RELIGIÃO 2ª AULA

4,472 views

Published on

Published in: Education
1 Comment
14 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
4,472
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
7
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
1
Likes
14
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

RELIGIÃO 2ª AULA

  1. 1. Actividade religiosa Religião Fenómeno individual social e universal Arlindo Rocha - Estagiário Uni CV
  2. 2. Religião como: Fenómeno individual social e universal. Caracterizar a religião como fenómeno individual, social e universal; Identificar as grandes religiões; Caracterizar as grandes religiões; Identificar elementos comuns às religiões; Identificar categorias comuns as religiões. Arlindo Rocha - Estagiário Uni CV
  3. 3. Fenómeno individual: Em primeiro lugar, temos a consciência do nosso limite. É uma experiência, subjetiva em que um indivíduo pode relacionar com uma entidade divina. Caráter subjetivo.Fenómeno social: O segundo elemento fundamental é a relação de diálogo com Deus (oração). A oração acontece dentro da relação, do EU e TU, formando a corrente do NÓS.O fenômeno universal. Em todos os tempos, lugares e povos, encontramos o fenómeno religioso. Caráter objetivo da religião."Não há povo tão primitivo, tão bárbaro, que não admita a existência de deuses” Arlindo Rocha - Estagiário Uni CV
  4. 4.  A religião surgiu naquele momento em que o homem explicou o inexplicável com Deus; onde ele não encontrava mais respostas a não ser a única resposta, DEUS. No mundo encontramos cinco grandes religiões presencializadas ou manifestadas em diversos grupos, igrejas, filosofias ou credos: Arlindo Rocha - Estagiário Uni CV
  5. 5. Cristianismo Hinduísmo Budismo o que é a religião? Não nos permite obter uma resposta imediata à pergunta, devido a multiplicidade dasIslamismo judaísmo religiões . Arlindo Rocha - Estagiário Uni CV
  6. 6.  Incluem-se nas religiões: Animismo Politeísmo Monoteísmo Crença na existênciaAtribui alma Crença na de um único Deus,aos seres omnipotente, existência deinanimados, omnisciente, muitos deuses,procurando infinitamente bom, antropomórficosobter seus absoluto hierarquizados ebenefícios com poderesmediante específicos . Cristianismocertas práticas Judaísmo Islamismo Arlindo Rocha - Estagiário Uni CV
  7. 7. A religião oferece um conjunto de dogmas (crença estabelecida) e de normas a cumprir. Cada religião integram indivíduos que partilham a mesma fé. A religião está presente em todas as épocas, povos e culturas conhecidas desde as mais primitivas. É um fenómeno universal e diversificado e constitui uma experiência humana fundamental. Como fenómeno complexo podemos identificar vários elementos comuns. Arlindo Rocha - Estagiário Uni CV
  8. 8. . Um corpo de Um crenças mediador Um A ideia deculto salvação Uma Livros moral sagrados Uma organização Arlindo Rocha - Estagiário Uni CV
  9. 9. Um corpo de Um culto crenças Conjunto de  Conjunto de ritos e princípios ou cerimónias em que dogmas que não se exterioriza a podem questionar. relação com Deus (sacrifícios, cerimónias, A comunidade deve orações) acreditar. Uma Uma moral organização Conjunto de  Estrutura que normas e valores garante a transmissão de morais que valores e saberes da orientam as religião (Igrejas, estado relações humanas democrático) Arlindo Rocha - Estagiário Uni CV
  10. 10. A ideia de Um mediador salvação . Figuras históricas  É a recompensa que fazem a por agir de acordo mediação entre o com os princípios homem e Deus defendidos pela (Cristo, Moisés, Abraão) religião Livros sagrados  Corpo de escrituras através das quais Deus se revelou aos seres humanos. Arlindo Rocha - Estagiário Uni CV
