Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
Upcoming SlideShare
Apresenta Curso
Next
Download to read offline and view in fullscreen.

0

Share

Download to read offline

As TICs na Formação Contínua do Professor

Download to read offline

Related Books

Free with a 30 day trial from Scribd

See all
  • Be the first to like this

As TICs na Formação Contínua do Professor

  1. 1. Internet e inclusão: otimismos exacerbados e lucidez pedagógica In: Educação eComunicação. O ideal de inclusão pelas Tecnologias de informação. Galli Soares SãoPaulo, Cortez: 2006. Lisliê Lúcia Lima Pereira Ribeiro Esse texto é parte de um estudo mais amplo realizado na leitura do livro“Educação e Comunicação: O ideal de inclusão pelas tecnologias de informação:Otimismo exacerbado e lucidez pedagógica”, da autora Suely Galli Soares,especificamente do capítulo III que enfoca a internet e a inclusão, com o título: Internete inclusão: otimismos exacerbados e lucidez pedagógica. Texto estudado como parte dadisciplina “Comunicação e Tecnologia em Supervisão Pedagógica e Formação deFormadores”, do curso de Pós-Graduação em Supervisão Pedagógica e Formação deFormadores com acesso ao Mestrado Europeu em Ciências da Educação. Nos dias atuais, por conseqüência da globalização, o mudo se tornou um únicolugar, sem fronteiras geográficas e com livre acesso as diferentes culturas. O uso eavanço da internet propiciaram a comunicação global, configurando, segundoBiernatzki SJ (2001) dois modelos de telecomunicações: um idealista e um estratégico.Para Mansell (2001) o modelo idealista abarca toda a sociedade, sendo considerado“otimismo exacerbado”; já o modelo estratégico é direcionado a determinados usuários. O discurso sobre o livre acesso a internet revela uma sociedade digital, “[...]aposta muito na cidadania pela inclusão digital, ou seja, há mais otimismo do quepessimismo nas perspectivas da Internet em seu potencial de inclusão.”(SOARES,2006:100). É ilógico negar os benefícios que a tecnologia proporcionou e proporciona nasociedade atual, como informação em tempo real, suporte pedagógico dentre outrosbenefícios. Contudo, faz-se necessário indagar se esta tecnologia é de fatodemocratizada e extensiva a todos, se as possibilidades da educação a distânciaconcretiza o ideal de inclusão. O que vemos é que o avanço tecnológico trouxe mudanças em toda a sociedade,no âmbito educacional não foi diferente, a internet favoreceu o crescimento daEducação a Distância (EaD). No Brasil, o Ministério da Educação e Cultura (MEC) tem incentivado a EaDem todos os níveis de ensino, principalmente no ensino superior, para suprir o déficit na
  2. 2. formação de professores. A EaD é regulamentada pela Portaria nº 2253 de 18 deoutubro de 2001, a partir do artigo 81 da LBD 9394/96 e no artigo 1º do Decreto nº2494 de 10 de fevereiro de 1998, onde prevê que um curso superior reconhecido podeofertar 20% de sua carga horária com o método não presencial, desde que auniversidade ou centro universitário reveja o projeto pedagógico do curso e especifiqueo método não presencial. Apesar de a internet ser o recurso mais utilizado na EaD, ela não é o únicorecurso, pois deve se considerar as diferentes realidades sócio culturais e favoreceroutros recursos como vídeos e textos impressos. As tecnologias de informação e comunicação (TICs) usada para a formação deprofessores têm seu lado positivo e seu lado negativo. Pode ser positivo desde que osenvolvidos na EAD, ou seja, aluno e professor tenham acesso de qualidade aos recursostecnológicos e pode ser negativo se apesar de ter um acesso de qualidade aos recursostecnológicos, a tecnologia não conseguir promover a interação necessária para acontecera aprendizagem. As TICs também influenciam no modelo de ensino por alterar a relação ensino eaprendizagem, uma vez que o docente tem a autonomia de pesquisa e o acadêmico temacesso ao ferramental. Isso requer uma mudança no docente, no sentido de conhecer