Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Pancreatite aguda

1,833 views

Published on

Pancreatite aguda

Published in: Education
  • Be the first to comment

Pancreatite aguda

  1. 1. Hospital Municipal de Imperatriz - HMI PANCREATITE AGUDA Karoline Lima Pereira.
  2. 2. . 2
  3. 3. CONCEITOS ATUAIS . 3 A TERMINOLOGIA UTILIZADA ATUALMENTE NA PANCREATITE AGUDA, SE BASEIA NA CLASSIFICAÇÃO DE ATLANTA DE 1992.
  4. 4. DEFINIÇÕES ATUAIS. . PANCREATITE AGUDA LEVE (P.A.L.) Processo inflamatorio pancreático agudo, no qual a caracteristica fundamental é o edema intersticial pancreático com minima repercussão sistémica. 4 PANCREATITE AGUDA GRAVE. (P.A.G.) Pancreatite aguda ASSOCIADA A a) FALHAS ORGÂNICAS SISTÉMICAS b) OU COMPLICAÇÕES LOCALES Como: • NECROSE PANCREÁTICA. • ABSCESSO OU •PSEUDOCISTO
  5. 5. 5
  6. 6. DEFINIÇÕES ATUAIS. . 6 NECROSE: ZONAS LOCALIZADAS OU DIFUSAS DE TECIDO PANCREATICO NÃO VIAVEL, QUE GENERALMENTE SE ASSOCIA A NECROSIS GORDUROSA PERIPANCREATICA. COLEÇÕES LIQUIDAS AGUDAS: COLEÇÕES DE DENSIDADE LIQUIDA, QUE CARECE DE PAREDE E SE PRESENTAM PRECOCEMENTE NO PANCREAS OU PERTO DELE. ABSCESSO PANCREATICO: COLEÇÕES CIRCUNSCRITA DE PUS NO PANCREAS OU AO SEU REDOR, QUE APARECE COMO CONSEQUENCIA DE UMA PANCREATITE AGUDA, COM ESCASSO TECIDO NECROTICO EM SEU INTERIOR. PSEUDOCISTO: FORMAÇÃO DE DENSIDADE LIQUIDA, COM PAREDE DE TECIDO DE GRANULAÇÃO OU FIBROSA, QUE APARECE DEPOIS DE 4 SEMANAS.
  7. 7. CAUSAS DE PANCREATITE AGUDA. . MECANICAS INFECCIONES • COLELITIASE • CPRE • ASCARIS • POS - OPERATORIO • POS – TRAUMATICO • OBSTRUÇÃO DO WIRSUNG • OBSTRUÇÃO DUODENAL • PAROTIDITE • HEPATITE B • CMV • COXSACKIE • VARICELA-ZOSTER • HSV • VIH • MICOPLASMA, • LEGIONELLA 7
  8. 8. CAUSAS . • ALCOOL •HIPERLIPO - PROTEINEMIA • HEREDITARIEDADE • HIPERCALCEMIA •VENENO DE ESCORPIÃO LEPTOSPIRA SALMONELLA ASPERGILLUS TOXOPLASMA ASCARIS CRYTOSPORIDIUM INFECCIOSAS (CONTINUAÇÃO) TOXICAS/ METABOLICAS 8
  9. 9. CAUSAS DE PANCREATITE AGUDA. 9
  10. 10. FISIOPATOLOGIA. . 10 O PANCREAS NORMALMENTE SECRETA GRANDE QUANTIDADE DE ENZIMAS COMO: • QUIMOTRIPSINA. • AMILASA. • LIPASAS. • ELASTASAS, CARBOXIPEPTIDASAS A E B. ETC. A MAIORIA DESTAS ENZIMAS SÃO SECRETADAS COMO PRECURSORES INATIVOS, AS QUE JUNTO AOS INIBIDORES ENZIMATICOS DO SUCO PANCREATICO, PROTEGEN O PANCREAS DE SUA AUTODIGESTÃO. OS EVENTOS INICIAIS DA PATOGENIA, NÃO ESTÃO TOTALMENTE CLAROS; MAS TEM EVIDENCIAS QUE UM OU VARIOS DOS SEGUINTES FATORES, DESENCADEIAM UMA CADEIA INFLAMATORIA, DEVIDO A ACTIVAÇÃO ENZIMATICA INTRAPANCREATICA. • A) AUMENTO DE PRESSÃO INTRADUCTAL DO SISTEMA EXCRETOR PANCREATICO. (POR LITIASIS.) •B) REFLUXO DE BILIS AO WIRSUNG. •C) HIPERTRIGLICERIDEMIA AGUDA OU PRE-EXISTENTE. •D) DANOS ISQUEMICO. •E) INTERRUPÇÃO DE CONDUTO EXCRETOR POR TRAUMA ,ETC.
