CóPia De Curso De Esquizofrenia MóDulo Vii

6,715 views

Published on

Published in: Education, Technology
1 Comment
6 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
6,715
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
42
Actions
Shares
0
Downloads
188
Comments
1
Likes
6
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

CóPia De Curso De Esquizofrenia MóDulo Vii

  1. 1. ESQUIZOFRENIA – MÓDULO VII <ul><li>∙ O DIAGNÓSTICO – DSM-IV – CID X </li></ul><ul><li>∙ CLASSIFICAÇÃO </li></ul><ul><li>O INÍCIO – Sinais prodrômicos </li></ul><ul><li>CURSO </li></ul><ul><li>DESFECHO </li></ul><ul><li>DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL </li></ul>
  2. 2. <ul><li>1970 – Cooper – USA = mais diagnóstico de SQZ </li></ul><ul><li>Inglaterra = mais diagnóstico TAB </li></ul><ul><li>Necessidade de revisão dos critérios em psiquiatria = linguagem internacional </li></ul><ul><li>1972 - critérios da escola de Saint Louis de Feighner, Robins et col </li></ul><ul><li>1978 - RDC (Reserch Diagnostic Criteria) </li></ul><ul><li>1952 – DSM I 1994 – DSM IV (APA) </li></ul><ul><li>1853 – CID I 1948 – CID V (International Statistical Institute) </li></ul><ul><li>1948 – CID VI 1990/94 – CID X (WHO) </li></ul>
  3. 3. <ul><li>DSM IV </li></ul><ul><li>Critério A - Sintomas Característicos -> Schneiderianos + Bleulerianos + Negativos </li></ul><ul><li>Sintomas característicos – 2 ou mais, cada qual presente por um espaço </li></ul><ul><li>significativo de tempo durante um período de um mês (ou menos, caso tratado </li></ul><ul><li>com êxito) </li></ul><ul><li>1 - delírios; </li></ul><ul><li>2 - alucinações; </li></ul><ul><li>3 - discurso desorganizado (ex. desorganização freqüente ou incoerência); </li></ul><ul><li>4 – comportamento altamente desorganizado ou catatônico; </li></ul><ul><li>5 – sintomas negativos, ou seja, embotamento afetivo, alogia ou abulia </li></ul>
  4. 4. <ul><li>Critério B – Disfunção Social / Ocupacional – Langfeldt </li></ul><ul><li>durante um espaço significativo de tempo, desde o início do transtorno, uma ou </li></ul><ul><li>mais importantes áreas de desempenho, tais como, relações interpessoais ou </li></ul><ul><li>autocuidado encontram-se sensivelmente abaixo do nível atingido antes do </li></ul><ul><li>início. </li></ul><ul><li>quando o início é na infância ou na adolescência, existe falha em atingir o nível </li></ul><ul><li>esperado de desempenho interpessoal, acadêmico ou ocupacional. </li></ul><ul><li>Critério C – Duração </li></ul><ul><li>1- sinais contínuos do transtorno persistem por pelo menos 6 meses </li></ul><ul><li>2- este período de 6 meses deve incluir pelo menos 1 mês dos sintomas que satisfazem o critério A (ou seja, sintomas da fase ativa) e podem incluir períodos de sintomas prodrômicos e residuais </li></ul><ul><li>3- durante estes períodos prodrômicos ou residuais, os sinais do transtorno podem ser manifestados apenas por sintomas negativos ou dois ou mais sintomas listados no critério A presentes em uma forma atenuada (por ex. crenças estranhas, experiência perceptuais incomuns) </li></ul>
