Monografia TCC Luciana Paixão Edifício Assistencial ao Idoso

26,316 views

Published on

Monografia TCC Luciana Paixão Edifício Assistencial ao Idoso

Published in: Education
0 Comments
15 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
26,316
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
5,307
Actions
Shares
0
Downloads
768
Comments
0
Likes
15
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Monografia TCC Luciana Paixão Edifício Assistencial ao Idoso

  1. 1. UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO LUCIANA ALESSANDRA DA PAIXÃO COMPLEXO ASSISTENCIAL AO IDOSO COM UNIDADE RESIDENCIAL OSASCO 2008
  2. 2. 2 LUCIANA ALESSANDRA DA PAIXÃO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO COMPLEXO ASSISTENCIAL AO IDOSO COM UNIDADE RESIDENCIAL Trabalho Final de Graduação apresentado à Comissão Julgadora da Universidade Bandeirante de São Paulo, como exigência para obtenção do grau de Bacharelado em Arquitetura e Urbanismo. Orientador: Porfa. Marly Kiatake. OSASCO 2008
  3. 3. 3 Paixão, Luciana Alessandra da Complexo Assistencial ao Idoso com unidade residencial / Paixão, Luciana Alessandra da: [S.N.], 2008. 75 f.: il; 30 cm. Trabalho Final de Graduação (Graduação) – Universidade Bandeirante de São Paulo, Curso de Arquitetura e Urbanismo. Orientadora: Marly Kiatake.
  4. 4. 4 LUCIANA ALESSANDRA DA PAIXAO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO APRESENTADO À COMISSÃO JULGADORA DA UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO, COMO EXIGÊNCIA PARA OBTENÇÃO DO GRAU DE BACHARELADO EM ARQUITETURA E URBANISMO. 1.1.1 Presidente e Orientador Nome: ________________________________________ Titulação: _____________________________________ Instituição: ____________________________________ Assinatura: ____________________________________ 1.1.2 Examinador Nome: ________________________________________ Titulação: _____________________________________ Instituição: ____________________________________ Assinatura: ____________________________________ 1.1.3 Examinador Nome: ________________________________________ Titulação: _____________________________________ Instituição: ____________________________________ Assinatura: ____________________________________ Nota Final: ____________________________________ Biblioteca Bibliotecário: _____________________________ Assinatura: _______________________________ Data ______/_________/_________ São Paulo. ______ de ________________ de 2008.
  5. 5. 5 Agradecimentos: Agradeço primeiramente a Deus que me deu forças e criatividade para elaborar esse trabalho com afinco e confiança. Agradeço a minha família que sempre me prestou auxilio e esteve presente nos momentos mais difíceis nessa jornada acadêmica, assim como os amigos que direta ou indiretamente me ajudaram nessa empreitada. Agradeço também a um grande amigo e parceiro que também me prestou seu auxílio durante os anos que estivemos em parceria me despertando para o âmbito profissional o Arquiteto Agopig Altebarmakian e meu namorado Daniel Kroll que me estimulou, me deu apoio participando de umas das etapas finais do projeto e esteve presente em todos os momentos difíceis e também a minha orientadora que me conduziu com segurança e dedicação em todas as etapas da elaboração deste trabalho.
  6. 6. 6 Abstract The present work is about the elaboration from an architectural project as a Institutional and Education Conclusion Requirement Process: “Universidade Bandeirante de São Paulo”. An Assistencial Complex was developed to the Third Aged People who has especial treatment needs. Case studies, researchs and surveys had been carried through, until the arquitecture and urban project has been targered. With the final project realized we use drawings, images and arguments that had been accepted and compose thus the work as a whole.
  7. 7. 7 Resumo O trabalho que se apresenta trata-se da elaboração de um projeto arquitetônico como exigência do processo de conclusão de curso por exigência da Instituição de ensino: Universidade Bandeirante de São Paulo. Foi desenvolvido um Complexo Assistencial ao Idoso visando atender as necessidades da população dessa faixa etária, carente de equipamentos urbanos desse tipo. Estudos, pesquisas e levantamentos foram realizados e um projeto de inserção urbana foi proposto justamente com o de arquitetura. O projeto foi elaborado e apresentado através de desenhos gráficos, imagens e argumentos que foram aceitos e que compõe assim o trabalho como um todo.
  8. 8. 8 SUMARIO 1.0 INTRODUÇÃO.....................................................................................................01 2.0 HISTÓRICO ........................................................................................................02 2.1 HISTÓRIA DA CIDADE DE OSASCO............................................................02 2.2 HISTÓRIA DO BAIRRO DO KM 18 ...............................................................04 3.0 INSERÇÃO URBANA .........................................................................................06 3.1 ÁREA FOCO- IMAGEM AÉREA ....................................................................06 3.2 LEVANTAMENTOS........................................................................................07 3.2.1 DIAGNÓSTICO............................................................................................07 3.4 DIRETRIZES URBANAS................................................................................11 4.0 PROPOSTA DE INSERÇÃO URBANA..............................................................12 4.1 JUSTIFICATIVA DO TEMA............................................................................14 4.1.2 REFLEXÃO SOBRE O TEMA ....................................................................16 4.1.3 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS DO ENVELHECIMENTO..........................19 4.1.4 POLÍTICA NACIONAL DA SAUDE DO IDOSO...........................................21 5.0 ESTUDOS DE CASO ARQUITETÔNICO...........................................................23 5.1 LAR DOS IDOSOS ........................................................................................23 5.1.2 Dados da Obra.............................................................................................23 5.1.3 Objetivo do Projeto......................................................................................23 5.1.4 Programa.....................................................................................................24 5.1.5 Tipologia dos Apartamentos........................................................................25 5.1.6 Analise.........................................................................................................25 5.1.7 Objetivo da escolha do Edificio para Estudo de Caso.................................26 5.2 CENTRO DE REABILITAÇÃO MOTORA.......................................................27 5.2.1 Dados da Obra.............................................................................................27 5.2.2 Objetivo do Projeto.......................................................................................27 5.2.3 Partido Arquitetônico....................................................................................27 5.2.4 Analise.........................................................................................................28
  9. 9. 9 6.0 VISITAS TECNICAS............................................................................................29 6.1 SESC POMPÉIA............................................................................................29 6.1.2 Dados da Obra.............................................................................................29 6.1.3 Objetivo do Projeto.......................................................................................29 6.1.4 Programa......................................................................................................29 6.1.5 Fotos das Oficinas........................................................................................30 6.1.6 Analise..........................................................................................................31 6.1.7 Elevação do Conjunto..................................................................................32 6.1.8 Interior das Quadras.....................................................................................32 6.1.9 Entrevista......................................................................................................33 6.1.10 Objetivo da escolha do Edificio para Estudo de Caso................................34 6.2 RESIDENCIAL SOLAR VILLE GARAUDE…………………………………… 35 6.2.1Dados da Obra……………………………………………………………………35 6.2.2 Objetivo da Obra…………………………………………………………………35 6.2.3 Programa…………………………………………………………………………35 6.2.4 Fotos do Local………………………………………………………………… 36 6.2.5 Analise……………………………………………………………………………38 6.2.7 Setorização……………………………………………………………………….39 6.2.8 Corte Transversal………………………………………………………...…… 39 7.0 PROJETO ...........................................................................................................39 7.1 CONCEITUAÇÃO...........................................................................................40 7.2 PROGRAMA EDIFICIO RESIDENCIAL PARA IDOSOS ...............................41 7.3 PROGRAMA EDIFICIO COMPLEXO ASSISTENCIAL AO IDOSO...............42 7.4 DESENHOS ...................................................................................................43 7.4.1 INSERÇÃO URBANA..................................................................................43 7.4.2 Implantação.................................................................................................44 7.4.3 Subsolo........................................................................................................45 7.4.4 Edificio de Convivência e Apoio ao Idoso - Pavimento Térreo....................46 7.4.5 Primeiro e Segundo Pavimentos.................................................................47 7.4.6 Terceiro Pavimento......................................................................................48
  10. 10. 10 7.4.7 Cobertura.....................................................................................................49 7.4.8 Corte AA......................................................................................................50 7.4.9 Corte BB......................................................................................................51 7.4.10 Corte CC....................................................................................................52 7.4.11 Elevação Norte...........................................................................................53 7.4.12 Elevação Sul..............................................................................................54 7.4.13 Elevação Leste...........................................................................................55 7.4.14 Elevação Oeste..........................................................................................56 7.4.15 Edifício Residencial para Idosos – Pavimento Térreo...............................57 7.4.16 Primeiro Pavimento – Lazer.......................................................................58 7.4.17 Segundo Pavimento – Fitness...................................................................59 7.4.18 Terceiro Pavimento – Praça de Alimentação.............................................60 7.4.19 Quarto Pavimento – Jogos.........................................................................61 7.4.20 Quinto Pavimento – Serviço de Saúde......................................................62 7.4.21 Cobertura...................................................................................................63 7.4.22 Corte CC....................................................................................................64 7.4.23 Corte DD....................................................................................................65 7.4.24 Corte EE....................................................................................................66 7.4.25 Elevação Norte..........................................................................................67 7.4.26 Elevação Sul..............................................................................................68 7.4.27 Elevação Leste..........................................................................................69 7.4.28 Elevação Oeste.........................................................................................70 7.4.29 Skyline Norte, Leste e Corte CC...............................................................71 7.5 PERSPECTIVAS............................................................................................72
  11. 11. 11 1.0 INTRODUÇÃO O trabalho que se apresenta mostrará a atual situação, as antigas e atuais projeções a respeito de um tema delicado, porém real que há alguns anos saiu do cenário da expectativa do futuro para vir de encontro à realidade presente: a situação do idoso no Brasil e no Mundo. Será mostrada a atenção que se despende ao segmento populacional que se encontra em processo de envelhecimento, seus direitos definidos por leis, a preocupação pela preservação de sua autonomia na defesa de sua integridade física e moral, sua realidade e necessidades neste século que se inicia assim como sua participação no cenário globalizacional. De acordo com dados de pesquisas realizadas pelo IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2000) atualmente a média de tempo de vida da população vem aumentando consideravelmente e este aumento avançará em maiores proporções nos próximos 20 anos. Com base nesses dados, no Histórico da Região e nos levantamentos realizados durante o desenvolvimento do trabalho, serão apresentados os resultados desses estudos e suas diretrizes. Detectou-se uma carência na estrutura urbana de edificações e programas voltados a atividades para a terceira idade, tendo em vista as leis que protegem seus direitos e o que acontece na realidade. Com a finalidade de solucionar parte desse problema e gerar uma integração social a esse segmento populacional associada a uma leitura das necessidades urbanas propõe-se a elaboração de um centro de convivência e apoio ao idoso, que terá como objetivo trabalhar o conceito de autonomia e qualidade de vida dos idosos com a promoção do envelhecimento saudável, dando continuidade à vida social, para que nele seja encontrados apoio, entretenimento e assistência. A proposta trata de um Projeto Arquitetônico localizado na Região Oeste da cidade de São Paulo, no Município de Osasco-SP, em um bairro predominantemente residencial - Km 18. Esse edifício proporcionará ao idoso uma melhor qualidade de vida visando garantir o cumprimento de um dos seus direitos, num período onde a dependência social isola e constrange.
