Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Modelos assistenciais de saúde

33,600 views

Published on

Aula sobre conceitos de saúde e modelos assistenciais na história do SUS

Published in: Health & Medicine
  • Be the first to comment

Modelos assistenciais de saúde

  1. 1. POLÍTICAS DE SAÚDE NO BRASIL Conceitos fundamentais e modelos assistenciais
  2. 2. SISTEMA DE SAÚDE (CARVALHO; MARTIN; CORDONI Jr, 2001) • Sanitarismo Campanhista - início do Séc. XX a 1945 Combate às doenças que prejudicavam a exportação de café • Período de Transição - 1945 a 1960 Industrialização ® diagnóstico e terapêutica ® dicotomia entre área preventiva e curativa
  3. 3. • Modelo Médico Assistencial Privativista - 1960 ao início déc. 80 Expansão da rede hospitalar e contratação de serviços privados ® ­ população sem assistência de saúde • Modelo Plural - SUS Déc. 80 Reforma Sanitária ® Atenção Primária à Saúde 1986 - 8ª Conferência Nacional de Saúde • Desigualdade no acesso aos serviços de saúde • Inadequação dos serviços às necessidades da população • Qualidade insatisfatória dos serviços oferecidos • Ausência de integralidade das ações
  4. 4. Modelo Plural - SUS 1988 - Constituição Brasileira –- nova política de saúde • 1990 – Leis Orgânicas da Saúde Lei 8080 – condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, organização e funcionamento dos serviços Lei 8142 – participação da comunidade e transferência de recursos financeiros 1996 – 10ª Conferência Nacional de Saúde – SUS: construindo um modelo de atenção para a qualidade de vida • 2000 – 11ª Conferência Nacional de Saúde – Modelos de atenção voltados para a qualidade, efetividade, equidade e necessidades prioritárias de saúde Rouquayrol; Almeida Filho, 2003
  5. 5. SSAAÚÚDDEE 1948 • OMS - É um estado de completo bem-estar físico, mental e social e não a mera ausência de moléstia ou enfermidade . Kawamoto, 1995 8a CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE - É a resultante das condições de alimentação, 1986 habitação, educação, renda, meio ambiente, trabalho, transporte, emprego, lazer, liberdade, acesso à terra, acesso a serviços de saúde (...). Resultado de formas de Organização Social de Produção, as quais podem gerar grandes desigualdades nos níveis de vida. Saúde e doença devem ser entendidas num contexto histórico, tanto nos indivíduos como na coletividade. Brasil, 1987
  6. 6. SSAAÚÚDDEE PPÚÚBBLLIICCAA Saúde Pública é a ciência e a arte de prevenir doenças, prolongar a vida e promover saúde e eficiência mental e física, através de esforços organizados da comunidade, para saneamento do meio, controle das doenças transmissíveis, educação para a higiene pessoal, organização de serviços médicos e de enfermagem, diagnóstico precoce e tratamento das doenças e desenvolvimento de um mecanismo social que permita a cada indivíduo um padrão de vida adequado à manutenção de saúde, organizando esses benefícios, de modo a permitir a cada cidadão alcançar a saúde e a longevidade que lhe cabe de direito. Winslow, citado por Mehry, 1992 MODELO BIOLÓGICO
  7. 7. SSAAÚÚDDEE CCOOMMUUNNIITTÁÁRRIIAA A Saúde Comunitária tem como função primordial a manutenção e melhora da saúde dos componentes de uma comunidade concreta, estudando os fatores sociais e econômicos que podem incidir na comunidade e, portanto, na saúde de seus componentes. Fernandez, 1995
  8. 8. SSAAÚÚDDEE CCOOLLEETTIIVVAA A Saúde Coletiva surge como um esforço de transformação da realidade. Enquanto a saúde pública centra sua ação a partir da ótica do Estado, com os interesses que este representa nas sociedades capitalistas, a saúde coletiva se coloca como recurso de luta popular e da crítica-renovação estratégica do “fazer” estatal. Enquanto a saúde pública assume a consecução de melhorias localizadas e graduais, a saúde coletiva propõe a necessidade de uma ação para a mudança social. Egry, 1996 MODELO EPIDEMIOLÓGICO
  9. 9. QQUUAADDRROO CCOOMMPPAARRAATTIIVVOO SAÚDE PÚBLICA SAÚDE COMUNITÁRIA SAÚDE COLETIVA CONCEITO SAÚDE DOENÇA - Conceito da OMS; - Saúde individualizada, preocupada com a causa da doença, ausência de doença - Conceito da OMS - Saúde idealizada. - Conceito da 8a CNS - Processo coletivo e não só individual METODOLOGIA DE AÇÃO Ação vertical Estado ↓ Profissional ↓ População Organização comunitária Ação horizontal Estado↔Prof.↔Pop. ENFOQUE -Estado -Programas -Indivíduo - Realidade da comunidade - Demandas da população - Participação popular - Coletivo Egry, 1996
