Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

Polo MoNNERAT
SEToR DE foNoAuDiologiA

foNoAuDiÓlogA : NATHAliA CoPEllo QuiNTES
Encontro para Professores de Educação
Infantil e 1º Ciclo do Ensino
Fundamental.
Eixos Temáticos:
1.Relação entre linguage...
O pensamento organiza a linguagem ou
a linguagem organiza o pensamento?
1.O que começou
primeiro: o uso da
linguagem desen...
Nasce a anatomia da linguagem
1. BROCA  1861
Localização cerebral da
linguagem expressiva

2. Wernicke  1874
Localização...
As várias teorias sobre a aquisição da
linguagem na criança:
Comportamental (Skinner): a linguagem é aprendida.
 Inativis...
Definição Atual de linguagem
Código

usado para transmitir ideias
sobre o mundo que nos cerca. Este
código é representado...
Diferença entre fala e linguagem
Fonemas: sons da nossa Língua
Parâmetros para o estudo da
linguagem:
Fonologia:

relativo à
descrição dos sons
linguísticos e as regras desses sons em
...
Aspectos a serem observados no
desenvolvimento normal da criança.
 Linguagem:

etapas de aquisição, desenvolvimento
léxic...
 Visão: Análise

quantitativa e qualitativa da visão e
movimentos oculares.
 Desenvolvimento Cranio-encefálico: Equilíbr...
Papel da Família = Meio facilitador
 Diálogo tônico – mãe x bebê
Afetividade
Quando há falta de estimulação no meio
fami...
RELAÇÃO ENTRE LINGUAGEM E
APRENDIZAGEM
A leitura e a escrita são etapas do
desenvolvimento da linguagem e não podem ser
co...
A primeira etapa do funcionamento
verbal é a aquisição do significado. A criança
adquire a noção e a função dos objetos qu...
ETAPAS DO DESENVOLVIMENTO DA
LEITURA E DA ESCRITA
Para Seymor, MacGregor e Frith o desenvolvimento da leitura ocorre em tr...
2ª- ALFABÉTICA: desenvolve-se primeiro a escrita e depois
a leitura. Ela tem início quando a criança apreende as
correspon...
3ª- ORTOGRÁFICA: Desenvolve-se primeiro a leitura e
depois a escrita. As relações entre grafemas são estabelecidas,
o que ...
PROCESSADORES RESPONSÁVEIS
PELA LEITURA E ESCRITA
Adams baseado no modelo conexionista de Seidenberg e McClelland descreve...
Processador ortográfico
•
•

•
•

Reconhecimento visual das palavras escritas.
Quanto mais frequente uma determinada sequê...
Falhas no processador ortográfico
•
•
•
•

Dificuldade em focar a atenção na tarefa de leitura
e escrita.
Dificuldade no r...
Processador fonológico
•

A imagem auditiva de cada palavra, sílaba ou
fonema corresponde a ativação de um
conjunto interc...
Falhas no processador fonológico
•
•
•

•

•
•
•

Associar grafema-fonema.
Realizar tarefas de Consciência Fonológica no â...
Processador Semântico
ARMAZENA O SIGNIFICADO DAS PALAVRAS

FALHAS NO PROCESSADOR SEMÂNTICO:
•Conhecimento
•

de mundo limi...
Processador contextual

Responsável por uma interpretação coerente durante o processo da leitura do
texto.

FALHAS NO PROC...
Rotas de leitura
A leitura ocorre por meio de duas rotas:
A fonológica.
A lexical
ROTA FONOLÓGICA
•Quando

a leitura ocorre via rota fonológica, o item
escrito é analisado pelo sistema de análise visual.
...
ROTA LEXICAL
O

item também sofre, primeiramente, uma
análise visual antes de ser processado pelo
sistema de reconhecimen...
De aorcdo com uma peqsiusa de uma
uinrvesriddae ignlsea, não ipomtra em qaul
odrem as Lteras de uma plravaa etãso, a
úncia...
Fixe seus olhos no texto abaixo e deixe que a sua
mente leia corretamente o que está escrito:
35T3 P3QU3N0 T3XTO 53RV3 4P3...
CONSCIÊNCIA FONOLÓGICA
•
•
•

Capacidade metalinguística que permite refletir sobre as
características da fala, sobre sua ...
Etapas da Consciência Fonológica
•
•
•
•
•
•
•

ALITERAÇÃO
RIMA
SÍNTESE SILÁBICA
SÍNTESE FONÊMICA
SEGMENTAÇÃO FONÊMICA
EXC...
Etapas de aquisição da escrita
Fase Pré-silábica

Trabalho de consciência silábica.