  12. 12. 12 2.0 HISTÓRICO 2.1 História da Cidade de Osasco Com uma superfície terrestre: 66,9 Km² limita-se territorialmente com: Município de São Paulo e rodovia Anhangüera (ao norte); Município de Taboão da Serra e Rodovia Raposo Tavares (ao sul); Município de São Paulo - bairros do Butantã e Jaguaré (ao leste); Municípios de Carapicuíba, Barueri e Santana do Parnaíba (ao oeste); Município de Cotia (ao sudoeste). (MAS Pesquisa de Mercado, 2008). No final do século XIX, durante o período da libertação dos escravos, iniciou- se o movimento de imigração européia devido à necessidade de mão-de-obra para substituir o trabalho escravo. Como conseqüências da imigração, por volta de 1890, chegaram os primeiros estrangeiros, entre eles o italiano Antônio Giuseppe Agú. Consta que ele comprou uma gleba de terras compreendida entre os córregos de Bussocaba e Agúadinha, no quilômetro 16 da Estrada de Ferro Sorocabana, freguesia da Capital do Estado de São Paulo. Antônio Agú é considerado o fundador do Município de Osasco, sendo o responsável pela escolha de seu nome, o mesmo de sua cidade natal. Fundou uma olaria junto com seu genro Antônio Vianco, posteriormente arrendada ao francês Barão Sensaud de Lavaud. Os terrenos fronteiriços à olaria foram divididos em lotes e vendidos a diferentes famílias, principalmente italianas. Desta maneira, o primeiro núcleo de habitantes do chamado quilômetro 16 da Estrada de Ferro foi constituindo-se conforme (MAS Pesquisa de Mercado, 2008). Em 1920 Antônio Agú implantou, em sociedade com Narciso Sturlini, a indústria de Cartonagem, a primeira fábrica de papelão da América do Sul. A localidade atraía as pessoas conhecidas no comércio. Com esforço de Antônio Agú em trazer capital, investidores e moradores para a região, as indústrias foram surgindo e o núcleo urbano foi se desenvolvendo. Até a sua morte em 25 de janeiro de 1909, Agú procurou fazer da Vila Osasco um local progressista e habitável. O Distrito de Osasco foi criado pela Lei Estadual n.º 1.634, em 31 de dezembro de 1918. Na época da Primeira Guerra Mundial e da implantação de indústrias no país, varias companhias estavam instaladas em Osasco. A cidade cresceu e, em 1922, foi
  13. 13. 13 inaugurada a Vila Militar de Quitaúna. Ao redor das indústrias existiam pequenas olarias e um comércio reduzido. Começaram a surgir pequenas vilas que, hoje, são bairros tradicionais de Osasco. A partir de 1940, empresas de maior porte, sobretudo as de metalúrgica pesada, começaram a instalar-se em Osasco. O surgimento de indústrias metalúrgicas pesadas contribui para tornar Osasco um importante núcleo operário. Porém, aliado a outros fatores, o crescimento industrial trouxe também, o crescimento da população e, em decorrência disso, os loteamentos irregulares, a carência de energia elétrica, água, esgoto e transportes. As necessidades de serviços não eram supridas na mesma proporção em que surgiam, e como Osasco era um Distrito de São Paulo, seus moradores começaram a pensar que o bairro era relegado a um plano secundário. Em 1948 liderados pelo dentista Reynaldo de Oliveira, fundou a Sociedade Amigos de Osasco, que originou o Movimento pela Emancipação da Cidade, em meados de 1950. O primeiro plebiscito para decidir se Osasco passaria ou não a ser um Município autônomo foi marcado para 13 de dezembro de 1953. Contrariando as expectativas, os adeptos da "não-emancipação" conseguiram maioria de 140 votos na consulta popular. Segundo os autonomistas, teria havido fraude. Após uma luta redobrada, os autonomistas conseguiram marcar um segundo plebiscito, realizado em 21 de dezembro de 1958. Desta vez, venceram os emancipados, por uma diferença de 1.283 votos e também foram acusados pelos contrários de fraudar as urnas. Em fevereiro 1962, instalou-se oficialmente a primeira gestão municipal, sendo o primeiro prefeito Hirant Sazanar, e a Câmara Municipal composta por 23 vereadores. Atualmente, Osasco se destaca como uma das cidades mais dinâmicas do Brasil, sendo a 5ª maior cidade do estado de São Paulo e a 24ª maior do Brasil. Seus limites são a capital a norte, leste e sul, Cotia a sudoeste, Carapicuíba e Barueri a oeste e Santana de Parnaíba a noroeste. Osasco é considerado atualmente o 4º município mais populoso da Grande São Paulo, com 652.593 (181.012 domicílios) em 2000. Perde apenas para a Capital, Guarulhos e São Bernardo do Campo. Sua vocação Econômica está voltada para as áreas de Indústria e Serviços.
  14. 14. 14 2.2 História do Bairro Km 18. O Bairro chamado km 18 localiza-se a oeste do Município de São Paulo. Estende-se ao longo do vale do rio Tietê, iniciando-se próximo à confluência com o Rio Pinheiros. Situa-se a 18 Km da praça da Sé, em São Paulo. Possui acessos importantes através das rodovias Castelo Branco, Anhanguera, Raposo Tavares, estrada de ferro da CPTM, além do rio Tietê. Está entre os bairros mais antigos da cidade tendo sua formação iniciada por volta do ano 1955 o que justifica sua formação consolidada infra-estruturalmente nos dias atuais. Sua história inicia-se com uma antiga gleba de terras no km 18 da E.F. Sorocabana com 20 mil metros comprados por Dante. A primeira indústria do bairro foi uma olaria nas margens do rio Tietê. Nesse mesmo local na década de 50 foi construída a indústria química Rilsan, atual Hoescht. Do outro lado do córrego João Alves, atual Avenida Nova Granada onde foi construída uma fábrica de anilinas. Essa fábrica deu lugar a fábrica de fósforo que embalava seus produtos com a marca Dominó e Cacique e que se instalou no lugar em 1925. A fábrica de fósforo deu lugar a uma fábrica de aspirais de nome Hazafer do Brasil. Foi através das indústrias e da moradia que o bairro se consolidou. A região compreendida entre os quartéis de Quitaúna e o Fórum de Osasco (Avenida das Flores), englobando o Alto de Quitaúna, a Vila Isabel, a Cidade das Flores, o Jardim das e o Quilômetro Dezoito, é hoje uma das mais desenvolvidas da cidade. Surgida a partir de militares profissionais de baixa patente, cresceu a partir do surgimento da Cobrasma, na década de 40, como uma vila operária. Hoje, seus problemas de infra-estrutura (falta de asfalto, água encanada ou esgoto) são mínimos quando comparados com os de outros bairros de Osasco. Os primeiros moradores, principalmente do Quilômetro Dezoito, eram sargentos e oficiais de baixa patente, que ali começaram a se instalar na segunda década do século XX. Por ser servido por uma pequena parada da Estrada de Ferro Sorocabana, no antigo km 18, logo após a instalação de firmas grandes como a Cobrasma, a Soma e a Cimaf no Centro, outras fábricas vieram se juntar a Granada (fundada nos anos
  15. 15. 15 30), como a Osram, a Rilsan (hoje Hoechst), a Hazafer e a Fábrica de Molhos Jimmy. Quarenta anos depois, o Dezoito é o único bairro da cidade a possuir mais de uma agência bancária, as então filiais do Bradesco, Nacional e Banco do Brasil, na Avenida dos Autonomistas. A partir da década de 60, com a interrupção do desenvolvimento industrial de Osasco como um todo, o km 18 passou a vivenciar um processo semelhante ao do Centro: a expansão do comércio. Em menos de vinte anos, o Dezoito se expandiu tanto que os comerciantes locais acreditam que será capaz de funcionar como alternativa à saturação do Centro. Fator decisivo para o crescimento do Km 18 e sua conversão num quase segundo Centro de Osasco foi a inauguração, em 1986, do Viaduto Tancredo Neves, mais conhecido como da Integração, a via mais rápida e com maior capacidade de razão de veículos, entre as zonas Norte e Sul da cidade. O viaduto, porém, também transformou a região numa área de passagem, e sofre os desgastes decorrentes disso. Milhares de automóveis e moradores de bairros como os jardins Roberto, Santo Antônio, Piratininga e Helena Maria cruzam diariamente suas ruas. Não projetadas para absorver o contingente de automóveis e caminhões, diversas pistas - como a da Hildebrando de Lima – apresentam "crateras". Porém o viaduto trouxe mais benefícios que prejuízos. Basta acompanhar o salto na valorização dos imóveis que no contexto Osasquense, só perde para o Centro e para as áreas vizinhas da vila Yara. O processo de valorização da região "expulsou" ou "expurgou" os antigos operários. Quem não subiu de classe social, mudou do km 18 e do jardim das Flores. Hoje, para comprar ou alugar uma casa na região é preciso ter um salário no mínimo de classe média ascendente. Segundo IBGE (2006), a população do bairro KM 18 está próxima ao numero dos 7000 moradores, sendo que aproximadamente 712 estão na faixa etária dos 0 aos 3 anos de idade, 576 dos 4 os 6 anos, 1804 dos 7 aos 14 anos, 773 dos 15 a 17 anos, 2092 de 18 a 24 anos, 2380 dos 25 aos 34 anos, 4942 dos 35 aos 59 e 1880 com 60 anos ou mais.
