Teste de Português de 7º ano- Texto Literário

10,520 views

Published on

Teste de Português de 7º ano-texto literário

Published in: Education
  • Be the first to comment

Teste de Português de 7º ano- Texto Literário

  1. 1. Agrupamento de Escolas de Felgueiras GRUPO I- COMPREENSÃO ORAL (10 pontos) 1. Ouve com atenção o conto “O amendoim”, de Maria Ondina Braga, e assinala, na folha de respostas, a única opção correta para cada item. 1. Este conto passa-se a) no Japão. b) na China. c) na Índia. d) num local não identificado. 2. Esta família é composta por a) avô, pais, dois filhos e uma filha. b) pais e dois filhos. c) pais, dois filhos e uma filha. d) pais, um filho e duas filhas. 3. A mãe propôs aos filhos que semeassem amendoins porque a) era preciso ocupá-los. b) era necessário que todos trabalhassem. c) era preciso planear uma festa. d) sabia que gostavam do fruto. 4. A colheita do amendoim ocorreu passados a) alguns dias. b) algumas semanas. c) poucos meses. d) muitos meses. 5. Para comemorar, a mãe organizou a) um jantar com vários pratos de amendoim. b) um almoço no jardim. c) um jantar com uma sobremesa de amendoim. d) Um piquenique à beira-rio. 6. O pai das crianças era a) médico. b) professor. c) agricultor. d) jardineiro. 7. Quando o pai perguntou por que razão os filhos gostavam de amendoim, eles responderam que aquele fruto era a) saboroso, útil e barato. b) doce, oleoso e fácil de encontrar à venda. c) útil, fácil de produzir e gostoso. d) barato, fácil de produzir e cheiroso. 8. O pai explicou que o mais importante era o amendoim a) ter muitas utilidades. b) ser um fruto difícil de perceber se está bom para comer. c) ser tão importante como as árvores vaidosas. d) ser humilde. 9. Os filhos perceberam a lição que o pai lhes queria ensinar, ou seja, a) a modéstia pode conduzir à fama e à riqueza. b) os ricos e famosos devem procurar ser úteis. c) mais importante do que ser rico ou famoso é ser-se útil. d) tal como o amendoim, também as pessoas demoram a amadurecer. 10.Esta história foi narrada a) muitos anos depois de os factos terem ocorrido. b) no momento em que os factos ocorreram. c) pouco tempo depois de os factos ocorrerem. d) alguns meses depois da conversa entre o pai e os filhos. FICHA DE AVALIAÇÃO DE PORTUGUÊS 7º ANO Nome:___________________________________ Nº:______ Turma: ______ Data: Professor(a):_____________________________ E. E: ___________________________________ F I S B MB Avaliação: Fraco (F) – 0%-19% Insuficiente (I) – 20%-49% Suficiente (S) – 50%- 69% Bom (B)- 70%-89% Muito Bom (MB) – 90%-100%
  2. 2. GRUPO II- LEITURA (40 pontos) Lê o texto com muita atenção e responde às questões com frases completas. 5 10 15 20 25 30 35 40 45 50 ― No meu tempo ― diz a avó Luísa ― as aulas no liceu começavam no dia um de outubro. ― Agora já não há liceus, avó. […] ― Hoje é tudo muito diferente. Às vezes ponho-me a pensar o que é que vocês irão recordar quando tiverem a minha idade. ― Eu nunca… “Eu nunca hei de ter a tua idade”, ia dizer Madalena, mas arrepende-se. A avó não ia perceber. Madalena tem a certeza, a certeza absoluta, de que vai ser sempre muito nova, sem rugas, sem cabelos brancos, sem comprimidos ao almoço e ao jantar, sem o andar arrastado apoiado à bengala. Madalena tem certeza, a certeza absoluta, de que vai ser muito feliz e há de viver para sempre. E é claro que vai ter muitas coisas para contar aos netos: os olhos verdes de Tiago que, só à sua conta, lhe desenhou dez corações na mochila, “TIAGO LOVE MADALENA”, a professora de Inglês até disse que a frase estava mal escrita e que era uma vergonha, que nem para escreverem uma declaração de amor eles se esforçavam um bocadinho, mas Madalena não se importou, o que contava era a intenção e não a gramática […]. A avó escusa de se preocupar. Assunto para recordar com os seus netos, quando eles um dia aparecerem, não vai faltar. Agora é a vez de Madalena suspirar. Mais alguns dias, e tudo recomeça ― as correrias, o despertador que nunca toca, o leite a escaldar engolido à pressa, a mãe a barafustar “mas quando é que vocês tomam um pequeno-almoço como deve ser?”, a mochila a pesar toneladas de tanto livro e de tanto dossier. Será que o Tiago vai ficar outra vez na sua turma? […] ―No meu tempo ― continua a avó Luísa ―, as férias eram enormes. ― As férias nunca são enormes, avó. As férias são sempre pequenas, muito pequeninas, minúsculas, avó! ― diz Madalena. […] É então