Drogas & saúde mental

1,639 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,639
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
29
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Drogas & saúde mental

  1. 1. Docente: Laiz Rodrigues Discentes: Andrea Santana Camila Santos Dileuza Nunes Curso: Psicologia 4 semestre/ matutino Disciplina: Saúde Mental
  2. 2. O consumo de substancias psicoativas foi entendido no Brasil como caso de segurança publica e justiça, ou no máximo, como comportamento antissocial, tendo como principal responsável pelo seu combate a polícia e o tratamento da psiquiatria. Consequentemente os consumidores de drogas sempre foram tratados como pessoas de índole duvidosa, perturbadora da ordem publica, que deveriam ser afastadas da sociedade e internadas em manicômios junto com pacientes psiquiátricos . (BRASIL, 2004)
  3. 3.  Tem o objetivo de imprimir na sociedade brasileira uma nova práxis quanto a atenção às pessoas com transtornos mentais, inclusive usuárias de drogas;  A Luta Antimanicomial no Brasil surgiu em 18 de Maio de 1987 num Congresso de Trabalhadores de Saúde Mental em Bauru- SP, mas também já vinha sendo projetada há algum tempo, atrelado aos movimentos populares. (VASCONCELOS, 2002)
  4. 4. As drogas são substâncias naturais ou sintéticas que possuem a capacidade de alterar o funcionamento do organismo, são divididas em dois grandes grupos, segundo o critério de legalidade perante a Lei: drogas lícitas e ilícitas.  Lícitas: São aquelas legalizadas, produzidas e comerciadas livremente e que são aceitas pela sociedade, por exemplo: o cigarro e o álcool;  Ilícitas: São drogas cuja comercialização é proibida pela legislação e também as mesmas não são socialmente aceitas, por exemplo: cocaína, maconha, crack e heroína.
  5. 5. O consumo de álcool e outras drogas é um grave problema de saúde pública. Dentro de uma perspectiva de saúde pública, o planejamento de programas deve contemplar grandes parcelas da população, de uma forma que a abstinência não seja a única meta viável e possível aos usuários. A dependência das drogas é transtorno onde predomina a heterogeneidade, já que afeta as pessoas de diferentes maneiras, por diferentes razões, em diferentes contextos e circunstâncias.
  6. 6. Em 2002, o Ministério da Saúde passa a implementar o Programa Nacional de Atenção Comunitária Integrada aos Usuários de Álcool e outras Drogas. Reconhecendo o problema do uso prejudicial de substâncias como problema da saúde pública e construindo uma política pública específica para a atenção às pessoas que fazem uso de álcool ou outras drogas, situada no campo da saúde mental, e tendo como estratégia a ampliação do acesso ao tratamento, a compreensão integral e dinâmica do problema, a promoção dos direitos e a abordagem de redução de danos.
  7. 7. Começaram a surgir nas cidades brasileiras na década de 80 e passaram a receber uma linha específica de financiamento do Ministério da Saúde a partir do ano de 2002, momento no qual estes serviços experimentam grande expansão. São serviços de saúde municipais, abertos, comunitários, que oferecem atendimento diário às pessoas com transtornos mentais severos e persistentes, realizando o acompanhamento clínico e a reinserção social destas pessoas através do acesso ao trabalho, lazer, exercício dos direitos civis e fortalecimento dos laços familiares e comunitários.
  8. 8.  Prestar atendimento clínico em regime de atenção diária, evitando assim as internações em hospitais psiquiátricos;  Promover a inserção social das pessoas com transtornos mentais através de ações intersetoriais;  Regular a porta de entrada da rede de assistência em saúde mental na sua área de atuação e dar suporte à atenção à saúde mental na rede básica;  Organizar a rede de atenção às pessoas com transtornos mentais nos municípios; Eles são os articuladores estratégicos desta rede e da política de saúde mental num determinado território.
  9. 9.  Existem hoje no Brasil 689 CAPS em funcionamento, distribuídos em quase todos os estados brasileiros.  Os CAPS se diferenciam pelo porte, capacidade de atendimento, clientela atendida e organizam-se no país de acordo com o perfil populacional dos municípios brasileiros. Estes serviços diferenciam-se como: CAPS I CAPS II, CAPS III, CAPSi e CAPSad.
