PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPO GRANDE
SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO
SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO DE POLÍTICAS EDUCACIONAIS...
I - A PESQUISA COMO PRINCÍPIO CIENTÍFICO
• A atual instituição universitária está em decomposição histórica, seja porque
s...
O que é ser professor?
• Em primeiro lugar, é pesquisador, nos sentidos relevados: capacidade de
diálogo com a realidade, ...
Quem é o aluno?
• É aquele que vem aprender, e isto significa escutar, copiar, reproduzir e fazer
prova. Típica posição de...
A avaliação
• É possível discutir alternativas de avaliação à luz do conceito de pesquisa. De
partida, coloca-se a relevân...
II - A PESQUISA COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO
• A pesquisa como princípio educativo não se esgota ao ambiente da escola e
na at...
• Dentro desse contexto, o conceito de pesquisa é fundamental, porque está
na raiz da consciência crítica questionadora, d...
• Sobretudo compreende que a desigualdade social, para além de algo
estrutural, tem causas históricas nas quais pode entra...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Pesquisa: princípio científico e educativo

552 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
552
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
12
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Pesquisa: princípio científico e educativo

  1. 1. PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPO GRANDE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO DE POLÍTICAS EDUCACIONAIS DIVISÃO DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PESQUISA: PRINCÍPIO CIENTÍFICO E EDUCATIVO Pedro Demo Mediadora: Jany Baena Cursista: Luciene Lopes Queiroz Turma B - matutino
  2. 2. I - A PESQUISA COMO PRINCÍPIO CIENTÍFICO • A atual instituição universitária está em decomposição histórica, seja porque se mantém medieval, sobretudo em termos de impunidade social, distanciamento elitista e atraso didático, seja porque perdeu a noção essencial de mérito acadêmico em troca da burocratização funcional, seja porque é muito pouco produtiva e criativa, custando muito além do que vale para a sociedade que a sustenta. • Uma visão alternativa de pesquisa seria fermento apto a recolocar a universidade no caminho das esperanças sociais nela depositadas, o que exige criatividade, intenso diálogo com a realidade, disciplina e compromisso histórico produtivo. •Ainda que se deva cotidianizar a pesquisa, há um mínimo de exigência qualitativa que se defronta com misérias típicas da nossa sociedade, sobretudo com o amesquinhamento profissional e salarial. • A pesquisa como princípio científico apresenta-se como proposta educativa. • O conceito desmitificado de pesquisa admite considerar pesquisador também quem tem apenas graduação, até porque pesquisa — bem compreendida — é possível e necessária já no pré-escolar.
  3. 3. O que é ser professor? • Em primeiro lugar, é pesquisador, nos sentidos relevados: capacidade de diálogo com a realidade, orientado a descobrir e a criar, elaborador da ciência, firme em teoria, método, empiria e prática. • É, a seguir, socializador de conhecimentos, desde que tenha bagagem própria, despertando no aluno a mesma noção de pesquisa. • É, por fim, quem, a partir de proposta de emancipação que concebe e realiza em si mesmo, torna-se capaz de motivar o novo pesquisador no aluno, evitando de todos os modos reduzi-lo a discípulo subalterno. • Esta postura permite afirmar que somente tem algo a ensinar quem pesquisa. Os alunos não podem bastar-se com a formalidade vazia de alguém que é professor apenas porque foi contratado e investido na autoridade formal, mas necessitam de um autêntico mestre, compreendido como professor que tem o que dizer a partir da elaboração própria. • Ainda é importante repisar a necessidade de atualização constante, que faz parte da pesquisa como questionamento cotidiano, com vistas a evitar o instrutor que passa uma vida toda dizendo sempre a mesma coisa, à revelia do progresso científico, o que significa precariedade dupla: apenas copiar, e surrar a cópia.