  11. 11. . Hinduísmo Judaísmo BudismoCristianismo Islamismo Arlindo Rocha - Estagiário Uni CV
  12. 12. Hinduísmo Os hindus possuem os VEDAS como livro sagrado, acreditam em encarnações anteriores e reencarnações futuras. São politeístas. É a religião dominante na Índia. Arlindo Rocha - Estagiário Uni CV
  13. 13. Judaísmo As origens do são atribuídas a Abraão, escolhido por Deus (Javé). Os Judeus possuem a BIBLIA , como livro sagrado. Acreditam na vida depois da morte e são monoteístas . Consideram Deus como onipotente, e transcendente. Arlindo Rocha - Estagiário Uni CV
  14. 14. Cristianismo É a continuação do judaísmo, acreditam num único Deus, criador, onipotente. A novidade na mensagem de Jesus é a substituição da lei do "dente por dente" pela Lei do "Amai-vos uns aos outros". Os cristãos possuem a BIBLIA (novo e velho testamento) como livro sagrado. Acreditam na imortalidade e na ressurreição. São monoteístas e professam a fé em Jesus Cristo. Arlindo Rocha - Estagiário Uni CV
  15. 15. .Islamismo O Islamismo tem sua origem na palavra árabe "islam", obediência a Deus. Fundada por Maomé no século VII d.C.. O Islão é uma religião monoteísta fundamentada na existência de um único Deus, “Alá”, criador de tudo, juiz e soberano da humanidade. Maomé é o profeta. O Alcorão é o livro sagrado . Arlindo Rocha - Estagiário Uni CV
  16. 16. Budismo O Budismo é religião e filosofia fundada nos ensinamentos de Siddharta Gautama que viveu índia entre 560 e 480 a . C. O nome BUDA provem de "bodhi", isto é, aquele que atingiu o estado de iluminação. Arlindo Rocha - Estagiário Uni CV
  17. 17.  Deus – significa “brilhar”; “dia”. Tradicionalmente é aquele que criou o mundo e o sustém (onipotente e onipresente) Ritos – É a expressão da religiosidade que permite transcender e participar do divino. São modos de ação especificas que dirigem a um objeto através da crença. Conjunto de regras que organizam o culto e manifesta-se através de gestos, sacrifícios e festas. Crenças – estados de opinião que consistem em representações (símbolos); Arlindo Rocha - Estagiário Uni CV
  18. 18.  Sagrado – realidade absoluta que transcende este mundo, mas que manifesta nele. É uma realidade misteriosa que o ser humano não pode dominar, nem compreender, porque transcende e supera o ser humano. Provoca respeito, admiração. Profano – o que está fora do templo; algo que pertence ao quotidiano, do natural, do humano; Hierofania – manifestação do sagrado. Arlindo Rocha - Estagiário Uni CV
  19. 19.  Resumo A multiplicidade das religiões não permite responder de imediato a questão: O que é a religião? Nas religiões incluem-se o animismo, o politeísmo e o monoteísmo. Na sua dimensão social a religião oferece um conjunto de dogmas e de crenças a cumprir. Orienta e integra o indivíduo num grupo que artilha da mesma fé. É um fenómeno individual, social e universal diversificado. Arlindo Rocha - Estagiário Uni CV
  20. 20.  Nas religiões existem vários elementos comuns a saber: corpo de crenças, um culto, uma moral, uma organização, um mediador, a ideia da salvação e os livros sagrados. As grandes religiões são cinco: Hinduísmo, Judaísmo, Cristianismo, Budismo e Islamismo. As categorias das religiões são: Deus, Ritos, Crenças, profano, sagrado, Hierofania. Arlindo Rocha - Estagiário Uni CV
