Funções da linguagem 2013

18,722 views

Published on

Published in: Technology
1 Comment
53 Likes
Statistics
Notes
  • O senhor poderia me enviar este trabalho para fins avaliativos... ibson64@hotmail.com
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
No Downloads
Views
Total views
18,722
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
629
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
1
Likes
53
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Funções da linguagem 2013

  1. 1. Professor José Ricardo Lima www.literaturaeshow.com.br
  2. 2. Funções da Linguagem <ul><li>A linguagem pode ser usada de diferentes formas pelo emissor de uma mensagem durante um processo de comunicação. A escolha precisa da função da linguagem mais adequada aumenta a chance de êxito no processo de comunicação, ou seja, a reação desejada no receptor. </li></ul><ul><li>Mas antes de falarmos especificamente sobre cada função, observe os slides a seguir: </li></ul>
  3. 3. <ul><li>PARA QUE HAJA COMUNICAÇÃO ENTRE OS SERES HUMANOS, SÃO NECESSÁRIOS ALGUNS FATORES QUE CHAMAMOS DE: </li></ul>
  4. 4. Elementos da Comunicação Humana <ul><li>EMISSOR: aquele que comunica algo a alguém; </li></ul><ul><li>RECEPTOR: aquele com quem o emissor se comunica; </li></ul><ul><li>MENSAGEM: tudo aquilo que se comunicou. </li></ul>!
  5. 5. LEVANTE-SE EM SILÊNCIO AGORA!
  6. 6. VOCÊ JÁ PODE SE SENTAR DE NOVO!
  7. 7. Elementos da Comunicação Humana <ul><li>CÓDIGO: a convenção social que permite ao receptor entender a mensagem. </li></ul>
  8. 8.   
  9. 9. Elementos da Comunicação Humana <ul><li>CÓDIGO: a convenção social que permite ao receptor entender a mensagem. </li></ul><ul><li>CANAL: o meio físico que conduz a mensagem do receptor. </li></ul><ul><li>CONTEXTO: o assunto da mensa-gem. </li></ul>
  10. 10. As funções da linguagem aparecem quando cada um desses emissores são colocados em destaque. CÓDIGO CANAL MENSAGEM RECEPTOR EMISSOR REFERENTE
  11. 11. CÓDIGO CANAL MENSAGEM RECEPTOR EMISSOR REFERENTE EMOTIVA CONATIVA REFERENCIAL METALINGUÍSTICA FÁTICA POÉTICA
  12. 13. Função EMOTIVA <ul><li>Ocorre quando o EMISSOR é posto em destaque, ou seja, a mensagem está centrada na expressão dos sentimentos do emissor. É um texto pessoal, subjetivo. É comum o uso de verbos e pronomes em 1ª pessoa e também o uso de pontos de exclamação e interjeições. Bons exemplos da função emotiva são textos líricos. </li></ul>NÃO SE ESQUEÇA: A função emotiva também é chamada de Função EXPRESSIVA.
  13. 15. Função EMOTIVA <ul><li>SONETO DE FIDELIDADE </li></ul><ul><li>(Vinícius de Moraes) </li></ul><ul><li>De tudo ao meu amor serei atento </li></ul><ul><li>Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto </li></ul><ul><li>Que mesmo em face do maior encanto </li></ul><ul><li>Dele se encante mais meu pensamento. </li></ul><ul><li>Quero vivê-lo em cada vão momento </li></ul><ul><li>E em seu louvor hei de espalhar meu canto </li></ul><ul><li>E rir meu riso e derramar meu pranto </li></ul><ul><li>Ao seu pesar ou seu contentamento </li></ul>
  14. 16. Função EMOTIVA <ul><li>E assim, quando mais tarde me procure </li></ul><ul><li>Quem sabe a morte, angústia de quem vive </li></ul><ul><li>Quem sabe a solidão, fim de quem ama </li></ul><ul><li>Eu possa me dizer do amor (que tive): </li></ul><ul><li>Que não seja imortal, posto que é chama </li></ul><ul><li>Mas que seja infinito enquanto dure. </li></ul>
