Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Teste de Português-12º ano- Felizmente Há Luar!, de Sttau Monteiro

Teste de Português de 12º ano com a estrutura do exame nacional. Conteúdos: Felizmente Há Luar!, de Luís de Sttau Monteiro e o poema "As pessoas sensíveis" de Sophia de Mello Breyner.

  • Login to see the comments

Teste de Português-12º ano- Felizmente Há Luar!, de Sttau Monteiro

  1. 1. 1 ANO LETIVO DE 2015-2016 Duração: 90 minutos Teste de avaliação de Português, 12º ano GRUPO I A Lê o texto que se segue com atenção e respondeàs questões que se seguem. Se necessário, consulta o vocabulário em rodapé. 5 10 15 20 25 (Entra Vicente pela esquerda do palco.) VICENTE Senhores! Senhores! Ontem à noite entraram mais de dez pessoas em casa de... D. MIGUEL Cuidado! VICENTE (Atrapalhado. Olhando à sua volta) Entraram mais de dez pessoas na casa que fui incumbido de vigiar... D. MIGUEL Conhece-lhes os nomes? VICENTE Só de sete, senhor. D. MIGUEL (Para Vicente) Está bem. Continue. (D. Miguel, depois de Vicente ter saído pela esquerda do palco, prossegue, para os governadores) D. MIGUEL A questão que temos de resolver, Excelência, é, portanto, bem simples. Consiste apenas em chegarmos a acordo acerca da pessoa que mais nos convém que tenha sido o chefe da conjura. PRINCIPAL SOUSA Não me agrada a condenação de um inocente. BERESFORD A ingenuidade do principal Sousa não é verdadeira. Este prelado defende-se, sempre, tentando mostrar-se alheio à
  2. 2. 2 30 35 40 45 50 55 Está nas suas mãos, Reverência, evitar que seja condenado um inocente... PRINCIPAL SOUSA Como? BERESFORD (Sorrindo) Nomeando quem tenha na alma a semente do jacobinismo1 ... Se peca quem não acata a palavra de Deus, mais peca, com certeza, quem não aceite ou discuta a Sua autoridade... V. Reverência ainda há pouco disse que a autoridade dos reis provinha de Deus... PRINCIPAL SOUSA Na verdade... BERESFORD (Rindo-se) Até os mercenários sabem teologia... São eles, aliás, que mais vezes carecem dela. A consciência humana, Reverência, satisfaz-se com meia dúzia de artifícios mentais. PRINCIPAL SOUSA Lá está Vª Exª brincando outra vez! (Pausa) Digam-me: já pensaram em alguém? D. MIGUEL O problema é delicado. BERESFORD (Levanta-se e passeia dum lado para o outro do palco) A minha missão consiste em reorganizar o exército e é meu inimigo, portanto, quem me dificulte esta missão. (A luz que incide sobre D. Miguel e o principal Sousa começa a diminuir de intensidade até desaparecer, ficando apenas Beresford iluminado) É também, meu inimigo quem me possa substituir na organização do exército... ou lá se vão os meus 16.000$00. Dizem que eu sou um grande sargento e um mau oficial, que sei organizar um exército, mas que não o sei comandar em campanha. Basta que surja um oficial com um passado brilhante para me destronar... política e às decisões em que intervém. Beresford fala sozinho. 1 Jacobinismo: deias democráticas exaltadas
  3. 3. 3 60 65 70 Não devo esquecer-me de que estou rodeado de inimigos: o clero odeia-me porque não sou da sua seita; a nobreza, porque lhe não concedo privilégios; o povo, porque me identifica com a nobreza, e todos, sem exceção, porque sou estrangeiro... O próprio D. Miguel só vê em mim uma limitação ao seu poder... Neste país de intrigas e de traições, só se entendem uns com os outros para destruir um inimigo comum e eu posso transformar-me nesse inimigo comum, se não tiver cuidado. (Pausa) Não é prudente ainda dizê-lo aos outros, mas não há dúvida de que existe um português capaz de me destronar... (Fala agora para D. Miguel e o principal Sousa, que surgem subitamente iluminados) Senhores, temos de encontrar alguém que tenha prestígio no exército. Julgo que nos convém um oficial de patente elevada, com um bom passado militar. Concretamente, porém, não sei de ninguém que lhes possa indicar. Luís de Sttau Monteiro, Felizmente Há Luar! Estaca. A última frase é proferida no tom de quem já pensou no assunto. 1. Localiza a ação na estrutura interna e externa da obra e refere a importância do excerto para o desenrolar da ação. 2. Atenta nas notas à margem e reflete sobre a sua utilidade neste excerto. 3. Refere como é a relação que os três regentes mantêm entre si. B Lê atentamente o poema que se segue e responde às questões: “As pessoas sensíveis” 5 10 As pessoas sensíveis não são capazes De matar galinhas Porém são capazes De comer galinhas O dinheiro cheira a pobre e cheira À roupa do seu corpo Aquela roupa Que depois da chuva secou sobre o corpo Porque não tinham outra Porque cheira a pobre e cheira A roupa Que depois do suor não foi lavada. Porque não tinham outra
