3 vida afetiva

2,415 views

Published on

0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
2,415
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
56
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

3 vida afetiva

  1. 1. Dra. Maria Auxiliadora Motta Barreto maria.barreto@foa.org.br
  2. 2.  Importância no comportamento humano  Por quê???
  3. 3.  os afetos se expressam nos desejos, sonhos, fantasias, expectativas, nas palavras, nos gestos.  Os poetas expressam os afetos de uma maneira que traduz com perfeição estados internos que não cabem na racionalidade científica, mais próximo do sentimento
  4. 4.  Porque é parte integrante da subjetividade  As expressões humanas não podem ser compreendidas, se não pelo afeto que carregam  Por exemplo, aquela idéia de que o melhor amigo irá se sair mal em uma competição, só adquire sentido quando descobrimos que sua origem está na inveja que se tem dele.
  5. 5.  Em muitas situações de vida, não há a mediação do pensamento — são os afetos que determinam nosso comportamento.  “Como ele é impulsivo!”.  Marx afirmou  “que o homem se define no mundo objetivo não somente em pensamento, senão com todos os sentidos (...). Sentidos que se afirmam, como forças essenciais humanas (...). Não só os cinco sentidos, mas os sentidos espirituais (amor, vontade...)”
  6. 6.  O estudo da razão tem sido privilegiado na ciência, pois os afetos são vistos como deformadores do conhecimento objetivo.  Mesmo na Psicologia, não são todas as teorias que consideram a importância da vida afetiva, tendo, muitas delas, priorizado apenas o estudo da cognição, das funções intelectivas.  Estudar apenas alguns aspectos do homem é considerá-lo como um ser fragmentado, correndo- se o risco de deixar de analisar aspectos importantes.
  7. 7.  A vida afetiva abarca muitos estados pertencentes à gama prazer-desprazer  Até o século 19 usavam-se, indiscriminadamente, termos como emoção e sentimento  hoje, no estudo da vida afetiva, faz-se uma distinção mais precisa entre esses termos:  emoção: estado agudo e transitório. Exemplo: a ira.  sentimento: estado mais atenuado e durável. Exemplo:gratidão, lealdade.
  8. 8.  Os afetos podem ser produzidos a partir de um estímulo externo — do meio físico ou social — tonalidade afetiva: agradável ou desagradável, por ex.  Para a Psicanálise, não há afeto sem representação, isto é, sem idéia.  Não existe afeto solto dentro de nós — uma sensação de mal-estar, por exemplo — mas a idéia à qual o afeto se refere pode estar inconsciente
  9. 9.  O prazer e a dor são as matrizes psíquicas dos afetos = afetos originários.  Entre os dois extremos encontram-se inúmeras tonalidades, intensidades de afetos, que podem ser vagos, difíceis de nomear ou de serem discriminados  Existem dois afetos básicos que constituem a vida afetiva: o amor e o ódio.  Os afetos ajudam a:  avaliar as situações,  servem de critério de valoração positiva ou negativa;  preparam as ações = função adaptativa
  10. 10.  Os afetos também estão ligados à consciência  permite dizer ao outro o que sentimos, expressando, através da linguagem, as emoções.  Mas muitas vezes os afetos são enigmáticos para quem os sente.  Exemplos: quando temos muitos motivos para não gostar de alguém de quem gostamos; ou quando deveríamos ser gratos a alguém de quem temos raiva.  Há motivos de afetos que estão fora do campo da consciência; nem mesmo quem os vivencia consegue explicar — só sente a estranheza daquele sentimento que parece “fora do lugar”.  muitas vezes, a reação não condiz com o que se sente.
  11. 11.  Expressões afetivas acompanhadas de reações intensas e breves do organismo, em resposta a um acontecimento inesperado ou, às vezes, muito aguardado (fantasiado)  Nas emoções é possível observar uma relação entre os afetos e a organização corporal, ou seja, as reações orgânicas  modificações que ocorrem no organismo, como distúrbios gastrointestinais, cardiorrespiratórios, sudorese, tremor.