  5. 5. <ul><li>Critério D – Exclusão de Transtorno Esquizoafetivo e Transtorno </li></ul><ul><li>Humor </li></ul><ul><li>Transtorno de humor com características psicóticas e esquizoafetivas </li></ul><ul><li>foram descartados pelos seguintes motivos: </li></ul><ul><li>Nenhum episódio depressivo ou maníaco importante ocorreu </li></ul><ul><li>simultaneamente com sintomas da fase ativa, ou se ocorrerem alterações de </li></ul><ul><li>humor durante os sintomas da fase ativa, sua duração total foi breve em </li></ul><ul><li>relação à duração total dos períodos ativo e residual. </li></ul>
  6. 6. <ul><li>Critério E – Exclusão de substância / condição médica geral </li></ul><ul><li>O transtorno não é devido aos efeitos diretos de uma substância (ex; abuso de </li></ul><ul><li>droga, medicação) ou de uma doença clínica. </li></ul><ul><li>Critério F – Relação com um Transtorno Invasivo do Desenvolvimento </li></ul><ul><li>Se existe uma história de Transtorno Autista ou outro Transtorno Invasivo do </li></ul><ul><li>Desenvolvimento, o diagnóstico de Esquizofrenia é feito apenas se delírios ou </li></ul><ul><li>Alucinações proeminentes também estão presentes por pelo menos 1 mês ( ou </li></ul><ul><li>menos se tratados com sucesso). </li></ul><ul><li>Resumindo: </li></ul><ul><li>O DSM IV exige que os sintomas característicos tenham durações mínimas de 1 </li></ul><ul><li>mês, que ocorra disfunções sociais e ocupacionais, que haja duração total dos </li></ul><ul><li>sintomas incluindo sintomas prodrômicos e residuais por 6 meses e que não seja </li></ul><ul><li>atribuído a transtorno de humor, a uso ou abuso de substância ou doença clínica </li></ul>
  7. 7. <ul><li>O DSM-IV lista como categorias de psicose os seguintes transtornos: </li></ul><ul><li>- o transtorno esquizofrênico; </li></ul><ul><li>- o transtorno esquizofreniforme; </li></ul><ul><li>- o transtorno psicótico breve; </li></ul><ul><li>- o transtorno esquizoafetivo; </li></ul><ul><li>- o transtorno delirante; </li></ul><ul><li>- o transtorno compartilhado; </li></ul><ul><li>- o transtorno devido a doenças clínicas; </li></ul><ul><li>- o transtorno induzido por substâncias psicoativas; </li></ul><ul><li>- o transtorno não especificado de outro modo. </li></ul>
  8. 8. <ul><li>A CID-X </li></ul><ul><li>Critério A - os sintomas característicos (Schineiderianos) + sintomas negativos. </li></ul><ul><li>a) pelo menos 1 dos seguintes </li></ul><ul><li>-Eco do pensamento, inserção e roubo ou irradiação do pensamento; </li></ul><ul><li>- Delírios de controle, influência ou passividade, percepção delirante; </li></ul><ul><li>- Vozes comentando ou discutindo, vozes vindo de alguma parte do corpo; </li></ul><ul><li>- Delírios persistentes que são culturalmente inapropriados e completamente impossíveis </li></ul><ul><li>tais como: identidades religiosas ou políticas, poderes sobre humanos. </li></ul><ul><li>Ou </li></ul><ul><li>b) pelo menos 2 dos seguintes </li></ul><ul><li>- alucinações persistentes em qualquer modalidade quando acompanhadas por delírios; </li></ul><ul><li>- neologismos, quebras ou interpolações na sucessão do pensamento; resultando em </li></ul><ul><li>incoerência ou fala irrelevante; </li></ul><ul><li>- comportamento catatônico; </li></ul><ul><li>- sintomas negativos como apatia marcante, fala pobre ou embotamento ou incongruência de respostas emocionais. </li></ul>