que o telefone toca. Um som estridente, que a faz levantar de repente e atendê-lo de seguida, engrenando numa conversa de monossílabos e risadas. ― Quem é? ― pergunta a avó Luísa. Madalena nem a ouve. “Algum amigo, pela certa”, pensa a avó Luísa. A avó Luísa nunca teve amigos porque no seu tempo os meninos iam para um liceu e as meninas para outro, e era muito feio as raparigas andarem sozinhas na rua com os rapazes. Por isso a velha Aldina ia todos os dias busca-la à porta do liceu. A mãe queria-a bem vigiada, porque assim é que devia ser. A avó Luísa nunca saía à rua sozinha. Primeiro, porque o pai não deixava. Depois, porque o marido não deixava. Agora, porque já não seria capaz. Quando chega a setembro e Madalena se prepara para voltar à escola, a avó Luísa lembra- se sempre destas coisas todas. Ajeita melhor os óculos, pega no tricô, deixa cair algumas malhas. ― Estou velha… ― murmura. Quando tinha a idade de Madalena, a avó Luísa pensava que seria sempre nova, sem rugas, sem cabelos brancos, sem comprimidos ao almoço e ao jantar, sem o andar arrastado apoiado à bengala. E que havia de ser muito feliz e viver para sempre. Ao telefone, Madalena dá nova gargalhada. ― Tás parvo, Tiago! ― rodopia, deixa-se cair no sofá, e acaba por desligar.
  3. 3. ― Afinal tinhas razão, sabes? ― diz baixinho, ao ouvido da avó. ― As férias são enooooooooormes! Cá por mim, as aulas bem podiam começar já amanhã. Alice Vieira, “O regresso às aulas”, in Trisavó de Pistola à Cinta, Caminho, 2001 (texto com supressões) 1. Como classificas o narrador deste texto? 1.1. Comprova a tua resposta com duas passagens textuais. 2. Em que altura do ano ocorre este diálogo entre avó e neta. Justifica com uma expressão textual. 3. A avó Luísa afirma: “Hoje é tudo muito diferente.” (l. 5) 3.1. Indica algumas diferenças entre o “tempo” da avó e o “tempo” de Madalena. 4. Há um aspeto em que avó e neta não estão de acordo. Qual? 5. Apesar da grande diferença de idades, percebe-se que a avó, quando era jovem, tinha um pensamento semelhante ao da neta. 5.1. Esclarece esta afirmação. 6. Apresenta uma possível razão para a forma como a palavra “enormes” está escrita na linha 54. 7. Qual terá sido, na tua opinião, o motivo que levou Madalena a mudar a sua opinião acerca do tamanho das férias? III- GRAMÁTICA (20 pontos) 1. Associa as palavras ou expressões sublinhadas na COLUNA A às funções sintáticas listadas na COLUNA B (não se repetem funções sintáticas): COLUNA A COLUNA B 1. “diz a avó Luísa” (l. 1) 2. “Agora já não há liceus, avó.” (l. 3) 3. “Eu nunca hei de ter a tua idade” (l. 8) 4. “vai ter muitas coisas para contar aos netos” (l. 16) 5. “e que era uma vergonha” (l. 19) 6. “quando eles um dia aparecerem” (ll. 22-23) 7. “A avó Luísa nunca teve amigos” (l. 39) 8. “Madalena se prepara para voltar à escola” (l. 45) a) Sujeito b) Complemento direto c) Complemento indireto d) Complemento oblíquo e) Predicado f) Predicativo do sujeito g) Modificador do Grupo Verbal h) Vocativo 1.1. Identifica o tipo de sujeito das frases seguintes: a) A avó Luísa tinha uma idade avançada. b) Chamaram pela Madalena naquele dia. c) Avó e neta eram muito próximas. 2. Classifica as orações que se seguem: a) “quando tiverem a minha idade” (l. 6). b) “mas arrepende-se” (ll. 8-9). c) “porque no seu tempo os meninos iam para um liceu e as meninas para outro” (ll. 39-40). d) “e era muito feio as raparigas andarem sozinhas na rua com os rapazes.” (l. 40).
  4. 4. 3. Completa as frases que se seguem com a forma correta dos verbos apresentados. Falar a) Se o Martinho _______________________ com a irmã, teriam feito as pazes. b) _____________________ tão mal hoje em dia! Contar c) _____________________ uma velha lenda sobre esta velha casa há muitos anos. d) Receberia uma recompensa caso _______________________ a verdade dos factos. Lavar e) Se ele ______________________ melhor os dentes, não ganharia tantas cáries. f) O meu gato ______________________ todos os dias. GRUPO IV- PRODUÇÃO ESCRITA (30 pontos) Escreve um texto narrativo, com um mínimo de 180 e um máximo de 240 palavras, subordinado a UM dos temas sugeridos: A) Rui é um rapaz curioso que mora numa casa com uma cave. Um dia, surpreendentemente, encontra aí uma porta secreta e parte numa grande e inesperada aventura. B) Imagina uma história em que uma fada das florestas se apercebe, numa manhã de primavera, que as flores estão a morrer. Decide, então, procurar o Grande Mago da Montanha, o único capaz de impedir esse terrível acontecimento. NOTA: O teu texto deve integrar, pelo menos, um momento de diálogo e outro de descrição.  