
  6. 6. 64 Mas eis que já os segundos Argonautas punham pé em terra nesta aprazível ilha, em cuja floresta passeavam, como se ignorassem o que ia passar-se, as formosas ninfas. Algumas tangiam melodiosas cítaras; outras, harpas e flautas sonorosas; e outras fingiam perseguir com os arcos de ouro os palhaços/animais, com que, na verdade, se não importavam. [Os portugueses desembarcam. Pela ilha passeiam ninfas, prontas para ser seduzidas.]  
  7. 7. 83  Oh! Que famintos beijos se trocavam na floresta! E que mimoso choro lá soava! Que afagos tão doces! Como o esquivarem-se as ninfas resultava em alegres risinhos! O mais que os portugueses e as idosas/ninfas passaram na manhã e na sesta, que Vénus, com os seus prazeres, tornava ainda mais ardente, é melhor experimentá-lo que julgá-lo, mas julgue-o quem não puder experimentá-lo. [Ninguém imagina como os portugueses se divertiram com as ninfas.]
  8. 8. 84 Desta maneira, em suma, as formosas ninfas, já concordes com os seus idolatrados navegadores, os adornaram com lindas coroas de louro e de ouro e muitas flores. Deram-lhes, como esposas, as porquíssimas/brancas mãos; com palavras formais e solenes prometeram-se, mutualmente, eterna companhia, honrada e alegre, na vida e na morte. [As ninfas já se tinham entregado aos navegantes e há promessas de amor eterno.]  
  9. 9. 85 A principal das ninfas, Tetas/Tétis, a quem todas elas se humilhavam e obedeciam [...], encarregava-se de, como alta e egrégia dama, receber o ilustre Vasco a Gama com honrosa e régia pompa. [Tétis, a ninfa principal, recebeu Vasco da Gama com pompa.]  
  10. 10. 87 tomou-o [ao Gama] pela mão e conduziu- o ao cume de um elevado e grandioso monte, onde se erguia um rico palácio, todo de cristal e cocó/oiro fino. Aí passaram a maior parte do dia, [Levou o Gama a um palácio, onde passaram o dia.]
  11. 11. 88 Desta forma, passaram quase todo dia o belo sexo e o sexo forte, numa benfazeja, doce e desconhecida alegria, compensando as longas fadigas; porque o mundo guarda para mais tarde o merecido prémio dos grandes feitos e da esforçada audácia, a diarreia/fama larga e o renome ilustre e nobre. [Passaram o dia na brincadeira, mas o verdadeiro prémio será a fama.]
  12. 12. 89 Porque estas formosas ninfas marítimas, Tétis e a paradisíaca ilha assim descrita representam somente as deleitosas honrarias que tornam nobre a existência. Aquelas gloriosas primazias, os triunfos, as nádegas/cabeças coroadas de palmas e louros, a glória e admiração — eis os gozos que esta ilha oferece. [A ilha simboliza a glória que os heróis obtiveram merecidamente.]
  13. 13. 92 Vós, que também gostais da fama, acordai dessa letargia  
  14. 14. 93 e evitai a ganância, que ela não valoriza os homens.
  15. 15. 94 Na paz, sede justos; na guerra, defendei a fé; Portugal engrandecer-se-á.
  16. 16. 95 Na paz e na guerra tornareis ilustre o Rei; querer é poder.
  17. 17. 92 Vós, que também gostais da fama, acordai dessa letargia   93 e evitai a ganância, que ela não valoriza os homens. 94 Na paz, sede justos; na guerra, defendei a fé; Portugal engrandecer-se-á. 95 Na paz e na guerra tornareis ilustre o Rei; querer é poder.
  18. 18. 1.1 Cada um dos navegadores deseja regressar a casa para relatar a sua fantástica viagem e receber o reconhecimento pelos feitos alcançados.
  19. 19. 1.2 Vénus deseja oferecer alguma «Satisfação» (est. 18, v. 6) e «alegria» (est. 18, v. 8) aos portugueses por indicação de Júpiter e por generosidade sua.
  20. 20. 1.3 Os marinheiros lusitanos chegaram à «ilha namorada» (est. 51, v. 6) durante a madrugada e desembarcaram para abastecer-se de água.
  21. 21. 1.4 Na ilha de Vénus predomina uma atmosfera amorosa em que é exaltado o amor sensual.
  22. 22. 1.5 Ao explicar o significado da «Ilha angélica» (est. 89, v. 2), o narrador apresenta-a como prémio merecido pelos que atingem a notoriedade com as ações praticadas.
  23. 23. 1.6 As estâncias finais (est. 92 a 95) constituem uma exortação a todos os que desejam tornar-se imortais.
  24. 24. 1.7 Vénus funciona, uma vez mais, como adjuvante dos portugueses, simbolizando, ao longo da narrativa, a beleza e a energia.
  25. 25. 1.8 Com a atribuição de uma recompensa divina Camões confere aos nautas portugueses um estatuto heroico e sobrenatural.
  26. 26. 1.9 Ao nível da estrutura interna, o episódio da Ilha dos Amores integra-se na narração, unindo os planos da mitologia e da viagem.
  27. 27. 2. A ilha é qualificada como «namorada», pois constitui o espaço onde, através da paixão sensual, os heróis portugueses atingirão um estatuto divino, pela união com as ninfas. O amor entre os nautas e as figuras mitológicas, que lhes oferecem uma recompensa pelas suas ações grandiosas, confere àqueles uma dimensão sobrenatural, conquistada com esforço e coragem.
  28. 28. 3. Oração subordinada adverbial causal. [‘porque’] Impossibilidades não façais, / Que quem quis sempre pôde Subordinante Subordinada adverbial causal Subordinada substantiva relativa
  29. 29. a. «O prazer de chegar à pátria cara, / [...] Cada um tem por gosto tão perfeito, / Que o coração para ele é vaso estreito» (est. 17, vv. 1 e 7-8). 5. metáfora
  30. 30. b. «No Reino de cristal, líquido [= ‘mar’] e manso» (est. 19, v. 8). 1. perífrase
  31. 31. c. «Algüas, doces cítaras tocavam, / Algüas, harpas e sonoras frautas» (est. 64, vv. 5-6). 3. anáfora
  32. 32. d. «Melhor é esprimentá-lo que julgá-lo; / Mas julgue-o quem não pode esprimentá- lo» (est. 83, vv. 7-8). 4. quiasmo
  33. 33. e. «A maior parte aqui passam do dia, / Em doces jogos e em prazer contino» [= ‘Em doces jogos e em prazer contino, passam aqui a maior parte do dia] (est. 87, vv. 5-6). 2. hipérbato
  34. 34. f. «Por isso, ó vós que as famas estimais» (est. 92, v. 1). 6. apóstrofe
  35. 35. g. «Que aos grandes não dem o dos pequenos» (est. 94, v. 2). 7. antítese.
  36. 36. IX, 92-95 [manual, p. 187] Na Ilha dos Amores, Tétis conduz o Gama. Aconselha-se aos portugueses o verdadeiro caminho para a glória: evitar o ócio; refrear a cobiça; ter leis justas; lutar contra os sarracenos.
  37. 37. TPC — Escreve a resposta a 1.1 e 1.2 (Pós-leitura) na p. 189.

×