Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Ce001 28

95 views

Published on

Published in: Travel, Business
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Ce001 28

  1. 1. E S P O R T E S CADERNO DE ZERO HORASEGUNDA | 28| NOVEMBRO| 2005 Aí vem o Grêmio ARIVALDOCHAVES DAVID COIMBRA Mas o que foi isso? O que foi que aconteceu sábado passado nesse estádio de nome tão apropriado, o dos Aflitos, no Recife? Isso que o Grêmio fez, isso não é normal. Não porque venceu o Náutico por 1 a 0, conquistou o título da Série B e retornou à primeira divisão. Não. Foi a forma como isso aconteceu. O que o Grêmio fez não foi apenas improvável. Foi impossível. A façanha do Grêmio em Pernambuco é única, nunca aconteceu antes, certamente jamais se repetirá. Foi uma seqüência de milagres. O primeiro, aos 31 minutos, quando o árbitro Djalma Beltrami assinalou pênalti contra o Grêmio: o lateral Bruno Carvalho bateu e acertou na trave. Até então, tudo vinha dando certo: a três quilômetros de distância, no Estádio do Arruda, o Santa Cruz perdia para a Portuguesa por 1 a 0, resultado que por si classificava o Grêmio. A partir daí, as coisas começaram a desandar. O Santa virou o jogo e passou a desperdiçar gols. E, nos Aflitos, o Grêmio perdeu um de seus melhores jogadores, Ricardinho, por lesão muscular. O volante Lucas entrou em seu lugar, no intervalo. O Náutico pressionava, rondava a área do Grêmio. Aos 30 minutos, Escalona colocou a mão na bola, levou o segundo cartão amarelo e foi expulso. Quatro minutos depois, a bola tocou no cotovelo de Nunes, que estava com o braço junto ao corpo. O árbitro assinalou pênalti. E os jogadores do Grêmio foram tomados por fúria e loucura. Cercaram o árbitro. Agrediram-no. E mais três foram expulsos: Domingos, Nunes e Patrício. O jogo ficou parado por 23 minutos. Quando Ademar tomou distância para bater o pênalti, a situação estava assim posta: o Grêmio com sete em campo, o Náutico com um pênalti a favor e pelo menos mais 11 minutos de partida. Só que Galatto defendeu o pênalti. Ademar cobrou no meio do gol e Galatto tirou com os pés, pela linha de fundo. O empate servia ao Grêmio, mas ainda havia mais 10 minutos de partida de 11 jogadores contra sete. Pela lógica, o Náutico marcaria o gol. Mas não era um jogo lógico, aquele. Depois da cobrança do escanteio, a bola sobrou para Anderson, que driblou Batata e foi derrubado. O árbitro expulsou o zagueiro. Os jogadores do Náutico pareciam perplexos e Anderson se aproveitou dessa perplexidade. Recebeu a bola, entrou na área, passou por dois adversários e tocou para o gol: 1 a 0. O Grêmio venceu. O Náutico teve dois pênaltis a seu favor, o Grêmio teve quatro jogadores expulsos, e ainda assim o Grêmio venceu. O Grêmio é campeão da Série B. Campeão da segunda divisão. Campeão da Segundona. Um título que o Grêmio não queria ter acabou se transformando na sua conquista mais espetacular, na vitória mais extraordinária, incompreensível e inacreditável de seus 102 anos de história. ➧ david.coimbra@zerohora.com.br

×