Responsabilidade Socioambiental Empresarial

3,616 views

Published on

Responsabilidade Socioambiental Empresarial e Governança

Published in: Business, Economy & Finance
0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
3,616
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
31
Actions
Shares
0
Downloads
96
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Responsabilidade Socioambiental Empresarial

  1. 1. Responsabilidade Socioambiental Empresarial Princípios de Atuação Profissional LUCIANO SATHLER 11/05/2009 www.lucianosathler.pro.br
  2. 2. MARKETING MARKETING SOCIETAL - MARKETING DE CAUSAS SOCIAIS - MARKETING SOCIAL - MARKETING AMBIENTAL Marketing Societal é a orientação organizacional que sustenta como tarefa a determinação das necessidades, os desejos e os interesses dos mercados-alvo, para o atendimento dessas necessidades de forma eficaz e eficiente, cuidando de preservar ou melhorar o bem-estar do consumidor, da sociedade e do meio-ambiente. Adaptado de KOTLER, 2000, pg. 47.
  3. 3. DOAÇÕES EMPRESARIAIS Muitas vezes sem vínculo com a estratégia empresarial, buscam apenas gerar bons sentimentos e publicidade positiva a respeito da empresa, além de elevar o moral dos empregados.
  4. 4. MARKETING RELACIONADO A CAUSAS Um passo adiante das ‘doações’, busca associar a marca da empresa a uma causa ou a uma organização do Terceiro Setor admirada pela opinião pública. Ainda tem o foco na propaganda e não no impacto social.
  5. 5. ‘Marketing Relacionado a Causas’, também chamado ‘joint-venture marketing’, une uma empresa com uma organização do Terceiro Setor, em uma ação mercadológica para o benefício de ambas.
  6. 6. MARKETING AMBIENTAL Estratégias de pesquisa, desenvolvimento, oferta e comunicação de produtos com orientação de respeito e valorização do meio-ambiente. Também chamado ‘Marketing Verde’.
  7. 7. DIRETRIZES PARA O MARKETING AMBIENTAL Informações claras e significativas o suficiente para evitar enganos Alegações devem esclarecer se são aplicáveis à forma de produção, ao produto, à embalagem ou a um componente de um dos dois Não se deve superestimar um atributo ou benefício ambiental No caso de alegações comparativas devem ser claras o suficiente para evitar enganos O preço cobrado pelo ‘valor agregado’ não deve ultrapassar o ‘valor percebido’ pelo cliente
  8. 8. PROPAGANDA VERDE 1. Mostrar a relação entre o produto / serviço e o meio-ambiente. 2. Promover um estilo de vida ‘verde’ sem destacar um produto ou serviço específico 3. Apresentar uma imagem corporativa de Responsabilidade Ambiental / Responsabilidade Social.
  9. 9. RESPONSABILIDADE DISCRICIONÁRIA Contribuir para a qualidade de vida comunidade RESPONSABILIDADE ÉTICA Fazer o que é certo RESPONSABILIDADE LEGAL Obedecer à lei RESPONSABILIDADE ECONÔMICA Ser lucrativa e sustentável A PIRÂMIDE DA RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL, DE ARCHIE B. CARROLL.
  10. 10. RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL é uma ética que permeia o relacionamento da organização com todos os grupos de interesse que influenciam ou são impactados pela sua atuação – ‘stakeholders’ e ‘shareholders’ – assim como no que se refere ao meio-ambiente e à promoção de ações de inserção social. O bem-estar público como preocupação também do Setor Privado. Adaptado de ORCHIS; YUNG; MORALES; in ETHOS, 2002, pg. 57. Livro Responsabilidade social das empresas: a contribuição das universidades.
