Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Ser poeta florbela-análise

43,030 views

Published on

Ficha de trabalho sobre o poema "Ser poeta" de Florbela Espanca- com correção.

Ser poeta florbela-análise

  1. 1. Análise de “Ser poeta”, de Florbela Espanca Ser poeta é ser mais alto, é ser maior Do que os homens! Morder como quem beija! É ser mendigo e dar como quem seja Rei do Reino de Aquém e de Além Dor! É ter de mil desejos o esplendos E não saber sequer que se deseja! É ter cá dentro um astro que flameja, É ter garras e asas de condor! É ter fome, é ter sede de Infinito! Por elmo, as manhãs de oiro e cetim… É condensar o mundo num só grito! E é amar-te, assim, perdidamente… É seres alma e sangue e vida em mim E dizê-lo cantando a toda a gente!1. As três primeiras estrofes do poema apresentam uma série de definições conotativas do que significa “ser poeta”. 1.1. Associa cada definição (coluna A) à sua possível interpretação (coluna B): COLUNA A COLUNA B Ser poeta é a. Aspirar a ir mais além b. Experimentar desejos incontáveis e intensos. 1. “ser mais alto” (v. 1) c. Não se contentar com as satisfações 2. “ser maior/ Do que os homens”(vv.1,2) do homem comum. 3. “Morder como quem beija”(v. 2) d. Não ter nada, exceto a riqueza das 4. “ser mendigo e dar como quem seja/ experiências por que passou (a “dor”), Rei do reino de Aquém e de Além dor” que se dá aos outros através da (vv.3,4) poesia. 5. “ter de mil desejos o esplendor/ E não e. Pretender alcançar o infinito. saber sequer que se deseja” (vv.5,6) f. Saber suavizar a dor e a brutalidade. 6. “ter cá dentro um astro que flameja” g. Saber transformar as vivências e os (v.7) sentimentos (o “mundo”) em poesia. 7. “É ter garras e asas de condor”(v. 8) h. Ser semelhante a um condor, que tem 8. “É ter fome, é ter sede de infinito”(v.9) como características o voo mais alto e 9. “[ter] Por elmo as manhãs de oiro e de a solidão. cetim” (v. 10) i. Ter uma vida interior intensa, 10. “condensar o mundo num só grito”(v. irradiando luz própria. 11) j. Viver numa batalha constante (a da escrita), defendendo-se com uma arma valiosa (como o “oiro”) e suave (como o “cetim”) – a imaginação. 1.2. Identifica os recursos expressivos usados para dar corpo às definições.2. Tal como nas definições dos dicionários, também as definições de ser poeta apresentam um valor genérico. 2.1. Identifica a forma verbal que transmite esse valor. 2.2. Identifica, justificando, a única definição que adquire um tom particular (ou seja, em que o sujeito poético mostra que a definição também se aplica a si).3. Na última estrofe, o sujeito poético interpela o ser amado. 3.1. Transcreve desta estrofe todas as palavras que se referem:
  2. 2. a. ao sujeito poético; b. ao ser amado. 3.2. Explica, por palavras tuas, o sentido destes últimos versos, relacionando o “ser poeta” com a capacidade de amar. 4. Analisa o poema quanto à sua estrutura formal. 5. Imagina que na tua escola se estão a preparar duas antologias de textos poéticos, subordinadas a temas distintos: A. O poder transfigurador da poesia; B. O poder transfigurador do amor. 5.1. Em qual das duas antologias incluirias o poema de Florbela Espanca? Justifica o teu ponto de vista.Proposta de correção (ficha e correção retiradas do manual “(Para)textos, 8º ano”, da Porto Editora,pp.218-9)-com ligeiras adaptações.1.1.1.a; 2.c; 3.f; 4.d; 5.b; 6.i; 7.h; 8.e, 9.j; 10g.1.2. Os recursos expressivos usados para corporizar as definições são os seguintes : a metáfora (“É tergarras e asas de condor”); a anáfora (repetição da forma verbal “É” no início de versos); a comparação(“Morder como quem beija”); a antítese (“”mendigo”/ “Rei”); a exclamação (“Morder como quem beija!”); asreticências (“Por elmo, as manhãs de oiro e de cetim…”).2.1. A forma verbal que transmite esse valor é “É” (nota: trata-se do presente com valor genérico).2.2. A definição que denota um tom particular é “É ter cá dentro um astro que flameja” (o advérbio depredicado “cá” remete diretamente para o sujeito poético- trata-se de um deítico pessoal).3.1. a. “a mim”; b. “te”, “seres”.3.2. Na última estrofe, o sujeito poético pretende revelar toda a intensidade de sentimentos que oavassalam relativamente à pessoa amada e que o definem enquanto poeta. O ser amado funde-se nosujeito poético, realçando-se, assim, a plenitude do sentir e do viver, que depois é transformada empoesia.4. o poema é um soneto, estando dividido em duas quadras e dois tercetos decassilábicos. O esquemarimático é ABBA/ABBA/CDC/EDE. A rima é emparelhada e interpolada nas quadras e cruzada nostercetos. O último terceto funciona como chave de ouro.5.1. Resposta pessoal.

×