Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
SER OU NÃO SER
JORNALISTA
A imagem do jornalista
na cultura profissional
Teoria do Jornalismo - UNAERP
1° Semestre de 2008...
• Nesse processo, jornalistas seguem a “tendência histórica
da profissionalização” pós-século XIX
• Dênis Ruellan:
– Se pr...
atuais sobre acontecimentos atuais`”...
• Mais, ainda segundo Weaver:
“O fator tempo condiciona todo o processo de produçã...
Competência profissional
• Fator central nessa relação com tempo: possuir aptidão de
“dominar o tempo”
• Notícia é imprevi...
Maneira de agir
• Jornalistas são homens e mulheres de “ação”, não
“pensadores” (Phillips, 1976/1993)
“Os jornalistas são ...
• O “jornalês” deve provocar o “desejo de ser
lido/ouvido/visto”
• Pirâmide invertida (impresso): ordem decrescente da sua...
consciência histórica, criando uma perpétua série de
primeiros planos.”
• Arbex Júnior: o jornalismo despreza a contextual...
profissão têm sobre as vidas particulares”: problemas de saúde,
casamentos desfeitos, família adiada...
– “jornalismo não ...
– Grande fonte de inspiração: Watergate, 1972-74 (“interesse
contrariado”)
– [Cinema: “Todos os Homens do Presidente” (Ala...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Ser ou não ser jornalista