  15. 17. Função EMOTIVA <ul><li>CARACTERÍSTICAS: </li></ul><ul><li>Primeira pessoa do singular (eu); </li></ul><ul><li>Emoções; </li></ul><ul><li>Interjeições; </li></ul><ul><li>Exclamações. </li></ul><ul><li>ONDE APARECE: </li></ul><ul><li>Blogues; </li></ul><ul><li>Autobiografia ; </li></ul><ul><li>Cartas de amor. </li></ul>RESUMINDO
  16. 19. Função CONATIVA <ul><li>Ocorre quando o RECEPTOR é posto em destaque, ou seja, a linguagem se organiza no sentido de convencer o receptor. Neste tipo de função é comum o emprego de verbos no imperativo e verbos e pronomes na 2ª ou na 3ª pessoas. Bons exemplos da função conativa são os textos de publicidade e propaganda. </li></ul>NÃO SE ESQUEÇA: A função conativa também é chamada de Função APELATIVA.
  17. 21. Função CONATIVA <ul><li>VOCÊ </li></ul><ul><li>(Roberto C. / Erasmo C.) </li></ul><ul><li>Você que tanto tempo faz </li></ul><ul><li>Você que eu não conheço mais </li></ul><ul><li>Você que um dia eu amei demais </li></ul><ul><li>Você que ontem me sufocou </li></ul><ul><li>De amor e de felicidade </li></ul><ul><li>Hoje me sufoca de saudade </li></ul>
  18. 22. Função CONATIVA <ul><li>CARACTERÍSTICAS: </li></ul><ul><li>Segunda pessoa do singular; </li></ul><ul><li>Verbos no Imperativo. </li></ul><ul><li>ONDE APARECE: </li></ul><ul><li>Discursos políticos; </li></ul><ul><li>Sermões; </li></ul><ul><li>Publicidade. </li></ul>RESUMINDO
  19. 24. Função METALINGUÍSTICA <ul><li>Centralizada no CÓDIGO , usando a linguagem para falar dela mesma. A poesia que fala da poesia, da sua função e do poeta, um texto que comenta outro texto. Principalmente os dicionários são repositórios de metalinguagem. </li></ul>
  20. 26. Função METALINGUÍSTICA <ul><li>metalinguagem . [De met(a)- + linguagem .] S. f. 1. E. Ling. A linguagem utilizada para des-crever outra linguagem ou qualquer sistema de signifi-cação: todo discurso acerca de uma língua, como as defini-ções dos dicionários, as regras gramaticais, etc. Ex.: chover é um verbo defectivo. </li></ul>
  21. 27. Função METALINGUÍSTICA <ul><li>“ A leitora que é minha amiga e abriu este livro com o fim de descansar da cavatina de ontem para a valsa de hoje, quer fechá-lo às pressas, ao ver que beiramos um abismo! Não faça isso, querida; eu mudo de rumo.” </li></ul>
  22. 28. <ul><li>CARACTERÍSTICAS: </li></ul><ul><li>Referência ao próprio CÓDIGO . </li></ul><ul><li>ONDE APARECE: </li></ul><ul><li>Dicionários e Gramáticas. </li></ul><ul><li>Poesia sobre poesia; </li></ul><ul><li>Cinema sobre cinema; </li></ul><ul><li>Propaganda sobre propaganda; </li></ul>RESUMINDO
  23. 30. Função FÁTICA <ul><li>Centralizada no CANAL , tendo como objetivo prolongar ou não o contato com o receptor, ou testar a eficiência do canal. Linguagem das falas telefônicas, saudações e similares. </li></ul>
  24. 32. Função FÁTICA <ul><li>Ele: ‑ Pois é. </li></ul><ul><li>Ela: - Pois é o quê? </li></ul><ul><li>Ele: - Eu disse só pois é! </li></ul><ul><li>Ela: - Mas ‘pois é’ o quê? </li></ul><ul><li>Ele: - Melhor mudar de conversa porque você não me entende. </li></ul><ul><li>Ela: - Entender o quê? </li></ul><ul><li>Ele: - Santa Virgem, Macabéa, vamos mudar de assunto e já.” </li></ul>