asTICs, visando orientar os discentes a melhor maneira de utilizar as TICs. As Tecnologias de Informação e Comunicação, tornaram-se um desafio naformação e prática do professor Uma vez que ampliaram os níveis de exigências em sua capacitação que incluientre outros conhecer o site enquanto ferramental para auxiliar seu trabalho erecomendar aos seus alunos. Hoje em dia não basta apenas recomendar os livros, os alunos tem o mesmo oumais acesso as informações que o professor. Por isso é de grande valia o professorconhecer sites pertinentes a sua área de conhecimento e confiáveis, para poder indicaraos seus alunos, contribuindo assim para a realização da pesquisa do aluno e evitando orecorte e cole. Desse modo, o professor tem as tecnologias de informação ecomunicação a seu favor e não contra. Entretanto, para o professor conhecer ele precisa pesquisar, ou seja, é necessárioque haja uma formação de qualidade, que contemple as novas necessidades do mundoatual. Aos professores que já estão atuando, pode-se pensar na formação continuada de
  3. 3. qualidade por meio do HTPC (horário de trabalho pedagógico coletivo), momentos quedeveriam ser de aprendizagem e pesquisa. Outra questão problematizadora é sobre a profissionalização dos formadores deprofessores, que no sentido anglo-saxão designa a transformação de um ofício emprofissão e no sentido clássico francês designa a transformação de uma práticadesinteressada e ocasional em um ofício, com reconhecimento e formação específica.Segundo a autora alguns professores brasileiros são adeptos a prática ocasionalcomprometendo a qualidade com o ensino e a formação dos alunos. A imagem de professor propagada na sociedade contribui para a exposição dascondições de trabalho e as necessidades básicas da educação não atendidas. Asreflexões sobre profissionalização do professor é uma questão que se desdobra emmuitas outras, por isso é urgente que se realize políticas educacionais tendo em vista acontextualização da formação do professor e da sociedade, buscando reduzir oafastamento entre a formação e as exigências da sociedade. Para Castanho (2000) vivemos a chamada fase de transição de paradigmas emeducação. Galli Soares (2006) afirma: O paradigma educacional emergente da sociedade informatizada e das informações por ela desencadeadas direciona também o debate para os espaços pedagógicos escolares, envolvendo o professor e reconhecendo sua práxis, como forma de inovação por meio de novos ferramentais cuja aplicação com êxito na sala de aula, poderá elevar o conceito de educação e da qualidade da relação ensino e aprendizagem aproximando-a dos multimeios de comunicação e informação de forma didática, pedagógica, ampla e cidadã. (GALLI SOARES, 2006 p.109) Uma formação de professor de qualidade que abarque as tecnologias deinformação e comunicação, pode (re)significar a profissionalização do professor econtribuir para melhorar a qualidade da educação oferecida a sociedade, bem como,aproximar as tecnologias de informação e comunicação na formação do cidadão deacordo com as novas exigências da sociedade. As tecnologias de informação e comunicação ampliaram todo o sistema decomunicação existente na sociedade. Para Galli Soares (2006): Os sistemas de comunicação disponíveis socialmente não apenas mudaram o cenário urbano em suas relações virtuais, como tornou a sociedade mais inteligente e veloz nos processos que eliminam o dispêndio de tempo e a locomoção no ir e vir, entre outras tarefas que sobrecarregam e atrasam o cotidiano. (GALLI SOARES, 2006 p.110)
