Gestão de estoque

745 views

Published on

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Gestão de estoque

  1. 1. 1 GESTÃO DE ESTOQUE NA CADEIA DA LOGÍSTICA INTEGRADA Acadêmico (a): Karine Santos Pereira Professor – Antônio Ribeiro Centro Universitário Leonardo da Vinci - UNIASSELVITecnólogo em Logística (LOD 0159/1) – Gestão de estoque na cadeia da logística integrada. 17/10/2012RESUMOEm tese, a gestão de estoque é parte da logística integrada que busca a utilização dosrecursos de forma racional para galgar êxito em suas transações comerciais. Inúmerasquestões devem ser abordadas criteriosamente para a consecução dos objetivos. Comoatender o cliente em tempo hábil? Como manter os preços em alta competitividade? Comoevitar dispêndio no estoque? Baseado nesses questionamentos é que busco através depesquisa documental e bibliográfica, busco explanar sobre o assunto de forma sucinta,ampliar a visão do leitor para adotar as melhores técnicas de gestão para o seu modelo denegócio, incitá-lo a investigação dos ambientes para compreender se o momento é favorávelpara o aumento do estoque, enfocar a importância de uma reserva que atenda asnecessidades do mercado sem que se torne absoleto e consequentemente se perca o valor doinvestimento aplicado.Palavras-chave: Estoque. Logística integrada.INTRODUÇÃO Com a alta competitividade e maior exigência do consumidor as empresasnecessitam se adaptarem rapidamente à tendência, melhorar suas performances e agregarvalores aos seus serviços e produtos. As empresas dependem do equilíbrio do ambiente externo para o melhordesempenho nas suas atividades, entretanto esquivar-se de tantas incertezas deve ser o corebusiness para a ascensão do negócio. A logística moderna engloba toda a movimentação dos materiais desde a chegada dematérias-primas até o momento que o produto está disponível para o consumidor final. Essasincronia é a Cadeia de suprimentos ou Supply Chain. A logística tem ocupado um espaçodeslumbrante em todo este cenário, vem demonstrando que é necessária e que define todo ocontexto na negociação. No tocante à gestão de estoque é fato de que pertence a essa cadeia de logísticaintegrada e que carece de ter uma gestão minuciosa e adequada, para tanto, a avaliação dos
  2. 2. 2ambientes e as técnicas de gestão são sumarias. A aplicabilidade de um estoque salutarassocia excelentes resultados na situação econômica da empresa e abre um leque deoportunidade aos negócios.DESENVOLVIMENTOINCERTEZAS Diante de um panorama de instabilidade econômica, competição acirrada, e outrosfatores, não existem precisão quanto ao futuro. No estoque, esta inconstância ainda é muitomais tênue, pois não sabe ao certo quando e quanto estocar. Outrora os estoques eramabastecidos à espera de clientes para comprá-los e caso isso não acontecesse o materialpermanecia armazenado por muito tempo. As quantidades de taxas de manutenção e asperdas levam os gestores a repensar as formas de estocagem. Sobretudo, existem custosrelacionados ao estoque que podem onerar excessivamente as contas financeiras daorganização, além de manter um recurso estagnado que poderia ser empregado eminvestimentos que traria lucros imediatos.CUSTOS DE ESTOQUE Quando se adquire um produto automaticamente existe o custo da compra, porém oque ainda é pouco cogitado é que o armazenamento é propulsor de encargos financeiros e emmuitos casos, maiores que o custo do bem. Portanto, define-se por custos de estoque em trêscategorias.  Custo de pedir- É o custo gerado no ato da compra do material, todo o processo padrão a partir da aquisição do produto.  Custo de manter- Associado aos custos de armazenagem, seguro, deterioração e absolescência do produto.  Custo Total – É a soma do custo da obtenção do produto e o custo de manter. Objetiva-se em conhecer o real valor do material. Hong Yuh (2010) Diz: Estabelecer os níveis de estoque e sua localização é apenas uma parte do problema do controle de estoque. Considerando esse objetivo mais amplo, uma questão crítica é balancear os custos de manter e de pedir
  3. 3. 3 estoque, porque esses custos têm comportamentos conflitantes. Pág. 15 Figura 1.1 Fonte: Gestão de estoques na cadeia de logística Integrada- Hong Yuh Ching Ed. AtlasGESTÃO DE ESTOQUE Peter Wanke Logística para micro e pequenas empresas -2011 afirma: A importância da gestão de estoque bem como a necessidade de suas coordenar as suas decisões com os demais componentes das operações, tem se tornando cada vez mais evidentes nas MPE’s. De modo geral é fundamental para as MPE’s garantir maior disponibilidade de produto ao consumidor ou cliente final com o menor nível de estoque possível. (P. 72) O autor descreve a gestão de estoque para micro e pequenas empresas, destacandoa importância de se trabalhar com estoque enxuto e livre de ônus sobressalentes. Porémexistem decisões a serem avaliadas para que o estoque seja um aliado em toda a negociação.Visando a toda complexidade operacional é necessário traçar planos estratégicos e eficazes.As variações dos ambientes irão provocar os princípios de planejar, controlar eretroalimentação. O planejamento é a triagem e determina os valores que o estoque terá com o passardo tempo, planejar datas de entrada e previsão de saídas. O controle é basicamente o registrode dados e informações de acordo com o planejamento. A retroalimentação é o comparativodos dados já citados. Visa embargar os desvios e corrigir os planos, levando a torná-lo real epreciso. A gestão de estoque conta com técnicas que podem sanar problemáticas e podemcolaborar para o melhor desempenho organizacional. Para que tais técnicas sejam funcionaisdependerá da realidade que envolve o macro e microambiente.