  11. 11. FISIOPATOLOGIA . 11 OS FATORES ANTERIORES DESENCADEIAM UMA CASCATA INFLAMATORIA LOCAL, DESENCADEIAM PELA ATIVAÇÃO ENZIMATICA INTRAGLANDULAR…. QUE PROVOCA: •DANOS MICROVASCULAR, •TROMBOSIS E NECROSE TISULAR, •SAPONIFICAÇÃO DA GORDURA •LIBERAÇÃO DE RADICAIS LIVRES E EVENTUALMENTE UMA •RESPOSTA INFLAMATORIA SISTEMICA PROGRESSIVA , COM FALHA ORGANICA MULTIPLA. AS ENZIMAS ATIVADAS DIGEREM O PANCREAS EM PRIMERA INSTANCIA E LOGO SEU ENTORNO DE TECIDOS VIZINHOS E PELA RESPOSTA INFLAMATORIA, AS CINICNAS SE TRANSPORTAM A DISTANCIA PROVOCANDO E MANTENDO A INFLAMAÇÃO SISTEMICA.
  12. 12. DIAGNOSTICO . 12 EM QUE PACIENTES DEVEMOS SUSPEITAR UMA PANCREATITE AGUDA?
  13. 13. Suspeitar em: . 13 Paciente com dor abdominal intenso, associada a vômitos, que refere ANTECEDENTES DE: •ALCOOLISMO. •LITIASE VESICULAR. •HIPERTRIGLICERIDEM IA. •TRANSGRESSÃO DIETETICA. •TRAUMA FECHADO DE ABDOME. •TUMOR PANCREATICO. •PAROTIDITE
  14. 14. DIAGNOSTICO. . 14 CRITERIO CLINICO CRITERIO LABORATORIAL CRITERIO IMAGENOLOGICO : TC DE ABDOME.
  15. 15. CRITERIO CLINICO: 15 HABITUALMENTE OS PACIENTES SE APRESENTAM COM: DOR EM HEMIABDOME SUPERIOR INTENSO E COM VOMITOS. O ESTADO DE CHOQUE, ILEO, DOR DORSAL ETC. QUE QUANDO ESTÃO PRESENTES: AJUDAM A AFIRMAR ESSA SOSPEITA DIAGNOSTICA, MAS PELA SUA BAIXA SENSIBILIDADE, NÃO DEVEM SER PARAMETRO PARA O DIAGNOSTICO.
  16. 16. CRITERIO LABORATORIAL . 16 O CRITERIO MAIS UTIL para confirmar O DIAGNOSTICO de pancreatite, em frente a um quadro clínico caracteristico é a LIPASE SERICA. V.N. 0 - 160 U.L. A elevação de 2 vezes o valor normal tem um 95% de sensibilidade diagnostica. A maior vantagem sobre a amilasa é sua elevação mais duradoura (8-14 dias) e que não tem outras causas de elevação. A amilase dura somente 3 días, tem varias causas diferentes a pancreatite que a elevam. Elevação de 3x de seu valor normal (40 a 140 U./L.) (>de 500 U.I.) tem uma sensibilidade de 67% a 83% e uma especificidade de 85% a 98% . Sua elevação ocorre a 2-12 hrs do começo e se normaliza aos 3-5 dias. Não serve como prognostico.
