Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
Drª Lúcia Medeiros
EVENTO NOCIVO QUE ADVÉM DA LIBERAÇÃODE FORMAS ESPECÍFICAS DE ENERGIA OU DE BARREIRAS FÍSICAS AO FLUXO NORMAL DE           ...
POLITRAUMATIZADO:       Indivíduoque apresente lesões em doissistemas, de quais pelo menosuma, ou a combinação daslesões, ...
EPIDEMIOLOGIA: Mortalidade   por causas externas – 2º lugar no  Brasil 1ª   causa de morte entre 11 e 40 anos Redução  ...
MORTALIDADE E CAUSAS IMEDIATA:• Exanguinação, TCE grave, LM PRECOCE:• TCE (epi-subdural), Hemorragia interna TARDIA:• S...
Qual o grande segredo   no controle do politraumatizado ?
 Prevenção    como Solução• 2 reais empregado em capacetes para ciclistaseconomiza 58reais• 2 reais empregado em assentos...
 Princípios           no atendimento pré-hospitalar aoTraumatizado Cena Segurança Situação
AVALIAÇÃO E TRATAMENTOAVALIANDO   A CENA  APARÊNCIA DO LOCAL       SEGURANÇA

 Pedra   fundamental para melhor tratamento Identifica   condições em que a vida está em risco.
TEMPO DECORRIDO ENTRE O TRAUMA   E O TRATAMENTO DEFINITIVO
PERIODO DE OUROA 1ª hora após o    Quanto mais       Algumas acidente é vital precocemente a    estatísticas      para o  ...
•Abordagem inicial?•Que decisão tomar?•Quais técnicas aplicar?
Funções vitais estão  O que              comprometidas?aconteceu?               Quais?                Quais as            ...
PROCESSOS                            ENERGIAMETABÓLICOS              COMBUSTÍVEL                            SEM ENERGIAOXI...
AVALIAÇÃO PRIMÁRIA
“Para o oxigênio chegar aos tecidos énecessário uma via aérea pérvia, paralevar o oxigênio à circulação sãonecessários pul...
O que avaliar ?A        • Está permeável ?        • Existem corpos estranhos ?        • Existe sangue, vómito, etc.?B     ...
 ETAPA A   – Imobilizar Coluna / VAS Suspeitar de lesão de coluna para cada paciente que possua mecanismo significativo ...
 Assegurar  que      VA estão pérvias, em caso de obstrução usar métodos manuais para desobstruí-las.
o   O doente deve ser    avaliado      quanto   a    presença de movimentos    respiratórios    e   sua    eficácia.o   A ...
 Em   caso de ventilação anormal, deve-se:o   Expor o tórax, observar, palpar e auscultar os    pulmões para identificar ...
 ETAPA   C - CIRCULAÇÃO E SANGRAMENTO:o   Identificar hemorragia externao   Obter estimativa global do DC e estado de per...
o   Identificar hemorragia    externao   Obter estimativa    global do DC e estado    de perfusão
PERFUSÃO - Pode se obter uma avaliação geraldo estado circulatório do paciente verificando: Pulso Pele(cor) Temperatura...
A hemorragia deve se controlada de acordo com as seguintes etapas: Pressão direta Elevação Pontos de pressão Tornique...
   ETAPA D – INCAPACIDADEo   Objetiva determinar o nível de consciência do doente    e inferir o potencial de hipóxia.o  ...
 Nível      de consciência diminuído deve alertar para quatro possibilidades: Oxigenação  cerebral diminuída (devido hip...
ABERTURA OCULAR-Espontâneo-A estímulo verbal                                 4                                 3          ...
E   Expor    Deter   hipotermia
A – alergiaM – medicamentos de uso habitualP – passado médico / prenhezL – líquidos e alimentos ingeridos recentementeA – ...
 Incorreta avaliação das condições vitais Retardo nos procedimentos Falta de hemoderivados e de linhas Controle inadeq...
AMPLA
Atendimento pré-hospitalar
Atendimento pré-hospitalar
Atendimento pré-hospitalar
Atendimento pré-hospitalar
Atendimento pré-hospitalar
Atendimento pré-hospitalar
Atendimento pré-hospitalar
Atendimento pré-hospitalar
Atendimento pré-hospitalar
Atendimento pré-hospitalar
Atendimento pré-hospitalar
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Atendimento pré-hospitalar

23,461 views

Published on

Detalhes do atendimento pré-hospitalar a serem observados por todos nos.

