Concepções de gestão parte iii

1,774 views

Published on

Published in: Education, Business
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
1,774
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
38
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Concepções de gestão parte iii

  1. 1. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃOUNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOSFACULDADE DE EDUCAÇÃOPROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO - MESTRADO EM EDUCAÇÃO<br />Trabalho apresentado a disciplina Estudos em Gestão Educacional sob orientação da Prof. Dr. Paulo Gomes Lima<br />Mestranda Kellcia Rezende Souza<br />
  2. 2. CONCEPÇÕES DE GESTÃO ESCOLAR E ELEIÇÃO DE DIRETORES DA ESCOLA PÚBLICA DO PARANÁ (PARTE II)<br />Mestranda Kellcia Rezende Souza PPGEdu/UFGD<br />José Luciano Ferreira de Almeida<br />
  3. 3. Graduação Bacharelado e Licenciatura em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Paraná (1988), Especialização em Organização do Trabalho Pedagógico (Educação e Trabalho) na Universidade Federal do Paraná em 2001 e Mestrado em Educação e Trabalho pela Universidade Federal do Paraná (2003). Acadêmico do Curso de Direito na Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Coordenador técnico pedagógico - Secretaria de Estado da Educação. Docente do Instituto Namastê e Instituto Ekkoni de Desenvolvimento em Educação, professor da Faculdade Anchieta de Ensino Superior, Professor de Historia e Coordenador pedagógico da equipe de ensino - Secretaria de Estado da Educação, professor de ensino superior da Universidade do Brasil.<br />Mestranda Kellcia Rezende Souza PPGEdu/UFGD<br />José Luciano Ferreira de Almeida<br />
  4. 4. Anos 1990 e 2001: a concepção da gestão escolar na ótica da gestão por resultados e da qualidade total e a escola de diretores escolares<br />Estado mínimo<br />Uma base de redução do que é público privilegiando a lógica do mercado<br />Mestranda Kellcia Rezende Souza PPGEdu/UFGD<br />
  5. 5. As reformas do Estado na década de 1990 e a gestão da educação<br />Na educação e especialmente na administração escolar, ocorreu na década de 90 como conseqüência das reformas<br />no âmbito do Estado, a transposição de teorias e modelos de organização e administração empresariais e burocráticos para a escola como uma atitude frequente.<br />Mestranda Kellcia Rezende Souza PPGEdu/UFGD<br />A reforma do estado articula-se com os parâmetros neoliberais destacando-se os pilares da gerência capitalista da produtividade, eficiência e qualidade total.<br />Crise Fiscal do Estado<br />
  6. 6. Mestranda Kellcia Rezende Souza PPGEdu/UFGD<br />
  7. 7. Mestranda Kellcia Rezende Souza PPGEdu/UFGD<br />A concepção gerencial na gestão escolar aparece então, de forma que reduz os principais problemas que a escola pública enfrenta a uma questão técnica, e podendo ser superada a partir de uma eficiência gerencial.<br />
  8. 8. Mestranda Kellcia Rezende Souza PPGEdu/UFGD<br />
  9. 9. A afirmação da concepção da gerência de empresa na gestão escolar e a redução da forma democrática na eleição do diretor escolar<br />Mestranda Kellcia Rezende Souza PPGEdu/UFGD<br />
  10. 10. Guia de gestão escolar<br />Padrão da produtividade e da excelência<br />Mestranda Kellcia Rezende Souza PPGEdu/UFGD<br />Documento utilizado como referência para o trabalho do gestor escolar utiliza-se de recursos, valores e definições da gerência do trabalho capitalista, utiliza-se o padrão da competência como referência para o gestor escolar<br />
  11. 11. Mestranda Kellcia Rezende Souza PPGEdu/UFGD<br />