  9. 9. <ul><li>Os sintomas característicos devem durar um mês e se estiverem </li></ul><ul><li>presentes um transtorno de humor, este transtorno deve ser </li></ul><ul><li>precedido de um mês de sintomas psicóticos característicos para a </li></ul><ul><li>esquizofrenia. Também é necessário excluir a doença cerebral </li></ul><ul><li>orgânica e abuso de substância. </li></ul><ul><li>Categoria de Psicose na CID 10 </li></ul><ul><li>Esquizofrenia </li></ul><ul><li>Transtorno Esquizotípico </li></ul><ul><li>Transtorno Delirante Persistente </li></ul><ul><li>Transtornos Psicóticos Agudos e Transitórios </li></ul><ul><li>Transtorno Delirante Induzido </li></ul><ul><li>Transtornos Esquizoafetivos </li></ul><ul><li>Outros Transtornos Psicóticos não Orgânicos </li></ul><ul><li>Psicose não Orgânica não especificada </li></ul>
  10. 10. <ul><li>PONTOS EM COMUM CID E DSM IV </li></ul><ul><li>1 MÊS DE SINTOMAS ATIVOS </li></ul><ul><li>INCLUSÃO DE SINTOMATOLOGIA NEGATTIVA </li></ul><ul><li>PRESENÇA DE DELÍRIOS E ALUCINAÇÕES </li></ul><ul><li>DIFERENÇAS ENTRE CID E DSM IV </li></ul><ul><li>CID -> SINTOMAS SCHNEIDERIANOS + BEM DESCRITOS </li></ul><ul><li>DURAÇÃO DE SINTOMAS – CID = 1 MÊS </li></ul><ul><li>DSM = 6 MESES </li></ul><ul><li>CID -> LISTA DE SINTOMAS MAIS COMPLETA </li></ul><ul><li>TRANSTORNO ESQUIZOTÍPICO </li></ul><ul><li>ESQUIZOFRENIA SIMPLES </li></ul>
  11. 11. <ul><li>Itiro Shirakawa </li></ul><ul><li>Qual a essência da esquizofrenia ? </li></ul><ul><li>Qual seus sintomas característicos ? </li></ul><ul><li>Quais são suas fronteiras ? </li></ul><ul><li>Doença múltipla X doença única </li></ul><ul><li>Se múltipla, quais seus subtipos? </li></ul><ul><li>A resposta depende do referencial teórico que se está usando. </li></ul><ul><li>Schneider -> ênfase no tipo específico de delírio e alucinação </li></ul><ul><li>Alteração da consciência do eu </li></ul><ul><li>Bleuler -> cisão e fragmentação do pensamento, inabilidade de relacionamento com o mundo extero </li></ul><ul><li>Kraeplin -> embotamento emocional, abulia, perda da unidade interna </li></ul><ul><li>Itiro = doença multisistêmica análoga à sífilis </li></ul>
  12. 12. <ul><li>SUBTIPOS </li></ul><ul><li>DSM IV CID 10 </li></ul><ul><li>Paranóide Paranóide </li></ul><ul><li>Desorganizado Hebefrênica </li></ul><ul><li>Catatônica Catatônica </li></ul><ul><li>Indiferenciada Indiferenciada </li></ul><ul><li>Residual Residual </li></ul><ul><li>Depressão Pós Esquizofrênica </li></ul><ul><li>Simples </li></ul><ul><li>Outra Esquizofrenias </li></ul><ul><li>Não Especificada </li></ul>
  13. 13. <ul><li>Esquizofrenia Paranóide F20.0 </li></ul><ul><li>A esquizofrenia paranóide se caracteriza essencialmente pela presença </li></ul><ul><li>de idéias delirantes relativamente estáveis, freqüentemente de </li></ul><ul><li>perseguição, em geral acompanhadas de alucinações, particularmente </li></ul><ul><li>auditivas e de perturbações das percepções. As perturbações do afeto, </li></ul><ul><li>da vontade, da linguagem e os sintomas catatônicos, estão ausentes, </li></ul><ul><li>ou são relativamente discretos. </li></ul><ul><li>Início – 20 – 30 anos </li></ul><ul><li>Tenso, desconfiado, reservado, hostis e agressivos </li></ul><ul><li>Inteligência em áreas não invadidas = intactas </li></ul><ul><li>Recursos egoicos são maiores que os da SQZ Catatônica e Hebefrênica </li></ul>
