Avaliação de recursos educativos digitais

9,186 views

Published on

Avaliação de recursos educativos digitais

Published in: Technology, Design
1 Comment
7 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
9,186
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2,436
Actions
Shares
0
Downloads
286
Comments
1
Likes
7
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Avaliação de recursos educativos digitais

  1. 1. Carlos Pinheiro, 2010
  2. 2. 2 Carlos Pinheiro • Tema • Autoria • Conteúdo • Acesso e usabilidade • Desenho gráfico e multimédia • Comunicação • Relação com o utilizador • Custos • Conservação e comunicação • Acessibilidade
  3. 3. 4 Carlos Pinheiro • Tema bem definido; • Implícito (por ex. no título) ou explicado através de meta-informação (introdução, apresentação); • Correspondência entre as expectativas criadas e a forma como o tema é tratado.
  4. 4. 5 Carlos Pinheiro • Claro quanto ao propósito, objectivo, missão da informação disponibilizada; • Amplitude e profundidade adequadas ao público-alvo;
  5. 5. 7 Carlos Pinheiro  O(s) autor(es) do recurso estão devidamente identificados?  É fornecida descrição do autor (é um especialista, um entusiasta, um autodidacta)?  Disponibiliza currículo?  O autor é conhecido na sua área de actuação?  Fornece meios de o contactar?
  6. 6. 9 Carlos Pinheiro Características intrínsecas à informação disponibilizada:  Factos, opinião ou ambos?  Informação original, ou reproduz informação de outros, através de hiperligações?  Coerência entre a linguagem utilizada e os seus objectivos e o público a que se destina.
  7. 7. 10 Carlos Pinheiro Exactidão, precisão e rigor  Informação rigorosa, precisa e isenta de erros científicos;  Informação verificável;  Informação pertinente para o tema;  Informação adequada ao público-alvo;  São indicadas as fontes da informação;  Referências (bibliografia, citações, notas de rodapé…).
  8. 8. 11 Carlos Pinheiro Exactidão, precisão e rigor  O recurso respeita os direitos de autor; As hiperligações fornecidas estão organizadas, avaliadas, anotadas, funcionam, permitem estabelecer comparações com a informação fornecida.
  9. 9. 12 Carlos Pinheiro Objectividade  Nível de dependência ou de ausência de qualquer indicação de carácter comercial, religioso ou político.
  10. 10. 13 Carlos Pinheiro Actualidade  Existe uma data de publicação?  A informação é actualizada ou obsoleta?  Com que periodicidade são feitas as actualizações?  As datas das actualizações são indicadas e correspondem à informação a que se referem?  É manifesto o compromisso dos autores com a actualização da informação? Tem hiperligações obsoletas ou que não funcionam?
  11. 11. 14 Carlos Pinheiro Qualidade da escrita  O conteúdo textual está correctamente escrito?  É utilizado o vocabulário apropriado, incluindo vocabulário técnico, sem calão?  Não tem um tom sarcástico ou ofensivo?  Não há erros ortográficos ou gramaticais?
  12. 12. 15 Carlos Pinheiro  Adequação ao currículo e ao contexto:  Ligação ao currículo e aos objectivos de aprendizagem;  Promove a actividade intelectual no aluno, em especial, o raciocínio, a reflexão critica e a criatividade.  Engloba tarefas que promovam as actividades colectivas de aprendizagem em termos de comunicação e da construção do conhecimento.  Apresenta relativamente à avaliação, dispositivos de auto- avaliação e auto-regulação da aprendizagem.
  13. 13. 17 Carlos Pinheiro Pesquisa  O recurso contém um sistema de pesquisa para mais rápido acesso ao conteúdo?  O motor de pesquisa funciona bem, é eficaz, responde com um mínimo de ruído?  O motor de pesquisa permite avançar para pesquisas noutros recursos?
  14. 14. 18 Carlos Pinheiro  O suporte da informação é adequado aos objectivos e pode ser efectivamente usado?  O interface é amigável?  Os serviços fornecidos exigem programas difíceis de adquirir pelos utilizadores, ou software específico para um correcto funcionamento?
  15. 15. 19 Carlos Pinheiro Recursos auxiliares à pesquisa:  Tesauros, listas, glossários, mapa do sítio, guia, ajuda na pesquisa;  Instruções de uso;  Documentação/manuais do utilizador para download ou impressão.
  16. 16. 20 Carlos Pinheiro Organização  A informação é de leitura clara, fácil de interpretar ou, pelo contrário, é confuso?  A informação está bem organizada, isto é, obedece a alguma estrutura lógica?  É possível descobrir fácil e rapidamente a informação que se pretende, com um mínimo de movimentos entre os diferentes níveis de hipertexto?
  17. 17. 21 Carlos Pinheiro Tempo de download  Quanto tempo demora a informação a ser carregada?  Se é necessário esperar mais do que o normal, vale a pena a espera?
  18. 18. 22 Carlos Pinheiro Ambiente informático  A informação pode ser acedida com equipamento e programas estandardizados, ou são requeridos programas, redes ou palavras-passe especiais?  O ambiente informático foi desenhado de maneira a ser possível aceder à informação apenas com um tipo de programa ou interface do utilizador (por ex. a última versão dos navegadores, ou apenas com um navegador, ou com resoluções de ecrã pouco usuais, etc.)?
  19. 19. 23 Carlos Pinheiro Ambiente informático  Se a informação inclui conteúdos com música, som, animação, vídeo, é possível aceder a ela com facilidade?
