Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Medicina Veterinária da Conservação

1,839 views

Published on

Medicina Veterinária da Conservação

Published in: Health & Medicine
  • Login to see the comments

Medicina Veterinária da Conservação

  1. 1. ECOLOGIA E MEIO AMBIENTE Medicina  Veterinária  –  2015-­‐1     Aula  1   Prof.  Biol.  Leandro  A.  Machado  de  Moura   lammoura@uol.com.br  
  2. 2. A  ECOLOGIA  E  O  MÉDICO  VETERINÁRIO       “(...)  a  Natureza  fez  tudo  ao  nosso  favor,  nós,  porém,  pouco  ou  nada  temos   feito   a   favor   da   Natureza.   [...]   nossas   preciosas   matas   vão   desaparecendo,   ví>mas  do  fogo  e  do  machado  destruidor  da  ignorância  e  do  egoísmo.  Nossos   montes  e  encostas  vão-­‐se  escalvando  diariamente,  e,  com  o  andar  do  tempo   faltarão   as   chuvas   fecundantes   que   favoreçam   a   vegetação   e   alimentam   nossas  fontes  e  rios,  sem  o  que  o  nosso  belo  Brasil,  em  menos  de  dois  séculos   ficará   reduzido   aos   páramos   e   desertos   da   Líbia.   Virá   então   este   dia   (dia   terrível  e  fatal),  em  que  a  ultrajada  natureza  se  ache  vingada  de  tantos  erros  e   crimes  come>dos”.         José  Bonifácio,  1823.   (em  Representação  à  Assembleia  LegislaSva  do  Império  do  Brasil  sobre  a  Escravatura)                                                          (Amorim  e  Carneiro,  s.d.  apud  PÁDUA,  2000,  p.27)    
  3. 3. A  ECOLOGIA  E  O  MÉDICO  VETERINÁRIO     LEI  No  5.517,  DE  23  DE  OUTUBRO  DE  1968.       Dispõe  sobre  o  exercício  da  profissão  de  médico  veterinário  e  cria  os  Conselhos  Federal   e  Regionais  de  Medicina  Veterinária.       Art   5º:   É   da   competência   privaKva   do   médico   veterinário   o   exercício   das   seguintes   aKvidades   e   funções   a   cargo   da   União,   dos   Estados,   dos   Municípios,   dos   Territórios   Federais,  enKdades  autárquicas,  paraestatais  e  de  economia  mista  e  parKculares:     a)  a  práKca  da  clínica  em  toodas  as  suas  modalidades;   b)  a  direção  dos  hospitais  para  animais;     c)   a   assistência   técnica   e   sanitária   aos   animais   sob   qualquer   forma;   d)   o   planejamento  e  a  execução  da  defesa  sanitária  animal;     e)   a   direção   técnica   sanitária   dos   estabelecimentos   industriais   e,   sempre   que   possível,  dos  comerciais  ou  de  finalidades  recreaKvas,  desporKvas  ou  de  proteção   onde   estejam,   permanentemente,   em   exposição,   em   serviço   ou   para   qualquer   outro  fim  animais  ou  produtos  de  sua  origem;    
  4. 4. A  ECOLOGIA  E  O  MÉDICO  VETERINÁRIO     LEI  No  5.517,  DE  23  DE  OUTUBRO  DE  1968.       f)   a   inspeção   e   a   fiscalização   sob   o   ponto-­‐de-­‐vista   sanitário,   higiênico   e   tecnológico  dos  matadouros,  frigoríficos,  fábricas  de  conservas  de  carne  e  de   pescado,   fábricas   de   banha   e   gorduras   em   que   se   empregam   produtos   de   origem  animal,  usinas  e  fábricas  de  lacKcínios,  entrepostos  de  carne,  leite  peixe,   ovos,  mel,  cera  e  demais  derivados  da  indústria  pecuária  e,  de  um  modo  geral,   quando   possível,   de   todos   os   produtos   de   origem   animal   nos   locais   de   produção,  manipulação,  armazenagem  e  comercialização;     g)  a  peritagem  sobre  animais,  idenKficação,  defeitos,  vícios,  doenças,  acidentes,   e  exames  técnicos  em  questões  judiciais;     h)  as  perícias,  os  exames  e  as  pesquisas  reveladores  de  fraudes  ou  operação   dolosa   nos   animais   inscritos   nas   compeKções   desporKvas   ou   nas   exposições   pecuárias;     i)  o  ensino,  a  direção,  o  contrôle  e  a  orientação  dos  serviços  de  inseminação   arKficial;    
