Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Cab estruturado-unidade3

4,261 views

Published on

Published in: Technology

Cab estruturado-unidade3

  1. 1. Técnico de Manutenção e Suporte em InformáticaCabeamento EstruturadoUnidade 3– NORMA ANSI EIA/TIA 568 Prof. Leandro Cavalcanti de Almeida leandro.almeida@ifpb.edu.br @leandrocalmeida
  2. 2. Já imaginou a bagunça... +
  3. 3. ... o resultado não podia ser outro
  4. 4. Problemas...- Mudança rápida de tecnologia (voz, dados,vídeo,...) não suportada;- Infraestrutura de telefonia privadainadequada para as novas tecnologias;- Rápida saturação de dutos, canaletas eoutros suportes de cabeamento;- Inflexibilidade para mudanças;- Cabeamento não aproveitável com novastecnologias;- Suporte técnico dependente de fabricantes.
  5. 5. Primeira tentativa denormatização paraestruturade cabeamentoem edifícios comerciais
  6. 6. Definida em 1991 a ANSIEIA/TIA 568 definiu onde cada peça deveria estar
  7. 7. ANSI EIA/TIA 568- Implementar um padrão genérico decabeamento de telecomunicações a serseguido por fornecedores diferentes;- Estruturar um sistema de cabeamento intrae inter predial, com produtos defornecedores distintos;- Estabelecer critérios técnicos dedesempenho para sistemas distintos decabeamento.
  8. 8. ANSI EIA/TIA 568 1994ANSI EIA/TIA 568 A - 1999 ANSI EIA/TIA 568 B - 2001 ANSI EIA/TIA 568 C – em construção
  9. 9. Voltando ao desenho... Cabeamento Horizontal - UTP Armário de Telecomunicações 3 Área de Trabalho 2 Cabeamento Vertical - Fibra 1 T Operadora de Entrada do Edifício TelecomunicaçõesSala de Equipamentos Link Backbone
  10. 10. Entrada do Edifício- Define a interface entre o cabeamentoexterno e o cabeamento intra edifício;- Consistem de cabos, equipamentos deconexão, dispositivos de proteção,equipamentos de transição,...
  11. 11. Sala de equipamentos-Abriga equipamentos de telecomunicações,de conexão e instalações de aterramento ede proteção;- Além da conexão cruzada principal ousecundária;- Geralmente fica dentro do próprioDatacenter;
  12. 12. Cabeamento Vertical- Composto por meios de transmissão, cross-connects, terminadores, ...- Geralmente topologia estrela;- Não deve possuir mais de 2 níveis;- Evitar instalações em locais cominterferência eletromagnética;- As instalações devem ser aterradas.
  13. 13. Cabeamento Vertical- Cabos Homologados - UTP de 100 Ohms (800m – voz, 90m dados) - STP de 150 Ohms (90m – dados) - FO Multímodo (2000m – dados) - FO Monomodo (3000m - dados)
  14. 14. Armário de telecomunicações- Local onde são alojados os elementos decabeamento em cada andar do edifício;- Dentro do armário são encontradosterminadores, conectores de cruzamento,terminadores para cabeamento horizontal evertical (pacth panel).
  15. 15. Cabeamento Horizontal- Compreende os cabos que vão desde atomada até o armário de telecomunicações;
  16. 16. Cabeamento Horizontal- Cabos Homologados - UTP de 100 Ohms (90m) - STP de 150 Ohms (90m) - Coaxial de 50 Ohms (90m) - FO Multímodo (90m)
  17. 17. Área de Trabalho- Formada por: - Estação de trabalho - Cabos de ligação - Adaptadores
  18. 18. A norma classifica os cabos deacordo com... DesempenhoAtenuação Largura de Banda Comprimento
  19. 19. Par trançado- Categoria 1-7- 4 pares de fios de cobre trançadosentre si- As tranças criam uma barreiraeletromagnética
  20. 20. Par trançado Categoria 1 e 2- Não são mais reconhecidos- Não existem padrões para oentrelaçamento- Taxa de 2.5 a 4.0 megabits
  21. 21. Categoria 3- 16 MHz- 10 megabits- Impedância de 100 Ohms- Bitola de 24 AWG- Aprox. 24 tranças por metro
  22. 22. Categoria 4- Sinalização de até 20 MHz- 16 megabits- Não é mais reconhecido pela norma- Bitola de 24 AWG- 100 metros
  23. 23. Categoria 5- Frequência de 100 MHz- 100 e 1000 megabits- Bitola de 24 AWG- 100 metros
  24. 24. Categoria 5e- O “e” vem de enhanced- 100, 110, 125 e 155 MHz- Bitola de 24 AWG- 100 metros- Mais comuns atualmente
  25. 25. Categoria 6- 100 metros, no entanto em redes10G cai para 55 metros- 250 MHz- Bitola de 24 AWG
  26. 26. Categoria 6a- O “a” vem de augmented- 500 MHz- Bitola de 24 AWG- 100 metros em redes 10G- Uso do separador
  27. 27. Categoria 7- Ainda não definido- Para redes 100 G
  28. 28. Os cabos Par Trançado sedividem em dois tipos...Não-blindados Blindados
  29. 29. Não-blindadosUTP – Unshielded Twisted PairFlexíveis Pouca interferênciaBaratos Comuns
  30. 30. BlindadosFTP – Foiled Twisted PairSTP – Shielded Twisted PairSSTP – Screened Shield Twisted Pair
  31. 31. Blindados FTPSTPSSTP
  32. 32. Crimpagem Tenha sempre em mãos...
  33. 33. Existem variações danorma 568 ANSI EIA/TIA 568 A ANSI EIA/TIA 568 B
  34. 34. ANSI EIA/TIA 568 A Branco/Verde Verde Branco/Laranja Azul Branco/Azul Laranja Branco/Marrom Marrom
  35. 35. ANSI EIA/TIA 568 B Branco/Laranja Laranja Branco/Verde Azul Branco/Azul Verde Branco/Marrom Marrom
  36. 36. E o Cross-over...Numa ponta o A Outra ponta o B
  37. 37. E o Cross-over...
  38. 38. Crimpagem O conector é composto de 8 lâminasA função do alicate éesmagar as lâminasnos fios
  39. 39. As Fibras Ópticas sãoclassificadas por diversas maneiras Não-GeleadaMonomodo Nº de FibrasConectoresGeleada Multímodo
  40. 40. De que é composta uma Fibra ? Núcleo – Feito vidro de SílicaCladding – Camada de proteção, tambémfeito em Sílica Coating – Material de proteção contra impactos Malha de fibras protetoras Jacket – Cobertura plástica
  41. 41. MMF – Multimode Fibre- A luz percorre a fibra em vários “modos”- Núcleo mais espesso- Distâncias menores (550 metros)- Baratas
  42. 42. SMF – Singlemode Fibre- A luz percorre a fibra em um único modo- Núcleo fino- Distâncias maiores(80 km)- Mais caras
  43. 43. Conectores de Fibra Óptica LC – Lucent ConnectorSC – Subscriber Connector ST – Straight Tip MT RJ – Mechanical Transfer Registered Jack

×