Tectônica de placas

2,499 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
2,499
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1,538
Actions
Shares
0
Downloads
34
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Tectônica de placas

  1. 1. GEOGRAFIA PROFESSORA CAROLINA CORRÊA
  2. 2. Conteúdos Tectônica de placas; Teoria da deriva continental.
  3. 3. Objetivos Compreender: Forças endógenas e exógenas; Formação e movimento das placas; Deriva continental.
  4. 4. O Planeta em Constante Transformação Forças exógenas são as que modelam o relevo e resultam da dinâmica da atmosfera, da hidrosfera e da atividade biológica na superfície da Terra.
  5. 5. Que processos exógenos são esses?
  6. 6. Os processos exógenos são intemperismo, erosão, transporte e deposição que atuam através da ação dos seus agentes que são as chuvas, os rios, o gelo, a gravidade e o vento. Existe uma tendência constante de nivelamento da superfície terrestre.
  7. 7. Forças endógenas são as responsáveis pela estruturação das formas de relevo.
  8. 8. Resultam da dinâmica interna da Terra, que envolve a estrutura da Terra, a dinâmica da litosfera e os fenômenos magmáticos, metamórficos, tectônicos, orogenéticos e epirogenéticos. 8
  9. 9. Fenômenos magmáticos: são aqueles relacionados à gênese, evolução e solidificação do magma. Quando ocorrem no interior da crosta são intrusivos ou plutônicos e quando ocorrem no exterior são chamados extrusivos ou vulcânicos.
  10. 10. Fenômenos metamórficos: ocorrem sob altas temperaturas e/ou pressões e provocam recristalização e deformação das rochas ígneas, sedimentares e metamórficas, com mudanças de suas características mineralógicas e texturais.
  11. 11. Fenômenos tectônicos: geram falhamentos e dobramentos devido à movimentação das placas. A incidência de tensões de diferentes tipos e magnitudes sobre as rochas da litosfera, gera deformações e movimentos em larga escala.
  12. 12. Placas Tectônicas Do grego tektonikés “a arte de construir”.
  13. 13. Em 1620, Francis Bacon, filósofo inglês, apontava o perfeito encaixe entre o contorno da América do Sul e da África e aventava, pela primeira vez, a hipótese da união destes dois continentes no passado.
  14. 14. 1880 - 1930 A Teoria da Deriva Continental foi proposta por Alfred Wegener em 1912. Ele sugeriu que, a cerca de 200 milhões de anos atrás, existia um supercontinente que ele chamou de Pangea (do latim pan=todo e gea=terra).
  15. 15. PANGÉIA Triássico Inferior Fonte : PRESS, F.; SIEVER, R.; GROTZINGER, John; JORDAN, T. H. Para Entender a Terra. São Paulo:Bookman, 2006.
  16. 16. Fonte: Decifrando a Terra / TEIXEIRA, TOLEDO, FAIRCHILD e TAIOLI - São Paulo, 2ª Ed., Companhia Editora Nacional, 2009. 16
  17. 17. Evidências que contribuíram para a hipótese da Deriva Continental A coincidência do contorno entre a América do Sul e a África
  18. 18. Evidências fósseis 18
  19. 19. www.cite-sciences.fr 19
  20. 20. Associação entre os tipos e estruturas de rochas. Climas passados Fonte: Decifrando a Terra / TEIXEIRA, TOLEDO, FAIRCHILD 20 e TAIOLI - São Paulo: Oficina de Textos, 2000.
  21. 21. A pesar da evidências, Wegener não coseguiu responder adequadamente questões fundamentais como: Que forças seriam capazes de movimentar os continentes? Como uma crosta continental poderia deslizar sobre a oceânica sem que ambas fossem quebradas pelo atrito? Com a morte de Wegener em 1930, sua teoria caiu no esquecimento.
