Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

1 parte profilaxia antimicrobiana na odontologia

5,785 views

Published on

  • Be the first to comment

1 parte profilaxia antimicrobiana na odontologia

  1. 1. PROFILAXIA ANTIMICROBIANA NA ODONTOLOGIA Prof. PhD. Rodrigo Cesar Carvalho Freitas Fisiologia e Farmacologia UniFOA
  2. 2. RISCOS E DESVANTAGENS NO USO PROFILÁTICO DE ANTIMICROBIANOS 1 – NÃO EXISTE DROGA ANTIMICROBIANA QUE SEJA CAPAZ DE AGIR SOBRE TODAS AS BACTÉRIAS VIGENTES 2 -USO INDICRIMINADO FAVORECE A AQUISIÇÃO DE RESISTENCIA. PODE GERAR MUDANÇA DA MICROBIOTA RESIDENTE E RISCO DE SUPERINFECÇÃO. 3- OS ANTIMICROBIANOS PODE INDUZIR IRRITAÇÃO, ALERGIA OU TOXICIDADE AO ORGANISMO DO HOSPEDEIRO BENEFICIOS E VANTAGENS NO USO PROFILÁTICO DE ANTIMICROBIANOS 1 – REDUZIR A MORBIDADE E MORTALIDADE POR INFECÇÕES 2- REDUZIR O TEMPO DE INTERNAÇÃO HOSPITALAR 3 – REDUÇÃO DE COMPLICAÇÕES INERENTES AO PROCEDIMENTOS (FLEBITES, ESCARAS ETC) 4 – MENOS SELEÇÃO DE CEPAS RESISTENTE DEVIDO A REDUÇÃO DO USO DE ANTIMICROBIANOS TERAPEUTICOS 5- É INDICADO QUANDO HÁ RISCO DO PACIENTE CONTRAIR UMA INFECÇÃO.
  3. 3. CRITÉRIOS PARA USO PROFILÁTICO DOS ANTIMICROBIANOS 1- BENEFICIO DEVE SER MAIOR QUE AS DESVANTAGENS: NÃO SÓ PELA FREQUENCIA MAIS TAMBEM PELA GRAVIDADE 2 - O ANTIBIOTICO DEVE SER ATIVO CONTRA O MICROORGANISMO ENVOLVIDO NA GENESE DA INFECÇÃO: DROGAS DE ESPECTRO DE AÇÃO ESPECIFICO 3 - NA PROFILAXIA DA INFECÇÃO CIRURGICA DEVE-SE OBSERVAR O TEMPO DE INICIO DO EMPREGO DO ANTIBIOTICO: INICIO DEVE SER NO PRÉ-OPERATÓRIO IMEDITADO E MANTIDO POR TEMPO REDUZIDO, NÃO MAIS QUE 24H APÓS O PROCEDIMENTO 4 - É IMPORTANTE O MÉDICO AVALIAR OS RISCOS DE INFECÇÃO INERENTES AO PACIENTE: DIABETES, AIDS, CANCER, IDADE. ALÉM DO TEMPO DE CIRURGIA E FATORES QUE POSSAM INFLUENCIAR NA INFECÇÃO.
  4. 4. 14 MANDAMENTOS DA PROFILAXIA EM CIRURGIA Por Walter Tavares, “Antibiotico e quiomoterápicos para o clínico” 2ed, Ed Ateneu 2009
  5. 5. 1 – uso de antibiótico profilático não substitui os requisitos absolutos da delicada e precisa técnica cirúrgica 2- Identifique aquelas cirurgias nas quais risco existente de infecção pode reduzido por antibióticoprofilaxia, de tal modo que esse beneficio exceda o risco, ainda que pequeno, da administração do antibiotico 3- Determine a microbiota que provavelmente causará a infecção no pós- operatório. 4- Escolha o antibiótico, ou ao menos, idealmente a combinação de antibióticos comprovadamente ativos contra a microbiota especficamente presente no sítio da cirurgia. Entre drogas de igual eficácia, escolha a menos tóxica e, em seguida, a menos dispendiosa. 5 – não adiciona antibióticos a um regime de eficácia comprovada. As drogas adicionais, usualmente, aumento mais os riscos do que trazem beneficios
  6. 6. 6 – Novos antibióticos não devem ser adotados em lugar de um regime de eficiência comprovada, até que sua eficiencia seja estabelecida em vários trabalhos clínicos. 7 – Administre a dose terapeutica integral do antibiótico escolhido. Não reduza a dose só porque está sendo administrado para a profilaxia. 8 – Escolha o momento da administração intravenosa/oral do antibiótico de tal maneira que uma concentração ativa nos tecidos tenha sido alcançada no momento que possa ocorrer contaminação bacteriana perioperatória. Em geral, o antibiótico devem ser administrado 30 minutos antes da incisão de pele, isto é, na indução anestésica. 9 – Repita a administração do antibiótico se a operação for prolongada. A concentração sérica é imprevisível durante uma operação, devido a perda de sangue, administração de fluídos e outros fatores que afetam o volume sanguineo. Em geral repita a dose a cada 2 horas durante a operação, quando a meia-vida da droga é menor que uma hora.