Fase silábica

Reforço do trabalho de...
Etapas de aquisição do sistema ortográfico
 Conversor

fonema grafema: surda x sonora,
substituições aleatórias, inversõe...
Remediação fonológica associada a
estratégias de leitura e escrita.
Relação grafema fonema

Língua Portuguesa: Sistema de ...
Percepção e Memória Auditiva
Atividades:
1- Sons não-verbais: apontar as figuras na mesma sequência ouvida
Sons de animais...
Percepção e Memória Auditiva
3- Idem ao anterior, reconhecendo a palavra chave inserida em frases, em música,
histórias et...
Atividades:
6- Atenção auditiva e orientação espacial.
Ex.: Vivo/morto – para frente/para trás – direita/esquerda. A crian...
Atividades:
9- Completar frases, usando de memória auditiva, sendo uma palavra falada

por cada criança, mantendo a coerên...
Percepção e memória visual
 

Atividades:
•Olhos de Lince.
•Memo Mix.
•Memorex ( revista Picolé).
•Jogos dos sete erros.
•...
Orientação Têmporo - Espacial, Coordenação
Viso-Motora, Esquema Corporal
 
Atividades:
1- Atenção auditiva e orientação e...
Nível fonético - fonológico
•ALITERAÇÃO
•RIMA
•SÍNTESE

SILÁBICA
•SÍNTESE FONÊMICA
•SEGMENTAÇÃO FONÊMICA
•EXCLUSÃO FONÊMIC...
Nível morfossintático:
Atividades:
A partir de uma prancha de imagem, ou com
várias figuras:
•nomear,
•construir frases,
•...
Nível semântico
Atividades: 
•

Falar durante 1 minuto nomes de animais ou frutas (Categoria
semântica).
• Falar durante 1...
Atividades:
•

Elaboração de história, a partir de uma reescrita:

o

Passo 1- Ouvir a história lida pelo professor.

o

P...
Atividades:
•

O professor escreve várias opções de significados para uma palavra desconhecida. A criança
vai procurar no ...
Nível Pragmático
Atividades:
Jogo “Diga Lá”:
Situações propostas neste jogo:
- Manutenção de diálogo
- argumentação
- seq...
Cada ser humano é único.
O funcionamento cerebral de cada
indivíduo também.

Cada ser aprende
de uma forma, uns
são mais v...
O indivíduo gosta de fazer o que faz bem,
se percebe que tem dificuldade deixa de fazer e de
treinar aquela habilidade. Qu...
Convite
Convido você a relembrar todos os professores
formais e informais dos quais nunca se esqueceu. O
que os diferencia...
Bibliografia:
JAKUBOVICS, R. e colaboradores. Avaliação em voz, fala e linguagem.
Rio de Janeiro, Revinter,2004.
SANTOS, M...
Exercícios vitalizadores:
Utilizados para quebra de estado e para melhorar a
atenção.
MOVENDO-SE NO ESPAÇO:
DURAÇÃO: 5 mi...
SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

Nathália Copello Quintes
Fonoaudióloga Clínica
CRFª 11995 - RJ

Kelly da Guia Fernandes ...
Desenvolvimento da Fala e da Linguagem
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Desenvolvimento da Fala e da Linguagem

17,501 views

Published on

Encontro preparado para os professores de Educação Infantil do Pré-Escolar Aluno Matheus Caruba Ferreira e para os professores do 1º Ciclo do Ensino Fundamental da E.M. Profª Liberalina A. R. de Souza - Monnerat - sobre aquisição da Fala e da linguagem, realizado pela fonoaudióloga Nathália Copello Quintes.

