Aula cirurgia plástica

11,563 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
6 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
11,563
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
347
Comments
0
Likes
6
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Aula cirurgia plástica

  1. 1. INTRODUÇÃO A CIRURGIA PLASTICA Profa. Claudionora Lorini Elaboração Profa. Mst. Vilma Natividade
  2. 2. Onde Queremos Chegar ? Brasil 1°Lugar em cirurgia Plástica 2002 / 20045% dos cirurgiões Brasileiros conhecem a Drenagem linfática Congresso de Cirurgia Plástica 11/2003 Campos do Jordão SP
  3. 3. RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE,FISIOTERAPEUTA EESTETICISTA• Boa comunicação• Respeito• Conhecimento das técnicas aplicadas• Objetivo comum “Bem estar do paciente”
  4. 4. ANESTESIA• LOCAL SUBCUTÂNEA• PERIDURAL MUSCULAR / T12• RAQUIANESTESIA MUSCULAR / T12
  5. 5. ANESTESIA LOCAL
  6. 6. Porque conhecer a técnicaoperatória?• Acesso linfático.• Profundidade do retalho.• Extensão do descolamento.• Tamanho da incisão• Tipo de anestesia• Autorização no pós operatório
  7. 7. CIRURGIAS FACIAIS• RITIDOPLASTIA : • TOTAL OU PARCIAL • Correção dos músculos e sobra de pele da face. • Pode ser associada á blefaroplastia, lipoaspiração mentoneana ou colocação
  8. 8. RITIDOPLASTIA•Lifting Facial ou Ritidoplastia cérvico-facial)•Visa retirar o excesso de pele e reforçar a musculaturaflácida.•TOTAL: abrange 3 andares da face: fronto temporal, 1/3médio e região do pescoço, incluindo pálpebras(Blefaroplastia)•PARCIAL ou mini-lifting: abrange setores da face: ou frontotemporal, ou 1/3 médio ou região do pescoço, pode nãoincluir pálpebras
  9. 9. RITIDOPLASTIA
  10. 10. RITIDOPLASTIA• Pode ser associada à lipoaspiração mentoneana, ou colocação de implantes.• Duração: 3 a 5 horas• Realizada em ambiente hospitalar, com sedação e anestesia local.• Internação 2 horas antes da cirurgia, podendo permanecer de 12 a 24 horas.• Enfaixamento da região, permanece até alta hospitalar.• 3º PO retirada da sutura das pálpebras• Entre 7º e 15º PO retirada dos pontos
  11. 11. Posicionamento em Fowler
  12. 12. RINOPLASTIA
  13. 13. Rinoplastia• Visa a retirada do excesso de cartilagens da ponta nasal, parte do dorso, e eventualmente laterais , assim como retalhos ósseos, que são reposicionados após a fratura intra operatória.• Freqüentemente, associam-se correções fisiológicas como septoplastia reparadora, cauterização de cornetos.• Realizada em ambiente hospitalar, com sedação e anestesia local, ou anestesia geral.
  14. 14. Rinoplastia• Internação 2 horas antes da cirurgia, podendo permanecer de 18 a 24 horas.• Paciente sai da cirurgia com as fossas nasais tamponadas com gase, para minimizar o sangramento pós operatório, que é retirado na alta hospitalar, quando não realizado septoplastia.• Gesso instalado ao final da cirurgia permanece por 7 dias.
  15. 15. Correção da Asa do NarizPonto externo
  16. 16. Correção do dorso ou septocom FraturaGesso
  17. 17. Correção da pontacom enxertia óssea ou cartilagem
  18. 18. BLEFAROPLASTIA
  19. 19. Blefaroplastia• Visa a correção da ptose palpebral superior ou inferior, através da retirada de excesso de pele e das bolsas de gordura• Técnicas:retalho supra ciliar ou palpebral• Realizada em ambiente hospitalar, com sedação e anestesia local, para   diminuir a  sensibilidade  dolorosa e a  ansiedade.• Procedimento  cirúrgico  relativamente  simples, embora  a  delicadeza  e  nobreza  das  estruturas  da  região  o  tornem  bastante  delicado. • Duração: 2 horas• Alta hospitalar: cerca  de  duas a três  horas  após  o seu  término.•  Retirada dos pontos: 7º a 10º PO.             