  5. 5. A  ECOLOGIA  E  O  MÉDICO  VETERINÁRIO     LEI  No  5.517,  DE  23  DE  OUTUBRO  DE  1968.       j)  a  regência  de  cadeiras  ou  disciplinas  especificamente  médico-­‐veterinárias,  bem   como  a  direção  das  respecKvas  seções  e  laboratórios;     l)   a   direção   e   a   fiscalização   do   ensino   da   medicina-­‐veterinária,   bem,   como   do   ensino   agrícola-­‐médio,   nos   estabelecimentos   em   que   a   natureza   dos   trabalhos   tenha  por  objeKvo  exclusivo  a  indústria  animal;     m)   a   organização   dos   congressos,   comissões,   seminários   e   outros   Kpos   de   reuniões  desKnados  ao  estudo  da  Medicina  Veterinária,  bem  como  a  assessoria   técnica  do  Ministério  das  Relações  Exteriores,  no  país  e  no  estrangeiro,  no  que  diz   com  os  problemas  relaKvos  à  produção  e  à  indústria  animal.    
  6. 6. A  ECOLOGIA  E  O  MÉDICO  VETERINÁRIO     LEI  No  5.517,  DE  23  DE  OUTUBRO  DE  1968.       Art  6º:    ConsKtui,  ainda,  competência  do  médico-­‐veterinário  o  exercício  de  aKvidades   ou  funções  públicas  e  parKculares,  relacionadas  com:       a)  as  pesquisas,  o  planejamento,  a  direção  técnica,  o  fomento,  a  orientação  e  a   execução  dos  trabalhos  de  qualquer  natureza  relaKvos  à  produção  animal  e  às   indústrias  derivadas,  inclusive  as  de  caça  e  pesca;     b)  o  estudo  e  a  aplicação  de  medidas  de  saúde  pública  no  tocante  às  doenças  de   animais  transmissíveis  ao  homem;       c)   a   avaliação   e   peritagem   relaKvas   aos   animais   para   fins   administraKvos   de   crédito  e  de  seguro;     d)  a  padronização  e  a  classificação  dos  produtos  de  origem  animal;     e)  a  responsabilidade  pelas  fórmulas  e  preparação  de  rações  para  animais  e  a  sua   fiscalização;      
  7. 7. A  ECOLOGIA  E  O  MÉDICO  VETERINÁRIO     LEI  No  5.517,  DE  23  DE  OUTUBRO  DE  1968.       f)  a  parKcipação  nos  exames  dos  animais  para  efeito  de  inscrição  nas  Sociedades   de  Registros  Genealógicos;       g)   os   exames   periciais   tecnológicos   e   sanitários   dos   subprodutos   da   indústria   animal;       h)  as  pesquisas  e  trabalhos  ligados  à  biologia  geral,  à  zoologia,  à  zootecnia  bem   como  à  bromatologia  animal  em  especial;       i)  a   defesa   da   fauna,   especialmente   o   contrôle   da   exploração   das   espécies   animais  silvestres,  bem  como  dos  seus  produtos;     j)  os  estudos  e  a  organização  de  trabalhos  soobre  economia  e  esta^sKca  ligados  à   profissão;       l)  a  organização  da  educação  rural  relaKva  à  pecuária.      
  8. 8. A  ECOLOGIA  E  O  MÉDICO  VETERINÁRIO     INTERFACE  SAÚDE-­‐AMBIENTE       A  Organização  Mundial  de  Saúde  define  saúde  como  um  estado  completo  de  bem-­‐estar   `sico,  mental  e  social,  e  não  apenas  ausência  de  doença.  Nesta  perspecKva,  passam  a   ser  considerados  os  vários  fatores  que  afetam  e,  muitas  vezes,  determinam  o  estado  de   saúde  individual  ou  coleKvo.  Entre  esses  determinantes  idenKficam-­‐se  as  condições  de   vida  e  de  trabalho,  e,  dentre  elas,  as  condições  ambientais  em  que  se  encontram  ou   são  submeKdos  os  seres  humanos  (OMS,  2003).       Há  uma  co-­‐responsabilidade  do  setor  saúde  com  o  meio  ambiente  para  a  promoção  da   saúde  humana,  criando  uma  estrutura  do  Ministério  da  Saúde:         •  Área  de  Vigilância  Ambiental  em  Saúde                                                                 (Amorim  e  Carneiro,  s.d)  