  10. 10.  São especializados no atendimento de pessoas que fazem uso prejudicial de álcool e outras drogas, são equipamentos previstos para cidades com mais de 200.000 habitantes, ou cidades que, por sua localização geográfica (municípios de fronteira, ou parte de rota de tráfico de drogas) ou cenários epidemiológicos importantes, necessitem deste serviço para dar resposta efetiva às demandas de saúde mental.  Funcionam durante os cinco dias úteis da semana, e têm capacidade para realizar o acompanhamento de cerca de 240 pessoas por mês. A equipe mínima prevista para os CAPS ad é composta por 13 profissionais de nível médio e superior.
  11. 11.  A estratégia de redução de danos sociais reconhece cada usuário em suas singularidades, traçando com ele estratégias que estão voltadas para a defesa de sua vida.  São ampliações do acesso aos serviços de saúde, especialmente dos usuários que não têm contato com o sistema de saúde, por meio de trabalho de campo:  a distribuição de insumos (seringas, agulhas, cachimbos) para prevenir a infecção dos vírus HIV e Hepatites B e C entre usuários de drogas;
  12. 12.  a elaboração e distribuição de materiais educativos para usuários de álcool e outras drogas informando sobre formas mais seguras do uso de álcool e outras drogas e sobre as conseqüências negativas do uso de substâncias psicoativas;  os programas de prevenção de acidentes e violência associados ao consumo, e a ampliação do número de unidades de tratamento para o uso nocivo de álcool e outras drogas, entre outras.
  13. 13.  Atende pessoas que apresentam transtornos decorrentes do uso/abuso e dependência de substâncias psicoativas (álcool e outras drogas) e suas comorbidades, adultos e adolescentes (a partir de 12 anos), de ambos os sexos;  Identificada na fala da psicóloga o respeito e valorização que se tem a vida humana, a equipe busca recursos não de erradicar o vício, mas em primeiro plano as estratégias de preservação da vida, saúde da família quando os agentes visitam os familiares dos usuários; a prevenção, e a promoção de ações que visem o acesso à saúde; e as estratégias de descentralização, regionalização, hierarquização, igualdade e a participação da comunidade.
  14. 14.  Atenção prioritária a crianças e adolescentes com sofrimento decorrentes do uso de álcool e outras drogas;  Utiliza-se de projetos terapêuticos individualizados considerando o sujeito em seu meio social;  Tem atividades, grupos e oficinas que são ofertadas: Oficina de reflexão cultural; Atividade de barbearia; Grupo de família e outras atividades.
  15. 15. O CETAD foi criado em 1985 como um serviço de extensão permanente do Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal da Faculdade de Medicina da UFBA. Desde então vem atuando em parceria com outras instituições representativas da sociedade na promoção de ações que contemplem a atenção aos usuários de SPAs (substâncias psicoativas) e seus familiares, a prevenção e redução de riscos e danos, o estudo, a pesquisa e o ensino, constituindo-se num centro de referência e excelência nesta área.
  16. 16. O psicólogo atua juntamente com uma equipe multidisciplinar , e é sua pratica que vai ter um diferencial na utilização das técnicas sendo essas técnicas que trará uma visão ou percepção diferenciada dos outros profissionais da equipe. Ele também contribui no atendimento ao usuário fazendo-o tomar consciência que possa alcançar os objetivos desejados.
  17. 17.  MOURA,Joviane A., História da Assistência à Saúde Mental no Brasil: da Reforma Psiquiátrica à Construção dos Mecanismos de Atenção Psicossocial. Disponível em: <http://psicologado.com/psicologia-geral/historia-da- psicologia/historia-da-assistencia-a-saude-mental-no-brasil-da-reforma- psiquiatrica-a-construcao-dos-mecanismos-de-atencao- psicossocial#ixzz33ayoCTz0 Acesso em: 05/2014  REGO, Thiago Felix A., Atuação do Psicólogo em um Centro de Atenção Psicossocial de Álcool e Outras Drogas (CAPS AD) de Santarém: Relato de Experiência Disponível em: <http://psicologado.com/psicologia-geral/historia-da- psicologia/historia-da-assistencia-a-saude-mental-no-brasil-da-reforma- psiquiatrica-a-construcao-dos-mecanismos-de-atencao- psicossocial#ixzz33ayoCTz0 Acesso em: 05/2014
  18. 18.  Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde.DAPE. Coordenação Geral de Saúde Mental. Reforma psiquiátrica e política de saúde mental no Brasil. Documento apresentado à Conferência Regional de Reforma dos Serviços de Saúde Mental: 15 anos depois de Caracas. OPAS. Brasília, novembro de 2005;  SANTOS, Jamerson Luiz Gonçalves dos. Política de Saúde Pública para usuário de álcool e outras drogas no Brasil: a prática no CAPS AD Feira de Santana, Salvador, Bahia, Brasil. Salvador 2009;  http://capsgeyespinheira.blogspot.com.br/ CAPS AD III- Gey Espinheira;  https://twiki.ufba.br/twiki/bin/view/CetadObserva/WebHome CETAD- Centro de Estudo e Terapia de Abuso de drogas.

×