  10. 10. MMOODDEELLOO AASSSSIISSTTEENNCCIIAALL Combinação de tecnologias utilizadas pela organização dos serviços de saúde em determinados espaços-populações, incluindo ações sobre o ambiente, grupos populacionais, equipamentos comunitários e usuários de diferentes unidades prestadoras de serviço de saúde. Modo de intervenção em saúde. Paim, 2003 Modo como são produzidas ações de saúde e maneira como os serviços de saúde e o Estado se organizam para produzi-las e distribuí-las. Campos et al., 1989
  11. 11. MMooddeelloo MMééddiiccoo--AAssssiisstteenncciiaall PPrriivvaattiissttaa Mais conhecido e prestigiado Dominante no Brasil Demanda espontânea Procura ao serviço de saúde por doença Quem ‘não tem doença’ não é alcançado pelo sistema de saúde Caráter curativo Não tem atendimento integral à comunidade Não tem compromisso com o impacto sobre o nível de saúde da população Alocação de recursos segundo a demanda desordenada Usado no setor privado e público Rouquayrol; Almeida Filho, 2003
  12. 12. MMooddeelloo AAssssiisstteenncciiaall SSaanniittaarriissttaa Saúde Pública Tradicional Ação sobre certos agravos ou grupos em risco Campanhas (vacinação, combate a dengue) e Programas Especiais (controle da tuberculose, hanseníase, saúde da criança, saúde da mulher) É centralizador Adotado nas instituições públicas de saúde Não contempla a totalidade da situação de saúde Não enfatiza a integralidade da atenção Rouquayrol; Almeida Filho, 2003
  13. 13. MMooddeellooss AAssssiisstteenncciiaaiiss AAlltteerrnnaattiivvooss Integralidade da atenção e impacto sobre os problemas de saúde Acesso universal e igualitário às ações e serviços Rede regionalizada e hierarquizada Descentralização Atendimento integral Participação comunitária Considera as necessidades de saúde da população Proporciona reorientação da demanda Caracteriza o distrito sanitário Rouquayrol; Almeida Filho, 2003
  14. 14. MMooddeellooss AAssssiisstteenncciiaaiiss MODELO SUJEITO OBJETO MEIOS DE TRABALHO FORMAS DE ORGANIZAÇÃO Adaptado de Rozenfeld, 2000 MÉDICO-ASSISTENCIAL PRIVATISTA Médico -especialização -complementariedade -Doença -Doentes (clínica e cirurgia) Tecnologia médica (indivíduo) -Rede de serviços de saúde -Hospital SANITARISTA Médico Sanitarista -auxiliares -Modos de transmissão -Fatores de risco Tecnologia sanitária -Campanhas Sanitárias -Programas especiais -Sistema de Vigilância Epidemiológica e Sanitária ASSISTENCIAIS ALTERNATIVOS Equipe de Saúde População (cidadãos) Danos, riscos, necessidades e determinantes dos modos de vida e saúde (condições de vida e trabalho) Tecnologias de comunicação social, de planejamento e programação local situcional e tecnologias médico-sanitárias Políticas públicas saudáveis -ações intersetoriais -intervenções específicas (promoção, prevenção e recuperação) -operações sobre problemas e grupos populacionais
  15. 15. SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE • Modelo curativo de assistência ¯ • conceito de saúde mais abrangente ¯ • modelo de atenção integral à saúde promoção, proteção e recuperação Perfil epidemiológico da comunidade e infra- estrutura dos serviços
  16. 16. Modelos tecno-assistenciais em saúde: da pirâmide ao círculo Cecílio L. C. O; Cad. Saúde Pública, RJ, 1997 Pirâmide • “...fluxos ascendentes e descendentes de usuários acessando níveis diferenciados de complexidade tecnológica • “...processos articulados de referência e contra-referência • perspectiva racionalizadora, eficiência na utilização dos recursos, universalização do acesso e eqüidade
  17. 17. Modelos tecno-assistenciais em saúde: da pirâmide ao círculo Círculo • “...na prática, é diferente. O sistema de saúde seria mais adequadamente pensado como um círculo, com múltiplas portas de entrada localizadas em vários pontos do sistema e não mais em uma suposta base • hierarquia tecnológica, com o hospital no vértice x organização do sistema de saúde a partir da lógica do usuário • oferecer a tecnologia certa, no espaço certo e na ocasião mais adequada.”
  18. 18. Leitura recomendada • ROUQUAYROL, Maria Zélia; ALMEIDA FILHO, Naomar de. Epidemiologia & Saúde. Modelos de atenção e vigilância da saúde. 6 ed. Rio de Janeiro: MEDSI, 2003. • CECÍLIO, Luiz Carlos de Oliveira. Modelos tecno-assistenciais em saúde: da pirâmide ao círculo, uma possibilidade a ser explorada. Cad. Saúde Públ., Rio de Janeiro, 13(3): 469-478, jul-set, 1997.

×