Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Professora marly

2,069 views

Published on

Published in: Education, Technology
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Professora marly

  1. 1. IUNIARAGUAIA – INSTITUTO UNIVERSITÁRIO DO ARAGUAIA UFMT – UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DELET – DEPARTAMENTO DE LETRAS ESPECIALIZAÇÃO EM GÊNEROS TEXTUAIS NA ESCOLA PONTAL DO ARAGUAIA - MT
  2. 2. FRICÇÕES LINGUÍSTICAS NAS INTERAÇÕES ESCOLARES: O CASO DOS ALUNOS XAVANTE NO MÉDIO ARAGUAIA Autoras: Marly Augusta Lopes de Magalhães Márcia Elizabeth Bortone
  3. 3. SOCIALIZAÇÃO E INTERAÇÃO DO ALUNO XAVANTE Integrantes: Dayany Ivonete José Neto Keyla Paula Rossana Sarah
  4. 4. Objetivo da pesquisa: Trabalho investigativo em escolas públicas do Médio Araguaia, a fim de observamos como alunos indígenas, Xavantes, absorvem as formas de organização e adaptação ao meio estudantil, fora de seu habitat natural.
  5. 5.  Hipótese da pesquisa: A interação comunicativa entre os alunos Xavante e os demais membros do coletivo escolar, no contexto das escolas públicas do Médio Araguaia, está condicionada por uma série de contradições socioculturais e idiomáticas, que originam as divergências linguísticas e interacionais e afetam o rendimento escolar.
  6. 6. Introdução Os indígenas estão deixando suas aldeias para enfrentar as grandes mudanças no espaço sócio-histórico-cultural das cidades [...]. (Magalhães, Marly e Bortone, Márcia) Pesquisa sociolinguística interacional.
  7. 7. Segundo Bortone, “O abuso de poder, a dominação e a desigualdade se expressam ou reproduzem também nas assimetrias do discurso”. Compete, dessa forma, ao enfoque sociolinguístico, aprofundar-se no estudo das relações entre línguas e assumir, conscientemente, a existência do plurilinguismo, a fim de considerar as funções sociais e o status entre elas.
  8. 8. Um binômio diglóssico → A dificuldade natural que um indígena “aculturado”, apresenta para expressar-se em língua portuguesa sempre foi encarada com jocosidade, quando não como falta de polidez, por não utilizar convenientemente a língua portuguesa. (Souza, 2001) → Aryon Dall’igua Rodrigues inclui o Xavante na família Ge e considera o Xavante como língua. → Conflito interacional (binômio diglóssico)
  9. 9. → Fracasso escolar; → Distanciamento da realidade linguística; → Para que uma comunicação se efetive, é necessário que os falantes compartilhem as mesmas regras de interpretação (pressuposições, interferências, relevâncias, etc.); → Língua Xavante e língua Portuguesa; → Professores.
  10. 10. CONTITUIÇÃO BRASILEIRA E AS LÍNGUAS INDÍGENAS Art. 13. A língua portuguesa é o idioma oficial da República Federativa do Brasil. → DA EDUCAÇÃO Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum e respeito aos valores culturais e artísticos, nacionais e regionais. 2º O ensino fundamental regular será ministrado em língua portuguesa, assegurada às comunidades indígenas também a utilização de suas línguas maternas e processo próprios de aprendizagem.
  11. 11.  A produção textual  Foram recolhidos dados de alunos xavante procurando observar e compreender os fenômenos linguísticos no que se referem ao processo de construção social de significados, os quais foram encontrados várias situações de conflito em relação a coesão, coerência, fonemas e grafemas.  Por exemplo: as vogais têm significado diferente na língua xavante.  O” – água que corre  U – água em uma vasilha para beber  O” a’ a’ – água que cai.
  12. 12. A diferença no sistema fonológico Observa-se que: A língua portuguesa possui 33 fonemas, representados por um alfabeto de 23 letras, atualmente, temos 26, pois foram acrescentadas as letras K, Y e W. A língua Xavante: possui 20 fonemas, 17 grafemas, acrescidos do apóstrofe.
  13. 13.  Observando o texto produzido por um aluno indígena: (...) essa terra antes pouco ocupados e cobertas de vegetação, começam e sem povoadas, a receber asfalto canalização de água casas e edifícios que substituem a antiga paisagem. Paralelo com as entrevistas feitas: Na produção de texto, você tem dificuldade de representar a língua portuguesa graficamente? Comente a respeito disso. I-1- “Os meus colegas estão a disposição se eu estiver duvida de alguma matéria.”
  14. 14.  Fatores relevantes: a interação e a discriminação  “Eu entendo. Mas ainda tenho dificuldade sim. As vezes fico nervoso para apresentar o trabalho. Falar em frente do professor e explicar o trabalho. Pra mim não é fácil.”  “Quando comecei e entrei na escola eu era tímido. Não sabia falar português direito. Às vezes’carguejava’ de vez em quando. O colega da minha turma da sala ria de mim e falavam pra mim. O índio o gato comeu sua língua. Volta pra sua aldeia. Mas entendo alguma palavra. Eu às vezes conversava um pouco. Isso aconteceu em 1992.”
  15. 15.  Nesse trecho podemos entender claramente a dificuldade do aluno índio diante do enfrentamento com outros alunos não índios. Isso vem ao encontro do que a autora coloca.  Assim, diz Magalhães:  “nessa situações, a ausência de uma competência linguística em português resulta em barreira interacional, com a não participação/exclusão do aluno Xavante.”  Por isso, entendemos quanto pode ser prejudicial na vida de qualquer pessoa, sobretudo, para o adolescente.
  16. 16.  I-2 “Sim mas não muito, eu acredito que eu vou aprender.”  No ato da escrita, geralmente tem o hábito de trocar as palavras, qual o equívoco mais frequente?  I-1 “Alguns o índio que entende bem a palavra eles troca e ensinam frequentemente que sabe entende e explicar, mas geralmente. Esse eu, não entendo e tenho dificuldade para explicar. Alguns são palavras difícil posso trocar, mas as vezes entra a palavras, para procurar no dicionário.  I-2 Sim, quando eu encontro uma frase que eu não significado procuro uma rase que faz sentido.”
  17. 17.  Portanto, os fatores determinantes das diferenças de aprendizagem entre o grupo índio e o grupo não índio está na falta de conhecimento de suas especificidades culturais pelos professores e pela falta de um currículo bilíngue nas comunidades indígenas, e não na capacidade cognitiva do aluno xavante.  Entrevista nº 12 (Informante P) [...] Então é falta da gente saber como agir, eu sinto assim: que eu não sei como agir. Mesmo porque, pra mim, foi uma situação nova, para mim foi uma situação novíssima: como te falei eu conhecia índio na televisão. [...] É verdade! Vim conhecer aqui (Aragarças).  (MAGALHÃES, BORTONE, 2008, p. 145)
  18. 18. REFERÊCIAS BIBLIOGRAFICAS PINTO, Antônio Luiz de Toledo, WINDT, Márcia Cristina Vaz dos Santos e CÉSPEDES, Livia. Constituição da República Federativa do Brasil. Saraiva, São Paulo: 2004. PAGLIARINI, Maria Inês. Que português é esse? Vozes em conflito. São Carlos: Pedro & João Editores / Cuiabá: EdUFMT: 2008. SOUZA, Álvaro José de. Geografia lingüística: dominação e liberdade. Contexto, São Paulo: 2001.

×