  20. 20. Retalho supra e infra palpebral
  21. 21. Supra ciliar
  22. 22. Bolsas de gordura
  23. 23. Otoplastia• Visa, principalmente, a correção das “orelhas em abano”, que consiste de 2 problemas: afastamento da  orelha  da  cabeça, provocado pelo aumento do tamanho   da  cartilagem que compõe  a  concha auricular.   ausência  da  dobradura (anti-helix) que  forma  um  “Y” , e deixa aspecto chapado e dobrado para  frente na parte superior. 
  24. 24. Otoplastia•Realizada em ambiente hospitalar, com sedação e anestesia local.•Duração: 1h30min•Alta hospitalar: 3 horas após termino da cirurgia• Sai com turbante e faixa na cabeça.Entre 7º e 15º PO retirada dos pontos
  25. 25. Otoplastia• A retirada da cartilagem é feita através da região posterior da orelha, o que permite que a cicatriz fique praticamente invisível 
  26. 26. Cirurgias Corporais
  27. 27. MASTOPLASTIA
  28. 28. MASTOPLASTIA TÉCNICA OPERATÓRIA PARA REDUZIR EXCESSO DA MAMA
  29. 29. Mastoplastia• Visa, através da redução das mamas, obter harmonia estética entre os caracteres femininos e o restante do corpo, considerando: envergadura dos ombros, estatura e altura do tórax, altura do abdome e postura habitual.• Ocorre grande alteração fisiológica, pelos deslocamentos, secções de vasos, alteração rede linfática.• O procedimento visa reorganizar a mama , muitas vezes mantendo o seu volume, retira: pele,, gordura e tecido mamário, preserva ductos lactiferos.• Técnica: “T” invertido a cicatriz em forma de âncora, existem outras técnicas, como a em “L” com o mesmo resultado.
  30. 30. Mastoplastia• A sensibilidade do mamilo sempre é preservada.• Tempo de cirurgia: 3 a 4 horas• Alta hospitalar: 24 horas• Pontos retirados: entre 7º e 15ºPO• O uso de sutiãs adequados a nova mama, ajudam a sustentar o curativo.
  31. 31. PROTESE MAMÁRIA
  32. 32. Prótese Mamária Indicada para as pacientes com mamas pequenas ou que após amamentação tiveram grande redução do volume mamário, sem que houvesse ptose da mama (queda da mama). Pode ser colocada através de 3 incisões diferentes periareolar: envolta da aréola, submamária: no sulco da mama ou axilar: através da axila. A localização da prótese também pode ser em dois espaços diferentes: abaixo da glândula(encapsula) ou abaixo do músculo. Cada método tem suas vantagens e desvantagens, devendo ser a escolha feita em conjunto pelo médico e paciente, após discussão sobre os prós e contras de cada técnica.
  33. 33. Complicação 15 PO
  34. 34. Cirurgias Corporais
  35. 35. CIRURGIAS CORPORAIS • DERMOLIPECTOMIA OU ABDOMINOPLASTIA
  36. 36. ABDOMINOPLASTIA
  37. 37. INDICAÇÃO PARADERMOLIPECTOMIA
  38. 38. Abdominoplastia• Visa a correção funcional e estética da parede abdominal.• Dependendo do tipo de anormalidade, pode ser necessária a correção dos elementos profundos, musculares, ou os da superfície, com a retirada dos excessos gordurosos.
  39. 39. • DEPRESSÃO DO DIAFRAGMA • ALTERAÇÃO FUNCIONAL DAS VÍSCERAS. • DIFICULDADE RESPIRATÓRIA
  40. 40. Técnicas operatórias3. Mini abdominoplastia com lipoaspiração: retirada de gordura na região acima do umbigo por lipoaspiração, e em seguida retirada de retalho subcutâneo da região inferior do abdome, após deslocamento até o plano muscular. Indicação: quando há excesso de gordura no abdome superior e excesso de pele no abdome inferior
  41. 41. Abdominoplastia• Anestesia: geralmente a anestesia é peridural, podendo ser utilizada a raquidiana, a geral e raramente a local.• Tempo de cirurgia: 3 horas• Internação: 1 a 3 dias , dependendo da recuperação e da orientação do médico.• O paciente fica com o dreno abdominal por alguns dias e que será retirado conforme a orientação do seu médico.