  4. 4. 4 15 20 "Ganharás o pão com o suor do teu rosto" Assim nos foi imposto E não: "Com o suor dos outros ganharás o pão" Ó vendilhões do templo Ó construtores Das grandes estátuas balofas e pesadas Ó cheios de devoção e de proveito Perdoai-lhes Senhor Porque eles sabem o que fazem Sophia de Mello Breyner, in Livro Sexto, 1962 4. Neste poema de forte crítica social, Sophia denuncia certos comportamentos. Justifica esta afirmação fazendo uso de expressões textuais. 5. Identifica um recurso expressivo, clarificando a sua expressividade no contexto geral do poema. GRUPO II (Exame Nacional de 2009, 1ª fase-com adaptações) Lê o seguinte texto. Em caso de necessidade, consulta o vocabulário que se apresenta. 5 10 15 Onde Miguel Torga desembestou1 mais furiosamente foi contra a política salazarista. Prova disso é o poema Cântico do Homem, as prisões nos aljubes2 da PIDE3 e o embargo de algumas obras. (…) A escalada dos grandes fascismos europeus coincidiu com a maturidade física e intelectual de Miguel Torga. Mussolini marchava sobre Roma, bombardeara a Abissínia e, mais tarde, atacara a França pelas costas, para comprazer ao parceiro, Adolfo Hitler. Implantada no coração da Europa, a «pata rugosa» do nazismo hitleriano ia atirar o mundo para os horrores da Segunda Guerra Mundial. Franco, disposto a fuzilar meia Espanha, se tanto fosse necessário, fuzilava e decapitava «rojos»4 emsérie. EmPortugal, Salazar, que, para Torga, era um homem dotado do «conhecimento satânico do preço dos homens», transforma-se, aos olhos do poeta do Diário, num enorme «pulmão de aço» pelo qual obrigava todo o país a respirar. Foi nesta data que Torga se meteu a viajar pelo Velho Mundo. O resultado dessa viagem foi o seu primeiro livro em prosa, O Quarto Dia da Criação do Mundo. Um alarme aos homens do seu tempo e um violento desafio a todos os que reputava seus tiranos. Imediatamente preso pela PIDE, foi encarcerado no Aljube5.
  5. 5. 5 20 Ainda em França, e antes desta prisão, fora convidado a exilar-se. Mas, se Torga diz que «ser escritor em Portugal é como estar dentro dum túmulo a garatujar na tampa», pensa também que «é preciso pagar a liberdade». E a liberdade estava em Portugal! No estrangeiro, perde-se o que é nosso e não se adquire o alheio… (…) Torga tem consciência de que, apesar da bruteza ingénita6 do meio em que nasceu e dos trambolhões que pela vida levou, foi privilegiado em relação aos seus conterrâneos. «Dos meus companheiros de classe, alguns finos como corais, poucos assinam hoje o nome. A mão moldou- se de tal maneira à enxada, foi tanta a negrura e a fome que os rodeou, que esqueceram de todo que havia letras e pensamento». Valeu a pena lutar! António Freire, Lendo Miguel Torga, Porto, Edições Salesianas, 1990 VOCABULÁRIO 1 desembestou: reagiu com violência. 2 aljubes: prisões subterrâneas, cárceres. 3 PIDE: Polícia Internacional e de Defesa do Estado. 4 «rojos»: vermelhos; nome aplicado, em Espanha, a militantes de partidos de esquerda, nomeadamente aos comunistas. 5 Aljube: prisão, em Lisboa, onde ficavam os presos que estavam a ser interrogados na sede da PIDE. 6 ingénita: que nasceu com o indivíduo; inata. Seleciona, em cada um dos itens de 1 a 7, a única alternativa que permite obter uma afirmação adequada ao sentido do texto. Escreve, na folha de respostas, o número de cada item, seguido da letra que identifica a alternativa correta. 1. A utilização das expressões «‘conhecimento satânico do preço dos homens’» (linha 8) e «‘pulmão de aço’» (linha 9) constitui, da parte de Torga, uma (A) crítica severa à atuação de Salazar. (B) análise neutra da política salazarista. (C) censura suave ao papel de Salazar. (D) reflexão objetiva sobre a governação salazarista. 2. A obra de Torga, «O Quarto Dia da Criação do Mundo» (linha 11), constitui um (A) elogio aos seus compatriotas. (B) desabafo dirigido ao povo. (C) alerta aos seus contemporâneos. (D) apelo dirigido aos governantes. 3. A expressão «‘finos como corais’» (linha 20) significa (A) magros, esguios. (B) inteligentes, perspicazes. (C) ativos, diligentes. (D) polidos, educados. 4. Em «para comprazer ao parceiro, Adolfo Hitler.» (linha 5), o constituinte «Adolfo Hitler» desempenha a função de (A) sujeito.