  14. 14. <ul><li>Esquizofrenia Hebefrênica - Desorganizada F20.1 </li></ul><ul><li>Regressão acentuada a um comportamento primitivo, desinibido e </li></ul><ul><li>desorganizado, sem propósito, não construtivo, irresponsável e imprevisível </li></ul><ul><li>TOLO </li></ul><ul><li>Geralmente o prognóstico é desfavorável devido ao rápido </li></ul><ul><li>desenvolvimento de sintomas &quot;negativos&quot;, particularmente um embotamento do </li></ul><ul><li>afeto e perda da volição. </li></ul><ul><li>O afeto é superficial e inapropriado; respostas emocionais são inadequadas </li></ul><ul><li>O pensamento é desorganizado e o discurso incoerente. idéias delirantes pouco </li></ul><ul><li>sistematizadas e alucinações fugazes. </li></ul><ul><li>Há uma tendência ao isolamento social, </li></ul><ul><li>Contato com a realidade é pobre </li></ul><ul><li>A hebefrenia deveria normalmente ser somente diagnosticada em adolescentes e </li></ul><ul><li>em adultos jovens (início antes dos 25 anos) </li></ul><ul><li>Risos imotivados, trejeitos faciais e freqüentes maneirismos. </li></ul>
  15. 15. <ul><li>Esquizofrenia Catatônica F20.2 </li></ul><ul><li>A esquizofrenia catatônica é dominada por distúrbios psicomotores proeminentes que podem alternar entre extremos tais como hipercinesia e estupor, ou entre a obediência automática e o negativismo. Atitudes e posturas a que os pacientes foram compelidos a tomar podem ser mantidas por longos períodos. Um padrão marcante da afecção pode ser constituído por episódios de excitação violenta. O fenômeno catatônico pode estar combinado com um estado oniróide com alucinações cênicas vívidas. Outra características - esteriotipias, manerismos, Flexibilidade cérea e mutismo. </li></ul><ul><li>Alternância entre estupor e excitação - risco do paciente se ferir </li></ul><ul><li>complicações – desnutrição, exaustão, hiperperexia, ferimentos auto inflingidos </li></ul>
  16. 16. <ul><li>Esquizofrenia Indiferenciada F20.3 </li></ul><ul><li>Afecções psicóticas que preenchem os critérios diagnósticos gerais para a esquizofrenia mas que não correspondem a nenhum dos subtipos incluídos em F20.0 - F20.2, ou que exibam padrões de mais de um deles sem uma clara predominância de um conjunto particular de características diagnósticas. </li></ul><ul><li>Esquizofrenia atípica </li></ul>
  17. 17. <ul><li>Depressão Pós-Esquizofrênica F 20.4 </li></ul><ul><li>Episódio depressivo eventualmente prolongado que ocorre ao fim de uma afecção esquizofrênica. Ao menos alguns sintomas esquizofrênicos &quot;positivos&quot; ou &quot;negativos&quot; devem ainda estar presentes mas não dominam mais o quadro clínico. Este tipo de estado depressivo se acompanha de um maior risco de suicídio. Se o paciente não apresenta mais nenhum sintoma esquizofrênico, deve-se fazer um diagnóstico de episódio depressivo (F32). Se os sintomas esquizofrênicos ainda são aparentes e proeminentes, deve-se manter o diagnóstico da forma clínica apropriada da esquizofrenia (F20.0-.3). </li></ul>
