Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Indústria Cultural

57,886 views

Published on

aula de Indústria cuktural

Published in: Travel, Business

Indústria Cultural

  1. 1. LUCI BONINI Parte 1
  2. 2. <ul><li>&quot;... a televisão brasileira chega a quase todos os lares, sendo poucas as regiões do País sem acesso a ela. Portanto, se a televisão tem essa difusão, percebe-se que é impossível compreender a sociedade brasileira sem compreender a cultura e a Educação brasileiras, sem passar pela Indústria Cultural, é cometer um grande equívoco.&quot; (Ana Maria Fadul, 53:1994) </li></ul>
  3. 3. <ul><li>O Brasil é um dos países onde a indústria cultural deitou raízes mais fundas e, por isso mesmo, vem produzindo estragos de monta; tudo se tornou objeto de manipulação bem azeitada, embora nem sempre bem-sucedida. (Milton Santos, 2000) </li></ul>
  4. 4. <ul><li>Ao longo dos séculos, a cultura se manifesta pelas mais diversas formas de expressão da criatividade humana, mas não apenas no que hoje chamamos &quot;as artes&quot; (música, pintura, escultura, teatro, cinema etc) ou através da literatura e da poesia em todos os seus gêneros, mas também por outras formas de criação intelectual nas ciências humanas, naturais e exatas. É a esse conjunto de atividades que se deveria denominar de cultura.(Milton Santos, 2000) </li></ul>
  5. 6. <ul><li>Não é fácil manter-se autêntico </li></ul><ul><li>O chamamento é forte, a um escritor, artista ou cientista para que se tornem funcionários de uma dessas indústrias culturais. </li></ul><ul><li>A situação que desse modo se cria é falsa, mas atraente, porque a força de tais empresas instila nos meios de difusão, agora mais maciços e impenetráveis, mensagens publicitárias que são um convite ao triunfo da moda sobre o que é duradouro. </li></ul><ul><li>É assim que se cria a impressão de servir a valores que, na verdade, estão sendo negados, disfarçando através de um verdadeiro sistema bem urdido de caricaturas, uma leitura falseada do que realmente conta. (Milton Santos, 2000) </li></ul>
  6. 7. <ul><li>  A simples existência da Mídia, ou seja a difusão generalizada de bens simbólicos não é suficiente para caracterizar uma cultura de massa, mas.... </li></ul>
  7. 8. Indústria Cultural <ul><li>  ALIENAÇÃO OU ESCLARECIMENTO </li></ul><ul><ul><li>Não é fator de alienação na medida em que algumas pessoas ainda conseguem diferenciar aquilo que é bom daquilo que não é... </li></ul></ul><ul><ul><li>Muitos consumidores de bens simbólics dominam muito mais cedo a linguagem graças a veículos como a TV. </li></ul></ul><ul><ul><li>O acúmulo de informação nem sempre faz com que o indivíduo saiba separar o que é bom do que é ruim </li></ul></ul><ul><ul><li>A Indústria Cultural acaba por unificar não apenas as nacionalidades mas também as próprias massas </li></ul></ul>
  8. 9. <ul><li>Todo produto traz em  si as marcas do sistema produtor que o engendrou </li></ul><ul><ul><li>Por isso se diz que a indústria cultural tem seu berço no capitalismo </li></ul></ul><ul><ul><li>Ela é a grande divulgadora do pensamento liberal </li></ul></ul>
  9. 10. ... homogeneização da cultura  a indústria cultural <ul><li>No Brasil  As desigualdades gritantes na divisão da renda nacional impedem que se fale na existência, de uma sociedade  de consumo </li></ul><ul><li>há bolsões de consumo nos grandes centros urbanos </li></ul><ul><li>Mas há outros bolsões negados pois vivem no mundo da pobreza e da miséria por isso não consomem bens simbólicos </li></ul>
  10. 11. <ul><li>O objetivo último da indústria cultural é a dependência e o servilismo dos homens. </li></ul><ul><li>E para ilustrar essa última frase Adorno cita uma pesquisa de opinião pública americana que diz que “as dificuldades de nossa época deixariam de existir se as pessoas se decidissem simplesmente a fazer tudo aquilo que personalidades eminentes sugerem”. (Carmo, 2004) </li></ul>
  11. 12. <ul><li>Adorno usa o termo “indústria cultural” no livro Dialética do esclarecimento, de autoria dele e de Horkheimer, de 1947. </li></ul><ul><ul><li> para substituir a expressão “cultura de massas” </li></ul></ul><ul><li>A indústria cultural vai dizer que o importante é adaptar-se àquilo que propicie vantagens aos mais potentes interesses. </li></ul><ul><li>Assim é que todos acabam aceitando o mundo como é preparado pela indústria cultural. </li></ul>
  12. 13. <ul><li>Em síntese a indústria cultural trabalha para que o mundo seja ordenado precisamente do modo que ela sugere, impedindo a formação de indivíduos autônomos, independentes, capazes de julgar e decidir conscientemente.  (idem, ib) </li></ul>
  13. 14. <ul><li>A indústria cultural proporciona ao homem necessidades, </li></ul><ul><ul><li>fazendo com que ele compre aquilo que não precise com o dinheiro que ele não tem, fazendo-o consumir incessantemente. </li></ul></ul><ul><li>Estamos sempre insatisfeitos, querendo consumir </li></ul><ul><ul><li>e o campo de consumo se torna cada vez maior, devido ao progresso técnico e científico que são controlados pela indústria cultural.(Idem, ib) </li></ul></ul>