Published in: Education

Desenvolvimento da Fala e da Linguagem

  1. 1. SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Polo MoNNERAT SEToR DE foNoAuDiologiA foNoAuDiÓlogA : NATHAliA CoPEllo QuiNTES
  2. 2. Encontro para Professores de Educação Infantil e 1º Ciclo do Ensino Fundamental. Eixos Temáticos: 1.Relação entre linguagem e fala. 2.Desenvolvimento normal. 3.O momento do encaminhamento. 4.Relação entre linguagem e aprendizagem.
  3. 3. O pensamento organiza a linguagem ou a linguagem organiza o pensamento? 1.O que começou primeiro: o uso da linguagem desenvolveu o encéfalo? 2.Ou o desenvolvimento do encéfalo possibilitou o aparecimento da linguagem?
  4. 4. Nasce a anatomia da linguagem 1. BROCA  1861 Localização cerebral da linguagem expressiva 2. Wernicke  1874 Localização no cérebro da linguagem compreensiva A comunicação saiu da área da filosofia e entrou para a área da saúde.
  5. 5. As várias teorias sobre a aquisição da linguagem na criança: Comportamental (Skinner): a linguagem é aprendida.  Inativismo (Chomsky): a linguagem é inata.  Cognitivismo (Piaget) a linguagem é construída.  Interacionismo (Vigotsky): é o pensamento estruturado que gera a linguagem.  Pragmática (Bates e Halliday): a linguagem surgiu com a necessidade de comunicar.  Biologica (Lenneberg): o homem possui um aparato biologico (LAD) que o possibilita criar a linguagem. 
  6. 6. Definição Atual de linguagem Código usado para transmitir ideias sobre o mundo que nos cerca. Este código é representado por um sistema convencional de signos arbitrários, que servem para comunicar as idéias.
  7. 7. Diferença entre fala e linguagem
  8. 8. Fonemas: sons da nossa Língua
  9. 9. Parâmetros para o estudo da linguagem: Fonologia: relativo à descrição dos sons linguísticos e as regras desses sons em sequências. Sintaxe : relativo à descrição das regras morfológicas e à ordem das palavras numa proposição linguística.
  10. 10. Aspectos a serem observados no desenvolvimento normal da criança.  Linguagem: etapas de aquisição, desenvolvimento léxico, sintático, pragmático e estimulação ambiental.  Fala: aspectos fonético-fonológicos , fluência e prosódia.  Psicomotor: Etapas do desenvolvimento primário e evolução práxica e da consciência corporal.  Audição : Análise quantitativa (audiometria) e qualitativa (Processamento Auditivo) da audição.
  11. 11.  Visão: Análise quantitativa e qualitativa da visão e movimentos oculares.  Desenvolvimento Cranio-encefálico: Equilíbrio da Face e seus Componentes Orais. Ex: respiração nasal, funções dos órgãos fono-articulatórios.  Laringe : Análise anatômica e funcional da laringe.  Maturação.  Função apetitiva.  Estimulação do meio.  Segurança afetiva e física.
  12. 12. Papel da Família = Meio facilitador  Diálogo tônico – mãe x bebê Afetividade Quando há falta de estimulação no meio familiar a escola vai ter um papel fundamental na estimulação da linguagem. Quando há uma causa orgânica eu posso ter um meio estimulador e não obter resultados. FAMÍLIA ESCOLA FONO
  13. 13. RELAÇÃO ENTRE LINGUAGEM E APRENDIZAGEM A leitura e a escrita são etapas do desenvolvimento da linguagem e não podem ser consideradas atividades isoladas no processo de desenvolvimento da criança. Essas duas etapas gráficas fazem parte da evolução da linguagem que se inicia logo nos primeiros dias de vida da criança. Uma evolução que segue uma sequenciação de etapas interdependentes na qual cada etapa sofre influência da etapa anterior.
  14. 14. A primeira etapa do funcionamento verbal é a aquisição do significado. A criança adquire a noção e a função dos objetos que a rodeiam atribuindo-lhes um significado. Logo a seguir acorre a compreensão da palavra falada, os objetos são associados ao seu nome e iniciase a expressão da palavra falada. As próximas etapas são respectivamente, a compreensão da palavra impressa (leitura) e a expressão da palavra impressa (escrita), as quais são estágios superiores do desenvolvimento da linguagem.
