Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

NR18 - Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção

78,504 views

Published on

Published in: Education

NR18 - Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção

  1. 1. NR18 - Condições e MeioAmbiente de Trabalho naIndústria da ConstruçãoAlunos: Anderson AndradeLarissa AguiarNathalia Souza
  2. 2. IntroduçãoConstrução civil é uma das atividades que nas últimasdécadas, obteve um desenvolvimento bastante acentuado. Odesenvolvimento das cidades e o crescimento da populaçãofizeram com que surgisse uma maior demanda por habitaçõese instalações de empresa. Mas, devido ao crescente númerode obras, surgiram também alguns problemas, a falta de mão-de-obra especializada, e os acidentes vêm aumentando.
  3. 3. 18.2 Comunicação Prévia18.2.1 É obrigatória a comunicação à DelegaciaRegional do Trabalho, antes do início das atividades,das seguintesinformações:a) endereço correto da obra;b) endereço correto e qualificação (CEI,CGC ou CPF) docontratante, empregador ou condomínio;c) tipo de obra;d) datas previstas do início e conclusão da obra;e) número máximo previsto de trabalhadores na obra.
  4. 4. Programa de Condições e Meio Ambientede Trabalho na Indústria da Construção -PCMAT.• A partir de 20 (vinte) trabalhadores ou mais.• NR 9 - Programa de Prevenção e Riscos Ambientais.• Mantido na obra.• Elaborado e executado por profissional legalmente habilitado.• Documentos que integram o PCMAT:a) Memorial sobre condições e meio ambiente de trabalho:• riscos de acidentes;• doenças do trabalho;• medidas preventivas.b) Projeto de execução das proteções coletivas - etapas de execução da obra;c) Especificação técnica das proteções coletivas e individuais;d) Cronograma de implantação das medidas preventivas;e) Layout inicial do canteiro de obras;f) Programa educativo:• prevenção de acidentes;• doenças do trabalho;• carga horária.
  5. 5. Escavações, fundações e desmonte derochas
  6. 6. Escavações, Fundações e Desmonte de RochasFigura 2 – Instalação de escadas em escavação de valacom mais de 1,25 m de alturaAs escavações commais de 1, 25m deprofundidade devemdispor de escadas deacesso em locaisestratégicos, quepermitam a saídarápida e segura dostrabalhadores em casode emergência.
  7. 7. CarpintariaAs operações em máquinas e equipamentos necessários àrealização da atividade de carpintaria somente podem serrealizadas por trabalhador qualificado nos termos desta NR.
  8. 8. Armações de aço• Dobragem e o corte devergalhões de aço sobrebancadas;• Armações de pilares, vigas =apoiadas e escoradas;• Proibida pontas verticais devergalhões de aço desprotegidas;• Durante descarga área deve serisolada;• Pranchas de madeira sobre asarmações.• EPI’s utilizados: capacete, botinas,luvas, protetor auricular, cinto desegurança, visor de proteçãofacial, uniforme, avental.
  9. 9. Estruturas de concreto• Importante elaboração de projeto defôrmas;• Suportes e escoras de fôrmas devemser inspecionados antes e durante aconcretagem;• Durante desforma = impedir quedalivre de seções de fôrmas eescoramentos:• Amarração das peças• Isolamento e sinalização ao nível doterreno• Armações de pilares = escoradasantes do escoramento
  10. 10. Estruturas metálicas• Todas as etapas planejadas• Cuidado com redes de energia elétrica• Não haver pessoas abaixo dos pontos de soldagem• Colocação de pilares e vigas = ainda suspensos pelo equipamento deguindar, se executem a prumagem, marcação e fixação das peças.
  11. 11. Operações de soldagem e corte a quente• Trabalhadores qualificados• Equipamentos de soldagem elétrica aterrados
  12. 12. Escadas• Medidas das escadas de mão:• Até 7,00m de extensão• Espaçamento entre os degraus variando entre 0,25m a 0,30m• Degraus antiderrapantes• Apoiada em piso resistente