  21. 21. Questões:1. Elabore um comentários sobre a seguinte frases : “Não há povo tão primitivo, tão bárbaro, que não admita a existência de deuses”2. Poder-se-á chegar facilmente a uma definição do que seja a religião? Porque?3. Elabore um texto onde estejam presentes, as grandes religiões e as suas respectivas caterísticas.4. indica e caracteriza quatro elementos comuns a todas as religiões. Arlindo Rocha - Estagiário Uni CV
  22. 22.  Sagrado – realidade absoluta que transcende este mundo, mas que manifesta nele. É uma realidade misteriosa que o ser humano não pode dominar, nem compreender, porque transcende e supera o ser humano. Provoca respeito, admiração. Profano – o que está fora do templo; algo que pertence ao quotidiano, do natural, do humano; Hierofania – manifestação do sagrado Arlindo Rocha - Estagiário Uni CV
  23. 23. Actividade religiosa . Posições filosóficas Relação entre o humano e o divino Religião ao longo da história e críticas à religião Arlindo Rocha - Estagiário Uni CV
  24. 24. Sumário Actividade religiosa  Posições filosóficas Relação entre o humano e o divino.  Religião ao longo da história e críticas à religião. Objetivos.  Caracterizar a relação entre o humano e o divino;  Relacionar as várias posições filosóficas relativamente ao divino;  Identificar as principais críticas à religião. Arlindo Rocha - Estagiário Uni CV
  25. 25.  A relação do ser humano com o divino,pode assumir diversas formas em função da posição filosófica: 1. Teísmo:  a) monoteísmo;  b) politeísmo;  c) panteísmo. 2. Ateísmo; 3. Agnosticismo. Arlindo Rocha - Estagiário Uni CV
  26. 26. Posição filosófica que afirma a existência de Deus comotranscendente, soberano e criador do mundo. Pode ter váriossignificados com: Monoteísmo Politeísmo PanteísmoCrê na Tudo é Deus. Crê na Deus e mundoexistência de existência de são a mesmaum só Deus, vários Deuses . realidade. Existesoberano,. Ex: Hinduístas e uma unidade Ex: Cristãos, os povos entre Deus e o Judeus, antigos universoMuçulmanos Arlindo Rocha - Estagiário Uni CV
  27. 27. 2. 3. Ateísmo Agnosticismo .Posição filosófica Sustenta que não háque nega todas a uma solução racionaldoutrinas teístas, para a existência dee a existência de Deus. Não há comoDeus. afirmar ou negar a existência de Deus,Nietzsche porque não pode e constituir objecto de conhecimento humanoSchopenhauer. Arlindo Rocha - Estagiário Uni CV
  28. 28. Arlindo Rocha - Estagiário Uni CV
  29. 29.  Quase todos os povos da Antigüidade desenvolvem religiões politeístas. Seus deuses tinham diferentes nomes, funções ou grau de importância ao longo dos tempos. As mudanças nos panteões de deuses refletem movimentos internos dos povos antigos, processos migratórios, conquistas e miscigenações. Arlindo Rocha - Estagiário Uni CV
  30. 30. RELIGIÕES DO EGITO Os faraós eram considerados personificações de deuses e os sacerdotes constituem uma camada culta e de grande poderCULTOS E RITUAIS DA MESOPOTÂMIA A relação com os deuses era marcada pela total submissão às suas vontades para implorar o perdão.DEUSES GREGOS Os deuses gregos representam forças e fenômenos da natureza e também impulsos e paixões humanas. O panteão grego inclui semideuses, heróis e inúmeras entidades (sátiros e ninfas, espíritos dos bosques, das águas ou das flores). Arlindo Rocha - Estagiário Uni CV
  31. 31.  Durante a idade média muitos filósofos defendiam um acordo entre a fé a razão. Mas as verdades da razão estavam submetidas a autoridade da revelação. São Tomás de Santo Agostinho Aquino Defendiam a conciliação entre a razão e da fé, mas valorizando mais as verdades da fé. Uma verdade da razão só era válida quando era aprovada pela revelação divina. Arlindo Rocha - Estagiário Uni CV