  15. 15. ETAPAS DO DESENVOLVIMENTO DA LEITURA E DA ESCRITA Para Seymor, MacGregor e Frith o desenvolvimento da leitura ocorre em três etapas: •1ª- LOGOGRÁFICA: desenvolve-se primeiro a leitura e depois a escrita. Na leitura logográfica, a criança trata as palavras como se fossem desenhos, usando pistas contextuais em vez de decodificação alfabética. Na etapa logográfica, ela adquire um vocabulário visual de palavras, incluindo seu próprio nome, mas não é afetada pela ordem em que aparecem nas palavras, exceto pela letra inicial. Logo há o desenvolvimento do léxico logográfico com acesso direto da palavra escrita à memória semântica
  16. 16. 2ª- ALFABÉTICA: desenvolve-se primeiro a escrita e depois a leitura. Ela tem início quando a criança apreende as correspondências entre os grafemas e fonemas. Na escrita alfabética, a criança é capaz de obter acesso à representação fonológica das palavras, bem como de isolar fonemas individuais e de mapeá-los nas letras correspondentes. •A leitura alfabética progride ao longo de duas subfases, a primeira sem compreensão e a segunda com compreensão. Na 1a a criança é capaz de converter uma sequência de letras em fonemas, mas ainda é incapaz de apreender o significado da palavra que resulta daquela decodificação fonológica. Já na 2ª ela passa a ser capaz de decodificar tanto a fonologia como o significado da palavra.
  17. 17. 3ª- ORTOGRÁFICA: Desenvolve-se primeiro a leitura e depois a escrita. As relações entre grafemas são estabelecidas, o que possibilita a escrita de palavras irregulares. Na leitura ortográfica, a criança lê reconhecendo as unidades morfêmicas. Assim, o reconhecimento relaciona-se diretamente ao sistema semântico Na escrita ortográfica, ela escreve usando um sistema léxico-grafêmico, que dá conta da estrutura morfológica de cada palavra. •Essas três fases são também consideradas estratégias para a leitura e escrita. Quando uma nova estratégia se desenvolve, a anterior não desaparece porém sua aplicação e importância relativas diminuem.
  18. 18. PROCESSADORES RESPONSÁVEIS PELA LEITURA E ESCRITA Adams baseado no modelo conexionista de Seidenberg e McClelland descreveu quatro processadores responsáveis pela leitura e escrita: PROCESSADOR ORTOGRÁFICO • PROCESSADOR FONOLÓGICO • PROCESSADOR SEMÂNTICO • PROCESSADOR CONTEXTUAL •
  19. 19. Processador ortográfico • • • • Reconhecimento visual das palavras escritas. Quanto mais frequente uma determinada sequência de letras é encontrada, mais forte se tornarão as conexões entre as unidades. Quando se está lendo é a informação ortográfica visual que vem em 10 lugar. A medida que a estrutura ortográfica da palavra vai tomando forma ela envia sinais para as unidades que representam os significados da palavra
  20. 20. Falhas no processador ortográfico • • • • Dificuldade em focar a atenção na tarefa de leitura e escrita. Dificuldade no reconhecimento das letras, confundindo as letras do alfabeto. Adivinhação, omissão ou inserção de palavras no texto. Processamento ortográfico lento, isto é leitura silabada.
  21. 21. Processador fonológico • A imagem auditiva de cada palavra, sílaba ou fonema corresponde a ativação de um conjunto interconectado dessas unidades. • Recebe informações do meio externo, dadas pela fala. O leitor pode ativá-lo utilizando a subvocalização para facilitar a decodificação das palavras.
  22. 22. Falhas no processador fonológico • • • • • • • Associar grafema-fonema. Realizar tarefas de Consciência Fonológica no âmbito da palavra, da sílaba e/ou do fonema. Ler ou escrever palavras com fonemas que têm múltiplas representações gráficas. Ex: fonema /z/ em vaso, exame, azia, zero, etc. Ler ou escrever palavras com um grafema que tem várias representações fonêmicas. Ex: grafema /x/ xarope, exato, máximo, saxofone, explosão, etc. Ler ou escrever palavras com dígrafos. Ex: rr, ss, sc, nh, ch, lh, qu, gu, etc. Ler ou escrever palavras com encontros consonantais. Ex: objeto, pneu, praça, blusa, cacto, etc. Ler ou escrever palavras palavras homógrafas (mesma grafia e pronúncia diferente). Ex: selo {carta} selo {selar} e homófonas (mesma pronúncia e grafia diferente). Ex cinto e sinto, conserto e concerto etc.