  16. 16. 16 3.0 INSERÇÃO URBANA Localização no Mapa da Cidade de Osasco: Figura 01: Mapa Cidade de Osasco Fonte: PMO, 2008 3.1 Área foco - Imagem Área Figura 02: Imagem Aérea. Fonte: Google,2008
  17. 17. 17 3.2 LEVANTAMENTOS 3.2.1 Diagnóstico: A área de estudo urbano localiza-se em um Bairro predominantemente residencial - o Km 18. Bairro já consolidado por ser um dos mais antigos da cidade de Osasco, apresentando uma grande quantidade de população idosa, estando em 5o lugar nessa qualificação segundo IBGE (2006). Da área estudada, pode-se verificar a incidência de pontos comerciais e de serviços de atendimento local com maior concentração nos pontos específicos: Rua Senhora Imaculada Conceição e Rua Hidelbrando de Lima, onde há maior concentração de movimentação urbana com existência de circulação de ônibus vindos da área central com destino aos demais bairros do mesmo município. As demais ruas apresentam circulação de trânsito local. Todo o bairro usufrui infra-estrutura básica (água, energia elétrica, rede de esgoto, telefone e asfalto). Há também pouca circulação de pessoas vindas de outras regiões; a maioria que usa o espaço urbano mora no local ou nas proximidades. Na macro-região encontra-se a linha férrea com a estação de trem do Km 18 e a Avenida dos Autonomistas, eixo de Circulação Oeste entre os municípios como mostra o mapa a baixo. Figura 03: Mapa Macro Região. Fonte: Acervo Pessoal
  18. 18. 18 A paisagem urbana observada é uniforme com pouca variação de gabarito, variando do 1o ao 3o pavimento com presença de dois edifícios de maior altura; 10 pavimentos e outro de 8 pavimentos também residenciais conforme figura 04. Figura 04: Mapa Gabarito. Fonte: Acervo Pessoal Figura 05: Mapa Uso do Solo. Fonte: Acervo Pessoal
  19. 19. 19 As quadras também apresentam regularidade em seu traçado com lotes que variam entre 10 e 5m de testada com 25 a 50 m de profundidade. A topografia na área estudada é uniforme e há boa concentração de arborização nas calçadas. ( Figura 06) Há pouca incidência de áreas vazias e institucionais apresentando em sua maioria um bom estado de conservação das edificações de propriedade particular. O centro de apoio ao idoso existente com piscina, quadras de jogos e espaço para convivência é insuficiente e se encontra em estado de conservação precário (Figura 07). Figura 06: Hipsometria Fonte: Acervo Pessoal
  20. 20. 20 Há pouco espaço para lazer ou para outras atividades similares. Os moradores da terceira idade utilizam a praça existente como ponto de encontro social e caminhadas durante o dia, por falta de equipamentos no bairro e o cercamento da praça conforme mostram as figuras 08 e 09: Figura 08: Vista Externa Praça Figura 09: Vista Interna Praça Fonte: Acervo Pessoal Fonte: Acervo Pessoal Utilizam também os bares do bairro, apresentando um espaço sem vida urbana integrado a pontos de comércios locais, não apresentando nenhum equipamento que configure maior atração para a população. Em relação à praça existente mencionada nas fotos anteriores pode-se constatar: Figura 07: Estado Conservação. Fonte: Acervo Pessoal
  21. 21. 21 * O paisagismo encontra-se abandonado e as pistas de corridas não possuem drenagem do solo suficiente apresentando acumulo de água em alguns pontos e seu mobiliário encontra-se em péssimo estado de conservação assim como os equipamentos de diversão infantil. * A sinalização horizontal das pistas é confusa dificultando a identificação das seqüências dos pontos referências das mesmas. * O acesso de pedestres é insuficiente no local e as rampas existentes não se encontra em bom estado de conservação apresentando crescimento de vegetação na ruptura do concreto do piso, principalmente os próximos as calçadas e aos jardins. A figura 10 a seguir ilustra o diagnóstico da área foco. Figura 10: Mapa Diagnóstico da Área. Fonte: Acervo Pessoal 3.4 Diretrizes Urbanas A partir do diagnóstico levantado, as seguintes diretrizes foram propostas: * Estimular o uso do espaço urbano utilizado pela população para trazer maior movimentação ao local nos diversos períodos principalmente à noite evitando assim o abandono.
  22. 22. 22 * Incentivar a melhoria das edificações que não apresentam bom estado de conservação. * Requalificação da praça existente. * Manutenção da paisagem urbana existente. * Melhorar o equipamento urbano existente ou implementar um equipamento novo onde a população tenha um tempo de utilização mais prolongado e seja aproveitado por todas as faixas etárias principalmente a do idoso residente local que já utiliza a praça. 4.0 PROPOSTA DE INSERÇÃO URBANA O projeto consiste na recuperação do Centro de Vivência e Apoio ao Idoso existente de acordo com a figura 11 a seguir e na construção de um Complexo Assistencial para a 3º idade. Figura 11: Centro de Apoio ao Idoso Existente. Fonte: Acervo Pessoal Um boulevard será proposto na Rua Sidnei de Góes (Figura 12) com interdição parcial da mesma, não prejudicando o trânsito de fluxo local como mostra a figura anterior. Eliminação de barreiras da praça local para integração da população com isso haverá maior estimulo para o uso do espaço noturno.