  9. 9. A  ECOLOGIA  E  O  MÉDICO  VETERINÁRIO     INTERFACE  SAÚDE-­‐AMBIENTE       Área  de  Vigilância  Ambiental  em  Saúde       Por   definição,   a   vigilância   ambiental   em   saúde   se   configura   como   um   conjunto   de   ações   que   proporcionam   o   conhecimento   e   a   detecção   de   qualquer   mudança   nos   fatores   determinantes   e   condicionantes   do   ambiente   que   interferem   na   saúde   humana,   com   a   finalidade   de   idenKficar   as   medidas   de   prevenção   e   controle   dos   fatores  de  riscos  e  das  doenças  ou  outros  agravos  à  saúde,  relacionados  ao  ambiente  e   às  aKvidades  produKvas  (FUNDAÇÃO  NACIONAL  DE  SAÚDE,  2002,  p.71).     •  Epidemiologia  e  Controle  de  Zoonoses       •  Inspeção  de  alimentos  de  origem  animal                                               (Amorim  e  Carneiro,  s.d)  
  10. 10. A  ECOLOGIA  E  O  MÉDICO  VETERINÁRIO     AGROPECUÁRIA  SUSTENTÁVEL     Pode-­‐se  exemplificar  a  importância  do  médico  veterinário  no  desenvolvimento  de  uma   exploração  pecuária  sustentável,  baseada:       •  no  manejo  racional  dos  recursos  naturais,     •  no  uso  responsável  dos  parasiKcidas,  anKbióKcos,  probióKcos  e  hormônios,     •  na  desKnação  dos  dejetos  e  resíduos,  entre  outras  considerações.     Projeto  CaaSnga:  desenvolvido  por  pesquisadores  da  Embrapa  Semi-­‐árido,  objeKva  a   fixação  do  homem  no  campo  através  da  criação  de  empregos  e  geração  de    renda  no   campo,   garanKndo   o   manejo   da   caaKnga   em   bases   sustentáveis   e   revertendo   o   seu   processo  de  degradação  (GUIMARÃES  FILHO,  2000).                                                       (Amorim  e  Carneiro,  s.d)  
  11. 11. A  ECOLOGIA  E  O  MÉDICO  VETERINÁRIO     O  processo  de  desenvolvimento  social  e  econômico  tem  repercussões  nas  relações  que   ocorrem   nos   ecossistemas   impactando,   consequentemente,   a   saúde   dos   seres   humanos.     No   Brasil,   a   urbanização   acelerada   associada   à   forte   concentração   de   renda   está   relacionada   com   o   crescimento   das   áreas   de   pobreza.   Projetos   de   desenvolvimento   não-­‐sustentável,  a  ampliação  do  desmatamento  —  principalmente  na  Amazônia  e  no   Cerrado  —  além  da  qualidade  da  água  para  o  consumo  e  o  saneamento  precário  são   fatores   que   estão   associados   ao   aumento   de   doenças   infecto-­‐contagiosas   como   a   malária  e  a  diarréia,  entre  outras.  Por  sua  vez,  a  contaminação  ambiental  por  poluentes   químicos   e   `sicos,   é   um   emergente   fator   na   geração   de   agravos   à   saúde   (FRANCO   NETTO;  CARNEIRO,  2002).     •  Conservação  Ambiental  =  Medicina  Veterinária  da  Conservação.     Projeto  TAMAR,  Peixe-­‐Boi,  Mico-­‐Leão-­‐Dourado,  Arara-­‐Azul...                 (Amorim  e  Carneiro,  s.d)  
  12. 12. MEDICINA  VETERINÁRIA  DA  CONSERVAÇÃO     Esta   área   assume   cada   vez   maior   importância   socioeconômica,   principalmente   pela   maior  sensibilização  da  sociedade  sobre  a  importância  da  conservação  ambiental.       Há  cerca  de  30  anos,  a  especialidade  restringia-­‐se  aos  cuidados,  à  cura  e  ao  manejo  de   animais   de   zoológico,   que   Knham   por   objeKvo   prioritário   a   exposição   ao   público.   Atualmente,  com  a  abertura  de  criadouros  e  a  preocupação  com  o  futuro  das  espécies   ameaçadas   ou   não   de   exKnção,   a   área   de   atuação   do   clínico   de   animais   silvestres   cresce  constantemente.     A  especialidade  “Animais  Silvestres”  inclui  as  clínicas  médica  e  cirúrgica  de  animais  em   caKveiro  ou  vida  livre,  porém,  diversas  subespecialidades  estão  sendo  criadas:   •  Anestesia,     •  Planejamento  e  a  responsabilidade  técnica  em  criadouros,  zoológicos  e  centros   de  triagem;   •  Reprodução,   para   fins   comerciais   ou   de   conservação,   especialmente   das   espécies  ameaçadas  de  exKnção;   •  Etologia  de  animais  silvestres.   •  Perito  Criminal  federal:  em  parceria  com  o  biólogo  na  idenKficação  taxonômica   de  espécies,  sendo  reservada  ao  médico  veterinário  a  competência  exclusiva  na   determinação   da   causa   mor>s   dos   animais,   com   intuito   de   idenKficar   atos   criminosos  (OLIVEIRA,  2003).    