  23. 23. Processador Semântico ARMAZENA O SIGNIFICADO DAS PALAVRAS FALHAS NO PROCESSADOR SEMÂNTICO: •Conhecimento • de mundo limitado. Dificuldade em compreender palavras ambíguas. Dificuldade em compreender novos estilos literários. Ex: poesia. • Dificuldade em relatar o texto lido por reconhecimento limitado das palavras, compreensão reduzida ou mesmo hábito de leitura pobre. • Dificuldade em dividir palavras em sílabas ou, ao contrário, em unir palavras separadas. • •Adivinhações, omissões ou inserções de palavras.
  24. 24. Processador contextual Responsável por uma interpretação coerente durante o processo da leitura do texto. FALHAS NO PROCESSADOR CONTEXTUAL •Dificuldade em compreender diferentes tipos de texto. Dificuldade com facilitação contextual automática, como por ex: “que palavra será provavelmente a próxima na sentença? • •Adivinhações, •Repetição omissões ou inserções de palavras no texto. de palavras ou sentenças. •Dificuldade em inferir o significado ou a pronúncia de uma palavra baseando-se no modo como ela é usada na sentença. Ex: LOUSA > LOUÇA
  25. 25. Rotas de leitura A leitura ocorre por meio de duas rotas: A fonológica. A lexical
  26. 26. ROTA FONOLÓGICA •Quando a leitura ocorre via rota fonológica, o item escrito é analisado pelo sistema de análise visual. Depois disso, é processado pelo sistema de reconhecimento visual de palavras. Se a representação ortográfica do item não estiver presente no léxico ortográfico, então o item não é reconhecido como uma palavra. neste caso, ele sofre processos de segmentação, conversão e síntese fonológicas. •Na rota fonológica, a pronúncia da palavra é construída por meio de regras de correspondência grafo-fonêmica.
  27. 27. ROTA LEXICAL O item também sofre, primeiramente, uma análise visual antes de ser processado pelo sistema de reconhecimento visual de palavras. Para que o item seja reconhecido como uma palavra, sua forma ortográfica tem de estar representada no léxico ortográfico. A forma ortográfica ativa sua representação semântica antes de ativar a forma fonológica, a qual ficará armazenada até que a pronúncia ocorra.
  28. 28. De aorcdo com uma peqsiusa de uma uinrvesriddae ignlsea, não ipomtra em qaul odrem as Lteras de uma plravaa etãso, a úncia csioa iprotmatne é que a piremria e útmlia Lteras etejasm no lgaur crteo. O rseto pdoe ser uma bçguana ttaol, que vcoê anida pdoe ler sem pobrlmea. Itso é poqrue nós não lmeos cdaa Ltera isladoa, mas a plravaa cmoo um tdoo. Sohw de bloa.
  29. 29. Fixe seus olhos no texto abaixo e deixe que a sua mente leia corretamente o que está escrito: 35T3 P3QU3N0 T3XTO 53RV3 4P3N45 P4R4 M05TR4R COMO NO554 C4B3Ç4 CONS3GU3 F4Z3R CO1545 1MPR3551ON4ANT35! R3P4R3 N155O! NO COM3ÇO 35T4V4 M310 COMPL1C4DO, M45 N3ST4 L1NH4 SU4 M3NT3 V41 D3C1FR4NDO O CÓD1GO QU453 4UTOM4T1C4M3NT3, S3M PR3C1S4R P3N54R MU1TO, C3RTO? POD3 F1C4R B3M ORGULHO5O D155O! SU4 C4P4C1D4D3 M3R3C3! P4R4BÉN5!
  30. 30. CONSCIÊNCIA FONOLÓGICA • • • Capacidade metalinguística que permite refletir sobre as características da fala, sobre sua composição sonora assim como manipulá-la. É a consciência dos sons que compõem as palavras que ouvimos e falamos. É a consciência de que as palavras são constituídas por diversos sons.  Metalinguístico é a capacidade de operar e refletir sobre a linguagem em diferentes níveis: textual; pragmático; semântico; sintático morfológico e fonológico.
  31. 31. Etapas da Consciência Fonológica • • • • • • • ALITERAÇÃO RIMA SÍNTESE SILÁBICA SÍNTESE FONÊMICA SEGMENTAÇÃO FONÊMICA EXCLUSÃO FONÊMICA TRANSPOSIÇÃO FONÊMICA
