Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Exercícios da tfca técnica física para a conquista da autoconsciência site oficial www.tfca.com.br

962 views

Published on

....

Published in: Spiritual
  • Be the first to comment

Exercícios da tfca técnica física para a conquista da autoconsciência site oficial www.tfca.com.br

  1. 1. EXERCÍCIOS DA TFCA - TÉCNICA FÍSICA PARA A CONQUISTA DA AUTOCONSCIÊNCIA Estamos na Web www.tfca.com.br AUTOCONSCIÊNCIA, A TÉCNICA DA CONQUISTA Segue abaixo descrição conforme divulgado no livro “As Possibilidades do Infinito” sobre a prática dos exercícios da TFCA. Acompanhe a leitura com o áudio! http://www.tfca.com.br/DOWNLOADS/MP3_FILES/MP3/Exercícios%20da%20TFCA.mp3
  2. 2. Bianca – Karran, Deus é espírito? Karran – O Criador não é espírito, pois o espírito é uma criação dele, e, sendo ele o criador do espírito, mostra-nos que ele está muito além de sua própria criação. Eu sou um espírito e você também o é. Sua parte visível, que é a matéria, não pode me responder nada sem sua real presença. Quando você abandona a sua matéria, esta fica completamente sem valor, morre. B – De onde vem o seu conhecimento sobre Deus? – perguntei. K – Nosso conhecimento sobre o Criador vem diretamente dele.
  3. 3. B – Como? – Insisti. K – Quando fomos criados, todos nós, inclusive você, já nascemos com capacidade para entendê-la como Criador de todas as coisas. Isto é registrado na memória já por natureza, no entanto, toda a pesquisa que fazemos na sua Terra, com respeito ao Criador, já não é a mesma Bianca – No seu mundo existe pecado e morte? Karran – Não existe o pecado e nem a morte. Existe, sim, a perda da matéria. B – Karran, perda da matéria e aquele negócio que o corpo deixa de funcionar e a gente fica frio e durinho e põe dentro do caixão e depois enterra? K – Sim! B – Ah! Então morre! K – Na minha terra isto não quer dizer morte, porque nós continuamos a viver sem a matéria, em espírito. Quando recebemos nova matéria, sabemos perfeitamente quem somos e o que aprendemos. Nós não iniciamos como vocês, a vida novamente, nós continuamos a viver do ponto em que paramos quando perdemos a matéria. Esta é uma das razões pelas quais o conhecimento do meu mundo não se perde com o passar dos tempos.
  4. 4. B – E como eu faço para deixar de morrer, e saber que sou como você diz um espírito? Saia da tua matéria e verás que tu és a mente que pode ver, que pode sentir, aprender e raciocinar. Então, poderás entender que a matéria é somente uma parte sua e não totalmente você. B – Karran, eu não vou saber isto nunca porque, para saber, a gente tem que morrer. Você não me disse que, se a gente abandona a matéria, ela fica sem vida? K – Abandono significa a morte da matéria, mas a saída não é abandono. Para sair da matéria você tem que dominá-la e este domínio se consegue desta maneira: Primeiro você faz um trabalho respiratório.
  5. 5. Depois um outro para desenvolver glândulas dentro da sua cabeça. E um outro para ativar áreas do seu cérebro que estão inativas por causa de um acidente que houve no seu sistema solar. B – Como fazer este trabalho respiratório – perguntei-lhe. TRABALHO RESPIRATÓRIO Ele então me explicou que eu deveria levantar os braços até a altura dos ombros, inspirando. Continuar nesta posição e virar as palmas das mãos para cima. Inclinar a cabeça para trás. E, ainda com o ar retido, contar mentalmente até 15. Depois desfazer os movimentos. Para trabalhar as glândulas eu deveria usar como