  13. 13. MEDICINA  VETERINÁRIA  DA  CONSERVAÇÃO     ObjeKvos:       •  Trata-­‐se   de   uma   ciência   que   se   preocupa   com   a   saúde   ambiental.   Envolve   transdisciplinaridade,  tanto  na  pesquisa,  nas  ações  de  manejo  e  na  proposição   de  políKcas  públicas  voltadas  à  manutenção  da  saúde  de  todas  as  comunidades   biológicas  e  seus  ecossistemas.   •  Atuar   em   Medicina   Veterinária   da   Conservação   é   trabalhar   para   manter   a   diversidade  biológica  e,  consequentemente,  a  qualidade  de  vida  para  pessoas,   espécies   domésKcas   e   selvagens,   com   objeKvos   de   manter   um   ambiente   saudável.   •  A   promoção   da   saúde   dos   ecossistemas   e   de   seus   componentes   pode   ser   denominada   Saúde   Ambiental.   Contudo,   considerando   as   interrelações   e   a   complexidade   dos   processos   que   ordenam   os   ambientes   na   Terra,   pode-­‐se   conceituar   que   a   Saúde   Ambiental   é   dependente   da   conjunção   da   Saúde   Humana,   Saúde   Animal   e   Saúde   Vegetal,   garanKndo   a   saúde   de   todo   o   ecossistema.   Revista  CFMV  (no.59),  2013.  
  14. 14. MEDICINA  VETERINÁRIA  DA  CONSERVAÇÃO     •  O   campo   de   trabalho   é   vasto   e   reflete   a   diversidade   de   espécies   de   animais   selvagens.     •  O  planeta  Terra  é  habitado  por  47  mil  espécies  de  vertebrados  (HEIZER  et.  al.,   1999),   e   nelas   estão   incluídos   o   homem   e   cerca   de   50   espécies   de   animais   domésKcos.  Todo  o  restante  é  de  animais  selvagens.     Considerando  a  importância  social  e  econômica,  aliada  à  diversidade  das  espécies,   observa-­‐se  o  surgimento  desta  nova  área  ciência.   Revista  CFMV  (no.59),  2013.  
  15. 15. Revista  CFMV  (no.59),  2013.  
  16. 16. Revista  CFMV  (no.59),  2013.   MEDICINA  VETERINÁRIA  DA  CONSERVAÇÃO       Foco   taxonômico   específico   das   publicações   idenKficados   durante   o   período   de   2010  a  2012.    
  17. 17. Revista  CFMV  (no.59),  2013.   MEDICINA  VETERINÁRIA  DA  CONSERVAÇÃO       “TRABALHAR  COM  ANIMAIS  SILVESTRES,  ACIMA  DE  TUDO,  É  TRABALHAR   COM  GENTE”         •  Trabalho  em  equipe  para  sucesso  do  Projeto.     •  Estabelecer  parcerias  com  iniciaKvas  públicas  e  privadas  que  garantam  sustento  para   as  organizações  (ONGs,  InsKtutos,  Empresas,  Universidades)  e  projetos  de  pesquisas.       •   Sugerir  propostas  que  incenKvem  PolíKcas  Públicas.     •   Comunidades  (Educação  Ambiental).      
  18. 18. MEDICINA  VETERINÁRIA  DA  CONSERVAÇÃO     “Qual   o   impacto   e   a   influência   que   os   médicos   veterinários   [...]   têm   produzido  no  ambiente  de  suas  áreas  de  atuação?  [...]       Que  nível  de  mudanças  se  tem  verificado  na  qualidade  de  vida  dos  que   mourejam  na  agropecuária?  [...]       Qual  tem  sido  a  contribuição  da  medicina  veterinária  [...]  para  modificar  a   perversa  e  iniqua  estrutura  agrária  brasileira,  expropriadora  da  pequena   produção  e  do  trabalhador  rural?       Que  papel  a  universidade  tem  exercido  na  solução  dos  problemas  básicos   de  sua  região?       Que   perfil   deve   ter   o   médico   veterinário   [...]   necessário   ao   desenvolvimento  nacional?  [...]       Que  moKvações,  compromissos  e  aKtudes  eles  devem  internalizar?”                                                                (Pinheiro,  1997)    

×