Analise Espacial de Acidentes de Transito de São Carlos - SP

3,705 views

Published on

Apresentação da dissertação de Mestrado em Engenharia. UFSCar

Published in: Education, Technology, Business
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
3,705
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
66
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Analise Espacial de Acidentes de Transito de São Carlos - SP

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA URBANA Mestrando: Luciano dos Santos Orientador: Prof. Dr. Archimedes A. Raia Junior DISSERTAÇÃO DE MESTRADO São Carlos, 2006 Análise dos Acidentes de Trânsito do Município de São Carlos – SP utilizando Sistemas de Informações Geográficas- SIG e Ferramentas de Estatística Espacial
  2. 2. ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO <ul><li>Contextualização geral do trabalho </li></ul><ul><li>Delimitação do objetivo da pesquisa </li></ul><ul><li>Área de Estudo </li></ul><ul><li>Síntese da bibliografia </li></ul><ul><li>Metodologia </li></ul><ul><li>Resultados </li></ul><ul><li>Considerações Finais </li></ul>
  3. 3. CONTEXTUALIZAÇÃO <ul><li>Os acidentes de trânsito são uma das principais causas de morte no mundo </li></ul><ul><li>No Brasil o modelo de desenvolvimento foi orientado ao uso do automóvel </li></ul><ul><li>Acelerado crescimento urbano e falta de investimentos adequados em infra-estrutura </li></ul>
  4. 4. CONTEXTUALIZAÇÃO <ul><li>O grande número de acidentes ocorre pelo aumento do número de viagens realizadas e conseqüentemente aumento da ocupação das vias </li></ul><ul><li>O número de vítimas de acidentes de trânsito em 2000 ultrapassou os 350.000, resultando em aproximadamente 20.000 mortes </li></ul><ul><li>Esses números podem ser ainda maiores </li></ul>
  5. 5. CONTEXTUALIZAÇÃO <ul><li>Medidas Governamentais para redução do problema </li></ul><ul><li>1993 - PARE – Programa de Redução de Acidentes nas Estradas </li></ul><ul><li>1996 – PBST – Programa Brasileiro de Segurança no Trânsito </li></ul><ul><li>Lei 9503 – Que cria o CTB – Código de Trânsito Brasileiro </li></ul>
  6. 6. CONTEXTUALIZAÇÃO <ul><li>Medidas de Redução são alcançadas através do conhecimento das causas dos acidentes </li></ul><ul><li>Vários fatores para análise tornam difícil a compreensão dos acidentes </li></ul><ul><li>Acidentes de Trânsito: Um Evento Espacial </li></ul><ul><li>Métodos Estatísticos Tradicionais podem deixar algumas perguntas sem respostas </li></ul>
  7. 7. OBJETIVOS Realizar uma análise espacial dos acidentes de trânsito de São Carlos, fazendo-se uso de Sistemas de Informações Geográficas associados a ferramentas de Estatística Espacial. Objetivo Geral
  8. 8. Objetivos Específicos OBJETIVOS <ul><li>Elaborar uma base de dados georreferenciada dos acidentes de trânsito do município do São Carlos; </li></ul><ul><li>Identificar os pontos críticos de ocorrência de acidentes de trânsito; </li></ul><ul><li>Identificar as áreas críticas de acidentes de trânsito tendo como limites de áreas a divisão proposta pelo Censo do IBGE; </li></ul><ul><li>Identificar as tendências espaciais de crescimento dos acidentes de trânsito; </li></ul><ul><li>Analisar a distribuição espacial dos tipos de acidentes de trânsito. </li></ul>
  9. 9. ÁREA DE ESTUDO <ul><li>População = 214.000 </li></ul><ul><li>Número de veículos = 86.000 </li></ul><ul><li>Índice de motorização = 2,49 Habitantes/Veículos </li></ul>7 869 3419 2003 4 812 3490 2002 4 910 3771 2001 Fatais Com Vítimas Total de Acidentes Acidentes
  10. 10. SÍNTESE DE BIBLIOGRAFIA: Acidentes, SIG e Análise Espacial <ul><li>SIG é um sistema que permite capturar, modelar, analisar e consultar dados geograficamente referenciados </li></ul><ul><li>Gerenciamento Viário e de Pavimentos; </li></ul><ul><li>Quantificação de Impactos; </li></ul><ul><li>Controle de Qualidade do Ar; </li></ul><ul><li>Operações de Trânsito e Transportes; </li></ul><ul><li>Transporte Coletivo Urbano e Rural; </li></ul><ul><li>Definições de Padrões de Acessibilidade; </li></ul><ul><li>Segurança Viária. </li></ul>