  6. 6. referência, o dedo indicador. Esticar o braço, olhar para a ponta do dedo, e trazê-lo até tocar o centro de minha testa, sem desviar o olhar. Desfazer este movimento devagar. Para o cérebro eu teria que me deitar, fechar os olhos, e sem pensar em nada, construir formas numéricas regressivamente. Eu estava olhando todos os movimentos que ele estava fazendo para demonstrar os exercícios e perguntei quanto tempo eu teria que ficar fazendo este trabalho. Disse-me que sete vezes cada um dos movimentos estava bom. Muito animada comecei a relatar para Karran que já estava saindo da matéria. Quando Zirr traduziu minhas palavras, ele olhou-me dizendo: – Já? Então conte-me, o que aconteceu durante suas saídas da matéria? Contei-lhe que eu me deitava, após ter feito o exercício respiratório e o das glândulas e começava a fazer os números do dez até o zero, como ele havia me ensinado. Disse-lhe que, no entanto, nos últimos meses, não era necessário eu fazer os números até o final, pois já estava fora do meu corpo vendo e. ouvindo coisas antes de terminar a série de números. Disse-lhe também que eu tinha visto muitas coisas bonitas como discos voadores, pessoas de outros planetas, lugares e cenas fantásticas. Contei-lhe ter visto também muitas coisas que me
  7. 7. davam medo diante das quais eu voltava para a matéria com medo até de abrir os olhos. Karran perguntou-me como eu me sentia com relação ao corpo neste momento. Se mesmo estando em outro ambiente eu percebia caso alguém se aproximasse da minha matéria, caso alguém batesse na porta de minha casa, se eu ouvia? Eu disse que ouvia tudo, não só ouvia, sentia também. E que o que mais atrapalhava eram as coceirinhas que, às vezes, eu sentia no corpo, por que elas me tiravam da concentração e do relaxamento para coçar. Quando Zirr traduziu o comentário que Karran fez dessas minhas experiências fiquei decepcionada, pois, ele estava dizendo que eu não tinha saído nenhuma vez da matéria. Ele explicou que o que tinha acontecido comigo era a liberação das imagens retidas no meu subconsciente. Karran disse que ia me ensinar a fazer os exercícios.
  8. 8. Zirr pediu-me caminhasse que para a frente do carro. Karran ficou de frente para mim, e me acompanhou no trabalho respiratório. Corrigiu minha postura, posição dos braços e das mãos, a inclinação da cabeça para trás, o tempo de retenção de ar nos pulmões e como liberá-lo. Notei grande diferença entre o exercício, tal como eu o vinha fazendo e a maneira como o estava fazendo no momento. Esta diferença era física. [..] Meu corpo todo se aqueceu, minhas mãos ficaram pesadas e formigando. [..] Perguntei o porquê destas reações.
  9. 9. Karran disse que o aquecimento do corpo era devido à limpeza dos pulmões. Explicou que esta limpeza melhorava e oxigenava melhor a matéria e que esta oxigenação melhorava também a nossa circulação, aumentando a energização do nosso corpo. Quanto ao peso nas mãos, era devido à pressão do sangue. O formigamento era provocado pela abertura das entradas de energia, que normalmente são bloqueadas, nas mãos. Depois passamos a fazer o trabalho do desenvolvimento das glândulas. TRABALHO DE ENERGIZAÇÃO GLANDULAR
  10. 10. Karran esticou o braço e pediu que eu fizesse o mesmo. Depois pediu para que eu olhasse para a ponta do dedo indicador e, vagarosamente, levasse o dedo até tocar o centro da minha testa. Com o dedo apoiado na testa eu deveria fazer, então, um movimento giratório, para que a energia acumulada na minha mão pudesse ser aproveitada pelas minhas glândulas. Depois, eu deveria desfazer esse movimento na mesma velocidade e só desviar os olhos da ponta do dedo quando este trabalho estivesse completo. Karran pediu que eu repetisse este mesmo processo sete vezes: mover o dedo até a testa, tocar a testa, massagear e voltar lentamente o dedo, até esticar completamente o braço, sem desviar o olhar. TRABALHO DE CONTATO ENERGÉTICO ENTRE AS GLÂNDULAS