  4. 4. Os sistemas de comunicação já não se limitam a cartas, telefones ou fax. Hojecom a internet as pessoas podem se comunicar de qualquer lugar e qualquer hora. Elafavorece a comunicação além de facilitar a circulação de informação às pessoas quepodem usufruir desse sistema. Esse sistema oportunizou uma nova conduta queinaugura o fazer a distância, o que exige um entendimento sobre esse fazer.Ação a distancia: entendimento e explicações O desenvolvimento dos meios de comunicação culminou em novos tipos deações: a ação a distancia, que no presente estudo interessa a Educação a Distancia(EAD), até recentemente propagada em rádios, cadernos via correios e televisão portele-aula. Esta última proporcionou a transmissão dos conteúdos mais próximos doaluno. A EAD ganhou destaque com as tecnologias de informação e comunicação, quepermite interação entre professor e aluno, aluno e outros estudantes, professor econteúdo, e ferramentais educacionais que auxiliam no processo ensino aprendizagem. O ensino a distancia pode acontecer de modo síncrono, ou seja, em tempo real,quando todos envolvidos estão on-line. E pode acontecer de modo assíncrono, ou seja,em tempo diferido, quando há uma demora para responder a mensagem. O público da EAD é advindo de diferentes realidades que podem ser: moradoresde regiões distantes; profissionais cobrados por atualização; profissional com tempoindisponível; pessoas interessadas a continuar sua formação e se atualizarem. O MEC por meio das Resoluções e Pareceres regulamenta a EAD, que pode seroferecida pelo Sistema Educacional, Instituições e Empresas, visando objetivocomercial ou social. Para Galli Soares (2006): A Educação a distancia, de caráter social,visa elevar a qualidade de vida e das relações das pessoas, na atual sociedadecompetitiva e de caráter transitório, em seus processos produtivos e de comunicação.(GALLI SOARES, 2006 p.121) Pensar a EAD como um meio para elevar a qualidade de vida é lógico e real,uma vez que a EAD favorece o uso das tecnologias de informação e comunicação semminimizar a interatividade, no entanto, há que considerar a preocupação da autora sobreos otimismos exacerbados do uso da tecnologia e a produção e apropriação deconhecimento
  5. 5. A construção de novos conhecimentos ocorre quando há elaboração cognitiva,ou seja, quando se reflete e questiona hipóteses e duvidas. Essa construção deaprendizagens que resulta em conhecimento conta com as tecnologias de informação ecomunicação, sintetizado na internet com sites e home sites carregados de informações. Para o usuário apreender as informações, o conteúdo precisa ter uma linguagemclara e de fácil compreensão, para favorecer a auto-aprendizagem. Para tanto énecessário o letramento. O letramento ultrapassa a codificação e decodificação da leitura e escrita, serletrado significa apropriar-se da leitura e da escrita fazendo uso social da mesma, ouseja, além de saber ler e escrever é saber utilizar a leitura e a escrita relacionando-as eproduzindo conhecimento, independentemente do contexto social. No ambiente tecnológico existe o letramento digital, que é de suma importânciapara uso e compreensão dos hipertextos que permite o acesso a novas informaçõesampliando o exercício de interpretar e estabelecer relações com outros conteúdos. ParaGalli Soares (2006): O ciberespaço constituído de informações acessíveis pela rede Internet é composto de tecnologia e de gente. É um sistema que possui, como o sistema educacional, um currículo que se mostra, na vitrine virtual, e se oculta na comunicação e no produto dela. (GALLI SOARES, 2006 p.128) Do mesmo modo que a educação escolar, a internet deixa exposta o seucurrículo maquiando a intencionalidade de valores, cabe ao usuário discernir os sites elinks a utilizar para não desviar do foco principal, cabe também conhecer o sistema decomunicação e suas possibilidades; O sistema de comunicação existente nos diferentes setores da sociedaderessignificou as relações urbanas e virtuais, tornando a sociedade mais dinâmica erápida no que se refere ao tempo, espaço e a locomoção de ir e vir diariamente. Aampliação dos multimeios que ultrapassa a telefonia e o fax modificou a comunicação eorganização de todas as pessoas, incluindo as pessoas envelhecidas, que buscam nossoftwares e sites de relacionamento ou troca de e-mail na internet, suprir a solidão eisolamento comum a essas pessoas, surgindo uma nova cultura social e comunicacional. Pesquisadores como Moran, segundo Galli Soares (2006, p.110) explicam estamudança na comunicação pelo “processamento multimidiático”, ou seja, as diferentesformas de veicular a informação.