  23. 23. 23 Figura 12: Rua Sidnei de Góes Fonte: Acervo Pessoal A intenção é gerar um espaço integrado entre as duas quadras separadas por esta rua e eliminar as barreiras da praça local para integração da população. A figura 13 a seguir ilustra a proposta para o local. Figura 13: Mapa Inserção Urbana Fonte: Acervo Pessoal
  24. 24. 24 4.1 Justificativa do Tema. A justificativa do tema, advém do grande número de idosos, e a pequena quantidade de espaços e centros de vivência e apoio destinados aos mesmos. Como mencionado em item anterior, o último censo populacional do IBGE mostra que os idosos correspondem a 9,1 % da população do país. Do total de 160.336.471 brasileiros identificados em 199, 14512, 803 tinham 60 anos ou mais. Estimativas apontam que no ano de 2025, serão 34 milhões de idosos no país. (COREN 2003). A idéia do tema surgiu com o interesse de se realizar um trabalho voltado para população idosa conhecendo-se os problemas enfrentados por essa faixa etária. A proposta é a elaboração de um Complexo Assistencial ao Idoso – Um equipamento urbano onde a população tenha um tempo de utilização mais prolongado do espaço urbano e seja mais bem aproveitado por todas as faixas etárias principalmente a do idoso residente local. Pesquisas acadêmicas realizadas mostram que parte essencial da Política Nacional de Saúde, a presente Política fundamenta a ação do setor na atenção integral à população idosa e aquela em processo de envelhecimento, na conformidade do que determinam a Lei Orgânica da Saúde – No 8.080/90 – e a Lei 8. 842/94, que assegura os direitos deste segmento populacional (Portaria N. 1395, 1999). No conjunto dos princípios definidos pela Lei Orgânica, destaca-se o relativo à “preservação da autonomia das pessoas na defesa de sua integridade física e moral”, que constitui uma das questões essenciais enfocadas nesta Política, ao lado daquelas inerentes à integridade da assistência e ao uso da epidemiologia para a fixação de prioridades. (Art. 7O , incisos III, II e VII, respectivamente). Por sua vez, a Lei No 8.842 – regulamentada pelo Decreto No 1.948, de 3 de julho de 1996 – ao definir a atuação do Governo, indicando as ações específicas das áreas envolvidas, busca criar condições para que sejam promovidas a autonomia, a integração e a participação dos idosos na sociedade, assim consideradas as pessoas com 60 anos de idade ou mais. Com a intenção de se realizar um projeto situado dentro do município de Osasco a premissa inicial foi levantar quais os bairros que possuem um grande
  25. 25. 25 número da população idosa. Posteriormente, foram levantados dentre esses bairros, quais os que apresentassem melhor localização para a implantação do objeto proposto e durante esta a pesquisa foi localizado um equipamento existente que apresenta o mesmo tema de intervenção a ser proposto que se localiza no Bairro Km 18. Todo o bairro usufrui infra-estrutura básica (água, energia elétrica, rede de esgoto, telefone e asfalto.), fator determinante para a realização da proposta no local. Outro fator determinante foi a constatação de que há pouco espaço para lazer ou para outras atividades similares para os moradores. Os moradores da terceira idade utilizam a praça existente como ponto de encontro social e caminhadas durante o dia, por falta de equipamentos no bairro e o cercamento da praça durante a noite, os mesmo utilizam os bares do bairro, apresentando um espaço sem vida urbana saudável com os pontos de comércios locais não apresentando nenhum equipamento que configure maior atração para a população. No centro de apoio ao idoso existente encontramos um programa pobre com piscina, quadras de jogos e espaço para convivência, mostrando notoriamente sua insuficiência e ainda se encontra em estado de conservação precário. Segundo essa Lei, cabe ao setor saúde, em síntese prover o acesso dos idosos aos serviços e ás ações voltadas á promoção, proteção e recuperação da saúde, mediante o estabelecimento da cooperação entre as esferas de governo e entre centros de referência em geriatria e gerontologia. Trabalhar com o conceito de autonomia e altos níveis de função, e trabalhar com qualidade de vida e não coeficiente de mortalidade faz parte de uma postura nova que está sendo desenvolvida assumindo que a saúde precisa ser compreendida em sua essência, não só como ausência de doenças, mas também como um aspecto de ações, que não são especificas do setor de saúde, do Ministério da Saúde, da Secretaria Estadual ou da Secretaria Municipal de Saúde. Pensar saúde enquanto promoção e qualidade de vida pressupõe pensar, não só na resolução ou no encaminhamento da recuperação da saúde, quando ela já foi comprometida pela doença, mas, sobretudo pensa em atividades de integração.
  26. 26. 26 A promoção do envelhecimento saudável está compreendida como orientação, aos idosos e as pessoas em processo de envelhecimento, sobre a importância da melhoria de suas habilidades funcionais mediante atuação de exercícios físicos; nutrição saudável, convivência social estimulante; busca de uma ocupação prazerosa, utilização de mecanismos de atenuação do estresse, entre outros. 4.1.2 Reflexão sobre o Tema. Pela definição clássica: Asilo é um estabelecimento mantido por instituições filantrópicas, geralmente religiosas, destinado a amparar pessoas necessitadas, idosos ou inválidos, que não têm onde morar e que não são amparados por outrem, dando a elas moradia, alimentação e cuidados higiênicos e de saúde. Também são conhecidos como casas de repouso. A palavra asilo quer significar, de acordo com o Aurélio, 2008, "casa de assistência social”, onde se sustentam e educam mendigos, órfãos, velhos e carentes. Com o correr dos anos, uma instituição deste tipo freqüentemente deteriora, isola-se do resto da comunidade, tornando-se um gueto ou um cisto social de excluídos. Daí o surgimento da conotação negativa para a palavra asilo. Os anos 80 marcaram o inicio de várias iniciativas acadêmicas no sentido de formar pessoal para lidar com a saúde dos idosos, dentro de Faculdades de Medicina, principalmente no Rio Grande do Sul e em São Paulo. Desde essa época a Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia vêm ocupando posto de destaque na formação de médicos para trabalhar em Geriatria (NERI, 2005). Apareceram as primeiras Universidades da Terceira Idade. Essas iniciativas iriam multiplicar-se pelos anos seguintes, marcando-os como os anos do estabelecimento dos campos da Geriatria e da Gerontologia e de varias especialidades profissionais dedicadas ao atendimento da velhice no Brasil (LOPES, 2000). Enfrentando enormes resistências dentro da Universidade, no final dos anos 90 a Gerontologia adentrou o domínio da pós-graduação, surgiram três cursos de mestrado e doutorado e um crescimento embora instável número de cursos de especialização (NERI, 2005). Foram exatamente esses desenvolvimentos que
  27. 27. 27 presidiram o aparecimento da Política Nacional do Idoso e do Estatuto do Idoso, uma vez que os profissionais que pressionaram o governo e ofereceram idéias e princípios para esses documentos saíram das fileiras das instituições mencionadas: SBGG, ANG, SESC, Universidades e cidadãos idosos que começaram a se mobilizar em defesa de seus direitos como cidadãos aposentados (Portaria 1395, 1999). A idéia de se implantar casas de repouso surgiu com a necessidade de se instalar uma pequena parcela da população que a custo de preconceito e outros valores não se encaixavam na sociedade de forma ativa e participante. A falta de condições e cuidados específicos fizeram das casas de repouso um aliado para famílias que não encontram solução para acomodar os idosos, ou mesmo os que não possuem famílias, ou ainda os que possuem, mas que hoje em dia preferem uma vida independente por vários fatores. Atualmente existem muitas casas de repouso ou centros de apoio ao idoso nas grandes capitais aonde esse conceito de “repouso” vem se modificando ao longo do tempo, desde a infra-estrutura interna passando pelo aspecto psicológico do tema até a Arquitetura. De acordo com IBGE (2000) atualmente a média de tempo de vida da população vem aumentando consideravelmente, sendo que, em 2000 mais de 973 mil habitantes na capital paulista tinham mais de 60 anos – cerca de 9,3 % da população. E a publicação Histórico Demográfico do Município, da Secretaria de Planejamento, mostra que, se em 1991 havia 18 idosos para cada grupo de 100 crianças na cidade, 9 anos depois essa proporção avançará para 25/100. Com o crescente número de idosos nos grandes centros, mesmo nas áreas mais rurais e o conflito existente com a cidade moderna e seus novos conceitos, os centros de apoio ao idoso estão sendo desenvolvidos, projetados e tratados com outros critérios. A problemática social foi à questão que mais se inovou nesses conceitos. As casas de repouso hoje além de recebem novos nomes que procuram aliviar o peso do nome das antigas instituições e de seus antigos conceitos se preocupam em não isolar e sim integrar o tema a sociedade preocupando-se em não criar estigmas com o envelhecimento da população. Aliado à procura constante de uma maior qualidade procuram também uma renovação no quadro arquitetônico que projeta espaços para o prazer do bem viver, considerando assim o valor da
  28. 28. 28 qualidade de vida onde é necessário criar respostas para as pessoas que, sem condições para poderem ficar sozinhas nas suas casas, tenham um lugar que as acolha e que lhes proporcione bem-estar, conforto e onde elas não se sintam sós. O importante é que sejam criados espaços de qualidade para acolher aqueles que ainda querem desfrutar dos prazeres da vida - de um passeio no campo, de um jogo de cartas, de uma conversa - algo que é muito mais agradável quando partilhado, mas não somente neste aspecto comunitário e sim na continuação e integração da vida em si. Por isso os equipamentos de apoio ao idoso são uma aposta no hoje e no amanhã. As dimensões do problema da previdência social brasileira são colossais e não é provável que se consiga solução adequada em poucos anos. É muito provável que a situação socioeconômica de diversos idosos persista instável, insegura e ou plenamente deficitária nos próximos vários anos. Projetos voltados para este tema estão começando hoje a rever seus conceitos de instalação, assim como as grandes Escolas, Hospitais, Centros de Cultura e Arte e outros, estão envolvendo profissionais de renome para projetos onde a funcionalidade e a Arquitetura se tornem parceiras, esse novo equipamento urbano também revê seus conceitos. Exemplo disso é o recente Lar dos Idosos do escritório Vigliecca & Associados que se trata de um residencial exclusivo para a população com mais de 60 anos. Por isso, o projeto possui características especiais como: elevadores, maior espaço nos banheiros para circulação de cadeiras de rodas, e corredores com ampla ventilação para que também sejam usados como área de convivência dos idosos para que o prazer de viver ainda continue sob o usufruto de se residir num equipamento 100 % voltado a realidade do idoso não deixando de lado a questão da formação do espaço arquitetônico. Não só da questão do equipamento em si com as observações de projeto específico voltado para a necessidade do idoso que se sobreviverá a Arquitetura, mas da questão da inserção urbana. O projeto deverá pertencer à cidade e a cidade ao projeto. Ao examinarmos a estrutura física de nosso entorno urbano podemos observar que, na maioria das vezes, não é seguido o princípio básico que a cidade deve ser para todos. O acesso físico aos distintos elementos constitutivos da estrutura urbana desde a necessária locomoção entre os seus diversos pontos,