  4. 4. Quem é o aluno? • É aquele que vem aprender, e isto significa escutar, copiar, reproduzir e fazer prova. Típica posição de domesticado. Muitas vezes é proibido fazer perguntas, fechando- se o ensino em certas apostilas, que não passam de simplificação barata e deturpante da ciência. E a aula? • A função da aula é sobretudo a motivação da pesquisa, no sentido de chamar a atenção para a riqueza da discussão, para caminhos alternativos de tratamento do tema, para apresentar a maneira própria do professor de compreender a questão. • É preciso insistir que tal postura redefine a função do professor e a função do aluno. O professor é sobretudo motivador, alguém a serviço da emancipação do aluno, nunca é a medida do que o aluno deve estudar. O aluno é a nova geração do professor, o futuro mestre, não o lacaio que precisa de cabresto. • Parece claro que a “aula” vai perdendo importância, à medida que surge o cientista autônomo, o novo mestre, que aprende por elaboração própria, não por imitação. Faz parte do conceito de criatividade, “saber se virar”, inventar saídas, sobretudo “aprender a aprender”, e isto é profundamente pesquisa.
  5. 5. A avaliação • É possível discutir alternativas de avaliação à luz do conceito de pesquisa. De partida, coloca-se a relevância positiva da avaliação, se não se restringir à sanção e ao castigo, mas transbordar para o incentivo produtivo. A avaliação pode conter o desafio da própria pesquisa, como realimentação do processo de produção científica, como busca de redirecionamentos, superações, alternativas, como respeito a compromissos assumidos com a sociedade em planos e políticas. • Em vez da prova, a forma mais fecunda e conveniente de avaliar é motivar a produção científica em ambiente próprio, com liberdade acadêmica, na qual o estudante possa enfrentar o desafio de crescer por si.
  6. 6. II - A PESQUISA COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO • A pesquisa como princípio educativo não se esgota ao ambiente da escola e na atuação do professor de educação básica. • Por outra parte, também na escola deve emergir o desafio da ciência, até porque, em nome da pesquisa, todo “professor” deve ser cientista. Esta colocação basta para revelar a distância entre o exercício do magistério básico e o ambiente de produção científica. Um professor teria o maior constrangimento em ver-se colocado como cientista ou pesquisador, porque foi domesticado na universidade a aprender imitativamente e a atuar na escola como mero instrutor. • Pretender vislumbrar pesquisa na pré-escola, entre crianças que apenas brincam, ou na criança que abre os olhos para a vida ao nascer, é desafio. Faz parte da proposta política de pesquisa.
  7. 7. • Dentro desse contexto, o conceito de pesquisa é fundamental, porque está na raiz da consciência crítica questionadora, desde a recusa de ser massa de manobra, objeto dos outros, matéria de espoliação, até a produção de alternativas com vistas à consecução de sociedade pelo menos mais tolerável. Entra aqui o despertar da curiosidade, da inquietude, do desejo de descoberta e criação, sobretudo atitude política emancipatória de construção do sujeito social competente e organizado. • Emancipação é o processo histórico de conquista e exercício da qualidade de ator consciente e produtivo. Trata-se da formação do sujeito capaz de se definir e de ocupar espaço próprio, recusando ser reduzido a objeto. • É fenômeno teórico e prático ao mesmo tempo. Tem momento relevante na tomada de consciência crítica, quando o ser social descobre sua condição histórica, compreendendo que em parte ela é dada, em parte é causada.
  8. 8. • Sobretudo compreende que a desigualdade social, para além de algo estrutural, tem causas históricas nas quais pode entrar como vítima. Pobreza não é sina, mau-jeito, azar, mas injustiça. Sem tal conscientização não aparece o reclamo emancipatório, porque o ser social ainda é objeto. • É essencial recuperar a atitude de pesquisa, assumindo-a como conduta estrutural, a começar pelo reconhecimento de que sem ela não há como ser professor em sentido pleno. REFERÊNCIA DEMO, Pedro. Pesquisa: princípio científico e educativo. 12. ed.- São Paulo: Cortez, 2006. p. 45 a 97.

×