  6. 6. Neste contexto, surge o paradigma educacional do ciberespaço, exigindo umnovo profissional construtor da comunicação da web, que consiga agregar amultiplicidade das áreas relacionadas no processo de criação e gestão da comunicação,visando à sociabilidade. Para suprir esta demanda multidisciplinar faz-se necessárioprofissionais de diversas áreas como: Pedagogo, Artes Plásticas, Arquitetos, Analista deSistemas e de Telecomunicações, entre outros. Contudo, mesmo tendo uma equipe de profissionais multidisciplinar não garanteo sucesso do site. O grupo de profissionais precisa realizar estudos e planejamento,refletindo sobre o conteúdo, os objetivos, aplicação e resultados, bem como, identificaro público, ter claro a metodologia adotada, o ferramental didático e a avaliação. Aclareza dos objetivos permite estabelecer um roteiro metodológico da comunicaçãodesejada, como também prever os possíveis resultados e sinalizar para uma avaliaçãoque demonstre sua eficácia.Esse conhecimento e domínio passa também pela formação continuada de professores ede gestores educacionais, como profissionais a frente do uso e da administração desistemas de comunicação. A questão da formação continuada de professores tem sido um dos temas maisdebatidos atualmente em função da tão desejada e necessária obtenção de melhorias noprocesso de ensino e aprendizagem. Assim tanto em programas de formação inicialcomo nos de formação continuada, esse desafio se renova. A sociedade moderna com a ampliação das tecnologias de informação ecomunicação interferiu significativamente na escola e consequentemente nos sujeitosenvolvidos nela. Para Galli Soares (2006): O conhecimento técnico ferramental da informática torna-se, como outros, exigência e parte do cotidiano e das relações sociais como componente curricular da formação. [...] para operar tecnologias e fazer uso do acervo informativo da Internet na sua prática educativa, formação que deve ser revisitada oportunizando-se ao profissional de ensino o rito de passagem inadiável das posturas tradicionais para as novas midiatizadas pelas tecnologias. (GALLI SOARES, 2006, p.111) O professor como qualquer outro profissional comprometido em desempenharsua função com excelência, precisa estar constantemente investindo em sua formação,visto que vivemos em uma sociedade mutável, onde os desafios para a práticapedagógica se intensificam com a chegada das tecnologias de informação ecomunicação no meio educacional. Segundo Galli Soares (2006):
  7. 7. Dentre os desafios para a revisão da prática pedagógica, utilizando tecnologias de informação e comunicação, destacam-se a mudança de paradigma didático que carregam latente os professores e a crença na formação continuada necessária para realizar a mudança de postura com as novas perspectivas projetadas pelos recursos e ambientes educacionais. (GALLI SOARES, 2006, p.104) A formação continuada de professores contribui para melhorar a práticapedagógica e qualidade de ensino, no entanto, não é recomendável depositar nela toda aexpectativa na mudança de postura dos professores, uma vez que estes profissionais daeducação em sua maioria estão enraizados nas posturas tradicionais. Por isso, faz-senecessário uma formação inicial e continuada que contemple os desafios da sociedademoderna. Longe da pretensão de esgotar essa discussão, mas de desencadear o debateampliando as perspectivas da construção do conhecimento sobre o uso de tecnologias naeducação sobretudo na formação do professor tema que nos motiva como pesquisadora.

Views

Total views

2,661

On Slideshare

0

From embeds

0

Number of embeds

44

Actions

Downloads

28

Shares

0

Comments

0

Likes

0

×