  29. 29. 29 realizada tanto em meios de transportes quanto a pé. Portanto, antes de pensar e, muitas vezes, requerer a participação de todos os cidadãos nos serviços e equipamentos disponibilizados pelas cidades, deve ser examinada se essa participação é possível, se todos os meios para que isso ocorra estão presentes na estrutura urbana, se as edificações e os espaços abertos contemplam, além dos já incorporados conceitos de economia, durabilidade, funcionalidade e estética, a acessibilidade e a habitabilidade, se as campanhas de sensibilização realizadas foram efetivas, despertando o respeito às necessidades diferenciadas dos idosos e das pessoas com mobilidade reduzida e fomentando atitudes solidárias na população em geral. 4.1.3 Aspectos demográficos do envelhecimento A partir da década de 50 vem ocorrendo progressiva elevação da esperança média de vida em todas as populações, fato este que se relaciona diretamente com a diminuição das taxas de natalidade e mortalidade infantil, a melhoria das doenças infecciosas, condições de saneamento básico e o acesso ao serviço público (PASSARELLI, 1991). O processo de transição demográfica no Brasil caracteriza-se pela rapidez com que o aumento absoluto e relativo das populações adulta e idosa modificou a pirâmide populacional. Até os anos 60, todos os grupos etários registravam um crescimento quase igual, a partir daí, o grupo de idosos passou a liderar esse crescimento (Portaria N 1395, 1999). Nós países desenvolvidos, essa transição ocorreu lentamente, realizando-se ao longo de mais de cem anos. Alguns desses países hoje apresentam um crescimento negativo da sua população, com a taxa de nascimento mais baixa que a de mortalidade (Portaria n. 1395, 1999). A semelhança de outros países latino-americanos, o envelhecimento no Brasil é um fenômeno predominantemente urbano, resultando, sobretudo do intenso movimento migratório iniciado na década de 60, motivado pela industrialização desencadeada pelas políticas desenvolvimentalistas. Esse processo de urbanização propiciou um maior acesso da população e serviços de saúde e saneamento, o que
  30. 30. 30 colaborou para a queda verificada na mortalidade. Possibilitou, também, um maior acesso a programas de planejamento familiar e a métodos anticoncepcionais, levando a uma significativa redução da fecundidade (Portaria n 1395, 1999). A persistir a tendência de o envelhecimento como fenômeno urbano, as projeções para o inicio do século XXI indicam que 82% dos idosos brasileiros estarão morando nas cidades. As regiões mais urbanizadas, como a Sudeste e o Sul, ainda oferecem melhores possibilidades de emprego, disponibilidade de serviços públicos e oportunidades de melhor alimentação, moradia e assistência médica e social. (Portaria n 1395, 1999) Embora, grande parte das populações ainda viva na pobreza nos países menos desenvolvidos, certas conquistas tecnológicas da medicina moderna, verificadas nos últimos 60 anos, vacinas, antibióticos, quimioterápicos e exames complementares de diagnóstico, entre outros, favoreceram a adoção de meios capazes de prevenir ou curar muitas doenças que eram fatais até então. O conjunto dessas medidas provocou uma queda da mortalidade infantil e conseqüentemente, um aumento na expectativa de vida ao nascer (Portaria n 1395, 1999). O Último censo populacional do IBGE mostra que os idosos correspondem a 9,1 % da população do país. Do total de 160.336.471 brasileiros identificados em 199, 14512, 803 tinham 60 anos ou mais. Estimativas apontam que no ano de 2025 serão 34 milhões de idosos no país. (COREN 2003). O envelhecimento da população brasileira teve seu inicio na segunda metade dos anos 70, quando houve um declínio da taxa de fecundidade de 5,8 filhos por casal, esse índice baixou para 4,3 em 1980 e 2,3 em 1995 e segundo projeções em 2030 será de 1,6 (CARVALHO E GARCIA, 2003). No Brasil, em 1900 a expectativa de vida ao nascer era de 33,7 anos; nos anos 40, de 39 anos; em 50, aumentos para 43,2 anos e, em 60 era de 55,9 anos. De 1960 para 1980, essa expectativa ampliou-se para 63,4 anos, isto é foram acrescidos vinte anos em três décadas, segundo revela o Anuário Estatístico do Brasil de 1982. (Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística / Fundação IBGE. De 1980 para 2000, o aumento deverá ser em torno de cinco anos, ocasião em que cada brasileiro, ao nascer esperará viver 60 anos e meio. As projeções para o período de 2000 a 2025 permitem supor que a expectativa média de vida do brasileiro estará
  31. 31. 31 próxima dos 80 anos, para ambos os sexos. De 1980 a 2000, o grupo etário com 60 anos e mais de idade deverá crescer 105%, as projeções apontam para um crescimento de 120 % no período de 2000 a 2025. (Portaria 1395, 1999) Os resultados desse envelhecimento para a economia e nas questões sociais são muitos representando um aumento da população economicamente ativa (entre 15-65 anos). Em 1970 correspondia a 54,8 % da população total em1995 e 2020 deverá ser de 69,7 % (CARVALHO E GARCIA, 2003). Com este aumento da população idosa cresce o número de problemas crônicos degenerativos, porém não é verdade que todo velho é necessariamente doente, mas envelhecer é um processo biológico diferente de qualquer doença. (PASSARELLI, 1991). Segundo a Organização Mundial de Saúde a definição de idoso leva em consideração o grau de desenvolvimento do país, além do critério cronológico e que, para os países em desenvolvimento, idoso é individuo com mais de 60 anos e para os países desenvolvidos, com 65 anos ou mais. (MARIN, 1995). 4.1.4 Política Nacional da Saúde do Idoso. Parte essencial da Política Nacional de Saúde, a presente Política fundamenta a ação do setor na atenção integral à população idosa e aquela em processo de envelhecimento, na conformidade do que determinam a Lei Orgânica da Saúde – No 8.080/90 – e a Lei 8. 842/94, que assegura os direitos deste segmento populacional (Portaria N. 1395, 1999). No conjunto dos princípios definidos pela Lei Orgânica, destaca-se o relativo á “preservação da autonomia das pessoas na defesa de sua integridade física e moral”, que constitui uma das questões essenciais enfocadas nesta Política, ao lado daquelas inerentes à integridade da assistência e ao uso da epidemiologia para a fixação de prioridades. (Art. 7O , incisos III, II e VII, respectivamente). Por sua vez, a Lei No 8.842 – regulamentada pelo Decreto No 1.948, de 3 de julho de 1996 – ao definir a atuação do Governo, indicando as ações específicas das áreas envolvidas, busca criar condições para que sejam promovidas a autonomia, a
  32. 32. 32 integração e a participação dos idosos na sociedade, assim consideradas as pessoas com 60 anos de idade ou mais. Segundo essa Lei, cabe ao setor saúde, em síntese prover o acesso dos idosos aos serviços e as ações voltadas á promoção, proteção e recuperação da saúde, mediante o estabelecimento da cooperação entre as esferas de governo e entre centros de referência em geriatria e gerontologia, e a inclusão da geriatria como especialidade clínica para efeito de concursos públicos, além da realização de estudos e pesquisas na área (Inciso III do Art. 10). O propósito da Política Nacional do Idoso é promover a saúde do idoso, possibilitando ao máximo sua expectativa de vida na comunidade, junto á sua família, e com altos níveis de função e autonomia. A Política Nacional da Saúde do Idoso é o detalhamento da Política Nacional do Idoso, que foi publicada em 94, regulamentada em 1996. A Política Nacional de Saúde do Idoso procura instrumentar os artigos que já foram especificados na Lei maior, também de 94 e regulamentada em 96. Trabalhar com o conceito de autonomia e altos níveis de função, e trabalhar com qualidade de vida e não coeficiente de mortalidade faz parte de uma postura nova que está sendo desenvolvida assumindo que a saúde precisa ser compreendida em sua essência, não só como ausência de doenças, mas também como um aspecto de ações, que não são especificas do setor de saúde, do Ministério da Saúde, da Secretaria Estadual ou da Secretaria Municipal de Saúde. Pensar saúde enquanto promoção e qualidade de vida pressupõe pensar, não só na resolução ou no encaminhamento da recuperação da saúde, quando ela já foi comprometida pela doença, mas, sobretudo pensa em atividades de integração, de inter-setorialidade com outros Ministérios e com outras Políticas Públicas. A promoção do envelhecimento saudável está compreendida como orientação, aos idosos e ás pessoas em processo de envelhecimento, sobre a importância da melhoria de suas habilidades funcionais mediante atuação de exercícios físicos; nutrição saudável, convivência social estimulante; busca de uma ocupação prazerosa, utilização de mecanismos de atenuação do estresse, entre outros.
  33. 33. 33 5.0 ESTUDO DE CASO ARQUITETÔNICO 5.1 Lar dos Idosos Figura 14: Lar dos Idosos. Fonte: ArcoWeb,2008 5.1.2 Dados da obra Localização: Bairro do Pari em São Paulo - Capital. Arquiteto: Vigliecca & Associados Projeto: 2003 Conclusão da obra: 2007 Área do terreno: 7.270 m2 Área construída: 8.290 m2 5.1.3 Objetivo do Projeto: Executado pela Companhia Metropolitana de Habitação de São Paulo (COHAB), o projeto de locação social é destinado a pessoas com mais de 65 anos que morem na capital há pelo menos quatro anos e ganhem até três salários mínimos.