  14. 15. Com as novas técnicas de reprodução das obras de arte.... <ul><li>Os objetos de arte (sejam eles pertencentes à cultura popular ou à cultura de elite) perderam o sentido de autenticidade, contemplação, testemunho histórico etc. </li></ul><ul><li>Benjamin, no início de seu texto sobre “A obra de arte na época de suas técnicas de reprodução”, refere-se à análise prognóstica de Marx, que vislumbra a subversão do sistema capitalista pela classe proletária. (Barbosa, s.d.) </li></ul>
  15. 16. <ul><li>As tecnologias [...] levaram à perda dessa aura que cercava as obras de arte. A cultura burguesa tinha um sentido elitista e reacionário: seu declínio tem um significado progressista. Através das novas técnicas, os homens dão um passo adiante em seu processo de libertação da mitologia.(Rudiger, 1999b, p.73, apud Barbosa, idem) </li></ul>
  16. 17. ... o fim da estética burguesa <ul><li>estética voltada às massas ..... </li></ul>
  17. 18. A expressão &quot;indústria&quot; , contudo, não deve ser tomada ao pé da letra : ela se refere à estandardização da própria coisa Todo o produto se oferece como individual; a individualidade mesma, suscita a aparência de que o inteiramente reificado é pelo contrário um asilo de imediaticidade e de vida, se presta ao reforço da ideologia. (Adorno, 1985)
  18. 19. <ul><li>....o progressivo domínio técnico da natureza, torna-se engano das massas, meio para sujeitar as consciências (Adorno, idem) </li></ul>
  19. 20. <ul><li>Se se engana as massas, se pelo alto se as insulta como tal, a responsabilidade não cabe por último à indústria cultural; é a indústria cultural que despreza as massas e as impede da emancipação pela qual os indivíduos seriam maduros como permitem as forças produtivas da época. (Adorno, idem) </li></ul>
  20. 21. <ul><li>Os artifícios do mundo burguês revelam-se nos produtos kitsch , confeccionados em geral a partir de novos materiais que nunca se apresentam como são: a madeira é pintada imitando o mármore; os objetos de zinco, bronzeados; as estátuas de bronze, por sua vez, douradas. (Wikipédia) </li></ul>
  21. 22. <ul><li>A norma consiste em utilizar matéria-prima considerada inferior - por exemplo, gesso, estuque, ferro e zinco - dissimulando-as para que pareça nobre. A técnica da simulação combina-se nas produções kitsch com a ornamentação rebuscada, com a associação de ampla gama de cores e com a distorção das dimensões da figura em relação ao objeto representado (por exemplo, o Arco do Triunfo em miniatura ou um rato gigante estilizado em bronze). (Wikipédia) </li></ul>
  22. 24. <ul><li>Greenberg define o &quot;estilo&quot; como arte da cópia, das &quot;sensações falsas&quot; e da obediência às regras acadêmicas. </li></ul><ul><li>Nesse sentido, o kitsch é definido como o avesso da vanguarda. </li></ul><ul><li>Diz ele: &quot;Onde há uma vanguarda geralmente também encontramos uma retaguarda. </li></ul>
  23. 25. Por essa razão não é específico de uma ou outra classe: encontra-se entre pobres e ricos; É um fenômeno derivado do consumismo desenfreado, o que levou a uma vulgarização das artes; Rompe fronteiras entre o belo e o feio, entre o ‘bom’ e o ‘mau’ gosto; Essa arte convence ao consumidor leigo de que realizou um ‘encontro’ com a alta cultura;
  24. 26. <ul><li>Os apelos são dramáticos, eróticos, sentimentais, exorbitantes; </li></ul><ul><li>Nega-se a originalidade pela exacerbação e produção em série, como os santinhos de novenas e orações, cópias de imagenspinturas consagradas; </li></ul>
  25. 27. <ul><li>. Kitsch favorece a abundância, o elemento decorativo, a não-funcionalidade e a trivialidade. Produzido para ser vendido, kitsch adapta-se ao gosto do público, estimulando uma emocionalidade cómoda, perto do sentimentalismo. </li></ul><ul><li>. </li></ul>
  26. 28. <ul><li>Em termos de recepção, kitsch é de assimiliação fácil: gratifica as expectativas do consumidor e assenta numa medianidade de gosto que os media e a publicidade simultaneamente produzem e satisfazem </li></ul>
  27. 29. <ul><li>Para a massa, ele produz o bem estar e o prazer fácil. </li></ul><ul><li>ARTE IMITA A VIDA  a reprodução do original </li></ul><ul><ul><li>O conceito de Kitsch é bem mais amplo do que se pensa, visto a alternativa das pessoas em obterem o que desejam e suprir a uma necessidade momentânea, ou um desejo de status. </li></ul></ul>
  28. 30. <ul><ul><li>O avanço e o crescimento da comunicação e tecnologia estão colaborando ainda mais para a efetivação do conceito de Kitsch. </li></ul></ul><ul><ul><li>A televisão é um dos meios de comunicação que contribui para a massificação da cultura  personagens nas telenovelas, comerciais e merchandising que induzem os telespectadores a consumirem o mesmo que se vê na TV. </li></ul></ul>
  29. 32. Borba Gato, Sto. Amaro, SP

×