Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Escutando sentimentos cap 04

102 views

Published on

Curso em 12 aulas com base no Livro "Escutando Sentimentos" de Wanderley Oliveira

Published in: Spiritual
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Escutando sentimentos cap 04

  1. 1. CAPÍTULO 04 estufas psíquicas da depressão.
  2. 2. Felicidade “A felicidade terrestre é relativa à posição de cada um. O que basta para a felicidade de um, constitui a desgraça de outro. Haverá, contudo, alguma soma de felicidade comum a todos os homens?” “Com relação à vida material, é a posse do necessário. Com relação à vida moral, a consciência tranquila e a fé no futuro.”. Consciência tranquila e prazer de viver, a maior conquista das pessoas livres e felizes.
  3. 3. estufas psíquicas da depressão. Na sua opinião o que é Depressão? Você se vê como um(a) deprimido(a)?
  4. 4. estufas psíquicas da depressão. Sente uma tristeza com misto de angustia? Você é muito ansioso(a)?
  5. 5. estufas psíquicas da depressão. Quer controlar tudo e todos a sua volta? Acha que pode resolver os problemas de todos, mas, não resolve os seus?
  6. 6. depressão Depressão é uma intimação das Leis da Vida convocando a alma a mudanças inadiáveis. É a “doença-prisão” que caça a liberdade da criatura, rebelde, viciada em ter seus caprichos atendidos.
  7. 7. depressão Vício sedimentado em milênios de orgulho e rebeldia por não aceitar as frustrações do ato de viver. Em tese, depressão é a reação da alma que não aceitou sua realidade pessoal como ela é estabelecendo um desajuste interior que a incapacita para viver plenamente.
  8. 8. depressão Desde as crises ocasionais da depressão reativa até os quadros mais severos que avançam aos sombrios labirintos da psicose, encontramos no cerne da enfermidade o Espírito, recusando os alvitres da vida.
  9. 9. depressão Através das reações demonstra sua insatisfação em concordar com a Vontade Divina, acerca de Seus Desígnios, em flagrante desajuste. Rebela-se ante a morte e a perda, a mudança e o desgosto, a decepção e os desafios do caminho, criando um litígio com Deus, lançando a si mesmo nos leitos amargos da inconformação e da revolta, do ódio e da insanidade, da apatia e do sofrimento moral.
  10. 10. depressão Seu traço psíquico predominante é a diminuição ou ausência de prazer em quaisquer níveis que se manifeste. Portanto, dilatando as classificações dos respeitáveis códigos humanos, vamos conceituá-la como sendo o sofrimento moral capaz de reduzir ou retirar a alegria de viver.
  11. 11. depressão Sob enfoque espiritual, estar deprimido é um estado de insatisfação crônica, não necessariamente incapacitante. As mais graves psicoses nasceram através de “filetes de loucura controlada” que roubam do ser humano a alegria de continuar sua marcha, de cultivar sonhos e lutas pelos ideais de sobrevivência básica. Nessa ótica, tomemos alguns exemplos para ilustrar nosso enfoque de depressão à luz do Espírito imortal em condutas rotineiras:
  12. 12. .O desânimo no cumprimento do dever. . A insegurança obsessiva. . A ansiedade inexplicável. . A solidão em grupo. . A impotência perante o convite das escolhas. . A angústia da melhora. . A aterrorizante sensação de abandono. . Sentir-se inútil. . Baixa tolerância às frustrações. . O desencanto com os amigos. . Medo da vulnerabilidade. . A descrença no ato de viver. .
  13. 13. . O hábito sistemático da queixa improdutiva. . A revolta com normas coletivas para o bem de todos. . A indisposição de conviver com os diferentes. . A relação de insatisfação com o corpo. . O apego aos fatos passados. . O sentimento de menos-valia perante o mundo. . O descaso com os conflitos, a negação dos sentimentos. . A inveja do sucesso alheio. . A desistência de ser feliz. . A decisão de não perdoar. . A inconformação perante as perdas. . Fixação obstinada nos pontos de vista. . O desamor aos que nos prejudicam.
  14. 14. . O cultivo do personalismo – a exacerbada importância pessoal. . O gerenciamento ineficaz da culpa. . As aflições-fantasma com o futuro. . A tormenta de ser rejeitado. . As agruras perante as críticas. . Rigidez nas atitudes e nos objetivos. . Conduta perfeccionista. . Sinergia com o pessimismo. . Impulso para desistir dos compromissos. . Pulsão para controlar a vida. . Irritabilidade sem causas conhecidas.
  15. 15. Todas essas ações ou sentimentos são sinais de depressão na alma, porque criam ou refletem um desajuste da criatura com a existência, levando a, paulatinamente, a roubar de si mesma a energia da vida. São rejeições à Sábia e Justa Vontade Divina – Excelsa expressão do bem em nosso favor nas ocorrências de cada dia.
  16. 16. Bilhões e bilhões de homens, na vida física e extrafísica, estão deprimidos ou constroem “estufas psíquicas” para futuras depressões reconhecidas pela ótica clínica. Vivem, mas não sabem existir. Perambulam, quase sempre, na alegria de possuir e raramente alcançam o prazer de ser. Ora escravos das lembranças do passado, ora atormentados pelo medo do futuro.
  17. 17. Remorso é um sentimento experimentado por aqueles que acreditam que cometeram uma ação que infringe um código moral (pessoal ou não) que obedecem. O remorso é mais intenso que a tristeza e implica um estado de longo prazo.[1] Em termos de atitude o remorso pode ser entendido como algo entre a tristeza que envolve uma aceitação e a angústia e que envolveria uma não aceitação.[3] A palavra remorso tem origem latina, vem de remorsus, particípio passado de remordere, que significa tornar a morder. Liga-se, portanto, a dilacerar, atacar, satirizar, ferir, torturar, atormentar. A própria etimologia da palavra já nos dá a ideia de como esse sentimento é doloroso e da angústia e até mesmo da vergonha que o acompanha. Isso vem da consciência de termos agido mal. Geralmente vem acompanhado de arrependimento, culpa, lamentação. O remorso é um sentimento sobre os acontecimentos e atitudes do passado. É a sensação do que não era para ser dito, do que não era para ser feito.
  18. 18. O planeta em todas as latitudes experimentará uma longa noite de dores psicológicas, em cujo bojo despontará um homem novo e melhorado em busca dos Tesouros Sublimes, ainda desconhecidos em sua intimidade. Ao formularmos esse foco para a depressão, nossa intenção é estimular a medicina preventiva centrada no Espírito imortal e na educação.
  19. 19. A solução vem da própria mente. A terapêutica está no imo da criatura. Aprender a ouvir os ditames da consciência: eis o que pouco fazem quando se encontram sob sansão da depressão. Esse é o estado denominado “consciência tranquila”, ou seja, quando o self supera as tormentas da culpa e do medo, da ansiedade e do instinto de posse. Aprendendo a arte de ouvir esse guia infalível, a criatura caminha para o sossego íntimo, a serenidade, a plenitude, a alegria.
  20. 20. Nos apelos da consciência encontraremos o receituário para a liberdade e a paz, o equilíbrio e o progresso. A ingestão dessa medicação amarga será a batalha sem tréguas, porque aderir aos ditames consciências significa, antes de tudo, deixar de desejar o que se quer para fazer o que se deve. Nessa escola de novas aprendizagens, a alma fará cursos intensivos de novos costumes emoções através do aprendizado de olhar para si.
  21. 21. Depressão – condição mental da alma que começa a resgatar o encontro com a verdade sobre si mesma depois de milênios nos labirintos da ilusão.

×