  18. 18. <ul><li>Esquizofrenia Residual F20.5 </li></ul><ul><li>Estado crônico da evolução de uma doença esquizofrênica, com uma progressão nítida de um estádio precoce para um estádio tardio, o qual se caracteriza pela: </li></ul><ul><li>presença persistente de sintomas &quot;negativos&quot; embora não forçosamente irreversíveis, tais como lentidão psicomotora; hipoatividade; embotamento afetivo; passividade e falta de iniciativa; pobreza da quantidade e do conteúdo do discurso e discurso desorganizado; pouca comunicação não-verbal (expressão facial, contato ocular, modulação da voz e gestos), falta de cuidados pessoais e desempenho social medíocre. </li></ul><ul><li>Ausência de delírios e alucinações proeminentes </li></ul>
  19. 19. <ul><li>Esquizofrenia Simples F 20.6 </li></ul><ul><li>Transtorno caracterizado pela ocorrência insidiosa e progressiva de excentricidade de comportamento, incapacidade de responder às exigências da sociedade, e um declínio global do desempenho. Os padrões negativos característicos da esquizofrenia residual (por exemplo: embotamento do afeto e perda da volição) se desenvolvem sem serem precedidos por quaisquer sintomas psicóticos manifestos. </li></ul><ul><li>Outras Esquizofrenias F20.8 </li></ul><ul><li>Esquizofrenia cenestopática </li></ul><ul><li>Psicose esquizofreniforme SOE </li></ul><ul><li>Transtorno esquizofreniforme SOE </li></ul><ul><li>Exclui: transtornos esquizofreniformes breves </li></ul><ul><li>Esquizofrenia não especificada F 20.9 </li></ul>
  20. 20. <ul><li>Bouffée Delirante - Psicose Delirante Aguda </li></ul><ul><li>No DSM IV - Transtorno esquizofreniforme. (inferior a 1 mês) </li></ul><ul><li>40% evolui para psicose esquizofrênica </li></ul><ul><li>Latente - Transtorno de Personalidade esquizóide, esquizotípica </li></ul><ul><li>Oniróide - Estados tipos sonhos, com perplexidade e pouca orientação </li></ul><ul><li>temporo-espacial. Paciente encontram-se muito envolvidos em </li></ul><ul><li>em seus sintomas alucinatório. </li></ul><ul><li>Parafrênica - Semelhante a esquizofrenia paranoide, com curso </li></ul><ul><li>progressivamente deteriorante; presença de </li></ul><ul><li>sistema delirante sistematizado. </li></ul><ul><li>Pseudoneurótica - presença de ansiedade, fobias, obsessões, compulsões que </li></ul><ul><li>caminham para um transtorno de pensamento e psicose. </li></ul><ul><li>existe uma ansiedade levemente flutuante e os paciente </li></ul><ul><li>raramente tornam-se franca e severamente psicóticos. </li></ul>
  21. 21. <ul><li>Clínica – características </li></ul><ul><li>1- Nenhum sinal é patognomônico. </li></ul><ul><li>Alucinações visuais - 15%; auditivas - 50%; táteis - 5%; </li></ul><ul><li>Delírios - 90% </li></ul><ul><li>2 - Podem ser encontrados em síndromes psiquiátricas e neurológicas. </li></ul><ul><li>DIGNÓSTICO = ESTADO MENTAL + HISTÓRIA </li></ul><ul><li>3 - Sintomas mudam com o tempo - Ex depressão (recaídas e recidivas) </li></ul><ul><li>4 – Necessário considerar o nível educacional, a capacidade intelectual e a afiliação cultural e subcultural do paciente </li></ul><ul><li>Quadro clínico é variável </li></ul><ul><li>Fases: I - Sinais Pré-Mórbidos </li></ul><ul><li>II – Prodrômica </li></ul><ul><li>III – Ativa </li></ul><ul><li>IV - Residual </li></ul>