1,061 views

Published on

  • Be the first to comment

Ser ou não ser jornalista

  1. 1. SER OU NÃO SER JORNALISTA A imagem do jornalista na cultura profissional Teoria do Jornalismo - UNAERP 1° Semestre de 2008 Introdução • Base do texto: – “Ser ou não ser jornalista”, de Nelson Traquina (capítulo 1 do livro Teorias do Jornalismo, vol. II, Florianópolis, Insular, 2005) • Concepção de jornalismo que temos hoje em sociedades democráticas (Ocidente): raízes no século XIX • “Novo objetivo” deste século XIX: “fornecer informações e não propaganda” • Daí, temos a transição do publicismo para o jornalismo • Que jornalismo é esse? –Notícia como produto... –... Um produto vendável, mas... –... Um produto baseado nos fatos • Traquina explica: “Este novo paradigma será a luz que viu nascer valores que ainda hoje são identificados com o jornalismo: as notícias, a procura da verdade, a independência dos jornalistas, a exatidão, e a noção do jornalismo como serviço público – uma constelação de idéias que dão forma [a esse ´ser jornalista`]” pólo intelectual
  2. 2. • Nesse processo, jornalistas seguem a “tendência histórica da profissionalização” pós-século XIX • Dênis Ruellan: – Se profissionalismo é o “processo de maturidade de um grupo”... – Logo, “há também um percurso em direção ao reconhecimento de uma competência específica” • Que “competência específica” é essa, dos jornalistas? • Traquina responde: “Os jornalistas professam; professam saber o que é notícia e como escrevê-la.” • Para isso, os jornalistas chamam para si duas formas de monopólio, segundo Traquina: • “Monopólio das perícias” (Wilensky, 1964) • “Monopólio dos saberes” (Bourdieu, 1998) • Assim, continua Traquina, os jornalistas, ao longo dos últimos quase 200 anos, se esforçaram muito em evitar a pergunta “o que são notícias?” • Mas, formularam respostas claras para a pergunta “o que é ser jornalista?” • Essas respostas, diz Traquina, fornecem: “uma constelação de crenças, mitos, valores, símbolos e representações (...) um modo de ser/estar, um modo de agir, um modo de falar, um modo de ver o mundo...” Imediatismo • Se o “campo jornalístico” fosse um país: “Novaslândia” • Paisagem desse lugar marcada pela “presença de relógios” • Traquina citando Weaver (1975/93): “O fator tempo define o jornalismo (...) como ´relatos
  3. 3. atuais sobre acontecimentos atuais`”... • Mais, ainda segundo Weaver: “O fator tempo condiciona todo o processo de produção das notícias porque o jornalismo é marcado por horas de fechamento.” • “O valor imediatismo reina incontestável” nesse país “Novaslândia”, principalmente no mundo pós-internet • Logo, “as notícias são vistas como um ´bem altamente perecível`, valorizando assim a velocidade” • Imediatismo (Traquina): “definido como um conceito temporal que se refere ao espaço de tempo (dias, horas, segundos) que decorre entre o acontecimento e o momento em que a notícia é transmitida, dando existência a esse acontecimento.” • Assim, notícias factuais: tão “quentes quanto possíveis”, de preferência em “primeira mão” (furo) • Notícia “fria” = “notícia velha” • Philip Schlesinger (sociólogo britânico) sentencia: – O valor do imediatismo é tão forte na cultura jornalística que os “jornalistas têm uma relação fetichista” com o tempo • Empresa jornalística é uma “máquina do tempo” (Schlesinger, 1993, citado por Traquina, 2005) • Aqui, a pauta é o espaço para os “acontecimentos futuros”: tentativa de impor ordem ao “caos da imprevisibilidade” • Sociólogo Michael Schudson (1986) fala em jornalistas como pessoas com “cronomentalidade” • Mais, segundo Schlesinger (1977/1993): jornalistas são membros de uma “cultura cronometrizada”
  4. 4. Competência profissional • Fator central nessa relação com tempo: possuir aptidão de “dominar o tempo” • Notícia é imprevisível – Acontece em qualquer lugar, em qualquer horário – “Repórteres abandonam uma tarefa de repente para fazer outra... Editores têm de tomar decisões rápidas...” • Logo, ser jornalista, portanto, é ter capacidade de “conquistar o tempo”, e “não ser vítima dele” (Traquina) • Ericson, Baranek & Chan (1987), esta capacidade pressupõe três tipos de saberes: – “Saber de reconhecimento” – “Saber de procedimento” – “Saber de narração” • “Saber de reconhecimento”: definir a notícia – Tuchman (1972/93) fala em “capacidade secreta” que diferencia o jornalista de outras pessoas – Bourdieu (1998) fala em “óculos especiais” • “Saber de procedimento”: habilidade em captar as notícias (apuração) e achar suas fontes • “Saber de narração”: saber “empacotar” essas notícias, numa “narrativa noticiosa” – “jornalês”: linguagem (sintaxe direta e concisa, voz ativa...) • No caso do “saber de narração”, há outro aspecto a ser levado em conta: – “Inventário de discurso” (Bird & Dardenne, 1988): “cada notícia sobre crime é escrita sobre o pano de fundo de outras histórias sobre crime” – Isso é a prática de colocar as “estórias novas” num “esqueleto velho”