  17. 17. 17 A elevação de 2 vezes o valor normal tem um 82 a 100% de sensibilidade e especificidade diagnostica. A maior vantagem sobre a amilasa é sua elevação mais duradoura (8-14 dias) e que não tem outras causas de elevação. LIPASE Aumenta após 4 a 8h do inicio do quadro.
  18. 18. IMAGENOLOGIA DE ABDOME . 18 R.X. DE ABDOMEN: Não ajuda o diagnostico de pancreatite, mas ajuda com o diagnóstico diferencial. ( descartar perfuração de vísceras e obstrução intestinal) TC DE ABDOME: Entre o 3 e 10 dias de evolução, com contraste para evidenciar: •INFLAMAÇÃO PERIPANCREATICA. •COLEÇÕES PERIPANCREATICAS. •DETERMINAR EXISTENCIA, LOCALIZAÇÃO E TAMANHO DA NECROSE PANCREATICA O GRAU DE INFLAMAÇÃO PERIPANCREATICA, SE EVIDENCIA NOS CRITERIOS DE BALTHAZAR
  19. 19. . 19
  20. 20. CRITERIOS DE PANCREATITE. 20
  21. 21. 21
  22. 22. Apache II 22 Muito utilizada nas UTI, permite dentro de 48 hrs diferenciar uma PAG de uma PAL; Ademais, em qualquer momento permite uma avaliação da melhora ou gravidade do quadro.
  23. 23. Criterios de APACHE-II. 23
  24. 24. . 24 APACHE II
  25. 25. TRATAMENTO. . 25 ALIMENTAÇÃO ENTERAL PRECOCE : RECOMENDADA NOS PACIENTES QUE EM JEJUM MAIOR A 3 DIAS E QUE NÃO APRESENTE ILEO PROLONGADO OU IMPOSSIBILIDADE DE COLOCAR UMA SONDA NASO- ENTERAL DEPOIS DO ANGULO DE TREITZ. ANALGESIAHIDRATAÇÃO HIPOGORDUROSA E RICA EM TRIGLICERIDEOS DE CADEIA MEDIA PANCREATITE LEVE
  26. 26. 26 Em casos de impossibilidade de reintrodução por VO em 5 a 7 dias. SONDA NASOENTERAL (localizada pós- ligamento de Treitz por EDA) PANCREATITE CASOS GRAVES DEM SER CONDUZIDOS EM UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA
  27. 27. 27
  28. 28. TRATAMENTO. . 28 ANALGESIA: DIPIRONA + HIOSCINA/ MEPERIDONA. Evita-se morfina. PROFILAXIA ANTIBIOTICA: CONTROVERSA . MAS GERALMENTE INICIADO IMIPENEM/ MEROPENEM DURANTE 7 A 10 DIAS SE NECROSE EM MAIS DE 30% DO TECIDO PANCREATICO
  29. 29. TRATAMENTO. 29 • Em 72h se coledocolitiase . • 24h a 48h : se colangite concomitante , testes hepaticos persistentemente anormais ou aumentando. • NA AUSENCIA DE ACHADOS : Deve ser realizada antes da colecistectomia CPRE
  30. 30. TRATAMENTO. 30 PAL : Colecistectomia em 7 dias após recuperação. COLECISTECTOMIA: EM TODOS OS PACIENTES COM PANCRETITE BILIAR. ( SE NÃO REALIZADA ACARRETA 25% A 30% DE RECORRÊNCIA DE PANCREATITE AGUDA , COLANGITE OU COLECISTITE EM 6 A 18 SEMANAS.)
  31. 31. Obrigada!! 31

×