  4. 4. 4TÉCNICA JUST IN TIME ( JIT) Modelo adotado pelo Japão no início dos anos 50 e desenvolvida na Toyota MotorCompany a princípio com o objetivo de reorganizar a produtividade, procura minimizar osdesperdícios, pôr a empresa em situação de destaque e propõe qualidade e preçoscompetitivos. Possui por bases as seguintes diretrizes:  Qualidade  Velocidade  Confiabilidade  Flexibilidade  Compromisso No JIT o suprimento é adquirido apenas para a produção solicitada pelo cliente, ouseja, o modelo make to order (sob encomenda), evita dissipação dos materiais. O contrário doque se acontecia, nesta técnica não existe acúmulo nos armazéns e as perdas sãoconsideravelmente menores, identifica os problemas imediatamente, diminui a complexidade,impõe sistemas e procedimentos.Grandes benefícios são trazidos pelo JIT:  Redução de custo  Direcionamento a poucos fornecedores  Diminuição de espaço na estocagem  Melhoria de serviços  Lead times reduzidos  Redução de resíduos Aparentemente o JUST IN TIME seria a solução ideal para todos os tipos de negócios,porém é importante ressaltar que toda introdução de novas técnicas na operação deve sermuito bem avaliada, testada e principalmente conhecer os novos rumos a serem tomados.Considerando algumas possíveis limitações do JIT.  Necessidade de fornecedor eficiente e comprometido  Funciona melhor nas empresas de pequeno e médio porte  Exigência de profissionais altamente qualificados e flexíveis
  5. 5. 5  Resistência às mudanças  Dependência de terceiros para execução de algum processo Hong Yuh (2010) fala sobre o JIT . JIT é uma derivação do sistema japonês “Kaban”. Os cartões kaban de processo de produção especificam quanto será feito (a quantidade de reabastecimento) e quando será necessário (o momento da necessidade do reabastecimento). Os cartões kaban de requisição especificam quanto será retirado do estoque do “fornecedor”. Pág. 23FLUXO DESCONTÍNUO DE MATERIAS (PUSH) Método Push em português empurrar estoque, o material é “empurrado” pela fábrica atéa distribuição para atender a demanda. Inicia-se na previsão de saídas. Produz e estoca omaterial para atender as solicitações de pronto. Esta técnica é bastante benéfica quando ofluxo de saída é superior ao de produção.FLUXO CONTÍNUO DE MATERIAIS (PULL) Esta metodologia é conhecida com Pull em português Puxar. Consiste em possuir umestoque curto que atenda a seus clientes. É uma estratégia planejada e regulada assim como oJIT busca minimizar as perdas.FLUXO SINCRÔNICO DE MATERIAIS Neste método a sincronia com o fornecedor precisa num ser lead time muito curto, nestecaso a demanda é recebida automaticamente processada e produzida. Importante ter umexcelente know-how para não falhar em compromissos firmados com o cliente.CONSIDERAÇÕES FINAIS É notório o quanto a evolução global torna necessária a reinvenção e reformulação deprojetos e práticas. As empresas necessitam abranger ao máximo de atividades em suasoperações para satisfazer plenamente as expectativas do consumidor. Todos os dias asorganizações são confrontadas com dificuldades para na tentativa manter-se em equilíbrioeconômico e financeiro. A utilização de recursos e técnicas, são capazes de contribuir significativamente paraa diminuição de custos, agilidade de produção, sobretudo qualificar seus serviços e produtos.
  6. 6. 6O estoque possui custos fixos que podem onerar seu produto final, contudo é imprescindívelconhecer as técnicas que se ajustem ao seu tipo de negócio. Por possuir várias vertentes, melhorar o desempenho das empresas, mantê-las emavanço e contribuir para vencer os desafios proposto no cotidiano, a gestão de estoque temsobressaído nas questões administrativas e de produção nas entidades. Cada empresa possuicaracterísticas próprias, e para tal, a utilização de técnicas eficazes que atenda o tipo denegócio em questão. Um estoque eficiente aumenta a lucratividade além elevar asprobabilidades excelentes de negócios.REFERÊNCIASWANKE Peter, Logística para micro e pequenas empresas - 2012 Ed. AtlasCAXITO Fabiano, Logística um enfoque prático - 2011 Ed. SaraivaCHING Yuh Hong, Gestão de estoque na cadeia da logística integrada - 2010 Ed. AtlasPANITZ E. Carlos, Dicionário da logística, Gestão de Suprimento e Operações- 2006 Ed.Alternativa

×