  22. 22. Durante a Segunda Guerra Mundial houve a necessidade de orientar o movimento dos submarinos e então expedições de pesquisas começaram a mapear o assoalho oceânico Atlântico. O que eles encontraram? Qual a idade?
  23. 23. Na década de 60 Herry Hess, da Universidade de Princeton, relacionou as estruturas do fundo oceânico a processos de convecção do manto. Enfim, surgia um mecanismo plausível para a Deriva Continental. Mas como é esse processo?
  24. 24. A litosfera é quebrada em diversos placas, que estão constantemente se movimentando e mudando de forma e de tamanho.
  25. 25. São 13 grandes placas e algumas menores que se movem lentamente sobre a astenosfera
  26. 26. Movimentação das placas
  27. 27. Tipos de limites entre placas  Limite Divergente ou Construtivo  Limite Convergente ou Destrutivo  Limite Transcorrente ou Conservativo
  28. 28. Limite Divergente ou Construtivo
  29. 29. Fonte: Decifrando a Terra / TEIXEIRA, TOLEDO, FAIRCHILD e TAIOLI - São Paulo: Oficina de Textos, 2000. 30
  30. 30.  convergente ou destrutivo Entre duas placas oceânicas 3 2 Fonte: Decifrando a Terra / TEIXEIRA, TOLEDO, FAIRCHILD e TAIOLI - São Paulo: Oficina de Textos, 2000.
  31. 31. Entre uma placa oceânica e uma continental. Fonte: Decifrando a Terra / TEIXEIRA, TOLEDO, FAIRCHILD e TAIOLI - São Paulo: Oficina de Textos, 2000.
  32. 32. Entre duas placas continentais. Fonte: Decifrando a Terra / TEIXEIRA, TOLEDO, FAIRCHILD e TAIOLI - São Paulo: Oficina de Textos, 2000.
  33. 33. Limite Transformante ou Conservativo
  34. 34. 35
  35. 35. Falha de Santo André 36
  36. 36. 37
  37. 37. Hotspots Alguns vulcões ocorrem no meio das placas nas áreas chamadas "hotspots" (pontos quentes). Os vulcões havaianos fornecem o melhor exemplo de uma corrente vulcânica de "intra-placa", desenvolvida no interior da Placa Pacífica que passa sobre "um ponto quente", relativamente estacionário, o qual fornece o magma para alimentar os novos vulcões.
  38. 38. Distribuição Mundial dos Vulcões Ativos Fonte: http://domingos.home.sapo.pt/vulcoes_6.html
  39. 39. Regiões com atividades vulcânicas e sísmicas associadas a convergência e a distribuição de placas. O círculo de Fogo do Pacífico, mostrando os vulcões ativos ( ) e terremotos ( )
  40. 40. Evolução da Movimentação dos Continentes Proterozóico Superior Rodínia formou-se há cerca de 1,1 B.a e começou a fragmentar há cerca de 750 M.a.
  41. 41. Ordoviciano Médio
  42. 42. Devoniano Inferior
  43. 43. PANGÉIA Triássico Inferior
  44. 44. Fragmentação do Pangéia Jurássico Inferior
  45. 45. Jurássico Superior
  46. 46. Cretáceo Superior e Terciário Inferior ,
  47. 47. O Mundo Moderno
  48. 48. 50 Ma no futuro
  49. 49. Referências GUERRA, A. J. T.; CUNHA, S. B. Geomorfologia: uma atualização de bases e conceitos. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2. ed., 1995. 472 p. LEINZ, V.; AMARAL, S. E. Geologia Geral. São Paulo: Nacional, 1980.
  50. 50. SENE, E. & MOREIRA, J. C.. Geografia Geral e do Brasil. Volume 1, São Paulo: Scipione, 2010. TEIXEIRA, W.; TOLEDO, M.C.M.; FAIRCHILD, T.R.; TAIOLI, F. Decifrando a Terra. São Paulo: Oficina de Textos, 2000.

×