  42. 42. Abdominoplastia• Curativo após a alta: 5º ao 7ºPO• Deve-se evitar esforços e manter-se em uma postura curvada por até 15 dias, para evitar tensão na cicatriz.• Exercícios físicos devem ser evitados por no mínimo 1 mês.• Deve-se usar uma cinta elástica por ao menos 1 mês, ou pelo período estipulado pelo médico.
  43. 43. Abdominoplastia• Possíveis complicações: hematoma, seroma, infecção, sofrimento da pele, deiscência (abertura da sutura).• Quando a indicação da cirurgia é precisa, a técnica cirúrgica bem executada, os cuidados pré e pós- operatórios seguidos, as complicações são raras.• Por serem as complicações mais freqüentes em paciente fumantes, estes devem abster-se do cigarro por um mês antes da cirurgia, para minimizar os riscos. Resultado definitivo: é atingido após 6 meses da cirurgia, período necessário para a acomodação dos tecidos e amadurecimento da cicatriz.
  44. 44. RETIRADA DO RETALHO
  45. 45. SUTURA
  46. 46. COMPLICAÇÃONECROSE
  47. 47. CICATRIZAÇÃO POR SEGUNDAINTENÇÃO
  48. 48. LIPOPLASTIA• TECNICA QUE RETIRA GORDURA LOCO REGIONAL.
  49. 49. LIPOASPIRAÇÃO MARCAÇÃO PRÉ-OPERATÓRIA ÁREAS DE GORDURA LOCALIZADA
  50. 50. LIPOASPIRAÇÃO TÉCNICA CIRÚRGICA ANESTESIA INCISÕES
  51. 51. LIPOASPIRAÇÃO TÉCNICA CIRÚRGICA USO DE LIPOASPIRADOR / SERINGA CÂNULAS DE LIPOASPIRAÇÃO / VIBROLIPOASPIRADOR
  52. 52. LIPOASPIRAÇÃO TÉCNICA CIRÚRGICA
  53. 53. LIPOASPIRAÇÃO TÉCNICA CIRÚRGICA QUANTIDADE ASPIRADA (15-30% DO VOLUME ASPIRADO : SANGUE !)
  54. 54. LIPOASPIRAÇÃO TÉCNICA CIRÚRGICA LIPOINJEÇÃO
  55. 55. LIPOASPIRAÇÃO PÓS-OPERATÓRIO EQUIMOSES, HEMATOMAS USO DE CINTA COMPLICAÇÕES ? Drenagem linfática
  56. 56. Consiste na retirada de gordura por pequenas incisões – cria túneis.
  57. 57. • 3 TIPOS – SERINGA, VÁCUO, ULTRASSÔNICA.
  58. 58. Tipos de procedimento:1. Úmida:injeta-se solução de Klein H2O destilada (apolar, atrito das moléculas explode a gordura ) Adrenalina (vasoconstritora) Soro meio aquoso Insere a cânula e aspira
  59. 59. Tipos de procedimento:2. Seca: Insere a cânula e aspira Muito atrito, muito extravasamento de sangue
  60. 60. Tipos de procedimento:3. Úmida+US:injeta-se solução de Klein idem à úmida só que com uso de US de 1MHZ aumentando o atrito mecânico, ficando mais fácil a sucção
  61. 61. Tipos de procedimento:4. Vibrolipo+Úmida cânula+ movimento de rotação da cânula para desintegrar a gordura Trauma para paciente é maior Cirurgião faz menos esforço
  62. 62. PALPAÇÃO DO VOLUME A SERASPIRADO
  63. 63. • Canula inicialmente descola pele.• Injeta-se solução de Klein (lipolítica).
  64. 64. Gordura Aspirada
  65. 65. Equimose
  66. 66. Drenagem Linfática
  67. 67. Paciente Pré e pós operatório40 dias
  68. 68. Paciente Pré e pós operatório 90dias (face anterior)
  69. 69. “... A CIENCIA ILUMINADA PELO• OBRIGADA! ELEVA O HOMEM A AMOR, CONQUISTA DA VERDADE OBRIGADA!
  70. 70. Bibliografia consultada• Franco Talita Princípios da Cirurgia Plastica• Editora Artmed 2002• Horibe, Edith Cirurgia Plastica Ed. Manole 1999.• www.sbcp.org• Ferreira,M,Lydia Cirurgia Plastica 1999.

×