  5. 5. Maneira de agir • Jornalistas são homens e mulheres de “ação”, não “pensadores” (Phillips, 1976/1993) “Os jornalistas são pragmáticos; o jornalismo é uma atividade prática, continuamente confrontada com ´horas de fechamento` e o imperativo de responder à importância (...) do imediatismo. Não há tempo para pensar porque é preciso agir.” (Traquina, 2005) • Jornalistas próximos do bricoleur de Claude Lévi-Strauss (Phillips, 1976) • Daí a importância da reportagem, considerada a “essência do jornalismo”, a “forma mais ´verdadeira` do ser jornalista” “A prioridade que é dada à ação sobre a reflexão explica a dificuldade que os jornalistas têm em responder a uma pergunta tão central na sua atividade profissional – o que é notícia [critérios de noticiabilidade no processo de produção]” (Traquina, 2005) • Tuchman (1972/93) chama isso de “conhecimento sagrado”, que separa os jornalistas das “outras pessoas” • Traquina: daí os jornalistas falarem em “faro para a notícia” ou “nariz para a notícia” (gíria dos EUA) Maneira de falar • Jornalismo é também uma “prática discursiva”: “jornalês” • Uma característica é a “qualidade de ser compreensível” a um público heterogêneo – Frases e parágrafos curtos – Palavras simples (sem polissilábicos) – Sintaxe direta e econômica – Concisão – Metáforas para incrementar a compreensão
  6. 6. • O “jornalês” deve provocar o “desejo de ser lido/ouvido/visto” • Pirâmide invertida (impresso): ordem decrescente da sua “presumível importância” • Reportagem de TV: estrutura com “princípio, meio e fim” Maneira de ver • Visão bipolar – “mundo estruturado em pólos opostos: o bem e o mal, o pró e o contra, etc” • Unidade de análise: acontecimento (em detrimento da problemática) – a busca da novidade todos dias leva os jornalistas a se distanciar da continuidade – assim, fica “difícil estabelecer relações entre os acontecimentos”, pois a notícia é uma “partícula da realidade” (foco) • Por isso, jornalistas sofrem de miopia,a visão é “temporalmente limitada” • “O tempo das notícias é um tempo de vistas curtas” (Patterson, 1997/2000) • James Reston, NYT: reportagem é a “busca estimulante atrás do agora” • Isso privilegia o foreground (primeiro plano) em detrimento ao background • Ou seja, essência do (tele)jornalismo: superficialidade (Vera Paternostro) • Assim, diz Traquina: “A notícia, como surge diariamente e como é concebida, está em oposição radical à história. De fato, o sistema de ciclos ao longo do dia noticioso tende para a abolição da
  7. 7. consciência histórica, criando uma perpétua série de primeiros planos.” • Arbex Júnior: o jornalismo despreza a contextualização, a história • Outra forma de ver dos jornalistas: privilegiar os indivíduos nas “estórias” • Venezuela x EUA, por exemplo, é resumido a Chaves x Bush • Uma última “maneira de ver”: gosto pelo drama (polêmica, conflito) Cultura profissional • Traquina enumera 5 atributos considerados os mais importantes: – Mito do “cão de guarda” – Mito do sacrifício – Mito do furo e da “grande matéria” – Mito do “grande repórter” – Mito do “detetive” (“caçador”) • Mito do “cão de guarda” – Jornalistas como “servidores do público” que protegem cidadãos contra abusos do poder – “Quarto poder”: aquele que “vigia os outros poderes”, “doa a quem doer”, jornalista como “herói do sistema democrático” – Jornalista “independente do político, do poder”, que está acima de tudo ao lado da verdade e “serve os cidadãos contra os tiranos” – [Crítica: “novos cães de guarda”, Daniel Hallin; e “jornalistas e censores”, de Beatriz Kushnir] • Mito do “sacrifício pessoal” – “Efeitos nocivos que as longas, e (...) irregulares, horas da
  8. 8. profissão têm sobre as vidas particulares”: problemas de saúde, casamentos desfeitos, família adiada... – “jornalismo não é uma simples ocupação: é mais do que um trabalho porque é uma vida” – “jornalismo exerce-se sempre em clima de urgência; o jornalista não tem tempo, não pode jantar em paz” – [Cinema: “Primeira Página” (Billy Wilder. EUA, 1974) e “Jejum de Amor” (Howard Hawks. EUA, 1940)] • Mito do “furo” e da “grande reportagem” – “compromisso total com a profissão, mesmo correndo risco de vida” – “grande estória é o momento de glória, o delírio profissional” e compensa as “estórias de rotina” – [Cinema: em “Jejum de Amor”, Hildy esquece do trem com o marido em nome do furo // Em “A Montanha dos Sete Abutres” (Billy Wilder. EUA, 1951), Chuck Tutum quase adoece até o “grande acontecimento”. Quando ele ocorre, Chuck manipula e frauda tudo para ter o monopólio do “furo”...] • Mito da aventura e do “grande repórter” – Elliott (1978): “a história do jornalismo tem sido escrita em grande parte como a biografia dos grandes nomes que deixaram sua marca na profissão” – Repórteres de guerra ou correspondentes no estrangeiro – Contracapa de um livro dos EUA: “À procura de ação, ele encontrou-a nas selvas do Vietnã, nas ruas da Irlanda do Norte, nos desertos do Oriente Médio...” – [Cinema: “Os Gritos do Silêncio” (Rolland Joffé. Inglaterra, 1984)] • Mito do jornalista como detetive – Jornalismo investigativo – Ungaro (1992): no “imaginário contemporâneo”, temos essas duas figuras (jornalista detetive particular), “dois representantes da solidão do homem moderno”, dois “bisbilhoteiros”
  9. 9. – Grande fonte de inspiração: Watergate, 1972-74 (“interesse contrariado”) – [Cinema: “Todos os Homens do Presidente” (Alan Pakula. EUA, 1976). Seriado “Crossing Jordan”] dúvidas?

×