  11. 11. <ul><li>Análise Espacial é o estudo quantitativo dos fenômenos possiveis de serem localizados no espaço </li></ul><ul><li>Estudos sobre agricultura, vegetação e solos; </li></ul><ul><li>Mapeamento dos Riscos de Problemas de Saúde; </li></ul><ul><li>Segurança Pública; </li></ul><ul><li>Definição de Padrões de Acessibilidade; </li></ul><ul><li>Estudos Socioeconômicos; </li></ul><ul><li>Planejamento de Transporte e Segurança Viária. </li></ul>SÍNTESE DE BIBLIOGRAFIA: Acidentes, SIG e Análise Espacial Aplicações
  12. 12. Aplicações SÍNTESE DE BIBLIOGRAFIA: Acidentes, SIG e Análise Espacial <ul><li>Visualização dos dados </li></ul><ul><li>Mapas Temáticos </li></ul><ul><li>Média espacial móvel </li></ul><ul><li>Valor Médio </li></ul><ul><li>Transição entre regimes </li></ul><ul><li>Índice de Moran </li></ul><ul><li>Variação de –1 a +1 </li></ul><ul><li>Testa até que ponto o valor de uma área tem de influência sobre as outras </li></ul><ul><li>Diagrama de Espalhamento de Moran </li></ul><ul><li>Dependência Espacial </li></ul>
  13. 13. SÍNTESE DE BIBLIOGRAFIA: Acidentes, SIG e Análise Espacial
  14. 14. <ul><li>Agrupamentos Espaciais </li></ul><ul><li>Localizações Pontuais </li></ul><ul><li>Técnicas de Particionamento </li></ul><ul><li>Técnicas Hierárquicas </li></ul><ul><li>Técnicas de Variável de Risco </li></ul><ul><li>Índice de Vizinho Mais Próximo </li></ul><ul><li>Distribuição Espacial </li></ul><ul><li>Cálculo de Distância entre os Pontos </li></ul><ul><li>Indicado para técnica de Agrupamentos Espaciais </li></ul>Ferramentas SÍNTESE DE BIBLIOGRAFIA: Acidentes, SIG e Análise Espacial
  15. 15. METODOLOGIA <ul><ul><li>Desenvolvimento do trabalho em três etapas: </li></ul></ul>Preparação da Base de Dados Análise de Padrões Pontuais Análise Espacial de Áreas
  16. 16. Preparação da Base de Dados Levantamento dos dados de acidentes de trânsito Análise de consistência dos dados de acidentes de trânsito Análise da rede viária em ambiente SIG Georreferenciamento dos acidentes de trânsito METODOLOGIA
  17. 17. Análise de Padrões Pontuais Identificação dos pontos críticos de acidentes Análise da distribuição dos acidentes por tipo de ocorrência Agrupamentos Espaciais Elipse de Desvio Padrão METODOLOGIA
  18. 18. Análise Espacial de Áreas METODOLOGIA Identificação das áreas críticas de acidentes de trânsito IAZEV IUPSZ Identificação das tendência de deslocamento Mapas Temáticos Média Móvel Box Map
  19. 19. RESULTADOS 1 – Identificar os registros com nome de ruas escritos com grafia diferentes; 2 – Identificar os registros de acidentes que não permitiam sua completa localização; 3 – Identificar e excluir os registros com acidentes ocorridos fora da mancha urbana. Análise de Consistência 13,5 499 2992 3419 2003 12,2 427 3063 3490 2002 16,3 617 3154 3771 2001 % Excluídos Utilizados Registros Ano
  20. 20. 1 – identificação e padronização os nomes da vias com o BDR; 2 – Identificação das vias sem denominação; 3 – Identificação das vias sem numeração inicial e final de quadras. – Transcad – Adreess Matching RESULTADOS Análise de Rede Viária Georreferenciamento 84,01 2863 3419 2003 82,29 2872 3490 2002 78,84 2977 3771 2001 % Georreferenciados Total Ano
  21. 21. RESULTADOS Georreferenciamento
  22. 22. RESULTADOS Georreferenciamento
  23. 23. RESULTADOS  Identificação de Pontos Críticos <ul><li>Pontos críticos são os locais que apresentam as maiores taxas de acidentes de trânsito, baseadas em índices pré-determinados, em relação a outros pontos de referência (MT, 2002); </li></ul><ul><li>Agrupamentos com mais de 10 pontos em 10 metros; </li></ul><ul><li>Agrupamentos com mais de 10 pontos em 30 metros. </li></ul>Padrões Pontuais