  12. 12.  Durante muito tempo, acreditou-se no coração como o lugar da emoção, talvez pelo fato de, ao manifestar-se, vir freqüentemente acompanhada de fortes batimentos cardíacos.  Outras reações orgânicas acompanham as emoções e revelam vivências ou estados emocionais: tremor, riso, choro,lágrimas, expressões faciais etc.  As reações orgânicas fogem ao controle.  Podemos “segurar o choro”, mas não conseguimos deixar de “chorar por dentro”, sentindo nó na garganta.
  13. 13.  Todas essas reações são importantes descargas de tensão do organismo emocionado, pois  as emoções são momentos de tensão em um organismo, e as reações orgânicas são descargas emocionais.  Infelizmente, nossa cultura estimula algumas reações emocionais e reprime outras - “Homem não chora”
  14. 14.  As reações emocionais orgânicas são, até certo ponto, aprendidas – a cultura “escolhe” algumas formas como sendo mais adequadas a determinadas situações ou tipo de pessoas (por exemplo, de acordo com a idade, o sexo ou a posição social).  Durante nossa socialização, aprendemos essas formas de expressão das emoções aceitas pelo grupo a que pertencemos.  passamos a associar reações do organismo às emoções. Por exemplo, distinguimos o choro de tristeza do choro de alegria; o riso de alegria do riso de nervoso.
  15. 15.  As emoções não devem ser escondidas, mas gerenciadas  são uma espécie de linguagem na qual expressamos percepções internas;  são sensações que ocorrem em resposta a fatores geralmente externos.  São fortes, passageiras; intensas, mas não imutáveis  o que hoje nos emociona, poderá amanhã não nos emocionar mais.  As emoções são muitas:  surpresa, raiva, nojo, medo, vergonha,  tristeza, desprezo, alegria, paixão, atração física
  16. 16.  Respostas emocionais sempre abrangem:  Reações fisiológicas  Reações comportamentais/expressivas  Reações orgânicas – Lieury  Desejo  movimentos exploratórios  Cólera  agressão  Tristeza  choro  Medo  fuga
  17. 17.  Respiração ofegante  Tremores  Mudança de cor  Dilatação de pupilas  Aceleração cardíaca  Aumento PA  Diminuição da salivação  Liberação de açúcar  Reações pilo motoras  Alterações na digestão  Estimulação das glândulas endócrinas
  18. 18.  Atitude corporal exteriorizada por gestos, olhar, voz e sinais faciais
  19. 19.  As pessoas comunicam emoções básicas pelas expressões faciais  Músculos faciais respondem facilmente às emoções  Temos ampla variedade de expressões faciais, mas que podem ser identificadas com razoável precisão, se agrupadas:
  20. 20.  Preservar espécie = valor adaptativo, pois comunica estados necessários ao equilíbrio e bem-estar  Aprendizagem = expressando emoções ensina-se a interiorizar valores e regras sociais  Preparação para a ação = relaciona estímulos com respostas  Modelagem de comportamento = orienta respostas futuras - evitação
  21. 21.  Regulação da interação social = permite melhor compreensão do nosso comportamento e dos outros  Tomada de decisão = análise lógica e racional permite analisar alternativas, mas as emoções definem e selecionam as escolhas
  22. 22.  Os afetos básicos (amor e ódio), além de manifestarem-se como emoções, podem expressar-se como sentimentos.  Os sentimentos diferem das emoções por serem mais duradouros, menos “explosivos” e por não virem acompanhados de reações orgânicas intensas.  Assim, consideramos que a paixão é emoção e a ternura, a amizade são sentimentos, isto é, manifestações do mesmo afeto básico — o amor.  Presença constante, prolonga-se no tempo e não precisa de um desencadeador  Estado interior individual, introvertido – diferente das emoções que são extrovertidas = dirigidas para fora
  23. 23.  A vida afetiva — emoções e sentimentos — constitui um aspecto de fundamental importância na vida psíquica.  As emoções e os sentimentos são como alimentos de nosso psiquismo e estão presentes em todas as manifestações de nossa vida.  Dão cor e sabor à vida, orientam e ajudam nas decisões.

×