  32. 32. Etapas de aquisição da escrita Fase Pré-silábica Trabalho de consciência silábica. Fase silábica Reforço do trabalho de consciência silábica e introduzir a consciência fonêmica. Fase silábica alfabética Intensificar o trabalho de consciência fonêmica. Fase Alfabética Dar continuidade ao trabalho de consciência fonêmica possibilitando ao aluno o domínio do processo de alfabetização.
  33. 33. Etapas de aquisição do sistema ortográfico  Conversor fonema grafema: surda x sonora, substituições aleatórias, inversões, transposições, omissões, adições de letras.  Regras contextuais simples: nasalizações, omissões de n/m finais, r > rr, c > q, g > gu, e > i, o > u,  Regras contextuais complexas: proparoxítona, paroxítona, oxítona, adição de acento, acento em átona, troca de acento.  Irregularidades da língua: l > u, h, j > g, l > lh, x > ch, x > z, x > s, x > cs, s, c, ç, ss, sc, s > z. Múltiplas representações.
  34. 34. Remediação fonológica associada a estratégias de leitura e escrita. Relação grafema fonema Língua Portuguesa: Sistema de escrita com Base Alfabética Correspondência fonema x grafema Irregularidades/ pontuação/ acentuação Nomeação automática (RAN): cores, objetos, letras e dígitos. Relaciona se a velocidade de acesso ao léxico e ao processamento de estímulos visuais. Manipulação silábica Mecanismo gerativo de memória Escrita sob ditado Codificação (correspondência fonema grafema e ortografia) Cópia Coordenação viso motora, agilidade Segmentação silábica e fonêmica Contagem de sílabas fonemas e grafemas Faz com que o aluno perceba regularidades e irregularidades da Língua Rima Estimula a percepção e o conhecimento da sílaba tônica. Leitura Formação do léxico visual Acesso lexical
  35. 35. Percepção e Memória Auditiva Atividades: 1- Sons não-verbais: apontar as figuras na mesma sequência ouvida Sons de animais Meios de transporte Sons da natureza 2- Ouvir uma palavra-chave. Ao escutar uma série de outras palavras, erguer a mão quando escutar a palavra. Começar com o nome da criança, depois substantivos, depois adjetivos etc. Ex.: Antônio, Carlos, Juliano, Renato, Roberto, Ricardo. (Roberto) Júlia, Juliana, Jéssica, Janaína, Júnia. (Júlia) Mesa, cadeira, lápis, lousa, lapiseira, caderno. (lapiseira) Meia, camisa, tênis, calça, camiseta, mola. (camiseta) Bonito, alegre, feio, gordo, gostoso, guloso. (gostoso)
  36. 36. Percepção e Memória Auditiva 3- Idem ao anterior, reconhecendo a palavra chave inserida em frases, em música, histórias etc. 4- Perceber auditivamente sons ambientais. Pedir para as crianças ficarem em silêncio e perceberem todos os sons possíveis. Depois pede-se para falar o que escutaram. 5- Seguir comandos. A criança ouvirá uma, duas ou mais funções, de acordo com o nível em que se encontra, e em seguida as realizará em sequência, conforme ouviu. Ex.: 1- Pisque os olhos. 2- Pisque os olhos e bata palmas.3- Pisque os olhos, bata palmas e estale os dedos. 4- Pule de um pé só com o pé esquerdo, e coloque a mão no peito direito e depois pulando, gire para a direita dando uma volta. 4- Levante-se da cadeira, aperte a mão do seu vizinho, vá até o quadro e desenhe uma árvore com frutos e um passarinho.
  37. 37. Atividades: 6- Atenção auditiva e orientação espacial. Ex.: Vivo/morto – para frente/para trás – direita/esquerda. A criança ouve a ordem e se locomove de acordo com o que escutou. Brincadeira dos passos (passo de formiga, de elefante, etc...) 7- Igual e diferente. Mostrar três intrumentos musicais. Ex.: tambor, triângulo, apito. O professor toca dois deles. A criança terá de analisar e grafar se são iguais ou diferentes. 1º vendo os instrumentos e ouvindo-os. Depois só ouvindo. 8- Associação de ideias. Ex.: Carteira lembra dinheiro. Dinheiro lembra chocolate. Chocolate lembra dorde-barriga. Dor-de-barriga lembra médico, etc.