  24. 24. RESULTADOS  Identificação de Pontos Críticos – 10 Metros
  25. 25. RESULTADOS  Identificação de Pontos Críticos – 30 Metros
  26. 26. Comparação entre a busca por pontos críticos através do BDR e a técnica de Agrupamentos Espaciais <ul><li>É indiferente em relação a ordem de entrada no BD; </li></ul><ul><li>É possível incluir acidentes que ocorrem próximo ao cruzamento. </li></ul><ul><li>Possibilidade de encontrar locais que não apareciam na lista gerada pelo BDR </li></ul>RESULTADOS Vantagens Sobre BDR 34 27 30 Grupos 10 41 8 2003 43 6 2002 46 14 2001 Grupos 30 BDR Ano
  27. 27. <ul><li>Identificar a distribuição espacial dos acidentes de trânsito de acordo com o grau de severidade dos mesmo; </li></ul><ul><li>Elipse de Desvio Padrão </li></ul>RESULTADOS Distribuição Espacial
  28. 28. <ul><li>Acidentes com danos materiais concentrados na região central; </li></ul><ul><li>Acidentes com pedestres estão se espalhando pela mancha urbana a cada ano; </li></ul>RESULTADOS Distribuição Espacial
  29. 29.  Identificação de Áreas Críticas <ul><li>O termo área crítica é usado quando uma proporção dos acidentes está muito dispersa pela mancha urbana não possibilitando um agrupamento qualquer (Queiroz, 2003) </li></ul><ul><li>Utilizados índices para reduzir a influência do tamanho da área </li></ul><ul><li>Existência de trechos ou áreas com ocorrência de acidentes acima da média; </li></ul><ul><li>Em áreas com grandes volumes de tráfego a intervenção pontual pode não ser a melhor opção. </li></ul>RESULTADOS Padrões Por Área
  30. 30. Índice Global de Autocorrelação Espacial RESULTADOS
  31. 31. Identificação de Áreas Críticas  Mapas Temáticos RESULTADOS
  32. 32.  Mapas Temáticos - UPS Identificação de Áreas Críticas RESULTADOS
  33. 33. Identificação de Áreas Críticas  Média Espacial Móvel RESULTADOS
  34. 34. Identificação de Áreas Críticas  Média Espacial Móvel - UPS RESULTADOS
  35. 35. Identificação de Zonas de Transição  Box Map RESULTADOS
  36. 36. Identificação de Zonas de Transição  Box Map - UPS RESULTADOS
  37. 37. Moran Map Áreas Críticas de Acidentes de Trânsito em São Carlos RESULTADOS
  38. 38. Moran Map - UPS Áreas Críticas de Acidentes de Trânsito em São Carlos RESULTADOS
  39. 39. <ul><li>Município com grandes número de acidentes e Feridos </li></ul><ul><li>Acidentes ocorrem por toda malha viária </li></ul><ul><li>No período de estudos as vítimas fatais ocorreram nas área periféricas </li></ul><ul><li>A pontos considerados críticos por vários anos seguidos </li></ul><ul><li>Aparecimento de locais com alto número de acidentes de um ano para outro </li></ul><ul><li>Apresentam uma dispersão para as áreas periféricas </li></ul><ul><li>Danos Materiais nas áreas próximas ao centro e Acidentes com Vítimas se espalham pela cidade </li></ul>Em Relação ao Período de Estudo CONSIDERAÇÕES FINAIS
  40. 40. RECOMENDAÇÕES <ul><li>Armazenamento Informatizado de Alterações no Sistema Viário </li></ul><ul><li>Convênio entre Poder Público Municipal e Policia Militar para que Agentes de Trânsito elaborem os Boletins de Ocorrência de Acidentes de Trânsito sem Vítimas </li></ul><ul><li>Treinamento e Capacitação dos Profissionais Envolvido do Processo de Coleta e Inclusão da Informações de Acidentes </li></ul><ul><li>Definição de Objetivos a serem Atingidos para a Redução do Número de Acidentes de Trânsito </li></ul><ul><li>Publicação anual dos Índices de Acidentes de Trânsito </li></ul><ul><li>Avaliação Periódica dos Processos de Melhorias implantados no Sistema Viário </li></ul>
  41. 41. Obrigado!
  42. 42. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA URBANA Mestrando: Luciano dos Santos Orientador: Prof. Dr. Archimedes A. Raia Junior DISSERTAÇÃO DE MESTRADO São Carlos, 2006 Análise dos Acidentes de Trânsito do Município de São Carlos – SP utilizando Sistemas de Informações Geográficas- SIG e Ferramentas de Estatística Espacial

×