  20. 20. 24 Carlos Pinheiro Estabilidade  O URL muda frequentemente?  Se acaso existiu alguma mudança, foram criados dispositivos de redireccionamento para o novo endereço?
  21. 21. 25 Carlos Pinheiro Conectividade  A informação pode ser facilmente acedida, ou está muitas vezes sobrecarregada ou off-line?  Existe um limite para número de utilizadores em simultâneo?  A largura de banda permite que o tempo de carregamento da informação não seja excessivo?
  22. 22. 26 Carlos Pinheiro Língua  A língua em que a informação é apresentada é entendida pelo público-alvo?  A informação está disponível nalguma outra língua, por ex., o inglês?
  23. 23. 27 Carlos Pinheiro Ajuda  São disponibilizados mecanismos de ajuda para facilitar o acesso à informação?  Estão convenientemente localizados e são acessíveis em qualquer ponto onde o utilizador se encontre?
  24. 24. 28 Carlos Pinheiro Facilidade de uso  A informação é fácil de usar?  É necessário utilizar algum tipo de comandos especiais?  Costumam ocorrer falhas na navegação, páginas que não respondem ou estão ‘em construção’, páginas que não conseguem ser abertas?
  25. 25. 29 Carlos Pinheiro Interactividade No caso de serem disponibilizadas funcionalidades interactivas, como scripts de formas e CGI (common gateway interface), funcionam? Acrescentam valor à página?
  26. 26. 31 Carlos Pinheiro • A informação é apresentada de uma forma agradável à vista? • Os efeitos visuais valorizam a informação, distraem do conteúdo, ou substituem-no?
  27. 27. 32 Carlos Pinheiro • No caso de serem utilizados efeitos de áudio, vídeo, realidade virtual ou outros, podem considerar-se apropriados e necessários à concretização dos objectivos da informação disponibilizada?
  28. 28. 33 Carlos Pinheiro Construção É fácil navegar no hipertexto, sem que o aluno se perca ou se confunda?
  29. 29. 34 Carlos Pinheiro Construção  Que quantidade de cliques é necessária para chegar à fonte e à informação pretendida?  O sistema de navegação facilita a movimentação dentro do recurso?  Existe a possibilidade de o utilizador aceder ao índice ou início a partir de qualquer local?
  30. 30. 35 Carlos Pinheiro Identidade visual  O recurso tem uma identidade visual consistente?  Existe coerência na utilização de estilos de texto, cores, tipo e tamanho da letra?
  31. 31. 36 Carlos Pinheiro Composição (layout)  A organização e disposição dos diferentes elementos obedecem a uma lógica coerente?  São mantidas as mesmas convenções e regras para todos os elementos da interface?  Existe consistência com o mundo real (se respeita as convenções resultantes da experiência no mundo real).
  32. 32. 37 Carlos Pinheiro Imagens  As imagens têm um tamanho adequado, são facilmente legíveis e rapidamente carregadas?  Existe uma clara identificação das imagens e do seu autor?
  33. 33. 39 Carlos Pinheiro Legibilidade  Os caracteres, símbolos e elementos gráficos são exibidos com a máxima clareza? Tipografia  O tipo e tamanho de letra são facilmente legíveis e têm em conta as características do público-alvo (por exemplo a sua faixa etária).  A cor da letra proporciona um bom contraste com o fundo?
  34. 34. 40 Carlos Pinheiro Simbolismo  Os ícones, pictogramas e outras imagens comunicam eficientemente o seu conteúdo? Varrimento  A organização dos elementos e a ênfase que se lhes pretende dar na estrutura da página respeita o esquema de varrimento do olho humano?
  35. 35. 42 Carlos Pinheiro  É possível a interactividade com o utilizador?  É possível aos utilizadores receberem um feedback da sua utilização do recurso?  É estimulada a participação do utilizador em algum dos itens do recurso (avaliação do recursos caixa de sugestões, catalogação social)?  Existência de ferramentas de personalização.
  36. 36. 44 Carlos Pinheiro • Existem custos específicos de utilização do recurso? • Quem suporta os custos? • Os custos são adequados à qualidade do recurso?
  37. 37. 46 Carlos Pinheiro • Existe a possibilidades de guardar a informação? • Existe alguma modalidade ou versão para impressão? • Existe a possibilidade de enviar por e-mail?
  38. 38. 48 Carlos Pinheiro • Cumprimento da norma WAI (Web Accebility Initiative). Este critério passou a ser obrigatório a partir de 2007 de acordo com a lei sobre sítios públicos.
  39. 39. 49 Carlos Pinheiro Directivas para a acessibilidade do conteúdo da Web 1. Fornecer alternativas equivalentes ao conteúdo sonoro e visual; 2. Não recorrer apenas à cor; 3. Utilizar correctamente anotações e folhas de estilo; 4. Indicar claramente qual a língua utilizada; 5. Criar tabelas passíveis de transformação harmoniosa; 6. Assegurar que as páginas dotadas de novas tecnologias sejam transformadas harmoniosamente;
  40. 40. 50 Carlos Pinheiro Directivas para a acessibilidade do conteúdo da Web 7. Assegurar o controlo do utilizador sobre as alterações temporais do conteúdo; 8. Assegurar a acessibilidade directa de interfaces do utilizador integradas; 9. Pautar a concepção pela independência face a dispositivos; 10. Utilizar soluções de transição; 11. Utilizar as tecnologias e as directivas do W3C; 12. Fornecer contexto e orientações; 13. Fornecer mecanismos de navegação claros; 14. Assegurar a clareza e a simplicidade dos documentos.

×