  12. 12. Entrevista com diretora sindical<br /> Afirma falta de compreensão por parte dos professores e dos próprios diretores escolares, sobre o que significava naquele momento a gestão por resultados e da qualidade total. Isso porque esses instrumentos teóricos que buscavam a “eficiência escolar” tinha como bandeira combater a repetência, a retenção e evasão escolar, bandeira essa que todos defendemos. Contudo, tais concepções traziam a forma gerencial de organizar a escola, transpondo-se para a gestão escolar os mecanismos utilizados nas empresas. Sob a lógica da participação, por exemplo, buscou-se transferir para a comunidade escolar, a responsabilidade do financiamento da escola pública.<br />Mestranda Kellcia Rezende Souza PPGEdu/UFGD<br />
  13. 13. Gestão democrática tomada como sinônimo de gestão participativa ou compartilhada<br />Gestão compartilhada tem na Associação de pais e mestres um instrumento de trabalho escolar sob a gerência de qualidade total<br />Mestranda Kellcia Rezende Souza PPGEdu/UFGD<br />O processo eleitoral de 2001 foi marcado pelas contradições postas, a partir do aprofundamento da lógica empresarial na gestão escolar.<br />
  14. 14. Entrevista com a consultora do Renegaste<br />Revela o caráter burocrático do processo de escolha do diretor escolar em 2001. <br />Introdução de uma prova de avaliação para os candidatos e ainda a<br />participação de funcionários do Núcleo regional de educação como eleitores do processo aparecem.<br />Forma de controlar e interferir no processo de escolha dos diretores eleitos em 2001.<br />Mestranda Kellcia Rezende Souza PPGEdu/UFGD<br />
  15. 15. Caráter meritocrático da seleção do diretor escolar – teste de conhecimento<br />Diretor entrevistado<br />Revela a interferência dos funcionários dos Núcleos regionais da educação no processo de escolha – controle político do processo.<br />Mestranda Kellcia Rezende Souza PPGEdu/UFGD<br />Guia de gestão escolar e decreto 4313/01 – mecanismos de afirmação da concepção gerencial da gestão escolar<br />
  16. 16. CONSIDERAÇÕES FINAIS<br />O capitalismo vive um processo de reestruturação produtiva, quando toma força o ideário neoliberal, que se sustenta no tripé da desregulamentação, privatização e abertura comercial.<br />Mestranda Kellcia Rezende Souza PPGEdu/UFGD<br />No caso do Paraná as políticas públicas para a educação estiveram sob a lógica de um Estado mínimo de concepção neoliberal.Com relação à concepção de gestão escolar ocorreu o aprofundamento da concepção gerencial na escola.<br />
  17. 17. Mestranda Kellcia Rezende Souza PPGEdu/UFGD<br />
  18. 18. Entrevistas realizadas junto à diretora sindical e à consultora da Renageste<br />Concepção de gestão escolar e de escolha do diretor escolar revelaram o movimento contraditório que marca a própria concepção de gestão escolar. Grau de profundidade que a concepção de gerência empresarial tomou nas escolas.<br />Mestranda Kellcia Rezende Souza PPGEdu/UFGD<br />Entrevistas realizadas junto aos diretores<br />Grau de polarização entre as concepções de gestão postas por eles; isso pode ser explicado pelo fato de que um dos diretores entrevistados foi premiado em 2002 como referência nacional em gestão escolar. Predomínio de aspectos referentes a lógica da gerência empresarial.<br />
  19. 19. A democratização da gestão escolar deve-se fundamentar nos processos sociais e históricos, no sentido de que a educação constitui-se a partir da formação humana, e essa formação dá-se pelo trabalho. Portanto, desvelar as relações de dominação social pelo trabalho constituirá a democratização da gestão escolar.<br />A superação desta contradição está em reconhecer que a escola é uma instituição necessária para a democratização da sociedade, no sentido de que o conhecimento historicamente produzido na escola é uma relação de poder.<br />Mestranda Kellcia Rezende Souza PPGEdu/UFGD<br />
  20. 20. Referências bibliográficas<br />ALMEIDA, José Luciano. Concepções de gestão escolar e eleição de diretores da escola pública do Paraná. Curitiba, 2004. Dissertação (Mestrado em Educação), Universidade Federal do Paraná, 2004.<br />Mestranda Kellcia Rezende Souza PPGEdu/UFGD<br />

×