  38. 38. Atividades: 9- Completar frases, usando de memória auditiva, sendo uma palavra falada por cada criança, mantendo a coerência lógico-temporal; ou pedir para cada criança falar 1 fruta, ou animal etc., sempre repetindo as palavras ditas anteriores e seguindo a mesma ordem; pode-se utilizar frases e a criança terá que falar a frase, sempre repetindo a anterior e mantendo a mesma ordem. Ex.: Eu. O outro diz: Eu fui...Eu fui ao...Eu fui ao supermercado... 10- Memória auditiva. Pedir para cada criança falar uma palavra (fruta, animal etc), sempre repetindo as palavras ditas anteriores e seguindo a mesma ordem; pode-se utilizar frases e a criança terá que falar a frase, sempre repetindo a anterior e mantendo a mesma ordem. Uma criança diz: Maçã. O outro diz: Maçã, banana...Maçã, banana, laranja...
  39. 39. Percepção e memória visual   Atividades: •Olhos de Lince. •Memo Mix. •Memorex ( revista Picolé). •Jogos dos sete erros. •Quebra – cabeça. •Onde está Wally?   Loto com várias palavras, figuras ou símbolos semelhantes, ver uma palavra, figura ou símbolo rapidamente e reconhecê-los na cartela, colocando grãos de feijão, por exemplo.  
  40. 40. Orientação Têmporo - Espacial, Coordenação Viso-Motora, Esquema Corporal   Atividades: 1- Atenção auditiva e orientação espacial. Ex.: Vivo/morto – para frente/para trás – direita/esquerda. A criança ouve a ordem e se locomove de acordo com o que escutou.   2- Coordenação e percepção motora (auxilia na propriocepção). Colocar em saquinhos escuros, alguns materiais, como arroz, feijão, farinha, açúcar, pedrinhas, algodão, massinha, etc. No primeiro momento, de olhos fechados, sentir com toda a mão e tentar descobrir qual é, tendo sido anteriormente explorados com os olhos abertos. Pode se realizar com objetos também.
  41. 41. Nível fonético - fonológico •ALITERAÇÃO •RIMA •SÍNTESE SILÁBICA •SÍNTESE FONÊMICA •SEGMENTAÇÃO FONÊMICA •EXCLUSÃO FONÊMICA •TRANSPOSIÇÃO FONÊMICA
  42. 42. Nível morfossintático: Atividades: A partir de uma prancha de imagem, ou com várias figuras: •nomear, •construir frases, •categorizar ( meios de transporte, animais, frutas), •dar sentido perceber contextos. •construir frases a partir de 2 palavras dadas.
  43. 43. Nível semântico Atividades:  • Falar durante 1 minuto nomes de animais ou frutas (Categoria semântica). • Falar durante 1 minuto palavras que comecem com “B” (Categoria fonética). • Brincadeira da “Adedanha”, ( pode ser por categorias ou por sons) • Na leitura de um texto, cada um lê uma parte e deverá resumir oralmente a ideia principal, ou seja, destacar os substantivos e verbos mais importantes, fazendo uma frase simples com essas palavras. Ex.: Sônia tinha uma filha muito magricela, alta e falante, de nome Vanessa. Apesar se serem mãe e filha, não se davam nunca e brigavam com palavras, olhares e por vezes, até alguns cutucões. Resumo: mãe e filha brigavam e não se comunicavam bem. • Fazer desenhos e dar uma palavra de cada vez que combine com os desenhos, para serem coladas embaixo da figura correspondente.
  44. 44. Atividades: • Elaboração de história, a partir de uma reescrita: o Passo 1- Ouvir a história lida pelo professor. o Passo 2- Dramatizar a história ouvida, usando fantasias ou mímica. o Passo 3- Escrever algumas frases que representem o início, meio e fim da história. o Passo 4- Recortar estas frases, e montá-las na sequência para que formem a história, numerando as frases. o Passo 5- Desenhar as frases, indicando a numeração correspondente. o Passo 6- Transferir para um texto, toda a história escrita em frases. • Fechamento de texto. Escolher um texto pequeno, letras grandes. Colá-lo no caderno, faltando algumas palavras, anteriormente recortadas e coladas ao lado. Associar, pelo significado, as lacunas às palavras correspondentes. • Completar frases, usando de memória auditiva, sendo uma palavra falada por cada criança, mantendo a coerência lógico-temporal. Ex.: Eu. O outro diz: Eu fui...Eu fui ao...Eu fui ao supermercado...