  22. 22. <ul><li>Sinais e sintomas pré-mórbidos existem antes do processo patológico tornar-se evidente. </li></ul><ul><li>Sinais e sintomas prodrômicos fazem parte do transtorno em evolução. </li></ul><ul><li>História Pré-mórbida – </li></ul><ul><li>Jovens com personalidade esquizoide ou esquizotípica caracterizada pela: </li></ul><ul><li>Quietude </li></ul><ul><li>Passividade </li></ul><ul><li>Introversão </li></ul><ul><li>Poucos amigos quando criança </li></ul><ul><li>Adolescência sem amigos íntimos, sem namorada, evitando esportes, festas = </li></ul><ul><li>contato social. </li></ul><ul><li>Gosta de ver filmes e televisão ou ouvir música em detrimento de atividades </li></ul><ul><li>sociais </li></ul>
  23. 23. <ul><li>Sintomas Prodrômicos e Início </li></ul><ul><li>“ Grupo de sintomas heterogêneos relacionados temporalmente com o </li></ul><ul><li>início da psicose”. (Yung e McGorry) – período desde os primeiros sintomas visíveis até os primeiros sintomas psicóticos proeminentes . </li></ul><ul><li>Achados desta fase são relevantes já que o declínio social e funcional precede o diagnóstico clínico. </li></ul><ul><li>Quanto maior a carga genética e os estressores sociais mais precoce é o aparecimento do transtorno. </li></ul>
  24. 24. <ul><li>Padrão de seqüência temporal até a psicose. </li></ul><ul><li>Mudanças inespecíficas -> Sintomas pré-psicóticos -> Psicose </li></ul><ul><li>Mudanças específicas -> Reação neuróticas em relação à elas -> Psicose </li></ul><ul><li>Síndrome Sentinela – grupos de sintomas e comportamentos que lembram </li></ul><ul><li>pródromos, mas que se resolvem espontaneamente. </li></ul><ul><li>Sinais Prodrômicos em ordem decrescente de freqüência (Yung e McGorry) </li></ul><ul><li>1 – prejuízo da concentração e atenção </li></ul><ul><li>2 – redução em impulso e motivação </li></ul><ul><li>3 – anergia </li></ul><ul><li>4 – humor depressivo </li></ul><ul><li>5 – perturbação do sono </li></ul><ul><li>6 – ansiedade </li></ul><ul><li>7 – isolamento social </li></ul><ul><li>8 – desconfiança </li></ul><ul><li>9 – deterioração no funcionamento em papéis sociais </li></ul><ul><li>10 - irritabilidade </li></ul>
  25. 25. <ul><li>Além de queixas somáticas: cefaléia, dor lombar, dor muscular, fraqueza, </li></ul><ul><li>problemas digestivos -> diagnóstico de somatização </li></ul><ul><li>Família e amigos podem notar que a pessoa mudou e não funciona mais tão bem </li></ul><ul><li>Em atividades sociais. </li></ul><ul><li>Estudo de Lobel – pródromos aparecem 3 anos antes da primeira internação </li></ul><ul><li>Häffner = Fase prodrômica(73%) com 5 anos -> (acúmulo de sintomatologia +) </li></ul><ul><li>fase pré-psicótica (1,1 anos) -> 1 º episódio psicótico (0,2 anos) -> 1º visita ao hospital = 6,3 anos sem ajuda </li></ul><ul><li>Estudo Age Begining and Course os SQZ (ABC) </li></ul><ul><li>Homem = 4,2 anos </li></ul><ul><li>Mulheres = 4,9 anos </li></ul><ul><li>Taxa de início = intervalo de tempo entre a primeira aparição de sintomas SQZ </li></ul><ul><li>Característico e um quadro completo da síndrome. </li></ul><ul><li>Aguda = menos de 3 meses </li></ul><ul><li>Subaguda = menos de 6 meses </li></ul><ul><li>Subcrônica = menos de 1 ano </li></ul><ul><li>Crônica = mais de 1 ano </li></ul><ul><li>(Keith e Matthews) </li></ul>