  34. 34. 34 5.1.4 Programa: O edifício possui 145 apartamentos distribuídos em quatro pavimentos: 88 quitinetes de 29m² e 57 apartamentos, com um dormitório, de 43m². Do total das unidades, 16 quitinetes e 9 apartamentos no térreo foram projetados para pessoas com dificuldade de locomoção e espaço para circulação de cadeiras de rodas. Uma área externa composta por: qQuadra de bocha, área verde, praça externa, espelho d'água e uma horta comunitária. Quatro espaços comunitários multiuso que abrigarão: Salas para projeções de vídeo, atividades físicas, salas para TV e jogos. Um salão comunitário que pode ser utilizado para: festas, sala de administração e portaria. O conjunto apresenta ainda 3 pontos com hall de acesso com elevadores. Figura 15: Planta Implantação Lar dos Idosos Fonte: ArcoWeb,2008
  35. 35. 35 5.1.5 Tipologia dos Apartamentos Figura 16: Planta-tipo dormitório 43m². Figura 17: Planta tipo 88 Kitinetes 29m² Fonte: ArcoWeb,2008 Fonte: ArcoWeb,2008 5.1.6 Análise Tudo foi planejado para oferecer melhor qualidade de vida aos idosos. Elevadores ajudam aqueles que não conseguem subir as escadas. Em cada andar há um salão com espaço para assistir à televisão ou jogar cartas. Nos banheiros, barras nas paredes para dar mais segurança e evitar acidentes. Os acessos das unidades voltam-se para o corredor de convívio, orientado para o pátio central - no térreo, ele é uma espécie de galeria. A Vila dos Idosos é adaptada às necessidades físicas dos residentes, o que implica em portas mais largas, áreas com fácil acesso, ventilação cruzada, adequação dos pisos e altura das janelas. Com todos esses itens observados será possível fomentar a autonomia e independência do idoso. As unidades terão intervenções que levem em conta a forma dos objetos, como por exemplo, largura e altura dos degraus, adequação dos pisos, altura das janelas, assim como as ordenações espaciais, considerando a necessidade de um espaço físico adequado e confortável para os moradores. Com todos esses cuidados voltados para o melhor conforto e comodidade dos futuros residentes, será possível fomentar a autonomia e independência do idoso além do limite comum.
  36. 36. 36 Figura 18: Croqui da área comunitária Fonte: ArcoWeb,2008 Figura 19: Croqui esquemático da ventilação cruzada. Fonte: ArcoWeb,2008 Para que as pessoas não se deslocarem muito foi prevista uma área comunitária em cada andar. Ao lado da entrada de cada apartamento encontra-se banco duplo de concreto. Colocação das janelas paralelas voltadas para uma face e para o corredor externo, o que mantém os ambientes permanentemente arejados. 5.1.7 Objetivo da escolha do Edifício para estudo de caso Como proposta para tema de Final de Curso de Graduação a Vila dos Idosos servirá de objeto de estudo no que se diz as particularidades do projeto voltadas para as necessidades dos idosos: Acessos especiais, rampas, lazer, espaço comunitário e outros. Foi verificado que o fator mais observado foi a acessibilidade e o senso comunitário, ou seja, que nenhum morador fique sozinho. A implantação também foi primordial para a disposição dos edifícios com fachadas voltadas para o interior do terreno. A volumetria é simples com eixos estruturais regulares.
  37. 37. 37 5.2 Centro de Reabilitação Motora Figura 20: Centro Reabilitação Motora. Fonte: ArcoWeb,2008 5.2.1 Dados da Obra: Local: Vicente López, Argentina Arquiteto: Claudio Vekstein (1965) Projeto: 2001 Conclusão da obra: 2004 Área do terreno: 1.355 m2 Área construída: 4.000 m2 5.2.2 Objetivo do Projeto: Qualificar ambientalmente um território municipal caracterizado pelos contrastes sociais e econômicos e pela desordem urbana, característica comum na Grande Buenos Aires, onde moram 9 milhões de pessoas. 5.2.3. Partido Arquitetônico O Edifício foi concebido através da idéia central da elaboração de rampas externas que deram o formato da edificação juntamente com o grande pátio central que configura uma arquitetura inovadora e diferenciada. Figura 20.
  38. 38. 38 5.2.4 Análise Observa-se uma forte identidade arquitetônica através da rampas suaves de desenho irregular. O pátio, delimitado pelas curvas contínuas das rampas de circulação, tem configuração variável, definida pelas dimensões diferenciadas dos volumes dos consultórios e das áreas de fisioterapia como mostra a Figura 21. O pátio central definido por sistema de rampas de inclinação leve, como elemento expressivo da idéia de movimentação, que é o fundamento essencial do centro de reabilitação assim como também mostra a Figura 22. Figura 21: Jogo de Rampas Figura 22: Pátio Fonte: ArcoWeb,2008 Fonte: ArcoWeb,2008 Um programa simples, porém bem setorizado de forma a facilitar a circulação e funcionalidade como um todo aos pacientes com dificuldades motora que no interior do edifício encontra a qualidade adequada aos equipamentos necessários para seu deslocamento.
  39. 39. 39 6.0 Visita Técnica 6.1 SESC Pompéia Figura: 23: SESC Pompéia – SP. Fonte: Sesc Pompéia,2008 6.1.2 Dados da Obra: Localização: Rua Clélia, 93 – São Paulo Arquiteta: Lina Bo Bardi Ano do projeto 1977 Área de intervenção 1.598 m2 6.1.3 Objetivo do Projeto: O projeto do SESC Pompéia propõe a manutenção do espaço livre dos galpões com um olhar crítico para a antiga estrutura: as funções foram reprojetadas e o projeto de tecnologia fabril transformado em um novo projeto. 6.1.4 Programa: Conjunto esportivo com piscina, ginásio e quadras 15 pavimentos duplos. Lanchonete, vestiários, sala de ginástica, lutas e danças (11 pavimentos)Torre da caixa d’água Grande Deck/Solarium com espelho d’água e cachoeira. Almoxarifado e Oficinas de manutenção. Ateliers de cerâmica, pintura, marcenaria, tapeçaria, gravura e tipografia. Laboratório fotográfico, estúdio musical, sala de danças e vestiários Teatro com 1200 lugares. Vestíbulo coberto do teatro para espetáculos. Restaurante self- service para 2000 refeições e choperia (noite).
  40. 40. 40 Cozinha industrial. Vestiários e refeitórios dos funcionários (2 pavimentos). Grande espaço de estar, jogos de salão, espetáculos e mostras expositivas com grande lareira e espelho d’água. Biblioteca de lazer, lajes abertas de leitura e videoteca. Pavilhão das grandes exposições temporárias. 6.1.5 Fotos das oficinas: Figura 24 Figura 25 Figura 26 Fonte: Acervo Pessoal Fonte: Acervo Pessoal Fonte: Acervo Pessoal Figura 27 Figura 28 Figura 29 Fonte: Acervo Pessoal Fonte: Acervo Pessoal Fonte: Acervo Pessoal
  41. 41. 41 6.1.6 Análise De acordo com visita realizada o SESC nos mostra forte identidade através da memória industrial preservada pelas soluções de restauro, reciclagem e novas intervenções na paisagem urbana. O programa extenso exige verticalização e a distância dos dois espaços edificáveis sugere uma solução simples:a ocupação do espaço aéreo do córrego por robustas passarelas. Pontes unem os dois edifícios principais da Pompéia e servem para que os jovens regressem aos vestiários da torre pequena. (Figura 30) 3 blocos isolados em concreto configuram a nova construção: (Figura 26) O 1º em um prisma estrutural regular destinado as piscinas e as quadras esportivas, sobrepostas em 4 andares de pé direito duplo e piso em grelha de concreto protendido para liberar áreas de 30 por 40 m. O 2º um pouco mais esguio é ligado ao 1º por passarelas de concreto protendido destinadas aos vestiários e sala de exercícios tem uma das faces marcadas pela escada de emergência e respectivos terraços de circulação. Um longo cilindro completa o conjunto que abriga a caixa d’água. (Figura 31) É um grande atrativo para a população com sua extensa programação cultural, com espetáculos, eventos e exposições de grande ressonância na vida da cidade. Figura 30: Passarelas de ligação entre os Blocos Fonte: ArcoWeb,2008
  42. 42. 42 6.1.7 Elevação do Conjunto Figura: 31 : Elevação do conjunto Fonte: Acervo Pessoal 6.1.8 Interior das Quadras Decoradas com cores que representam as 4 estações do ano. Figura 32: Quadras Temáticas. Fonte: ArcoWeb,2008
  43. 43. 43 6.1.9 Entrevista 1o Pergunta a Mãe: O que a senhora mais gosta aqui no SESC Pompéia? Resposta: Primeiro de tudo que ele fica pertinho da minha casa, moro a 5 minutos daqui e trago meus filhos sempre aos finais de semana e nas férias, eles se divertem enquanto eu leio um livro em uma das salas de leitura. 2o Pergunta ao usuário da oficina de 3o idade: Qual o curso oferecido pelo SESC que mais lhe chama a atenção e Por quê? Resposta: Eu adoro as oficinas de marcenaria, gosto de desse tipo de trabalho me sinto útil e meus netos sempre se divertem com os brinquedinhos que faço pra eles, me sinto muito bem recebidos pelos funcionários. Pra mim o SESC faz parte da minha vida. 3o Pergunta ao funcionário do teatro: O Sr já assistiu alguma peça teatral do SESC? Resposta: Sim, claro. São sempre interessantes não só paras as crianças como para os adultos. As instalações não parecem muito confortáveis mas ninguém parece se importar muito. 4o Pergunta ao funcionário das quadras: O que o Sr acha que mais atrai as pessoas para o SESC? Qual a faixa etária que mais o utiliza? Resposta: Aqui tudo é atrativo, desde as piscinas que são muito bonitas pelo seu colorido até o teatro que sempre atrai mais aos jovens. As oficinas são freqüentadas mais pelos adultos. Mas tem gente de todas as idades que participam de tudo principalmente quando há shows e mostras de exposição.