  6. 6. 6 (B) modificador do nome. (C) vocativo. (D) complemento indireto. 5. Em «homens do seu tempo» (linha 11), o referente de «seu» é (A) «Torga» (linha 10). (B) «Velho Mundo» (linha 10). (C) «resultado» (linha 10). (D) «primeiro livro» (linha 11). 6. O constituinte “em Portugal” (linha 16) desempenha a função sintática de (A) predicativo do sujeito. (B) complemento direto. (C) modificador do grupo verbal. (D) complemento oblíquo. 7. Em «‘que esqueceram de todo’» (linha 21), a conjunção «‘que’» estabelece uma relação de (A) substituição. (B) retoma. (C) consequência. (D) comparação. 8. Refere o processo de formação da palavra “desembestou” (linha 1). 9. Transcreve, do segundo parágrafo (linhas 3-9), uma oração subordinada adverbial final. 10. Refere a classe e a subclasse da palavra sublinhada no enunciado “se Torga diz que «ser escritor em Portugal” (linhas 14-15). GRUPO III SELECIONA UM TEMA: A) Há pessoas e/ou organizações que desempenham papéis cruciais na divulgação ou resolução de certas crises, humanas ou não. Num texto bem estruturado, entre 180 e 240 palavras, disserta sobre o papel que o ser humano desempenha de modo a tornar o mundo um local melhor para vivermos. Fundamenta o teu ponto de vista recorrendo, no mínimo, a dois argumentos e ilustra cada um deles com, pelo menos, um exemplo significativo. B) A corrupção é um tema muito atual. Num texto bem estruturado, entre 180 e 240 palavras, disserta sobre a corrupção e a falta de valores éticos e morais na sociedade atual. Fundamenta o teu ponto de vista recorrendo, no mínimo, a dois argumentos e ilustra cada um deles com, pelo menos, um exemplo significativo.
  7. 7. 7 C) Diz um velho provérbio que “A união faz a força”. Num texto bem estruturado, entre 180 e 240 palavras, disserta sobre o poder da união entre os homens, tanto para desempenhar o bem como o mal. Fundamenta o teu ponto de vista recorrendo, no mínimo, a dois argumentos e ilustra cada um deles com, pelo menos, um exemplo significativo. observações: 1. Para efeitos de contagem, considera-se uma palavra qualquer sequência delimitada por espaços em branco, mesmo quando esta integre elementos ligados por hífen (ex.: /dir-se-ia/). Qualquer número conta como uma única palavra, independentemente dos algarismos que o constituam (ex.: /2014/). 2. Um desvio dos limites de extensão indicados implica uma desvalorização parcial (até 5 pontos) do texto produzido; − um texto com extensão inferior a oitenta palavras é classificado com zero pontos. COTAÇÕES: GRUPO I- 100 pontos GRUPO II- 50 pontos GRUPO III 50 pontos1. 20 (C12+F8) 2. 20 (C12+F8) 3. 20 (C12+F8) 4. 20 (C12+F8) B. 20 (C12+F8) 1 a 10 5 cada 50 ETD-30 CL-20 BOM TRABALHO!!!!!!!!!!! A PROFESSORA: Lucinda Cunha
  8. 8. 8 PROPOSTA DE CORREÇÃO Teste de avaliação de 12º ano- Felizmente Há Luar!, de Luís de Sttau Monteiro GRUPO I Aspetos de conteúdo (C) ................................................................................................................. 12 pontos Níveis Descritores do nível de desempenho Pontuação 4 Responde, adequadamente. 12 3 Responde, de modo não totalmente completo ou com pequenas imprecisões. 9 2 Responde, de modo não totalmente completo e com pequenas imprecisões. OU Responde, de modo incompleto ou com imprecisões. 6 1 Responde, de modo incompleto e com imprecisões. 3 • Aspetos de estruturação do discurso e correção linguística (F) ......................... 8 pontos Estruturação do discurso (E) ............................................................ 4 pontos Correção linguística* (CL)1................................................................ 4 pontos Cenários de resposta: 1. O excerto corresponde a um momento do primeiro ato em que os governadores, representantes do poder político, religiosos e militar, e também um delator, Vicente, que pretende melhorar a sua condição económica e social, se encontram reunidos para, como diz D. Miguel, chegarem “a acordo acerca da pessoa que mais […] convém que tenha sido o chefe da conjura” (linhas 20-21)”, isto é, pretendem selecionar um chefe para a “conjura” de que se fala ou, no fundo, para selecionar um rival cujo desaparecimento lhes seja conveniente. O evoluir do encontro ditará o acordo em torno do nome de Gomes Freire de Andrade como alvo a eliminar, pelo que é neste ponto da peça que se prepara o desfecho trágico da ação: a prisão e a morte do general. Assim, o texto revela uma situação crucial da ação, evidenciando o caráter arbitrário de todo o processo de condenação de Gomes Freire. 