  26. 26. <ul><li>Aguda = menos de 4 semanas </li></ul><ul><li>Subcrônica = de 4 semanas a 1 ano </li></ul><ul><li>Crônica = mais de 4 semanas </li></ul><ul><li>Häfner et col </li></ul><ul><li>Segundo o ABC – Tipo crônico = 68% </li></ul><ul><li>Tipo subagudo = 15% </li></ul><ul><li>Tipo agudo = 18% </li></ul><ul><li>Antes dos 30 anos = 77% dos casos </li></ul><ul><li>FASE PRODRÔMICA Antes dos 20 anos = 41% dos casos </li></ul><ul><li>Antes dos 10 anos = 4% dos casos </li></ul><ul><li>Mulheres com idade mais avançada de surto psicótico que homens (3 a 4 anos) </li></ul><ul><li>Mulheres com um segundo pico entre 45 e 50 anos </li></ul><ul><li>Homens nesta faixa etária = gravidade de sintomas diminui </li></ul><ul><li>Esquizofrenia Tardia = mulheres com mais freqüência que os homens e com </li></ul><ul><li>sintomas negativos aumentado </li></ul>
  27. 27. <ul><li>Primeiro Episódio Psicótico </li></ul><ul><li>Antes dos 30 anos = 63% </li></ul><ul><li>Antes dos 20 anos = 17% </li></ul><ul><li>Antes dos 10 anos = 1% </li></ul><ul><li>Maior risco de adoecer entre 15- 20 anos </li></ul>
  28. 28. <ul><li>CURSO E DESFECHO </li></ul><ul><li>Não existe nenhuma classificação aceitável. </li></ul><ul><li>Menos desfavorável do que sugeriram outros estudos do passado. Não </li></ul><ul><li>Apresenta deterioração progressiva de forma sistemática - Riecher-Rössler </li></ul><ul><li>Sem recuperação completa e consistente a longo prazo e com funcionamento </li></ul><ul><li>significativamente mais deficiente do que pacientes com outros transtornos </li></ul><ul><li>Psicóticos em três seguimentos sucessivos ao longo de 7,5 anos. Horrow </li></ul><ul><li>Dois terços com, pelo menos, uma recaída (15 anos) e que após cada recaída, </li></ul><ul><li>1 em cada seis sujeitos não se recuperaram do episódio e 1 em cada 10 </li></ul><ul><li>cometeram suicídio (observação do curso natural - Wersma et col ). </li></ul>
  29. 29. <ul><li>De um modo geral, na esquizofrenia pode haver um diferente número de </li></ul><ul><li>cursos , variando da cura completa a formas gravemente debilitantes. Com um </li></ul><ul><li>padrão de episódios psicóticos e recuperação totalmente variável e possível. </li></ul>
  30. 30. <ul><li>De um modo geral – sintomas iniciam na adolescência, deflagrados por </li></ul><ul><li>estressores sociais – 1º episódio é longo -> período gradual de recuperação </li></ul><ul><li>-> extenso período normal -> recaída. </li></ul><ul><li>EXARCEBAÇÕES </li></ul><ul><li>REMISSÕES </li></ul><ul><li>DEFICITÁRIO = início insidioso com progressão contínua, com poucas remissões </li></ul><ul><li>e com curso pouco relacionado aos eventos da vida . </li></ul><ul><li>SINTOMAS NEGATIVOS presentes nos início com progressão em gravidade nos </li></ul><ul><li>5 primeiros anos de desordem. Alteração do pensamento e comportamento </li></ul><ul><li>bizarro aumentam em gravidade no tempo -> MAU PROGNÓSTICO </li></ul><ul><li>Déficit cognitivo não parece ser evolutivo = alteração cerebral não progressiva, subjacente à doença. </li></ul>