Atendimento pré-hospitalar

  1. 1. Drª Lúcia Medeiros
  2. 2. EVENTO NOCIVO QUE ADVÉM DA LIBERAÇÃODE FORMAS ESPECÍFICAS DE ENERGIA OU DE BARREIRAS FÍSICAS AO FLUXO NORMAL DE ENERGIA
  3. 3. POLITRAUMATIZADO: Indivíduoque apresente lesões em doissistemas, de quais pelo menosuma, ou a combinação daslesões, constitua um risco vital.
  4. 4. EPIDEMIOLOGIA: Mortalidade por causas externas – 2º lugar no Brasil 1ª causa de morte entre 11 e 40 anos Redução significante na expectativa de vida 25-35% mortes evitáveis
  5. 5. MORTALIDADE E CAUSAS IMEDIATA:• Exanguinação, TCE grave, LM PRECOCE:• TCE (epi-subdural), Hemorragia interna TARDIA:• Sepsis, SDMO
  6. 6. Qual o grande segredo no controle do politraumatizado ?
  7. 7.  Prevenção como Solução• 2 reais empregado em capacetes para ciclistaseconomiza 58reais• 2 reais empregado em assentos de segurançapara crianças economiza 64 reais• Programas de Saúde Pública• Organização acadêmicaTrauma não é “acidente”, pode ser evitado !
  8. 8.  Princípios no atendimento pré-hospitalar aoTraumatizado Cena Segurança Situação
  9. 9. AVALIAÇÃO E TRATAMENTOAVALIANDO A CENA APARÊNCIA DO LOCAL SEGURANÇA
  10. 10.
  11. 11.  Pedra fundamental para melhor tratamento Identifica condições em que a vida está em risco.
  12. 12. TEMPO DECORRIDO ENTRE O TRAUMA E O TRATAMENTO DEFINITIVO
  13. 13. PERIODO DE OUROA 1ª hora após o Quanto mais Algumas acidente é vital precocemente a estatísticas para o vítima for determinam quepolitraumatizado. estabilizada, por cada minuto A possibilidade maiores serão as perdido, estade sobrevivência possibilidades taxa desce cerca é elevada. de recuperação. de 1%.
  14. 14. •Abordagem inicial?•Que decisão tomar?•Quais técnicas aplicar?
  15. 15. Funções vitais estão O que comprometidas?aconteceu? Quais? Quais as intervenções prioritárias?
  16. 16. PROCESSOS ENERGIAMETABÓLICOS COMBUSTÍVEL SEM ENERGIAOXIGÊNIO CESSAMGLICOSE ATIVIDADES CHOQUE
  17. 17. AVALIAÇÃO PRIMÁRIA
  18. 18. “Para o oxigênio chegar aos tecidos énecessário uma via aérea pérvia, paralevar o oxigênio à circulação sãonecessários pulmões funcionantespara a realização das trocas gasosas,e sangue circulante para levar ooxigênio aos tecidos de todo o corpo”
  19. 19. O que avaliar ?A • Está permeável ? • Existem corpos estranhos ? • Existe sangue, vómito, etc.?B • Está presente ? • É adequada ? • Expansão torácica?C • Existe pulso ? • Existe hemorragias ? • Existem sinais de choque?
  20. 20.  ETAPA A – Imobilizar Coluna / VAS Suspeitar de lesão de coluna para cada paciente que possua mecanismo significativo de trauma. Controle da cervical
  21. 21.  Assegurar que VA estão pérvias, em caso de obstrução usar métodos manuais para desobstruí-las.
  22. 22. o O doente deve ser avaliado quanto a presença de movimentos respiratórios e sua eficácia.o A frequência ventilatória e a profundidade das respirações devem ser avaliadas.
  23. 23.  Em caso de ventilação anormal, deve-se:o Expor o tórax, observar, palpar e auscultar os pulmões para identificar murmúrio vesicular anormal, diminuído ou ausente.o Lesões que podem impedir a ventilação devem se identificadas durante o exame primário e o suporte ventilatório iniciado de imediato.
  24. 24.  ETAPA C - CIRCULAÇÃO E SANGRAMENTO:o Identificar hemorragia externao Obter estimativa global do DC e estado de perfusão CONTROLE DO CHOQUE
  25. 25. o Identificar hemorragia externao Obter estimativa global do DC e estado de perfusão
  26. 26. PERFUSÃO - Pode se obter uma avaliação geraldo estado circulatório do paciente verificando: Pulso Pele(cor) Temperatura Umidade Tempo de enchimento capilar
  27. 27. A hemorragia deve se controlada de acordo com as seguintes etapas: Pressão direta Elevação Pontos de pressão TorniquetesO exame primário não deve seguir adiante se o sangramento não estiver controlado.
  28. 28.  ETAPA D – INCAPACIDADEo Objetiva determinar o nível de consciência do doente e inferir o potencial de hipóxia.o Durante o exame deve-se determinar se o doente perdeu a consciência em qualquer momento desde que ocorreu o trauma quais as substâncias tóxicas que podem estar envolvidas e se o doente tem alguma condição preexistente que podem ter produzido a diminuição de nível de consciência, ou o comportamento anormal.
  29. 29.  Nível de consciência diminuído deve alertar para quatro possibilidades: Oxigenação cerebral diminuída (devido hipóxia) Lesão do sistema nervoso central Intoxicação por álcool e drogas Distúrbio metabólico (diabetes, convulsão, pcr)
  30. 30. ABERTURA OCULAR-Espontâneo-A estímulo verbal 4 3 D-A estímulo doloroso 2-Sem resposta 1MELHOR RESPOSTA MOTORA-Obedece comandos 6-Localiza dor 5-Flexão normal (retirada) 4-Flexão anormal (decorticação) 3-Extensão (descerebração) 2-Sem resposta 1RESPOSTA VERBAL-Orientado 5-Confuso 4-Palavras inapropriadas 3-Sons incompreensíveis 2-Sem resposta 1
  31. 31. E Expor Deter hipotermia
  32. 32. A – alergiaM – medicamentos de uso habitualP – passado médico / prenhezL – líquidos e alimentos ingeridos recentementeA – ambiente e eventos relacionado ao trauma
  33. 33.  Incorreta avaliação das condições vitais Retardo nos procedimentos Falta de hemoderivados e de linhas Controle inadequado da situação ventilatória Passagem de informação inadequada Monitorização incompleta dos sinais vitais Inadequada vigilância durante a transferência
  34. 34. AMPLA

×