Antes de escreveres o texto, tens de ter em conta as indicações seguintes: . Tenta estabelecer com clareza o teu discurso, de modo a que as tuas afirmações e raciocínio sejam coerentes e façam sentido. . Organiza o texto e faz parágrafos sempre que seja necessário. . Tenta exprimir-te corretamente, tendo em atenção a construção de frases, a ortografia, a escolha do vocabulário adequado e a pontuação.  Depois de escreveres o texto, relê-o com muita atenção e corrige- o, se necessário, antes de entregares a tua prova. Observações relativas ao Grupo IV: 1. Para efeitos de contagem, considera-se uma palavra qualquer sequência delimitada por espaços em branco, mesmo quando esta integre elementos ligados por hífen (exemplo: /di-lo-ei/). Qualquer número conta como uma única palavra, independentemente dos algarismos que o constituam (exemplo: /2013/). 2. Relativamente ao desvio dos limites de extensão indicados – um mínimo de 180 e um máximo de 240 palavras –, há que atender ao seguinte: – um desvio dos limites de extensão requeridos implica uma desvalorização parcial (até dois pontos); – um texto com extensão inferior a 60 palavras é classificado com 0 (zero) pontos. Cotações GRUPO I--------------- 10 pontos GRUPO II-------------- 40 pontos 1…………………………........ 2 pontos 1.1…………………………….. 3 pontos 2……………………………….. 5 pontos 3.1…………………………………. 6 pontos 4…………………………………… 6 pontos 5.1………………………………… 8 pontos 6…………………………………… 5 pontos 7…………………………………… 5 pontos GRUPO III ------------------20 pontos 1…………………………………….. 8 pontos 1.1………………………………….. 3 pontos 2…………………………………….. 6 pontos 3……………………………………..3 pontos GRUPO IV------------- 30 pontos BOM TRABALHO!!!!!!!!!!!! A DOCENTE: Lucinda Cunha
  5. 5. PROPOSTA DE CORREÇÃO (In https://books.google.pt/books?id=uG7Ou- artU4C&pg=PT16&lpg=PT16&dq=nas+traseiras+de+uma+casa+chinesa+havia+um+bocado+de+terra&s ource=bl&ots=osaJqq5NbN&sig=kuKUsa4_HIxmUiOKOP0vfQvI2lY&hl=pt- PT&sa=X&ved=0ahUKEwijqrTOxrjRAhVHqxoKHc9xDq8Q6AEIGTAA#v=onepage&q=nas%20traseiras%20d e%20uma%20casa%20chinesa%20havia%20um%20bocado%20de%20terra&f=false) Grupo I (Exercício adaptado do Caderno do Professor do Manual “Diálogos 7”, pp. 16-17) 1. b 2. c 3. d 4. c 5. a 6. b 7. a 8. d 9. c 10. a
  6. 6. Grupo II (Exercício adaptado do Manual “Diálogos 7”, pp. 54-56) 1. O narrador é heterodiegético/ ausente/ não participante, pois não participa na ação. 1.1. “Madalena tem a certeza, a certeza absoluta, de que…” (l. 14); “Agora é a vez de Madalena suspirar” l. 24). 2. Em setembro, no final das férias de verão: “Quando chega setembro e Madalena se prepara para voltar à escola” (l. 45); “Mais alguns dias, e tudo recomeça” (l. 24). 3.1. No tempo da avó, as aulas começavam em outubro; havia liceus; rapazes e raparigas frequentavam escolas diferentes e as meninas não andavam sozinhas na rua porque tinham pouca liberdade. Por outro lado, atualmente, no tempo da neta, as aulas começam em setembro; as escolas são mistas e rapazes e raparigas convivem alegremente. 4. As duas não concordam em relação à duração das férias: enquanto, para a avó, as férias eram demasiado longas na sua altura, a neta acha-as muito curtas. 5.1. Conseguimos perceber pelo texto que a avó, quando era da idade de Madalena, tinha as mesmas ideias que ela em relação à passagem do tempo, ou seja, tal como Madalena acredita que nunca irá envelhecer e que não vai sofrer as consequências do avançar da idade, como ganhar cabelos brancos, tomar medicação regular ou ter problemas para se movimentar, também a avó acreditara nisso quando era jovem (ll. 10-15; ll. 48-50). 6. A grafia sugere o modo como a palavra foi pronunciada, ou seja, arrastando a sílaba tónica de modo a realçar o comprimento das férias. 7. Resposta pessoal: Com o telefonema de Tiago, Madalena muda de ideia quanto à duração das férias e mostra- se ansiosa por regressar à escola porque deve estar apaixonada pelo colega. Grupo III 1. 1. a 2. h 3. b 4. c 5. f 6. g 7. e 8. d 1.1. a) Sujeito simples. b) Sujeito nulo indeterminado. c) Sujeito composto. 2. a) Oração subordinada adverbial temporal. b) Oração coordenada adversativa. c) Oração subordinada adverbial causal. d) Oração coordenada copulativa. 3. a) falasse b) Fala-se c) Conta-se d) contasse e) lavasse f) lava-se Grupo IV Resposta aberta.

×