  44. 44. 44 6.1. 10 Objetivo da escolha do Edifício para estudo de caso: Como proposta para tema de Final de Curso de Graduação o SESC POMPEIA servirá de objeto de estudo no que se diz ao programa do projeto voltadas para as necessidades dos idosos como as oficinas, salão de jogos, espaço expositivo e etc. A arquitetura em si não foi o foco principal, foram mencionadas algumas das suas características mas a análise foi baseada no uso e no programa. Nesse caso o partido que nos interessa é a disposição das oficinas, do teatro, das áreas livres de convivência. Isso sim foi observado com mais atenção. Os espaços livres planejados por Lina dão uma sensação de amplidão e integração. Todos se vêem ao mesmo tempo e ninguém nunca está sozinho. A entrevista com usuários do local reforçou o pensamento inicial de um programa diversificado apoiado em espaços abertos com oficinas também diversificadas. No momento da visita haviam poucos idosos mas de acordo com o entrevistado muitos deles freqüentam os SESC durante a semana sendo que a entrevista foi realizada no Final de Semana.
  45. 45. 45 6.2 Residencial Solar Ville Garaude Figura 33: Residencial Solar Ville Garaude Fonte: Solar Ville Garaude, 2008 6.2.1 Dados da Obra: Obra: Residencial Solar Ville Garaude Local: Av. Copacabana No 229, Alphaville – Barueri – SP. Arquitetura: LUPO Construções e Participações S/C. LTDA Ano conclusão : 1997 Área terreno: 1970,00 m2 Área construída: 3650,00 m2 6.2.2 Objetivo da obra: O Edifício Residencial Solar Ville Garaude tem como objetivo de ser um hotel- residência voltado para os idosos exclusivamente. Possui este nome Hotel- Residência por que tem infra-estrutura de hotel juntamente com de um edifício residencial comum. 6.2.3 Programa: O edifício se divide em 8 pavimentos; Inferior, Térreo, e 5 pavimentos tipo possuindo este 12 apartamentos nos 4 primeiros pavimentos e no 6o no ultimo andar, realizando um total de 54 apartamentos.
  46. 46. 46 Dois elevadores realizam a circulação vertical do edifício. O programa se divide em:  Pavimento Inferior: Recepção, duas salas consultórios, vestiários para funcionários, lavanderia e almoxarifado.  Pavimento Térreo: Átrio, Bar (Figura 34), Restaurante (Figura 35), Sala de Laboraterapia (Figura 36), Salão de Beleza ( Figura 37), Biblioteca Figura 38), Sala de Fisioterapia, Espaço Ecumênico Figura 40) , Home Theater (Figura 39), Fitness e Jardim ( Figura 41).  1o Pavimento: Sala de artesanato, copa, e apartamentos com dormitórios suíte. ( Figura 44).  2o ao 5o Pavimento: Copa, e apartamentos com dormitórios suíte. 6.2.4 Fotos do Local Figura 34: Bar Figura 35: Restaurante Fonte: Solar Ville Garaude, 2008 Fonte: Solar Ville Garaude, 2008 Figura 36: Sala de Laboraterapia Figura 37: Salão de Beleza Fonte: Solar Ville Garaude, 2008 Fonte: Solar Ville Garaude, 2008
  47. 47. 47 Figura 38: Biblioteca Figura 39: Home Theater Fonte: Solar Ville Garaude, 2008 Fonte: Solar Ville Garaude, 2008 Figura 40: Espaço Ecumênico Figura 41: Jardim Fonte: Solar Ville Garaude, 2008 Fonte: Solar Ville Garaude, 2008 Figura 42: Piscina Figura 43: Hidromassagem Fonte: Solar Ville Garaude, 2008 Fonte: Solar Ville Garaude, 2008 Figura 44: Dormitório Figura 45: Banheiro Fonte: Solar Ville Garaude, 2008 Fonte: Solar Ville Garaude, 2008
  48. 48. 48 6.2.5 Análise Durante a visita realizada no local percebeu-se que o edifício se caracteriza pela arquitetura simples porém funcional com áreas de serviços isoladas das áreas sociais. A circulação vertical se dá pelo uso de 2 elevadores com dimensões especiais para que haja espaço para acomodar uma maca para situações emergenciais. E as escadas de serviço. A parte social foi projetada de modo que nunca se sinta isolado, com exceção dos dormitórios. Varandas coletivas foram projetadas com essa finalidade de que o convívio social fosse preservado com vista para o exterior. Dos materiais utilizados na decoração foram aplicados os que oferecem maior conforto como a madeira, e muita vegetação. Cores quentes também foram utilizadas para obter a sensação de clima quente e aconchegante evitando assim a frieza e solidão. Sensores de presença tanto no teto quanto nos rodapés dos dormitórios previnem acidentes noturnos. Sobre o funcionamento do residencial obteve-se alguns dados: No que se refere aos idosos, os mesmos possuem idade mínima de 50 anos sendo que alguns necessitam de acompanhamento para locomoção e outros tipos de auxilio. Médicos Geriatras, Psicólogos, Nutricionistas e Enfermeiros acompanham o estado físico e mental dos idosos. Tudo no edifício tem como objetivo evitar o isolamento dos habitantes do Hotel Residencial. Aulas de dança, jogos como bingo e outros. Apresentações acontecem no átrio. Eventos com familiares também acontecem na agenda no Hotel. O que mais apresenta resultado é o aspecto da integração social que é marcante na dinâmica do dia a dia do hotel.
  49. 49. 49 6.2.6 Setorização Figura 46: Setorização Fonte: Orihashi (2007) 6.2.7 Corte Transversal Figura 42: Corte Transversal Fonte: Orihashi (2007)
  50. 50. 50 7.0 PROJETO 7.1 Conceituação O projeto como mencionado anteriormente teve como diretriz principal estimular o uso do espaço urbano utilizado pela população para trazer maior movimentação ao local nos diversos períodos principalmente à noite evitando assim o abandono. Com isso foram criados eixos de circulação horizontal onde o pedestre transeunte pudesse se locomover pelos espaços livres dos edifícios. A praça central criada com a interdição parcial da rua foi a solução encontrada para dar uma unidade ao projeto através de suas formas geométricas que se complementam, e dos materiais utilizados como o vidro, o elemento principal assim como um projeto paisagístico que utiliza como base as formas geométricas que circundam a praça central e a obra como um todo. Este acesso parcialmente interditado que compõe a fachada Sul também teve como objetivo a entrada para abastecimento do edifício, como carga e descarga. A linguagem arquitetônica horizontalizada foi preservada para não interferir no gabarito do bairro que é predominantemente baixo. ( Ver figura 43) Na circulação vertical, além das escadas e elevadores tradicionais foram criadas rampas de acesso que interferiram no partido do projeto principalmente no Edifício Residencial, onde um volume sobresaliente se destaca na arquitetura. A preocupação com a insolação resultou na elaboração de brises nas fachadas norte e leste. Na fachada Sul um recorte na arquitetura foi a solução encontrada para evitar a criação de uma área sem insolação tornando-a assim insalubre o que resultou numa fachada recuada no seu centro, porém sem alterar sua funcionalidade principal.