  11. 11. Em seguida Karran pediu para que eu fechasse os olhos e os movimentasse da mesma maneira anterior, que, convergindo-os em direção ao centro da testa, segurasse-os nesta posição por cinco segundos e depois os soltasse voltando à posição normal. Este trabalho também deveria ser feito sete vezes e, ao fazer este último movimento, eu já devia estar deitada, com a barriga para cima. As palmas das mãos também deveriam estar viradas para cima. Karran esclareceu que eu saberia se estava fazendo corretamente este exercício quando percebesse um clarão interior O que esta luminosidade interior era a descarga energética que promovia o contato de uma glândula com outra. TRABALHO DE CONSTRUÇÃO DAS FORMAS NUMÉRICAS Agora, vamos fazer o trabalho mais importante: A ativação de áreas inativas do cérebro. Ele pediu-me que fechasse os olhos e mantivesse-os assim. Em seguida mandou que eu observasse a tela escura que se formava logo à minha frente e explicou-me que, embora tenhamos
  12. 12. a sensação de que ela está à nossa frente, ela não está, porque ela se forma da mesma maneira que se formam as imagens que vemos quando estamos com os olhos abertos (internamente). Pediu, então, para que eu fizesse o primeiro número da série nesta tela: o número 10. Como este número é composto de dois algarismos, eu teria que dividi-lo, colocando o número 1 do meu lado esquerdo e o número 0 do meu lado direito. Procurei fazê-los bem bonitos, como eu vinha fazendo, mas fui interrompida por ele. Karran explicou-me que eu não devia lançá-los nesta tela, que não devia vê-los ali, como eu estava vendo, mas que o que eu devia fazer era construí-los ali naquela tela. Karran esclareceu que eu devia sentir o movimento de cada número da série sem vê-lo e que todos os números deveriam ser construídos nesta tela. Explicou-me que, assim como o número 10 foi dividido, o número I do lado esquerdo e o número 0 do lado direito do meu cérebro, os demais números também teriam que ser. Ele dividiu a série de números, que tem início com o número 10 e termina com o 0, em três grupos, desta maneira:
  13. 13. Lado esquerdo da tela: 1, 4, 3 e 2. Lado direito da tela: 0, 9, 7 e 6. Quanto ao terceiro grupo, que é composto dos números 8, 5, 1 e 0, Karran explicou que estes números deveriam atravessar o cérebro e que estes eram os únicos que poderiam ter os seus movimentos de construção passando por entre os conjuntos que formam o nosso feixe nervoso. Assim, o número 8 deveria ser construído na tela horizontalmente e com amplitude nos movimentos de construção. O número 5 também devia ser composto de amplos movimentos de construção, para que, assim como o número 8, pudesse trabalhar o lado direito e o lado esquerdo do cérebro. Mas o 5 bem como os demais números do terceiro grupo deveriam ser construídos na tela na posição vertical. Os movimentos que Karran fazia para demonstrar enquanto Zirr traduzia podem ser melhor visualizados e compreendidos através da seguinte ilustração:
  14. 14. Karran explicou também que cada número deveria ser trabalhado durante um minuto, e que o número de vezes que eu iria construir cada número, dentro desse minuto, seria determinado pelo meu ritmo físico. Cada pessoa, disse Karran, tem o seu próprio ritmo e esse ritmo é determinado pelo número de impulsos cerebrais por minuto.
  15. 15. TRABALHO DE CONSTRUÇÃO DO CANAL DE SAÍDA O número 0, que determina o final da série de números, eu deveria trabalhá-lo como todos os outros. Porém, ao final de um minuto, eu iria acrescentar mais um movimento ao movimento giratório com o qual é feito o número 0. Enquanto se processasse o movimento giratório do número 0 eu deveria contar mental-mente de 1 a 3 e, no final do terceiro número, lançar mentalmente, para fora desta tela, os anéis de energia que se formam com a construção do número 0. Com este movimento de lançar estes anéis de energia, eu estaria determinando o meu caminho de saída consciente para fora do meu corpo físico, pois estes anéis de energia, após serem lançados para fora do nosso corpo físico, se transformam em um canal de saída da freqüência física e entrada na freqüência extrafísica. Para voltar à minha matéria bastaria eu me aproximar do meu corpo físico, que este me atrairia para ele novamente. Então, eu deveria inverter o movimento do número 0 até pará-lo totalmente, para que eu, estando na matéria, não começasse a perder a energia que me é indispensável no meu funcionamento diário.