  32. 32.  Com o aparecimento da Ciência moderna acentua- se a separação entre a fé a razão. Houve uma emancipação progressiva da razão. O Deus da fé foi progressivamente substituída pelo Deus dos filósofos. Alguns filósofos tentaram encontrar uma explicação racional para a existência de Deus: Descartes Espinosa Leibniz Arlindo Rocha - Estagiário Uni CV
  33. 33.  Surgem vários filósofos que defendiam que a razão e a fé eram incompatíveis. (impossíveis de serem conciliadas). Kant Hegel Arlindo Rocha - Estagiário Uni CV
  34. 34. Kant Kant nega a possibilidade do . conhecimento racional de Deus , mas admite a sua existência por razões de ordem moral. 1724- 1804 Arlindo Rocha - Estagiário Uni CV
  35. 35. Hegel  Hegel concebeu Deus como o Espírito Absoluto que se manifesta na história para qual se orienta.1770 - 1831 Arlindo Rocha - Estagiário Uni CV
  36. 36.  Na seqüência da oposição cada vez mais entre a ciência e a fé (religião),[ secularização] surgiram diversas críticas à religião. Arlindo Rocha - Estagiário Uni CV
  37. 37. Auguste Comte MarxCrítica positivista Crítica marxista Feurebach NietzscheCrítica antropológica Crítica de Nietzsche Arlindo Rocha - Estagiário Uni CV
  38. 38. . A religião será suplantada ela ciência , recorrendo a leis da natureza e não a intervenções divinas“Há verdades que devemos sentir, antes de as compreender” Arlindo Rocha - Estagiário Uni CV
  39. 39. Deus já não é a projeção da parte. mais nobre do ser humano. Deus é feito a imagem e a semelhança do ser humano, que projeta nele a sua essência . “O homem é o Deus do homem”. Arlindo Rocha - Estagiário Uni CV
  40. 40. A religião é um. instrumento de denominação das classes exploradas pelas classes detentoras do poder . “A religião é o Ópio do povo”. Arlindo Rocha - Estagiário Uni CV
  41. 41. A morte de Deus pode ser interpretada como uma negação da sua existência ou como uma constatação da quebra progressiva das referencias religiosas na vida das pessoas"Fé significa não querer saber a verdade”. Arlindo Rocha - Estagiário Uni CV
  42. 42. Resumo A relação com o divino assume várias formas: Teísmo : monoteísmo, panteísmo e politeísmo. Ateísmo Agnosticismo Quase todos os povos da Antigüidade desenvolvem religiões politeístas. Seus deuses tinham diferentes nomes, funções ou grau de importância ao longo dos tempos.As mudanças nos panteões de deuses refletem movimentos internos dos povos. RELIGIÕES DO EGITO, CULTOS E RITUAIS DA MESOPOTÂMIA E DEUSES GREGOS Arlindo Rocha - Estagiário Uni CV
  43. 43.  Durante a idade média muitos filósofos defendiam um acordo entre a fé a razão. Defendiam a conciliação entre a razão e da fé, mas valorizando mais as verdades da fé. Uma verdade da razão só era válida quando era aprovada pela revelação divina. Arlindo Rocha - Estagiário Uni CV
  44. 44.  Com o aparecimento da Ciência moderna acentua-se a separação entre a fé a razão. Alguns filósofos tentaram encontrar uma explicação racional para a existência de Deus: Descartes; Espinosa, Leibniz Surgem vários filósofos que defendiam que a razão e a fé eram incompatíveis. (impossíveis de serem conciliadas).Kant, Hegel. Na seqüência da oposição cada vez mais entre a ciência e a fé (religião),[ secularização] surgiram diversas críticas à religião. Crítica positivista; Crítica antropológica; Crítica marxista; Crítica de Nietzsche Arlindo Rocha - Estagiário Uni CV
  45. 45. Obrigada! Arlindo Rocha - Estagiário Uni CV

×