Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Melissa

1,956 views

Published on

Published in: Education
  • Be the first to like this

Melissa

  1. 1. Análise do discurso da campanha publicitária “ Contos de Melissa” Componentes: - Katia Cilene - Luanny Nazareth - Pedro Augusto - Raimunda Brandão
  2. 2. <ul><li>Objetivo Geral : </li></ul><ul><li>Demonstrar no texto “Contos de melissa” a construção de diferentes personalidades femininas , a partir das sandálias, induzindo o leitor a comportamentos sensuais. </li></ul>
  3. 3. Utilizando como suporte a revista Capricho, para promover as sandálias melissa, através da campanha publicitária: “ Contos de melissa”, a Grendene visando o público feminino (pré-adolescentes e adolescentes) - que por estar na fase de transição de menina para mulher, é comum sentir curiosidade por assuntos relacionados a sexo e o desejo de liberdade - explorando o erotismo e a sensualidade como forma de chamar atenção dessas leitoras para o produto. Explorou textos puramente visuais, produzido sob a ideologia da sexualidade da mulher moderna. Os produtores dessa campanha utilizaram-se da ambiguidade do termo contos, para fazer uma intertextualidade entre contos de fadas e contos eróticos, transformando as inocentes personagens de contos de fadas em maliciosas e sedutoras personagens de possíveis fantasias eróticas. Os apelos ao erotismo estão nítidos em cada texto através dos corpos sensuais das personagens e nos ambientes munidos de camas e bebidas sugerindo sexo e o uso de álcool. Portanto a propaganda acaba exercendo um função modelizante, pois modela o comportamento através de vinculação de valores a serem incorporados e posturas a serem adotadas, implicando na desvalorização ou discriminação da mulher por seu estilo de vida.
  4. 4. “ Discurso é um efeito de sentido entre os interlocutores e a existência de informações imaginarias que designam a imagem que os interlocutores fazem de si do outro e do referente do discurso.” Pêcheux, 1990.

×