2. Neste excerto, as notas à margem pretendem, sobretudo, fornecer explicações sobre as personagens Beresford e principal Sousa. Na primeira nota, realça-se a hipocrisia do regente que representa o poder religioso. Este finge não ter grande poder de decisão nas opções da regência, como forma de não se comprometer com as decisões arbitrárias que se estão a tomar naquele preciso momento, para se inocentar de qualquer responsabilidade. As outras duas notas à margem concernem a Beresford e à preocupação meramente mercenária de quem só está em Portugal a fim de ganhar bastante dinheiro, mas sem se preocupar com o destino do país ou do povo. Assim, durante o monólogo, demonstra que há algum tempo se apercebeu de que poderá perder a sua posição privilegiada e economicamente favorável que o está a enriquecer. 3. A relação que os três regentes mantêm entre si é de conveniência, uma vez que não se suportam mutuamente, mas, em nome dos interesses comuns, conspiram para escolher um possível chefe da conjura
  9. 9. 9 a sacrificar e, assim, acabar com a revolta antes de esta assumir contornos preocupantes. Beresford é claro quando, no seu monólogo, afirma que nem a nobreza nem o clero o suportam. Sabe que D. Miguel vê nele “uma limitação ao seu poder” (linha 59) e conclui dizendo que está rodeado de traidores, pelo que deve “cuidado” (linha 62) se não quiser perder os seus privilégios. 4. Neste poema escrito durante o Estado Novo, Sophia critica fortemente a hipocrisia e o cinismo daqueles que “cheios de devoção e de proveito” (v. 21) vivem “Com o suor dos outros” (v. 17), isto é, critica o rico que explora o pobre e a miséria deste. Critica ainda os “vendilhões do templo” (v. 18), a falsa devoção de quem se diz cristão, mas não respeita os preceitos da fé católica, baseados no amor e na solidariedade, mas que, pelo contrário,se dedicam exclusivamenteaoseu próprio proveito. Denuncia,portanto,a opressão do Estado Novo e todos aqueles que exploram o povo miserável e trabalhador. 5. Sugestões: Podemosreferir a ironia presente naprimeira estrofe,em que Sophiacritica “As pessoas sensíveis” (v. 1)que não matam galinhas,mas quenão têm pejo em comê-las,istoé, oshipócritas que exploram aqueles que não se podem defender e que se alimentam da miséria alheia. Temos, na referência bíblica aos “vendilhões do templo” (v. 18), quer a apóstrofe, quer a metáfora. Assim, a apóstrofe é usada para que a poetisa possa interpelar diretamente aqueles a quem se dirige e que critica, isto é, os falsos religiosos, hipócritas e que não respeitam a lei de Deus. Já a referência bíblica põe em destaque a falta de consciência e a falsidade dos que se dizem cristãos, mas são ambiciosos e não têm integridade moral. No verso 20 presenciamos a dupla adjetivação que caracteriza as estátuas, que são “balofas e pesadas”, usada de modo pejorativo para caracterizar aqueles que exploram o trabalho alheio e constroem riqueza graças ao trabalho duro, pesado, penoso e mal pago do povo. GRUPO II...................................................................................................... ..................................................... 50 pontos Critérios específicos de classificação Item VERSÃO 1 PONTUAÇÃO 1 A 5 2 C 5 3 B 5 4 B 5 5 A 5 6 A 5 7 C 5 8 derivação por parassíntese 5 9 “para comprazer ao parceiro” 5 10 “conjunção subordinativa completiva” 5 GRUPO III Critérios específicos de classificação •  Estruturação temática e discursiva (ETD) ....................................................................................................... 30 pontos •  Correção linguística (CL).................................................................................................................................. 20 pontos Cenário de resposta Dada a natureza deste item, não é apresentado cenário de resposta.
  10. 10. 10

×