  25. 33. Função FÁTICA <ul><li>CARACTERÍSTICAS: </li></ul><ul><li>Interjeições; </li></ul><ul><li>Tentativa de manter a comunicação; </li></ul><ul><li>Lugar-comum. </li></ul><ul><li>ONDE APARECE </li></ul><ul><li>Saudações; </li></ul><ul><li>Pedidos de atenção; </li></ul><ul><li>Comentários sobre o clima. </li></ul>RESUMINDO
  26. 35. Função REFERENCIAL <ul><li>Centralizada no REFERENTE , quando o emissor procura oferecer informações da realidade. Objetiva, direta, denotativa, prevalecendo a 3ª pessoa do singular. Linguagem usada nas notícias de jornal e livros científicos. </li></ul>
  27. 37. Função REFERENCIAL <ul><li>A origem dos seres vivos está intimamente associada às circunstanciais transforma-ções ocorridas desde a forma-ção do planeta Terra, há cerca de 4,5 bilhões de anos, passando por momentos de aquecimento e resfriamento, radiações UV, descargas elétricas, intenso vulcanismo, precipitações e evaporações. </li></ul>
  28. 38. Função REFERENCIAL <ul><li>CARACTERÍSTICAS: </li></ul><ul><li>Terceira pessoa do singular (ele/ela) </li></ul><ul><li>Informações </li></ul><ul><li>Descrições de fatos </li></ul><ul><li>Neutralidade </li></ul><ul><li>ONDE APARECE: </li></ul><ul><li>Jornais e revistas; </li></ul><ul><li>Livros técnicos; </li></ul><ul><li>Teses e dissertações. </li></ul>RESUMINDO
  29. 40. Função POÉTICA <ul><li>Centralizada na MENSAGEM , revelando recursos imaginativos criados pelo emissor. Afetiva, sugestiva, conotativa, ela é metafórica. Valorizam-se as palavras, suas combinações. É a linguagem figurada apresentada em obras literárias, letras de música, em algumas propagandas etc. </li></ul>
  30. 42. Função POÉTICA <ul><li>beba coca cola </li></ul><ul><li>babe cola </li></ul><ul><li>beba coca </li></ul><ul><li>babe cola caco </li></ul><ul><li>caco </li></ul><ul><li>cola </li></ul><ul><li>c l o a c a </li></ul>
  31. 43. Função POÉTICA <ul><li>A luz lambe as folhas. A luz lambe a parte externa das coisas. Quando a luz lambe, as coisas aparecem. Os olhos piscam quando os flashes flecham. Os zooms fecham em close. Pessoas fazem pose. A luz lambe lambe. </li></ul>
  32. 44. Função POÉTICA <ul><li>CARACTERÍSTICAS: </li></ul><ul><li>Subjetividade; </li></ul><ul><li>Figuras de linguagem; </li></ul><ul><li>Brincadeiras com o código. </li></ul><ul><li>ONDE APARECE: </li></ul><ul><li>Letras de música; </li></ul><ul><li>Propaganda; </li></ul><ul><li>Poesia . </li></ul>RESUMINDO
  33. 46. Na prática, existem textos em que duas ou mais funções da linguagem se misturam. Na maioria das vezes, uma delas aparece de forma predominante, mas pode ser que, em alguns casos, não consigamos inferir qual função aparece mais em determinados textos. ATENÇÃO
  34. 47. DESENCANTO – M. Bandeira <ul><li>Eu faço versos como quem chora </li></ul><ul><li>De desalento... de desencanto... </li></ul><ul><li>Fecha o meu livro, se por agora </li></ul><ul><li>Não tens motivo nenhum de pranto. </li></ul><ul><li>Meu verso é sangue. Volúpia ardente... </li></ul><ul><li>Tristeza esparsa... remorso vão... </li></ul><ul><li>Dói-me nas veias. Amargo e quente, </li></ul><ul><li>Cai, gota a gota, do coração. </li></ul>
  35. 48. DESENCANTO – M. Bandeira <ul><li>E nestes versos de angústia rouca, </li></ul><ul><li>Assim dos lábios a vida corre, </li></ul><ul><li>Deixando um acre sabor na boca. </li></ul><ul><li>- Eu faço versos como quem morre. </li></ul>

×