  13. 13. Rampas e passarelas• Rampas provisórias = máx de 30º de inclinação• Rampas provisórias, com inclinação superior a 18º devem ser fixadaspeças transversais, espaçadas em 0,40m no máximo, para apoio dos pés.• Não devem existir ressaltos entre o piso da passarela e o piso doterreno.
  14. 14. Medidas de proteção contra quedasde altura• Obrigatória a instalação deproteção coletiva onde houverrisco de queda de trabalhadores oude projeção de materiais.• Vãos de acesso às caixas doselevadores:• Fechamento provisório 1,20mde altura• Proteção na periferia daedificação a partir início serviçosconcretagem primeira laje.•Especificações:a) altura de 1,20mb) rodapé com altura de 0,20m
  15. 15. c) ter vãos entre travessas preenchidos com tela ou outro dispositivo que garanta ofechamento seguro da abertura.• Edifícios com mais de 4 pavimentos = plataforma principal na 1alaje:• Instalada logo após a concretagem da laje• Retirada = revestimento externo do prédio acima dessa plataforma estiver concluído.• Também, plataformas secundárias.• Tela a partir da plataforma principal de proteção:• Retirada = vedação da periferia, até a plataforma imediatamente superior, estiverconcluída.Montagem de tela vertical a partir de suportes em “forca”
  16. 16. Tapumes e galerias• Obrigatória a colocação de tapumes.• Altura mínima de 2,20m.
  17. 17. Andaimes SimplesmenteApoiados• Proibido trabalho em andaimesapoiados sobre cavaletes quepossuam altura superior a 2,00me largura inferior a 0,90m.• Mais de 1,50m = escadas ourampas.• Proibido andaimes de madeiraem obras acima de 3 pavimentos.
  18. 18. Andaimes Suspensos Mecânicos• Sustentação por meio de vigasmetálicas de resistênciaequivalente a, no mínimo, 3 vezeso maior esforço solicitante.• Proibida fixação de vigas desustentação nos andaimes pormeio de sacos com areia, latascom concreto ou outrosdispositivos similares.• Proibido o uso de cordas de fibrasnaturais ou artificiais parasustentação dos andaimes.• Comprimento dos cabos = naposição mais baixa do estrado =restem pelo menos 6 voltas sobrecada tambor.• Guarda-corpo e rodapé
  19. 19. Cabos de aço• Função do trava-quedas no trabalho em andaime
  20. 20. • Conseqüências do uso de cinto simples e de cinturão do tipo pára-quedista naeventualidade de uma queda.
  21. 21. • Instalações elétricas provisórias de um canteiro de obras:a) chave geral do tipo blindada localizada no quadro principal dedistribuição.b) chave individual para cada circuito de derivação;c) chave-faca blindada em quadro de tomadas;Instalações elétricas
  22. 22. Máquinas, equipamentos e ferramentasdiversas
  23. 23. Equipamento de Proteção Individual - EPI• Empresa obrigada fornecer aos trabalhadores, gratuitamente, EPI adequado aorisco e em perfeito estado de conservação e funcionamento.
  24. 24. Proteção contra incêndio• Obrigatória a adoção de medidas de prevenção e combate a incêndio.• Equipes de operários treinadas no correto manejo do material disponívelpara o primeiro combate ao fogo.
  25. 25. Sinalização de segurançaAquela que, relacionadacom um objeto, umaatividade, ou uma situaçãodeterminada, fornece umaindicação ou prescriçãorelativa à segurança ousaúde (ou ambas) notrabalho.
  26. 26. Treinamento• Todos os empregados = receber treinamentos admissional e periódico.• Treinamento admissional = carga horária mínima de 6 horas. Deve constar de:a) informações sobre as condições e meio ambiente de trabalho;b) riscos inerentes a sua função;c) uso adequado dos Equipamentos de Proteção Individual - EPI;d) informações sobre os Equipamentos de Proteção Coletiva - EPC, existentes nocanteiro de obra.• O treinamento periódico deve ser ministrado:a) sempre que se tornar necessário;b) ao início de cada fase da obra.• Obs.: DDS (Diálogo Diário de Segurança).• Trabalhadores devem receber cópias dos procedimentos e operações a seremrealizadas com segurança.• Transmissão coletiva de instruções de segurança
  27. 27. Acidente Fatal• O acidente que provoca a morte do trabalhador.
  28. 28. Obrigado!!

×