  7. 7. 10 – Não administre antibióticos profiláticos no pós-operatório. A profilaxia transoperatória com uma dose da droga é tão efetiva quanto múltiplas doses continuadas por qualquer período no pós-operatório, seja curto ou longo. 11- Se uma prótese for colocada como parte de uma operação e um dreno é colocado na proximidade da prótese, ou as defesas do hospedeiro estão comprometidas, pode ser necessário continuar o antibiótico até que o dreno seja removido ou por um curo período de tempo pós-operatório. 12- Se uma infecção já estabelecida é encontrada durante a operação, o enfoque muda para terapia, e o antibiótico será continuado como terapêutica conforme indicação clínica. 13 – Se múltiplas doses do antibiótico são empregadas como profilaxia e uma infecção se desenvolve no pós-operatório (falha da profilaxia), um outro antibiótico deve ser escolhido para o tratamento. Pode ter havido resistência. 14 – Preveja quais microorganismos resistentes podem emergir em algum tempo no meio hospitalar se o mesmo antibiótico parenteral é persistentemente utilizado na profilaxia. A verificação da emergência de germes resistentes deve ser feita pelo laboratório de microbiologia do hospital, e as praticas profiláticas devem mudar se estiver indicando.
  8. 8. EXEMPLO ONDE O BENEFÍCIO SUPERA O RISCO NA PROFILAXIA ANTIMICROBIANA DENTRO DA PRÁTICA CLINICA
  9. 9. RECOMENDAÇÃO DE LEITURA
  10. 10. Administradas 1 hora antes do procedimento
  11. 11. CONHECIMENTO DA MICROBIOTA HABITUAL DA CAVIDADE ORAL E DOS GERMES ENVOLVIDOS NAS INFECÇÕES MAIS COMUNS
  12. 12. Na odontologia a profilaxia com antibióticos é desnecessária na maioria dos procedimentos (LONGMAN e MARTIN, 1991). Porém, em cirurgias de grande porte como ortognática, fratura maxilofacial, ressecções e reconstruções amplas e em pacientes oncológicos está indicada a profilaxia, sendo que nestes casos há uma redução na incidência de infecção grave de 50% (WANNACHER e FERREIRA, 2001). Os índices de bacteremia em alguns procedimentos odontológicos são mostrados na tabela 6, segundo estes últimos autores. Antes de exodontias em pacientes imunodeprimidos, indica-se a profilaxia antibiótica (LUCARTORTO et al.,1992).
  13. 13. Tabela 6. BACTEREMIA EM DIFERENTES PROCEDIMENTOS ODONTOLÓGICOS
  14. 14. PROFILAXIA ANTIMICROBIANA EM PROCEDIMENTO NA REGIÃO BUCOMAXILOFACIAL
  15. 15. PROFILAXIA PRÉ E PÓS-OPERATÓRIA EM PROCEDIMENTOS CIRÚRGICOS Os procedimentos cirúrgicos que podem se beneficiar da profilaxia com antibióticos são os classificados pelo National Research Council Wound Classification Criteria (Critérios de Classificação de Feridas do Conselho Nacional de Pesquisas) como Classes II ou “Limpa- contaminada”, cujo índice esperado de infecção é de aproximadamente 10%, Classes III ou as Classes IV ou “Sujas”, cujos índices de infecção esperados são de 40%. As cirurgias bucais eletivas são consideradas Classe II e o uso de boa técnica e profilaxia com antibióticos podem reduzir o índice esperado de infecção para aproximadamente 1% (BURKE, 1961; PAGE et al, 1993).
  16. 16. CONHECIMENTO DO ANTIBIOTICO IDEAL PASSA PELO DOMÍNIO DA FARMACOLOGIA/MICROBIOLOGIA/ FISIOPATOLOGIA INERENTE AO ORGANISMO HOSPEDEIRO
  17. 17. NORMAS PARA SELEÇÃO DE ANTIBIÓTICO PARA USO CLÍNICO 1 – DIAGNOSTICAR O PROCESSO INFECCIOSO 2– FLORA INFECTANTE HABITUAL 3– SENSIBILIDADE AO AGENTE INFECTANTE 4 – NATUREZA DA INFECÇÃO 5– PECULIARIDADES DO HOSPEDEIRO 6 – FARMACOLOGIA DO ANTIBIÓTICO
  18. 18. EVITA

×