  16. 16. Perguntei-lhe quanto tempo eu deveria permanecer na construção deste canal de saída. Ele me disse que de 30 a 40 minutos era um bom tempo. Eu quis saber de Karran, se estes exercícios já tinham sido ensinados antes a alguém ou se era a primeira vez que isto era feito. Ele respondeu que esses exercícios já tinham sido várias vezes ensinado, mas as pessoas sempre modificaram os exercícios e adaptaram, com o passar dos tempos, o objetivo deste trabalho, que é a autoconsciência. Eu estava olhando todos os movimentos que ele estava fazendo para demonstrar os exercícios e perguntei quanto tempo eu teria que ficar fazendo este trabalho. Disse-me que sete vezes cada um dos movimentos estava bom. Antes que eles abrissem a pasta eu quis esclarecer uma dúvida com Zirr. Puxei-o pelo braço e perguntei se ele sabia o que era autoconsciência. – Autoconsciência é você saber quem é você, o que é você, e por que você. – respondeu Zirr. Eu olhei para ele e disse confiante: – Ah, mas isto eu sei Zirr! Será que o Karran pensa que eu não sei quem sou?
  17. 17. Então Zirr viu que eu não tinha entendido suas palavras. Ele já estava perto de mim, mas colocou-se de frente para mim, pôs suas mãos nos meus ombros e disse : – Não Bianca, não é desta consciência que estamos falando, mas de uma outra, de um outro tipo de saber. Quem é você não se limita a quem é você agora, mas é também quem você foi antes deste agora, em vidas passadas. O que é você é um estudo que você fará sobre seu corpo físico para que possa dominá-lo. E por que você é o entendimento que você vai adquirindo das vidas passadas, do domínio sobre sua matéria, e, provavelmente, entenderás no futuro, o porquê até mesmo, deste momento de agora. BAIXE GRATUITAMENTE LIVROS E ÁUDIO-LIVROS DE BIANCA NO SITE WWW.TFCA.COM.BR/LIVROS.HTML VEJA OS BOLETINS INFORMATIVOS www.tfca.com.br/boletins.html www.tfca.com.br/informativos.html
  18. 18. Siga-nos! Página da TFCA no Youtube http://www.youtube.com/tfca1976 Página da TFCA no Twitter http://www.twitter.com/tfca1976 Página da TFCA no Orkut http://www.orkut.com.br/Main#Profile?uid=11758389851546600945 Página da TFCA no Facebook http://www.facebook.com/tfca1976 Página da TFCA no MySpace http://www.myspace.com/tfca1976 Contato para Cursos: Brasília - Mariza Andrade - (61) 9205 1562 / (61) 8102 0697 São Paulo - Walmir Costa - (11) 9234 39 56 / (11) 2026 3684 Curitiba - Diogo Nicoletti - (41) 9610 0183 / (41) 8413 0044
  19. 19. Centro de Estudos de Sineidologia Ltda. Fazenda Maik-buz, Rodovia Br. 060, km 05 – Zona Rural Santo Antônio do Descoberto – GO End. Correspondência: Caixa Postal, nº 08 – Centro - Alexânia – GO - CEP: 72.930-970 Site Oficial: http://www.tfca.com.br E-mail: tfca@tfca.com.br Fonte Bibliográfica: As Possibilidades do Infinito – Edição 2010 Direitos Autorais: O nome TFCA – Técnica Física para a Conquista da Autoconsciência é propriedade do CESSINE – Centro de Estudos de Sineidologia Ltda. Todo o conteúdo desta apostila é propriedade intelectual, e sua cópia/reprodução e distribuição são permitidas. Observações: As afirmações contidas neste texto são baseadas no conhecimento adquirido por Bianca no mundo extrafísico, e também em informações repassadas por Karran. Estas informações têm por objetivo divulgar as informações recebidas assim como foram repassadas, e demonstrar a variedade de conhecimentos natural da TFCA. Não é intenção da TFCA modificar ou incentivar a modificação de quaisquer tratamentos clínicos ou cirúrgicos. Quaisquer modificações que os leitores venham a praticar em seus modos de vida em decorrência de informações contidas neste texto são de sua inteira responsabilidade.

×