  45. 45. Atividades: • O professor escreve várias opções de significados para uma palavra desconhecida. A criança vai procurar no dicionário para descobrir qual a definição correta. Escolher uma definição e formar uma frase. Depois escolher outra definição e formar outra frase. Ex.: /canto/ O canto do passarinho é lindo. O Marcelo bateu a cabeça no canto da mesa. A barata subiu pelo canto da parede. • História conhecida com absurdos. Ex.: Era uma vez um Chapeuzinho azul, que morava com sua tia e foi passear no Shopping e levar materiais de escola para sua vovó. Descobrir os absurdos auditivamente e consertá-los por escrito. • Interpretação de texto. Estratégias interpretativas: fazer algumas perguntas antes de ler o texto (antecipação). Após a leitura do texto, fazer questionamentos sobre o texto: 1º) sem ver o texto 2º) voltar ao texto
  46. 46. Nível Pragmático Atividades: Jogo “Diga Lá”: Situações propostas neste jogo: - Manutenção de diálogo - argumentação - sequência - atividades de vida diária - situações de apresentações (auto apresentação) - desculpas - despedidas - solicitações - solidariedade - empatia
  47. 47. Cada ser humano é único. O funcionamento cerebral de cada indivíduo também. Cada ser aprende de uma forma, uns são mais visuais, auditivos ou sinestésicos. Algumas pessoas são mais analíticas outras sintéticas. O aprendizado se dá de várias formas.
  48. 48. O indivíduo gosta de fazer o que faz bem, se percebe que tem dificuldade deixa de fazer e de treinar aquela habilidade. Quanto mais estimulado em uma habilidade, melhor vai se sair nela.  O MÉTODO DE ALFABETIZAÇÃO DEVE PASSAR POR TODOS OS NÍVEIS LINGUÍSTICOS, NÃO IMPORTANDO SE VAI PARTIR DA PARTE PARA O TODO OU DO TODO PARA A PARTE.
  49. 49. Convite Convido você a relembrar todos os professores formais e informais dos quais nunca se esqueceu. O que os diferenciava dos demais? Como você se sentia perto deles? Por que eles se tornaram inesquecíveis? Certamente fará parte da resposta da grande maioria: ELES TRANSMITIAM AMOR PELO QUE FAZIAM. Se pensarmos um pouco mais, veremos que outra característica desses professores é que nos permitiam fazer perguntas, encontrar respostas e construir conhecimentos, plantando em nós sementes cujos frutos ainda colhemos.
  50. 50. Bibliografia: JAKUBOVICS, R. e colaboradores. Avaliação em voz, fala e linguagem. Rio de Janeiro, Revinter,2004. SANTOS, M T M. e outra. Distúrbios de leitura e escrita. Rio de Janeiro, Manole; 2005. ZORZI, J. L. e outra. PROC Protocolo de Observação Comportamental. São José dos Campos, SP. Pulso; 2004. RODRÍGUEZ, V. M. A. e colaboradores. Avaliação da linguagem – Teoria e Prática do Processo de Avaliação do Comportamento Linguístico infantil. São Paulo, Santos: 2006. KIGUEL, S. Moojen. Identificação de crianças disortográficas em sala de aula. Boletim da associação Estadual de Psicopedagogia. Nº 7, abril de 1985. P.30-44. SAVASTANO, R. R. J. Gomes, P. T. S. Alfabetização com as boquinhas, Método fono-visuo-articulatório. São Paulo. Ed:Pulso, 2008.
  51. 51. Exercícios vitalizadores: Utilizados para quebra de estado e para melhorar a atenção. MOVENDO-SE NO ESPAÇO: DURAÇÃO: 5 min PASSOS: 1. Os jovens começam por circular pela sala ou recinto. 2. O facilitador dá orientações quanto ao estado físico dos participantes: recuando no tempo, pesado, leve, maior, menor, apertado, aos solavancos, bolhas, viajando sobre as nuvens, etc. 3. Os participantes representam as várias situações, usando a expressão corporal, andando ao redor da sala/recinto.
  52. 52. SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Nathália Copello Quintes Fonoaudióloga Clínica CRFª 11995 - RJ Kelly da Guia Fernandes Moreira Psicóloga CRP 05/27897 Especialista em Educação Infantil Especialista em Neurociências aplicadas à Aprendizagem Gestora em Educação Inclusiva Coordenadora Geral do CAPPE

×