Literatura marginal

6,114 views

Published on

Published in: Technology
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
6,114
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
285
Actions
Shares
0
Downloads
41
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Literatura marginal

  1. 1. LITERATURA PERIFÉRICA NA SALA DE AULA
  2. 2. LITERATURA MARGINAL  Na Literatura Marginal encontramos traços da oralidade misturados a termos de linguagem culta. Incorreções, sintáticas ou de pontuação. Selo editorial desconhecido.  Porém, na atualidade, especialistas o elogiam como donos de um estilo literário próprio e relevante?
  3. 3.  Essa Literatura já tem alguns autores importantes e talentosos, como:  Ferrez;  Sergio Vaz;  Sacolinha;  Alan da Rosa;  Dinha e  Rose da Coperifa.
  4. 4.   ORIGEM DOS AUTORES   TEMÁTICA ABORDADA  Este movimento reúne autores que têm berço nas periferias brasileiras, escrevem sobre temáticas diversas e se mantêm distantes das normas cultas propositalmente.  Cátia Cernov, no recém-lançado Amazônia em Chamas, por exemplo, reúne contos sobre ecologia. Rodrigo Ciríaco, em Te Pego Lá Fora, aborda o cotidiano escolar. Heloisa explica que, no início de carreira, os escritores marginais tendem a falar mais sobre sua realidade, a respeito do "próprio CEP", como eles mesmos definem. Mas muitos abordam outros temas depois.
  5. 5. CARACTERÍSTICA DA LITERATURA MARGINAL A literatura marginal tem como característica a pluralidade. Ela não deve ser, por exemplo, tachada simplesmente de violenta ou de retrato da pobreza e da marginalidade, como costuma ocorrer. Esses temas fazem parte de seu repertório, mas não são os únicos.
  6. 6.  Ao promover o estudo de produções marginais, o professor tende a despertar o interesse dos alunos pelo hábito da leitura e amplia o repertório deles de várias maneiras .  A razão é o contato com os variados gêneros textuais marcados por temáticas geralmente cotidianas e com linguagem coloquial. Somam-se a isso termos e construções textuais diversificados e às vezes mais palatáveis e autores que não estão no panteão culto, aproximando a relação entre quem escreve e quem lê.
  7. 7.  Os alunos podem não perceber a função dos objetos de mediação usados pelo autor, como palavrões e distorções da realidade, e acabar rejeitando a obra. Ou, no extremo oposto, ainda ignorando a mediação, se identificar em demasia com ela e passar a fazer apologia descabida ao material.  É preciso ajudar os estudantes a comparar produções de naturezas diversas. Não com o intuito de mostrar como uma é inferior à outra, mas para que entendam como e por que diferentes grupos interpretam e registram questões muito semelhantes. E, é claro, para se despir de todos os preconceitos.
  8. 8.  REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS  Cultura Letrada - Literatura e Leitura, Márcia Abreu, 128 págs., Ed. Unesp, tel. (11) 3242-7171, 15 reais.

×