  31. 31. <ul><li>Paciente sem síndrome deficitária = melhor funcionamento pré-mórbido e melhor evolução. </li></ul><ul><li>Deterioração pré-mórbida parece ser um pródromo precoce do transtorno </li></ul><ul><li>Com o passar do tempo – sintomas positivos são menos severos que </li></ul><ul><li>os negativos. </li></ul><ul><li>1/3 dos pacientes = com vida social razoavelmente integrada </li></ul><ul><li>Maioria dos pacientes com: falta de objetivo, inatividade, hospitalização </li></ul><ul><li>freqüentes, desabrigo e pobreza (contexto urbano) </li></ul><ul><li>Estudo longitudinal de Thara (10 anos) – homens = mau prognóstico </li></ul><ul><li>Sintomas positivos e negativos declinavam ao longo dos 10 anos </li></ul>
  32. 32. <ul><li>PROGNÓSTICO </li></ul><ul><li>Ao longo de 5 a 10 anos após a primeira internação </li></ul><ul><li>10 – 20 % = boa evolução </li></ul><ul><li>+ 50% = evolução desfavorável -> hospitalizações freqüentes, </li></ul><ul><li>exarcebações, episódios de transtorno depressivo maior e </li></ul><ul><li>tentativa de suicídio </li></ul><ul><li>ÍNDICE DE RECUPERAÇÃO. </li></ul><ul><li>20 – 30% - VIDA RAZOAVELMENTE NORMAL </li></ul><ul><li>20 – 30% - EXPERIMENTAM SINTOMAS MODERADOS </li></ul><ul><li>40 – 60% - SEVERAMENTE PREJUDICADOS </li></ul>
  33. 33. <ul><li>DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL </li></ul><ul><li>Médicos e Neurológicos </li></ul><ul><li>Induzido por drogas - anfetaminas, alucinógenos, alcalóides da beladona. alucinose alcoólica, abstinência de barbitúricos, cocaína, fenilciclidina (PCP). </li></ul><ul><li>Epilepsia - especialmente do lobo temporal </li></ul><ul><li>Neoplasma, derrame ou trauma - especialmente frontal ou límbico. </li></ul>
  34. 34. <ul><li>Outras condições: </li></ul><ul><li>Síndrome da Imunodeficiência adquirida (AIDS), </li></ul><ul><li>Porfiria Intermitente aguda, </li></ul><ul><li>Deficiência de Vitamina B12, </li></ul><ul><li>Intoxicação por monóxido de carbono, </li></ul><ul><li>Lipoidose cerebral, </li></ul><ul><li>Doença de Creutzfeldt-Jacob, </li></ul><ul><li>Doença de Fabri, </li></ul><ul><li>Doença de Fahr, </li></ul><ul><li>Doença de Hallervonden-Spatz, </li></ul>
  35. 35. <ul><li>Intoxicação por metais pesados, </li></ul><ul><li>Encefalite por herpes, </li></ul><ul><li>Homocistinúria, </li></ul><ul><li>Coréia de Huntington, </li></ul><ul><li>Leucodistrofia Metacromática, </li></ul><ul><li>Neurosífilis, </li></ul><ul><li>,Hidrocefalia de pressão normal, </li></ul><ul><li>Síndrome de Wernick-Korsakoff, </li></ul><ul><li>Doença de Wilson </li></ul>
  36. 36. <ul><li>CONTINUAÇÃO DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL </li></ul><ul><li>Psicose atípica </li></ul><ul><li>Psicose Reativa Breve </li></ul><ul><li>Transtorno factício com sintomas Psicológicos </li></ul><ul><li>Transtorno autista </li></ul><ul><li>Simulação </li></ul><ul><li>Transtorno de humor </li></ul><ul><li>Adolescência normal </li></ul><ul><li>Transtorno obsessivo-compulsivo </li></ul><ul><li>Transtorno paranóide </li></ul><ul><li>Transtorno de personalidade – esquizotípica, esquizóide, borderline, </li></ul><ul><li>paranóide. </li></ul><ul><li>Transtorno esquizoafetivo </li></ul><ul><li>Transtorno esquizofreniforme </li></ul>

×