  51. 51. 51 7.2 Programa Edifício Residencial para Idosos A setorização dos serviços deste edifício se divide em: Pavimento Térreo: encontra-se um grande hall de entrada com recepção, banheiros, espaço ecumênico, administração e depósito. Uma área reservada ao caseiro com dormitório, sala integrada com cozinha e banheiro. Assim como uma sala de monitoramento de segurança. Circulação vertical com Caixas de escadas, elevadores sociais e de serviços assim como uma rampa com inclinação máxima permitida para todos os andares. Duas entradas, uma principal voltada para a praça e uma secundária voltada para a rua da fachada Norte. Nos pavimentos tipos encontram-se os flats com 3 tipologias distintas. A primeira: Com sala de estar integrada a cozinha e a sala de jantar, com dormitório e banheiro para atender aos cadeirantes voltadas para a fachada Norte. A Segunda: Com sala de estar integrada a cozinha e sala jantar e banheiro para atender aos cadeirantes. A terceira: Com sala de estar integrada a cozinha e sala de jantar, dois dormitórios para nos casos onde o idoso necessite de acompanhamento 24 h com cozinha banheiro para atender aos cadeirantes. Essa tipologia se encontra apenas nas laterais dos edifícios da fachada leste e oeste para fins de conforto térmico. A parte de serviços e administração localizam-se no terceiro pavimento com sala de gerência, arquivo, banheiros femininos e masculinos para os funcionários da administração e diretoria, copa e banheiros femininos e masculinos para área de serviço, todos voltados para a fachada Sul. Um pronto atendimento de emergência localiza-se próximo ao elevador para fins de socorros e atendimento de observação. Um grande hall com um vazio dá um grande charme ao edifício com espaço para sala de estar intima para os moradores a fim de gerar integração dos mesmos se evitar o isolamento. Esta sala aberta com varanda encontra-se voltada para a praça boulevard com vista para o terraço do edifício de apoio ao idoso. Total de Area Construída: 2.240,00 m²
  52. 52. 52 7.3 Programa Complexo Assistencial ao Idoso A setorização dos serviços deste edifício se divide em: Térreo: Hall de entrada Principal, Depósito e Circulação vertical com Caixas de escadas, elevadores sociais e de serviços assim como uma rampa com inclinação máxima permitida para todos os andares. Primeiro Pavimento: Destinado ao Lazer: Salas de Artesanato, Pintura, Escultura, Musica, Espaço Contemplativo e Espaço para exposições com um pé direito duplo. Sanitários femininos e masculinos previstos em todos os demais andares. Segundo Pavimento: Destinado a Ginástica: Grande espaço para fitness e Piscina para Natação e Hidroginástica com salas para os professores de ginásticas e deposito para equipamentos e objetos das aulas além de uma biblioteca com espaço para pesquisa e leitura. Terceiro Pavimento: Praça de Alimentação: Sistema Self Service e as dependências como: cozinha, banhos e vestiários para funcionários, deposito e despensa. E o mais interessante neste pavimento é o grande terraço voltado para a praça central com vista para o outro edifício residencial . Quarto Pavimento: Jogos: 2 Salas que atendem todos os tipos de jogos por eles apreciados com dois depósitos para armazenamento de objetos. Quinto Pavimento: Serviços de Saúde: Este pavimento conta com 5 consultórios médicos para atendimento nas especialidades de psicologia, psiquiatria, clinico geral, nutricionista e geriatria. Salas de espera e farmácia com recepção e banheiros independentes para os médicos. Total de Area Construída: 4.180,00 m² No subsolo estão localizados os estacionamentos individuais para cada edifício contando com 39 vagas para o Residencial sendo 7 para cadeirantes e 50 para o Assistencial sendo 8 para cadeirantes totalizando o número de 89 vagas contra 36 números de apartamentos.
  53. 53. 53 7.4 Desenhos 7.4.1 Inserção Urbana Figura 43: Gabarito do Entorno Fonte: Acervo Pessoal
  54. 54. 54 7.4.2 Implantação Figura 44 : Implantação Fonte: Acervo Pessoal
  55. 55. 55 7.4.3 Subsolo Figura 45 : Subsolo Fonte: Acervo Pessoal
  56. 56. 56 7.4.4 Edifício Residencial para Idosos Pavimento Térreo Figura 46 :Pavimento Térreo Fonte: Acervo Pessoal
  57. 57. 57 7.4.5 Edifício Residencial para Idosos Primeiro e Segundo Pavimentos Figura 47 : Primeiro e Segundo Pavimentos Fonte: Acervo Pessoal
  58. 58. 58 7.4.6 Edifício Residencial para Idosos Terceiro Pavimento Figura 48 : Terceiro Pavimento Fonte: Acervo Pessoal
  59. 59. 59 7.4.7 Edifício Residencial para Idosos Cobertura Figura 49 : Cobertura Fonte: Acervo Pessoal
  60. 60. 60 7.4.8 Edifício Residencial para Idosos Corte AA Figura 50 : Corte AA Fonte: Acervo Pessoal
  61. 61. 61 7.4.9 Edifício Residencial para Idosos Corte BB Figura 51 : Corte BB Fonte: Acervo Pessoal
  62. 62. 62 7.4.10 Edifício Residencial para Idosos Corte CC Figura 52 : Corte CC Fonte: Acervo Pessoal
  63. 63. 63 7.4.11 Edifício Residencial para Idosos Elevação Norte Figura 53 : Elevação Norte Fonte: Acervo Pessoal
  64. 64. 64 7.4.12 Edifício Residencial para Idosos Elevação Sul Figura 54 : Elevação Sul Fonte: Acervo Pessoal
  65. 65. 65 7.4.13 Edifício Residencial para Idosos Elevação Leste Figura 55 : Elevação Leste Fonte: Acervo Pessoal
  66. 66. 66 7.4.14 Edifício Residencial para Idosos Elevação Oeste Figura 56 : Elevação Oeste Fonte: Acervo Pessoal
  67. 67. 67 7.4.15 Edifício Complexo Assistencial ao Idoso Pavimento Térreo Figura 57 : Pavimento Térreo Fonte: Acervo Pessoal
  68. 68. 68 7.4.16 Edifício Complexo Assistencial ao Idoso Primeiro Pavimento Lazer Figura 58 : Primeiro Pavimento Fonte: Acervo Pessoal
  69. 69. 69 7.4.17 Edifício Complexo Assistencial ao Idoso Segundo Pavimento Fitness Figura 59 : Segundo Pavimento Fonte: Acervo Pessoal
  70. 70. 70 7.4.18 Edifício Complexo Assistencial ao Idoso Terceiro Pavimento Praça de Alimentação Figura 60 : Terceiro Pavimento Fonte: Acervo Pessoal
  71. 71. 71 7.4.19 Edifício Complexo Assistencial ao Idoso Quarto Pavimento Jogos Figura 61 : Quarto Pavimento Fonte: Acervo Pessoal
  72. 72. 72 7.4.20 Edifício Complexo Assistencial ao Idoso Quinto Pavimento Serviços de Saúde Figura 62 : Quarto Pavimento Fonte: Acervo Pessoal
  73. 73. 73 7.4.21 Edifício Complexo Assistencial ao Idoso Cobertura Figura 63 : Cobertura Fonte: Acervo Pessoal
  74. 74. 74 7.4.22 Edifício Complexo Assistencial ao Idoso Corte CC Figura 64 : Corte CC Fonte: Acervo Pessoal
  75. 75. 75 7.4.23 Edifício Complexo Assistencial ao Idoso Corte DD Figura 65 : Corte DD Fonte: Acervo Pessoal
  76. 76. 76 7.4.24 Edifício Complexo Assistencial ao Idoso Corte EE Figura 66 : Corte EE Fonte: Acervo Pessoal
  77. 77. 77 7.4.25 Edifício Complexo Assistencial ao Idoso Elevação Norte Figura 67 : Elevação Norte Fonte: Acervo Pessoal
  78. 78. 78 7.4.26 Edifício Complexo Assistencial ao Idoso Elevação Sul Figura 68 : Elevação Sul Fonte: Acervo Pessoal
  79. 79. 79 7.4.27 Edifício Complexo Assistencial ao Idoso Elevação Leste Figura 69 : Elevação Leste Fonte: Acervo Pessoal
  80. 80. 80 7.4.28 Edifício Complexo Assistencial ao Idoso Elevação Oeste Figura 70 : Elevação Oeste Fonte: Acervo Pessoal
  81. 81. 81 7.4.29 Skyline Norte,Sul, Leste e Corte CC Figura 71 : Skyline Norte, Sul, Leste e Corte CC Fonte: Acervo Pessoal
  82. 82. 82 7.5 PERSPECTIVAS Figura 72: Perspectiva Nordeste Fonte: Acervo Pessoal Figura 73: Perspectiva Sudeste Fonte: Acervo Pessoal
  83. 83. 83 Figura 74: Perspectiva Noroeste Fonte: Acervo Pessoal Figura 75: Vista da Praça interna Fonte: Arcervo Pessoal
  84. 84. 84 REFERENCIAS PASSARELLI, M.C.G. O processo de envelhecimento e uma perspectiva geriátrica. O Método da Saúde. São Paulo. v.21, p. 208-212, 1991. LOPES, A. Os desafios da gerontologia no Brasil. Campinas. Atomo e Alinea, 2000. NERI, A.L. As políticas de atendimento aos direitos da pessoa idosa expressa no estatuto do idoso. v.16, n.34, p.7-24, 2005. VILLARES, Henrique Dumond. A indústria em São Paulo: estudo para sua localização. São Paulo. Brasiliense, 1939. CARVALHO, J.A.M , GARCIA, E.A. O envelhecimento da população brasileira: um enfoque demográfico. Cad. Saúde Pública. v.19 n.3, 2003. MAS PESQUISA. Disponível em:<http://www.mapesquisa.com.br>. Acesso em: 30 abr. 2008. PORTAL OSASCO Disponível em: <http://www.osasco.sp.gov.br>. Acesso em: 02 mai.2008. SOLAR VILLE GARAUDE. Disponível em <http://solarvillegaraude.com.br>. Acesso em: 08 jun. 2008. UFRGS. Disponível em <http://www.ufrgs.br/3idade/portaria1395gm.html>. Acesso em: 30 jun. 2008. GOOGLE. Disponível em <http://www.google.com.br/search?sourceid=navclient& +idoso>. Acesso em: 30 jun. 2008.
  85. 85. 85 DJI. Disponível em <http://www.dji.com.br/decretos/1996-001948/1996-001948- .htm>. Acesso em: 03 jun. 2008. SESC SP. Disponível em <http://www.sescsp.org.br/sesc/?UnidadesDirector=58>. Acesso em: 20 mai. 2008. ARCOWEB. Disponível em <http://www.arcoweb.com.br/memoria30.asp>. Acesso em: 20 mai. 2008. ARCOWEB. Disponível em <http://www.arcoweb.com.br/arquitetura623.asp> Acesso em: 15 abr. 2008. ARCOWEB. Disponível <http://www.arcoweb.com.br/arquitetura823.asp>. Acesso em: 16 abr. 2008.

×