  11. 11. ACIONISTAS GOVERNOS COMUNIDADE STAKEHOLDERS ORGANIZAÇÃO EMPREGADOS CLIENTES FORNECEDORES
  12. 12. FILANTROPIA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA Objetiva alcançar metas sociais e econômicas simultaneamente, com foco em áreas do contexto competitivo nas quais a empresa e a sociedade se beneficiam mutuamente. Ressalta-se que a empresa disponibiliza recursos e expertise que lhe são inerentes ao modelo de negócios. Adaptado de “The Competitive Advantage of Corporate Philanthropy”, Michael E. Porter e Mark R. Kramer. Artigo publicado na Harvard Business Review, dezembro de 2002.
  13. 13. Vantagens da Filantropia Empresarial com foco no contexto competitivo: 1. Melhora as perspectivas de negócios no longo prazo – perenidade; 2. Aumenta a capacidade da empresa se relacionar e manter seu apoio a causas filantrópicas; 3. Produz benefícios sociais muito maiores do que possível para doadores individuais, fundações e até governos.
  14. 14. UMA CONVERGÊNCIA SOMENTE DE INTERESSES FILANTROPIA BENEFÍCIOS SOCIAIS FILANTROPIA EMPRESARIAL ESTRATÉGICA BENEFÍCIOS SOCIAIS E ECONÔMICOS COMBINADOS SOMENTE NEGÓCIOS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS
  15. 15. MAXIMIZANDO O VALOR AGREGADO DA FILANTROPIA e to CRIAÇÃO DE en m VALOR SOCIAL E ci 4 he a ECONÔMICO c on áti ce cr an no a p ms ar N or rio v 3 rf á no i p e f ic I a r e ne a or s b a re s ar o h el do 2 r p ad M i z a nc i al ina n Si s f o s tr s rio u o o r ciá 1 a fi n io ne c le be Se res o lh e M SOMENTE NEGÓCIOS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS
  16. 16. QUEM A GOVERNANÇA CORPORATIVA COMPROMETE Shareholders OUTROS STAKEHOLDERS ACIONISTAS ACIONISTA EXECUTIVOS MINORITÁRIOS ALTA MAJORITÁRIO DIREÇÃO
  17. 17. TIPOS DE RISCOS DA GOVERNANÇA CORPORATIVA 1. FALHA ESTRATÉGICA – mesmo com a aprovação do Conselho de Administração, o CEO e Diretores Executivos levam a empresa a cometer erros estratégicos que ameaçam sua sobrevivência.
  18. 18. TIPOS DE RISCOS DA GOVERNANÇA CORPORATIVA 2. FALHA DE CONTROLE – o Conselho de Administração não tem acessos instrumentos e métricas que permitam controlar as variáveis essenciais à saúde empresarial. Ou não faz o uso adequado dos mesmos.
  19. 19. TIPOS DE RISCOS DA GOVERNANÇA CORPORATIVA 3. FALHA ÉTICA – o Conselho de Administração não leva em consideração aspectos éticos relacionados aos demais stakeholders ou coaduna com manipulações dos diretores- executivos.
  20. 20. TIPOS DE RISCOS DA GOVERNANÇA CORPORATIVA 4. FALHAS DE RELACIONAMENTO INTERPESSOAL – o Conselho de Administração entra em conflito com o CEO e diretores-executivos, afetando o desempenho empresarial. Adaptado de KIEL, G. C.; NICHOLSON, G. J. Evaluating boards and directors. Corporate Governance, V. 13, N. 5, 09.2005
  21. 21. RESPONSABILIDADE SOCIAL E A MÍDIA POR UM CÓDIGO SINTÉTICO DE ATUAÇÃO • Respeitar a vida • Promover a solidariedade entre os seres humanos • Não mentir • Não se apropriar do bem de outrem • Não fazer sofrer inutilmente • Ser competente, inclusive pronto a reconhecer seus erros • Ser independente frente às forças políticas e econômicas • Servir a todos os grupos étnicos e sociais • Estimular a comunicação e o entendimento mútuo • Defender e promover os direitos do homem e da democracia • Trabalhar para melhorar a sociedade Adaptado de BERTRAND, C. A deontologia das mídias. Bauru, SP: Edusc, 1999.

×